Anúncios

quarta-feira, 15 de março de 2017

As Revelações de Paul McGuinness


Falando no ILMC 29 com o entrevistador Ed Bicknell, Paul McGuinness deu detalhes do papel significativo que ele o U2 desempenharam no surgimento de grandes promotores multinacionais como a Live Nation e a AEG Live / Presents.
A turnê mundial do U2 de 1992-1993, ZOOTV, estabeleceu indiretamente as bases para a ascensão da Live Nation
Ele descreveu a produção como "extraordinária, foi de rachar o solo. Mas também foi de quebrar o banco. Foi cara e assustadora para mim. Porque ainda estávamos operando como uma banda punk com os preços baixos. Estávamos nos colocando em risco com cada show. Se dentre esses promotores um não tivesse pago, nós teríamos ficado arruinados. Então no final da tour, que não deu nada de lucro, resolvi que nunca mais ia fazer isso novamente. Eu tive que contar para [os então-agentes] Ian Flooks e Frank Barsalona que eu não ia usá-los mais. Isso foi um grande acontecimento. As ramificações disso se espalharam em toda a indústria. Eu disse que a próxima turnê iria ser garantida por um único promotor global e foi quando nós começamos a trabalhar com Arthur Fogel e Michael Cohl. Esse acordo se tornou a Clear Channel e agora Live Nation. A relação com o Arthur é absolutamente o cerne do negócio do U2."
McGuinness contou que como manager, seu primeiro show foi com uma banda de rock celta chamada Spud. "Eu consegui para eles um contrato de gravação, e fizemos uma curta turnê, principalmente na Alemanha e na Suécia", ele explicou. Os membros do Spud, no entanto, tinham "esposas e responsabilidades" e estavam relutantes em comprar qualquer coisa para a banda – até mesmo cordas de guitarra – e senti que os sentimentos deles estava em outro lugar. Paul McGuinness disse que achava que eles eram "muito velhos para fazer algo acontecer" e resolveu que "a próxima banda que vou empresariar será mais jovem que eles."
Ele foi apresentado ao U2 pelo falecido crítico de rock Bill Graham. McGuinness disse que o acordo de divisão em 5 partes iguais com a banda foi estabelecido desde o início. "Eu costumava ler sobre Brian Epstein, Oldham Andrew [Loog]... nos grupos que eu estava interessado havia uma parte que comandava e, em seguida, os soldados", ele explicou. "Nos Rolling Stones tinhas Mick e Keith e então todo mundo; nos Beatles eram John e Paul e em seguida George e Ringo. Isso é o que separou esses grupos. Então, eu disse ao U2: 'não vai haver dinheiro por um tempo, então o nós podemos dividir igualmente. E uma vez que há quatro de vocês e de mim, por que não dividimos tudo em cinco partes iguais?'"
No início da carreira do U2 em turnês, McGuinness descreve os shows da banda como sendo importante para estabelecer sua reputação em cada período quando seus discos não vendiam. "O U2 sempre compreendeu que tinha duas carreiras paralelas: uma ao vivo e uma de gravações", ele disse. "Não fomos bem sucedidos no início – os dois primeiros discos não tiveram boas performances, e havia a ameaça constante da banda ter que parar. Somente com o terceiro álbum, 'War', tivemos sucesso com um disco. Nessa altura éramos conhecidos em toda a América, Europa... tínhamos um estilo muito militar: nós colocamos cada país um a um como nossos alvos e tentamos construir à nós mesmos em cada um com a mesma velocidade."
"Nos anos 80" ele continuou, "tocávamos três meses nos Estados Unidos de uma só vez, todos os anos. Isso significava que tocávamos uma vez no maior número de cidades que era possível – e duas vezes em grandes cidades, e esperávamos com isso progredir de um pequeno clube para um auditório maior quando retornávamos. O primeiro show que fizemos em Los Angeles foi para 600 pessoas no Country Club, e porque tivemos apoio da K-Rock e do LA Times, teve ingressos esgotados. Quando voltamos três meses mais tarde, fomos capazes de vender 3.000 ingressos tocando no auditório Santa Monica Civic."
Paul McGuinness disse que uma consequência deste foco desde cedo nas apresentações ao vivo, é que muitos dos promotores de seus primeiros shows "foi crescendo juntamente com a gente", adicionando que "muito vezes agora são chefes dentro da Live Nation, e a sensação muitas vezes é de ainda fazer negócios com as mesmas pessoas."
A última turnê que teve supervisão de McGuinness foi a 360°, que teve a banda tocando em um palco circular com o público colocado todo em volta – e tendo ainda a maior bilheteria de turnê de todos os tempos.
Apesar do sucesso da turnê, onde ele e a banda arrecadaram mais de US$ 736 milhões, McGuinness disse que seu show favorito do U2 ainda é a primeira performance no Madison Square Garden, em 1985. "a vibe foi extraordinária", comentou.
McGuinness disse que a escala de preço para a turnê 360° foi "muito boa. Tínhamos ingressos de $25 mais longe do palco, com preços de outros lugares indo até 120 dólares, $150, todos esgotados."
"Todo mundo gostou da ideia da turnê tendo uma produção de um palco no meio do estádio com o público todo ao redor", concluiu, "mas gastou muito dinheiro, na pré-produção já estava em 30-40 milhões de dólares, e houve muita imaginação para transformá-lo em uma realidade. Eu não acho que vai acontecer algo assim novamente."
McGuinness revelou que os dias de folga efetivamente custavam US $300.000. "Havia 200 caminhões. Havia 400 pessoas viajando – mas 200 deles eram motoristas", ele disse. "Foi muito divertido de várias maneiras, mas houve um pouco de tensão, acordando cada dia pensando: 'Oh Deus, mesmo que não estamos tocando hoje, estamos gastando US $300.000'."
"O nome da turnê era minha pequena piadinha de alguma maneira, porque as gravadoras naquela época perseguiam estes negócios imorais [360º] onde tendo falhado para explorar a distribuição digital, a única coisa que eles poderiam imaginar para ganhar mais dinheiro era tirar dos artistas que estavam indo para fora fazer shows. Foi vergonhoso", disse McGuinness.
McGuinness deixou o cargo de manager do U2 em 2013: "Eu acho que eles vão continuar fazendo grandes coisas. Deixei de gerenciá-los anos atrás, em uma transação muito amigável quando compraram a minha empresa de gestão e assumiram alguns dos meus funcionários, e quaisquer direitos ou direitos inscritos nesta empresa de gestão agora são deles. De certa forma estou orgulhoso do trabalho que eu fiz ao longo dos anos, porque eu posso dizer que eles agora possuem os direitos de todas as gravações que eles fizeram, eles possuem os direitos de todas as canções que eles já escreveram, eles estão no controle completo de seu próprio ambiente criativo."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...