Anúncios

terça-feira, 14 de março de 2017

Paul McGuinness: carinho, admiração e laços estreitos com o U2 permanecem tão fortes como sempre


O ex empresário do U2, Paul McGuinness, considerado o 5° membro da banda e um dos maiores responsáveis pela banda estar na ativa há mais de 40 anos, recentemente deu uma entrevista para a Billboard, e é claro, teve que responder perguntas sobre a banda que ele gerenciou por mais de 35 anos, até se aposentar em 2013 e vender sua empresa de gestão Principle Management com sede em Dublin para a Live Nation, com Guy Oseary assumindo representação do U2.
Seu carinho, admiração e laços estreitos com Bono, Edge, Adam Clayton e Larry Mullen permanecem tão fortes como sempre.

O que o fez querer trabalhar com U2 na primeira vez que os viu?

Foi Bono. Ele era um artista extraordinário. O U2 saiu veio do ethos punk. As principais influências sobre eles no início foram Ramones e The Clash, e quando eles tiveram o jornalista Bill Graham indo em seu ensaio, ele disse, "são canções de Ramones. Não são suas músicas." Eles não esperavam que ele descobriria.

Como o U2 veio a assinar com a Island Records?

Havia dois caras muito bom em assessoria de imprensa na Island chamados Neil Storey e Rob Partridge. Eles eram fãs e eles deram um empurrão dentro da empresa. E havia duas pessoas da A & R, Annie Roseberry e Nick Stewart, que os conduziu. Chris [Blackwell] não estava realmente muito interessado no U2 no início. Mas a Island foi literalmente o único selo que quis assinar conosco. Então não foi particularmente um bom negócio no início, mas pudemos melhorá-lo desde então.

Como a turnê Zoo TV de 1992/1993 mudou para sempre o negócio das apresentações ao vivo?

A produção foi de rachar o solo. Mas também foi de quebrar o banco. Foi cara e assustadora para mim. Porque ainda estávamos operando como uma banda punk com os preços baixos. Estávamos nos colocando em risco com cada show. Se dentre esses promotores um não tivesse pago, nós teríamos ficado arruinados. Então no final da tour, que não deu nada de lucro, resolvi que nunca mais ia fazer isso novamente. As ramificações disso se espalharam em toda a indústria. Eu disse que a próxima turnê iria ser garantida por um único promotor global e foi quando nós começamos a trabalhar com Arthur Fogel e Michael Cohl. Esse acordo se tornou a Clear Channel e agora Live Nation. A relação com o Arthur é absolutamente o cerne do negócio do U2.

Você liderou a luta contra o YouTube e tecnologia de empresas em nome dos proprietários de direitos.

Foi difícil para mim às vezes porque o que eu realmente estava dizendo era que essa era de Internet é um novo meio de entrega de música que não divide sua renda com artistas, compositores, selos e editores. Então, foi fácil para algumas pessoas se voltarem contra mim e dizer: "ele só quer mais dinheiro para o U2. Já têm o suficiente." Mas na verdade o meu argumento foi compreensivo. Todos os artistas estavam sendo maltratados. E os artistas se reunindo para fazer campanha para mais dinheiro para os artistas é difícil. É muito difícil juntar uma banda para uma reunião com os membros de uma outra banda.

E sobre esta compra de ingressos e venda no mercado secundário?

Eu sei que há um sentimento de injustiça no ar. As pessoas vão online para comprar um ingresso e acho que eles têm chances iguais de conseguir este ingresso. Se dois minutos depois eles vêem o mesmo bilhetes esgotados, é um sentimento miserável. Tem que ser reconhecido que certos promotores, certos gestores e certos artistas e bandas são coniventes com isto. Você poderia dizer que é injusto que membros do fã clube do U2 tenham uma vantagem de dois dias na compra de ingressos sobre o resto do público, sabendo que muitos membros do U2.COM são operadores destes robôs. Não sei o que fazer sobre isso. Há muito disto de os ingressos serem totalmente adquiridos para venda no mercado secundário, e isto é muito ruim. Se você vender quatro ingressos pelo valor fornecido à um estudante universitário por US $100 cada, quando o show acontece seis meses depois, o valor de mercado do ingresso é de $300. Quem vai poder dizer para aquele estudante de faculdade: "você não tem direito de vender o seu ingresso e fazer um lucro"? É muito complicado. É um mercado que desafia o regulamento. Eu nunca vi uma proposta abrangente para lidar com isso de forma justa e onde é que isso vai parar? Será, em seguida, estendido a partidas de futebol e Wimbledon? Você vai limpar toda a economia da venda de ingressos?

Por que ninguém no U2 fez um álbum solo?

Não sei se eles poderiam fazer isso. Eu acho que o pensamento deles é que fazer um disco fora do U2, para se tornar mais uma gravação, e sem os outros três músicos, onde cada um conhece o outro melhor do que ninguém no mundo, não é algo que os agrade. Todos eles fazem praticamente o que querem dentro do U2.

E Bono, o ativista?

Ele é um indivíduo extremamente carismático. Ele também é um cristão muito comprometido. É o cerne do que ele faz. E ele dizia que, se a luz está brilhando em você, você pode direcionar aquela luz sobre outras questões. Estou bem ciente que ele irrita as pessoas usando sua fama para promover causas de desigualdade e injustiça. Acho que o que incomoda as pessoas é que ele faz isso ao mesmo tempo..--que diz sobre si mesmo..--como sendo uma estrela do rock rica e mimada. Ele não vai parar. Mas suas conquistas políticas e suas realizações como um ativista são muito consideráveis.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...