"Song For Someone" 360 Version

Anúncios

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

55 Anos de Larry Mullen Jr. - Parte 3


O baterista do U2 completa hoje 55 anos de idade!

Para um baterista ao vivo de verdade com uma abordagem "orgânica", é surpreendente como calorosamente Larry tem abraçado a experimentação com samplers de bateria, loops e bateria eletrônica. Embora o uso da tecnologia começou a infiltrar-se cedo na música da banda, como em "Bad" em 1984, e progrediu com um efeito espetacular em "God Part II" em 'Rattle And Hum', não foi até 'Achtung Baby' e 'Zooropa' que tornou-se parte integrante de sua maquiagem sônica. Vital para este processo tem sido o co-produtor e engenheiro Flood. Larry diz: "Ele evoluiu muito lentamente e me deu uma oportunidade de entender o que ia acontecer quando iríamos gravar 'Achtung Baby', porque nós estávamos usando um monte de bateria eletrônica e fomos capazes de encontrar um bom equilíbrio. Flood tem um vasto conhecimento de como funcionam estúdios e o uso da eletrônica, como seu trabalho com o Nine Inch Nails e Depeche Mode demonstra. Minha relação com Flood tem sido sempre sobre ter ideias básicas e torná-las especiais, usando a tecnologia disponível no estúdio. Na medida em que tocamos com samplers e coisas do tipo, muito do que é feito durante isso colocamos junto em uma canção. Pode haver algum tipo de batida ou ideia rítmica que foi usada na construção da melodia, e quando chegarmos para tocar naquilo, vai ser uma questão de talvez dar enfase à mais bateria eletrônica e usar menos da bateria real. Rock ' n roll e tecnologia. Isso é definitivamente o caminho a seguir. Para mim, não é como se eu estivesse vindo de uma posição de força, onde eu diria 'Ei, eu sei muito mais'. Estou aberto a qualquer coisa que me faça soar melhor. Máquinas fazem isso, então eu estou perfeitamente feliz com esse casamento. Na verdade estou tocando com a ajuda de máquinas e certamente melhorou cem vezes minha maneira de tocar. Pode ter havido um pouco de resistência no início porque eu acho que as expectativas para o que iria acontecer entre a máquina e o baterista eram muito grandes. Quando você trabalha através delas, você acha que não se trata de um ou outro, é o casamento de ambos os elementos para criar um ambiente musical, no qual pode conseguir o melhor trabalho. No entanto, tem de ser um casamento igual, caso contrário é desastroso. Existem alguns produtores que preferem não usar bateristas, deixando as máquinas assumirem e se concentrarem nos "músicos", mas é importante encontrar um equilíbrio."
Larry termina falando sobre o U2: "Um dos erros que cometemos foi entre 'Rattle And Hum' e 'Achtung Baby', pois não nos demos tempo suficiente para voltar à ouvir música e ser musical. Todo o processo de 'The Joshua Tree' e 'Rattle And Hum' foi tão difícil que estivemos meio que hibernando por um tempo, e quando nós nos reagrupamos, não tínhamos qualquer ideia nova. Em um nível musical, eu ainda não acredito que o U2 atingiu o seu pico e há um monte de coisas para nós fazermos. Estou ansioso para esse desafio e sem isso não há meta, sentido em continuar. Mas não quero que a gente repita qualquer coisa que fizemos. Devemos pensar fazer algo diferente, e não há como dizer o que vai ser. Eu gosto de pensar que o que acontecer será o melhor, e não o maior. Musicalmente, eu acho que o U2 é imprevisível, mas não acho que é superficial, é apenas um fato da vida. Gostamos de experimentar com diferentes produtores. Seja o que for, não tem nada a ver com os quatro indivíduos, mas o que acontece quando nos juntamos e a música que fazemos como uma unidade coletiva. A maior força da banda é que não existem limites, há nenhum limite. Você não pode ficar maior, nós fomos capazes de alcançar tudo, na maior parte em nossos próprios termos. Isso é a coisa mais gratificante para nós."

55 Anos de Larry Mullen Jr. - Parte 2


O baterista do U2 completa hoje 55 anos de idade!

A canção "Pride (In The Name Of Love)" tem uma das mais eletrizantes viradas na bateria, destes últimos 40 anos na história do rock. Larry conta como aconteceu: "Quando se tratou da gravação de "Pride" para o álbum 'The Unforgettable Fire', Danny (Daniel Lanois) foi capaz de aproveitar algumas ideias interessantes que eu tinha, mas com uma ligeira falta de foco. Minha técnica de tocar bateria era completamente subdesenvolvida e nunca tive uma chance de praticar e aprender como a maioria das pessoas fariam. Nas bandas marciais, só usei uma caixa e quando eu consegui meu primeiro kit, eu nunca aprendi como usar corretamente todos os elementos juntos. Então fui e escutei uma demo básica de "Pride" e tentei tocar uma batida usando apenas o bumbo e a caixa. Mas eu não consegui fazer o que eu queria com o bumbo, por isso desci um tom abaixo e fiz o que tinha feito no passado, e se eu não pudesse fisicamente fazer o que era necessário, eu acharia outro jeito de fazer isto. Não podia fazer o que a maioria das pessoas considerariam uma batida normal para a música, então eu escolhi alternativas. Aquelas viradas eram originalmente muito em linha reta, até que Bono me disse que não parecia o som correto. Então eu passei algumas horas até eu experimentar coisas e surgir o que você ouve na gravação. Se eu tivesse o conhecimento eu teria feito algo completamente diferente, mas acho que não teria sido nem metade interessante. Você desiste de algo para conseguir alguma coisa, e minha carreira na bateria sempre foi baseada em uma completa falta de experiência!"
Apesar de sua autocrítica afiada como uma navalha, não há dúvida que a sua abordagem única é altamente eficaz no contexto da música do U2. "Eu nunca pensei em mim mesmo como baterista do U2, mas sim como um contribuinte para o som geral. Eu fui aprendendo sobre ritmo e quando o U2 tirava uma folga, eu trabalhava com uns caras na América. Eles me mostraram como bateristas profissionais realmente tocam, porque eu realmente queria aprender. Não quis necessariamente imitá-los, mas eu certamente queria saber como se fazia."
Interessada em melhorar seu ofício, Larry praticava sempre que tinha tempo em sua casa ao norte de Dublin. Na verdade onde quer que ele estivesse em algum canto do mundo, ele tinha perto um conjunto de bateria eletrônica. "Eu tinha alguns exercícios que eu fazia, apesar de não fazê-los tão frequentemente quanto deveria. Mas eu tentava manter minha mão ocupada o mais rápido possível. Como eu disse, minha técnica de bateria deixava muito a desejar, mas chega um momento em que você pensa: 'Ei, quero ser capaz de fazer essa merda!' Eu não vou parar de fazer todas as outras coisas, mas começou a ficar um pouco embaraçoso ignorar isso!"
O kit de bateria em que Larry começou a sua carreira, ele diz, "era meio que um pesadelo." Feito por uma empresa de brinquedo de Taiwan, trazia um bumbo que Larry tinha que cobrir com pele de bezerro, devido à ausência de skins disponíveis. "Eu perseverei com este kit por muitos anos e, como um velho amigo, fiquei triste ao vê-lo ir embora", ele se lembra.
As tradições musicais de sua terra natal correm grossas nas suas veias, e Larry chegou a gravar com um instrumento de percussão irlandês, o bodhrán. "Eu toquei um em dois álbuns de U2 e também em um álbum de Nanci Griffith, apesar de eu não tocar da forma tradicional. Toquei com mallets ou minhas mãos ou alguma maneira que eu conseguisse, porque, novamente, não é algo que aprendi a tocar corretamente. Mas é um grande instrumento versátil, e que é subestimado. Isso e a Tabla são meus itens favoritos de percussão".
Quando trabalhou com o produtor Brian Eno, Larry revelou: "Existem vários instrumentos de percussão, mas o volume afeta Brian, então eu tenho que encontrar o kit que está o mais distante, para evitar irritá-lo!"
Nas gravações de discos do U2 nos anos 80, The Edge também tinha um kit de bateria, Slingerland, que era deixado de canto, para Larry tocar se precisasse.

55 Anos de Larry Mullen Jr. - Parte 1


O baterista do U2 completa hoje 55 anos de idade!

Ele não pode ser chamado de um grande fã de 'entrevistas de rock'. Ele sempre deixa isto à cargo dos outros companheiros de banda. É difícil de acreditar que a jornada épica do U2 para o sucesso começou quando Larry, com apenas 15 anos de idade, colocou um anúncio no quadro de avisos da Mount Temple Comprehensive School em Dublin, procurando músicos para formar uma banda. 40 anos depois, a banda é indiscutivelmente a mais comentada e reverenciada no planeta.
Em uma rara entrevista, Larry recorda aquele dia quando o que se tornaria o U2, ensaiou na cozinha da casa de seus pais. "Todos nós tínhamos algum interesse em música e havia cerca de seis ou sete de nós, mais um casal de amigos, fazendo uma jam session sem uma direção real. A ideia era ver quem poderia e não poderia tocar, como normalmente acontece com bandas novas. A coisa mais interessante sobre aquela reunião é que Edge e seu irmão Dick, que mais tarde tocou com o Virgin Prunes, construíram sua própria guitarra elétrica, meio funky, e que não funcionou muito bem. Todo o resto foi instrumentos emprestados ou não funcionaram, e foi bastante caótico."
Somente no dia seguinte, eles concluíram quem estaria na banda. Larry explica: "Era para quem tinha a voz mais forte e mais dinheiro. Eu guardei meu dinheiro de cortar grama para comprar meu primeiro kit de bateria. Edge tentou construir guitarras e Adam já tinha um baixo. Mas Bono estava ligeiramente em apuros e nós queríamos que ele tocasse guitarra, embora ele tenha insistido em cantar. Agora sabemos o motivo. Porque ele não tinha que comprar ou pegar emprestado nenhum equipamento."
Larry rapidamente destrói vários mitos bem documentados que caíram como "fatos" nos livros de história do U2: uma delas refere-se à um nome da banda. "As pessoas se referem à banda como The Larry Mullen Band naqueles primeiros ensaios, por falta de um nome melhor. Nós nunca tocamos sob esse nome, mas acho que isso foi feito para proteger meu ego naquela fase, porque nós tínhamos ensaiado em minha casa e quando Bono chegou ele cantava melhor do que eu, parecia melhor e simplesmente era o mais velho. Ele basicamente tirou minha chance de se tornar o líder da banda".
Ele também desmente que a banda no início tocava regularmente um cover da banda Bay City Rollers em seus shows. "Isto é besteira. Só fizemos isso uma vez para darmos risadas. Logo começamos a escrever nosso próprio material, embora ruim. Não foi até muito mais tarde, em 1978-79, que tivemos uma ideia da direção musical. A banda tinha passado por muitas mudanças e não foi uma banda que trabalhava sério até 78 ou 79".
Crescer em meados do anos 70, a principal dieta musical de Larry consistia de grandes nomes do Glam Rock, como Sweet, T-Rex, Roxy Music, Slade e Gary Glitter, cuja banda de dois-bateristas fascinava aquele jovem de Dublin. "Sabia que isto era algo que eu queria fazer. Se você ouvir a maioria das músicas daquela fase, aquelas batidas, elas são muito pra frente e possuem a rítmica de uma forma muito simples. Eu também adorava Bowie ritmicamente, ele era muito avançado, e é por isso que Ziggy Stardust e um monte de músicas dos anos 70 ainda tocam hoje. No outro extremo da escala havia Steely Dan, Bruce Springsteen e Yes, mas eu não sabia nada sobre eles, mesmo com minha irmã trazendo esses álbuns para casa. Glam Rock certamente foi a fundação das minhas influências e eu costumava pegar um par de baquetas e tocar em cima dos álbuns."
O produtor Brian Eno, que trabalhou com o U2, disse que pensou que muitos aspectos do estilo distinto de tocar bateria de Larry, e senso de ritmo, tiveram suas origens em suas experiências como um jovem baterista de banda marcial. Larry concorda: "Certamente algumas coisas sim. Estou muito interessado em ritmo e música tradicional irlandesa e é de onde eu venho. Eu toquei em um monte de bandas de estilo militar e em algum momento eu acho que isso respingou no U2. Se você ouvir os primeiro três ou quatro álbuns você pode notar esta influência. Uma das coisas que eu noto quando escuto estas coisas lá atrás é que minha música era muito simples, inventiva às vezes, mas outras vezes não havia muitas qualidades rítmicas. Quando você está tocando com dois caras como um baixista e um guitarrista, existem muitos espaços para preencher. Um bom exemplo disso é o The Police, onde encheram as lacunas de uma forma sofisticada em comparação com o U2. Nós éramos ritmicamente pouco sofisticados, e muito disso veio do fato de que quando eu estava tocando em bandas militares, lá eram outras pessoas cobrindo todas estas áreas diferentes. Você tinha percussionistas, outro baterista e três ou quatro instrumentos baixo, e havia uma confusão sobre quem exatamente deveria estar fornecendo a batida. Para mim, em bandas militares eu fornecia uma forma de ritmo, mas não necessariamente a batida +/+, e foi só depois que comecei a trabalhar com Danny (Daniel Lanois) que eu comecei a entender qual era a posição de um baterista em uma banda. Eu sei que parece estranho, mas naõ temos uma tradição rock n roll na Irlanda e quando você tem 15 ou 16 anos e está começando em uma banda como eu estava, é difícil para um baterista saber instintivamente o que fazer nesse papel. Fornece um elemento musical ou apenas uma batida? Foi um dilema... e reparei isso quando eu ouvi novamente alguns dos nossos discos antigos. Acho que é o desafio para bateristas fornecer a batida e ser inventivo, tudo de uma vez. Na música tradicional irlandesa, onde tocam bodhrans, raramente é +/+, é sempre sobre o inconvencional e outros instrumentos como spoons e bones, que fornecem +/+. Então eu acho que essas coisas têm tido uma enorme influência sobre mim."

sábado, 29 de outubro de 2016

Cantor Robbie Williams sob efeitos de cogumelos alucinógenos ao visitar casa de Bono na Irlanda


O cantor Robbie William está em Dublin para anunciar os detalhes de sua turnê 'Heavy Entertainment'. Robbie tocou na Irlanda várias vezes durante estes anos e falou de suas visitas mais memoráveis.
Ele contou que visitou a casa de Bono durante sua fase "psicodélica". "E com isso quero dizer cogumelos alucinógenos", disse ele.
Williams se lembra de ficar hipnotizado por uma pintura na casa de Bono. Ele elogiou o cantor sobre o trabalho de arte, e então Bono respondeu: "Robbie, isto é uma janela."

Do site: Irish Independent

A homenagem à Dennis Sheehan em 'U2: iNNOCENCE + eXPERIENCE Live In Paris'


No DVD e Blu Ray de 'U2: iNNOCENCE + eXPERIENCE Live In Paris', os créditos finais são acompanhados do áudio da canção "40" e incluem uma dedicação especial à Dennis Sheehan, como visto na imagem desta postagem. A versão de "40" é a de do antológico 'Under A Blood Red Sky'.
Sheehan faleceu de parada cardíaca em seu quarto no Hotel Sunset Marquis quando a banda realizou um show da turnê em Los Angeles. Ele trabalhava com o grupo desde 1982, como gerente de turnês.
O uso de "40" nos créditos e a homenagem, Bono explica o motivo: "Nós fizemos um disco ao vivo lá atrás... chamado 'Under A Blood Red Sky'. Nós costumávamos terminar o show com "40". E o que aconteceu naquela noite em Red Rocks, é que ninguém estava cantando o refrão. Então nós estávamos nos bastidores tentando descobrir o que estava acontecendo e tentando fazer acontecer. Ouvimos esta voz solitária, uma voz única, cantando 'quanto tempo cantaremos esta canção' (how long to sing this song) — uma voz clara, um belo tremolo. E era a voz de Dennis Sheehan, tentando fazer todos cantarem, e eles fizeram. Esta canção é uma homenagem à ele".

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Nas gravações de 'Sightings Of Bono'


Gerard Beirne é um autor irlandês. 'Sightings Of Bono' é uma 'short story' cult, escrita por ele. Ele narra o conto de uma menina que vê Bono em toda parte e se torna obcecada com seus avistamentos, registrando todos eles em um diário, até que eles começam a ameaçar sua existência no dia a dia.
'Sightings Of Bono' foi adaptado para o cinema da Irlanda e contou com a participação do próprio Bono.

O curta-metragem de aproximadamente 7 minutos de duração foi produzido pelo site AllIrelandMusic.com, que teve totais direitos sobre o curta, e disponibilizado em 2000. Foi dirigido por Peter Kavanagh, e produzido por Orla Bleahen-Melvin e Tim Palmer. Ele é baseado no conto de mesmo nome e adaptado por Kathy Gilfillan.
As gravações aconteceram em Dublin em setembro de 1999, e Bono gravava com o U2 o disco 'All That You Can't Leave Behind'. Bono chegou relaxado e feliz no set na tarde de um domingo, para filmar as cenas interiores. Entre as cenas, Bono sentava e descansava no lado de fora com os amigos e a equipe, para deleite dos turistas, fãs e os transeuntes. Bono muito simpático conversava com todos, incluindo uma criança à quem ele deu um conselho: "Vote Em Bono".
Quando o curta foi lançado, a imprensa não conseguiu falar com Bono, já que ele estava ensaiando com o U2 para uma apresentação promocional no Irving Plaza em Nova York.
As cenas exteriores para a produção foram gravadas na frente do Abrakebabra na Stephen St. onde uma multidão se reuniu para ver o vocalista.
Além de Bono, o filme conta com a atuação da atriz irlandesa Marcella Plunkett, que interpreta a personagem Ellen.


A trilha sonora traz apenas duas canções: "Sweetest Thing" do U2 e "Miss Sarajevo" do Passengers.

"Chiba City Blues": a faixa inédita cedida por The Edge para documentário sobre William Gibson


'William Gibson: No Maps For These Territories' de 2000, é um documentário independente feito por Mark Neale, apresentando o autor William Gibson. Neale também trabalhou com o U2 em seu vídeo para "Lemon". Gibson baseou vagamente seus personagens que compõem a banda Lo/Rez, em suas experiências com o U2. E U2 anteriormente tinha contribuído com música para o audiolivro de seu romance 'Neuromancer'. Este documentário acabou juntando todos eles.
Neale explica como surgiu a conexão com o U2: "Começou quando eu perguntei para The Edge se ele faria qualquer música para o filme. E ele fez, ele me deu uma faixa inédita para isso. Mas então temos que falar de Gibson. Não me parece [que havia] nada de anormal em entrevistá-lo. Mas o fato é que existem muito poucas pessoas além de Gibson no filme... É em parte porque a música [de The Edge] está lá, em parte porque eles são o U2, e é uma boa maneira de atrair a atenção das pessoas. E depois há o fato de que dentro da ficção [de Gibson]... em Idoru e All Tomorrow’s Parties, há esta banda Lo/Rez, que são vagamente, muito vagamente modelados ou inspirados no U2. Gibson obviamente pegou sua experiência com o U2 para ajudar a criar os personagens dessas grandes estrelas de rock."
No filme, The Edge contribui com uma faixa instrumental que foi produzida por Brian Eno, chamada "Chiba City Blues" (da fase de gravações de 'Original Soundtracks 1' de 1995). Por cima da peça, Bono lê o livro de Gibson, 'Neuromancer', e The Edge e Gibson falam sobre o livro. Mais tarde no filme Bono lê uma linha de All Tomorrow’s Parties de Gibson: "That Laney had never been able to quite grasp the nature of this reality hadn’t surprised him. Rez was a law unto himself, very possibly the last of the pre-posthuman megastars". Finalmente, no final do filme, Bono lê a peça de Gibson Memory Palace, em um trecho que é acompanhado pela instrumental "JJ Leaves LA" de Daniel Lanois.
Bono participa lendo trabalhos de Gibson, e não canta em nenhum momento do documentário.
O filme inteiro têm 88 minutos e foi lançado em DVD pela LOPD, em 2003.



Agradecimento: U2 Songs (antigo U2 Wanderer)

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Willie Williams recorda um momento especial na apresentação do U2 em Sarajevo em 1997 na turnê Popmart


Dirigido por Maurice Linnane, o videoclipe de "Miss Sarajevo" lançado em 1995 foi filmado no Parco Novi Sad, Modena, Itália, e em Sarajevo, na Bósnia.
O vídeo é uma montagem de três eventos diferentes: o concurso de beleza descrito na canção, que aconteceu em Sarajevo em plena guerra (Guerra da Bósnia), o desempenho original da canção no concerto 'Pavarotti and Friends' em 1995, e um passeio através das ruas de Sarajevo, devastada pela guerra, sob fogo das tropas nas proximidades.
Dois anos depois, um momento histórico: o concerto do U2 em Sarajevo, no Koševo Stadium — situado em Sarajevo, capital da Bósnia e Herzegovina — no dia 23 de setembro de 1997. Foi o primeiro show que aconteceu no país, desde o fim da Guerra da Bósnia, ocorrida entre os anos de 1992 e 1995. Com a ajuda de embaixadores das Organizações das Nações Unidas (ONU) e as tropas de manutenção da paz, o U2 marcou o show. O concerto reuniu pessoas de diferentes etnias e que já haviam se enfrentado durante a guerra, e o serviço de trens foi retomado temporariamente para permitir que frequentadores de shows participassem da apresentação.
Brian Eno, que participou do show, disse: " Em um ponto o U2 dedicou uma canção para os soldados britânicos da ONU, que estavam muito desmoralizados naquele ponto. O público todo aplaudiu a força de manutenção da paz. Estas tropas estavam em lágrimas. A multidão aplaudiu mais e mais."
Willie Williams, diretor criativo das turnês do U2, comentou também sobre um momento muito emocionante para ele na apresentação: "Depois do show, enquanto a multidão ia embora, um momento bastante curioso, mas muito comovente ocorreu. As tropas estavam esperando na arquibancada, enquanto a maior parte do público saia, e de alguma forma, espontaneamente, a multidão começou a aplaudir as tropas. Isto se transformou em uma grande ovação de aplausos, e foi quando que os soldados aplaudiram a multidão em retribuição. Foi um belo momento."

Quem comprasse uma cópia de 'All That You Can't Leave Behind' na Birmânia em seu lançamento, poderia ficar 20 anos na prisão


Em novembro de 2000, na Birmânia (atual Myanmar), a Inteligência Militar SPDC [Estado de Paz e do Conselho de Desenvolvimento] emitiu uma ordem de restrição à importação de revistas, jornais e fitas que continham o nome de Daw Aung San Suu Kyim e infratores estariam condenados a um mínimo de 3 anos a um máximo de 20 anos de prisão. Eles também proibiram a venda do recém lançado álbum 'All That You Can't Leave Behind' do U2, que incluia a canção "Walk On". Quem adquirisse uma cópia do álbum por contrabando, sofreria a mesma pena.
O álbum foi banido porque a canção é dedicada à Aung San Suu Kyi e o movimento pela democracia na Birmânia (nomenclatura mais antiga). Aung San Suu Kyi é política de oposição birmanesa, vencedora do Prêmio Nobel da Paz em 1991 e secretária-geral da Liga Nacional pela Democracia. Quando o álbum foi lançado, o site U2.COM tinha uma página chamando a atenção para a situação política na Birmânia, onde dizia que 8 milhões de pessoas haviam sido expedidas ao trabalho forçado e 500 mil pessoas eram alvos de campanhas de limpeza étnica.
O site oficial do U2 se manifestou sobre o banimento do disco, dizendo que "Não podemos levar nenhum crédito nisso. Culpar a banda por dedicar a faixa "Walk On" à líder pró-democracia Aung San Suu Kyi e por encorajar os fãs nas notas do encarte do álbum para apoiarem o povo da Birmânia, que vivem sob uma ditadura militar repressiva."
Devido à isso, a canção logo se tornou uma das favoritas ao vivo pelo público na turnê Elevation, onde provou ser poderosa ao introduzir milhares de pessoas a campanha pela liberdade e democracia no país. Na turnê 360°, fãs usavam máscaras de Aung San Suu Kyi quando a canção era tocada.
Mais de dez anos após o lançamento da canção, Aung San Suu Kyi, libertada da prisão domiciliar, visitou Dublin onde Bono presenteou ela com o prêmio 'Embaixadora Da Consciência' da Anistia Internacional.

Vídeo: um cover da guitarra de "Kite"


O músico e colaborador do blog, Márcio Fernando, nos envia um vídeo dele fazendo um cover da guitarra de "Kite" do U2, utilizando um backing track de uma versão ao vivo da canção, que inclui a introdução estendida "future needs a big kiss".

U2 grava um tributo musical para a TXFM antes do encerramento de suas transmissões


Ontem foi o último dia de transmissão da estação de rádio indie/alternativa TXFM, no ar de alguma forma desde 1996.
Quase duas décadas de brincadeiras e músicas chegou ao fim ontem à noite, mas não antes de uma homenagem especial do U2, que foi ao ar pouco antes do encerramento das transmissões.
A banda não se esqueceu de suas raízes, e todos na TXFM, bem como seus ouvintes, apreciaram o tributo musical da maior banda de rock da Irlanda.

Com Bono agradecendo, ao fundo o U2 tocou um trecho da canção "Volcano" (anteriormente os riffs de "Glastonbury").



Do site: Breaking News

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Maserati Ghibli 4.9SS de 1972 que pertenceu à Adam Clayton estará em leilão em Londres


Um carro que pertenceu à Adam Clayton do U2 está entre 60 veículos que estarão sendo oferecidos em 29 de outubro no leilão inaugural The Classic & Sports Car Show no Alexandra Palace, em Londres.
O Maserati Ghibli 4.9SS de 1972 pertenceu ao baixista do U2. É um dos apenas oito construídos com volante à direita. A estimativa é de £ 240.000 à £ 280.000 ($ 295.000 à $ 345.000) no carro que foi de Adam Clayton.


Do site: Classic Cars

O verso de "Beautiful Day" modificado por Bono em tributo à Nova Orleans devastada pelo Furacão Katrina


The Edge ajudou a iniciar a campanha 'Music Rising', para arrecadar fundos e ajudar o retorno dos programas de música às escolas em Nova Orleans, que tinha sido devastada em 2005 pelo Furacão Katrina. Para esta organização, o U2 juntou forças com o Green Day para uma cover da canção do Skids, "The Saints Are Coming". A canção também contém um pequeno pedaço de "House Of The Rising Sun". Esta versão do clássico do The Skids, foi gravada para a coletânea U218 Singles, e também seria lançada comercialmente junto com um single promocional.
Antes do lançamento da versão de estúdio desta música, U2 e Green Day tocaram uma versão ao vivo em 25 de setembro de 2006, no jogo de abertura do time de futebol americano New Orleans Saints. Durante esse desempenho, The Edge se juntou com o Green Day no palco para tocarem "Wake Me Up When September Ends", e em seguida, o outros integrantes do U2 apareceram e juntamente com o Green Day apresentaram "The Saints Are Coming", com um trecho de "Beautiful Day".

Foi então que Bono modificou o verso e cantou:

See Gentilly and Lakeview
Crescent City right in front of you.
Birds sing in broken trees
coming home to New Orleans.
Lower Ninth will rise again
above the waters of Lake Ponchartrain.
See the bird with the leaf in her mouth.
After the flood all the colors came out.

Veja Gentilly e Lakeview
Crescent City bem na sua frente.
Pássaros cantam em árvores quebradas
voltando para casa em Nova Orleans.
Lower Ninth ressuscitará novamente
acima das águas do Lago Ponchartrain.
Veja o pássaro com a folha em sua boca.
Depois do dilúvio saiu todas as cores.

Nenhuma cidade tem mais músicas que levam nomes de seus bairros, ruas e pontos turísticos, então Bono foi nessa direção. Aproveitando a citação do dilúvio bíblico, depois surgindo um lindo dia, a multidão claramente entendeu a mensagem. Bono finalizou dizendo: "Fats Domino — você é belo! Allen Toussaint — você é belo! Art Neville — você é belo!"

Segredos Revelados: U2 faria a trilha sonora do filme 'Um Tiro De Misericórdia', de Phil Joanou


'Um Tiro De Misericórdia' é um filme lançado em 1990. Terry Noonan (Sean Penn) passou 10 anos longe de Nova York, sem explicar o porquê. Quando retorna, ele descobre seu amigo de infância Jackie (Gary Oldman) está envolvido com a máfia irlandesa, comandada pelo irmão Frankie (Ed Harris). Terry também reacende sua paixão por Kathleen (Robin Wright), irmã de Jackie e Frankie. Agora ele se encontra dividido entre fazer o que é certo e a lealdade com aqueles ao seu redor, além de ter um segredo explosivo que pode destruir a todos.

O diretor é Phil Joanou. Seu primeiro filme, Three O’Clock High (o clássico Te Pego Lá Fora), foi produzido pela Amblin e teve Steven Spielberg apoiando. Então em 1988 ele dirigiu 'Rattle And Hum' do U2, financiado pela banda, e que depois venderam para a Paramount, mas ele teve total apoio do grupo e fez do jeito que gostaria de fazer.
O diretor fez uma revelação: "Originalmente, o U2 iria fazer a trilha sonora do filme 'Um Tiro De Misericórdia'. Levei a Dublin e mostrei para eles, em 1989, e eles gostaram. Eles estavam no meio das gravações para 'Achtung Baby', que foi de um projeto de seis meses para um projeto de um ano todo, e um dia Bono me ligou e disse: "Posso te dizer uma coisa? A gravação do nosso álbum está se alongando, e não estará pronto para podermos dedicar tempo e energia para seu filme." Eu sentei e pensei: "Quem eu vou conseguir para substituir o U2?" O produtor, Ron Rotholz, disse: "E Ennio Morricone?" Eu disse, "Ah, esquece. Não há nenhum jeito da Orion nos deixar ir para Roma e tentar Ennio Morricone. Ele é um dos caras mais caros que existe." Ele tinha acabado The Untouchables e Casualties of War. Ele ainda estava no seu auge.
Fui à Orion e disse: "Ei, escute, perdemos o U2. E Ennio Morricone?" Eles disseram: "Fantástico. Vá até ele e vê se consegue trazê-lo". Então minha editora Claire Simpson e eu fomos para Londres com o filme. Chegamos à sala de projeção do Ennio em Roma, e Ennio estava nos esperando no saguão. Ele sempre fala através de um intérprete, estávamos carregando as latas de filme e o intérprete disse: "Sr. Morricone diz que vocês dois podem levar o filme lá em cima para a sala de projeção enquanto esperam o diretor." Eu disse: "Eu sou o diretor, e esta é a editora" e eu pude ver o cara rolar os olhos para cima, como: "No que eu fui me meter? Ninguém me disse que era um garoto." Ele odiava temp track (pedaço de música ou áudio que é usado em um filme durante sua fase de produção), que foi escolhida quando eu pensei no U2 para fazerem a trilha, mas então Ennio veio e tivemos um ótimo relacionamento de trabalho. Foi muito divertido. Ele sentava em seu piano e entrávamos através dos temas. Foi realmente emocionante para mim, porque esse é o cara que fez The Good, The Bad And The Ugly, sabe?"

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Morre Pete Burns, vocalista da banda Dead Or Alive, que participou de um disco tributo ao U2


Pete Burns, vocalista da banda Dead Or Alive, morreu aos 57 anos. Ele sofreu um ataque cardíaco no domingo (23). "Toda sua família e seus amigos estão devastados com a perda desta estrela especial", diz o comunicado.

Peter Jozzeppi "Pete" Burns nasceu em 1959, na Inglaterra. Ele formou o grupo Dead or Alive em 1980, com o qual gravou hits dançantes como "You Spin Me Round (Like A Record)" e "Brand New Lover".


Pete era conhecido por vestir roupas de mulher e maquiagem. Ele foi casado por 28 anos com a estilista Lynne Corlett.

O Dead Or Alive participou de um disco tributo ao U2 chamado 'We Will Follow', onde regravaram "Even Better Than The Real Thing", em 1998. A canção foi lançada também em um EP do Dead Or Alive, "You Spin Me Round".



Em uma coletânea de remixes e canções inéditas, chamada "Fragile", no ano 2000, eles incluíram uma outra versão da gravação:



"Even Better Than The Real Thing" (Dance Remix - Richie Smyth)


Este videoclipe faz uso de um vídeo que o U2 filmou para uma série de projetos. Os dançarinos Day-Glo e algumas das filmagens da performance foram registradas em Londres no Pinewood Studios. Outras imagens foram filmadas no Borsalino Night Club, em Tenerife, bem como algumas imagens em torno de Tenerife durante o Carnaval. E há também algumas cenas incluídas da gravação do videoclipe de "Mysterious Ways" em Marrocos e a filmagem do U2 vestidos de drags para o videoclipe de "One". Este vídeo é misturado com imagens gráficas coloridas, imagens de constelações de estrelas. O vídeo é sonorizado com a versão Radio Edit do remix "The Perfecto Mix" da canção.



Da nova seção do site: U2 Songs (antigo U2 Wanderer)

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Foi ideia de The Edge tocar "Wake Me Up When September Ends" para a reabertura do Superdome


A música "Wake Me Up When September Ends" foi escrita pelo Green Day (com Billie Joe Armstrong compondo as letras) e produzida por Green Day e Rob Cavallo. Inicialmente muitos fãs debateram sobre qual seria o verdadeiro significado da canção. Mais tarde, Billie Joe revelou para o público que a música era uma espécie de homenagem para seu pai, um músico de jazz, que morreu quando ele (Billie Joe) tinha apenas 10 anos de idade.
A música acabou se tornando, eventualmente, um tributo para as vítimas do Furacão Katrina. Uma versão ao vivo da música, gravada dia 3 de Setembro de 2005 no Gillette Stadium, em Foxborough, Massachusetts foi lançada logo em seguida, dedicada para as vítimas do furacão.
No show antes do jogo Monday Night Football entre o New Orleans Saints e o Atlanta Falcons, o primeiro jogo jogado no Superdome em Nova Orleans após o furacão Katrina, em 25 de Setembro de 2006, apesar do set ser mais lembrado pela performance de U2 e Green Day com "The Saints Are Coming", na verdade tudo começou com "Wake Me Up When September Ends". A canção foi tocada pelo Green Day com a ilustre presença de The Edge e de sua Explorer.
Horas antes do espetáculo, Billie Joe Armstrong revelou no Good Morning America: "Foi ideia do Edge interpretar a canção. Não era essa a intenção para as pessoas adotarem a música, mas uma linha como 'lá vem a chuva novamente' — começou a ter esta sensação estranha em cima dela."

O verso na canção é:

Aí vem a chuva novamente
Caindo das estrelas
Embebida na minha dor de novo
Tornando-se quem nós somos
Como as minhas lembranças descansam
Sem nunca esquecer o que eu perdi
Me acorde quando setembro acabar

The Edge disse para a revista Rolling Stone que a performance como um todo era "sobre o renascimento e o futuro e as coisas voltando ao normal", e "Wake Me Up When September Ends" foi cantada na perspectiva de quem está esperando por um renascimento. Ela deu um ponto de partida ao set emocionalmente ferido, de que as coisas poderiam ficar melhores.

Bono teve que se explicar depois de ter ido de The Fly no protesto em Sellafield


Em 1992, o U2 virou notícia quando ajudou o Greenpeace numa campanha contra a construção de uma usina nuclear na Inglaterra, chamada Stop Sellafield. A banda esteve no local para protestar, mas a mídia escreveu que a banda corria o risco de manchar a sua imagem de banda de protesto. O motivo? Bono foi como seu personagem The Fly, o que poderia confundir o público sobre a seriedade da coisa.
Bono teve que se explicar depois: "Bem, eu sempre pensei no Fly como um tipo de fusão de um cara. Não quero colocar muita ênfase sobre este personagem, mas você tem que encontrar novas maneiras de dizer as mesmas coisas, você realmente tem que fazer. Não acho que é uma contradição em encontrar-se na praia em uma usina nuclear usando esses óculos de sol. Acho que é muito surreal, e mesmo assim foi divertido para nós. Estávamos cientes de quão ridículo era."

sábado, 22 de outubro de 2016

Bono: "Você precisa lembrar que estar no U2 é como estar no sacerdócio. Há apenas uma maneira de deixar isso – que é estando em um caixão"


É impossível imaginar o U2 sem o seu carismático vocalista, Bono.
Paul Hewson foi o último a chegar na cozinha de Larry Mullen, praticamente levado até a porta, atendendo à um anúncio colocado em 1976 no mural da escola Mount Temple em Dublin, procurando músicos para formar uma banda.
Ele era um aspirante à guitarrista, mas não podia tocar o instrumento. Poucos minutos após estar ali apertado com outros músicos em torno do kit de bateria de Larry, na presença do baixista Adam Clayton e o guitarrista Dave Evans, mesmo com sua falta de habilidade, o baterista Larry Mullen viu muita energia naquele indivíduo e sugeriu que ele tentasse os vocais.
Depois daquele ensaio de aproximadamente 40 minutos, bem, o resto é história.
Bono, 56 anos, Larry Mullen Jr, 54anos, The Edge, 55 anos, Adam Clayton, 56 anos, venderam 170 milhões de discos, é a banda que mais faturou prêmios Grammy e tiveram a maior bilheteria de shows ao vivo de todos os tempos.
A banda completou 40 anos de existência, e Bono insiste que não há mais por vir. "Você precisa lembrar que estar no U2 é como estar no sacerdócio. Há apenas uma maneira de deixar isso – que é estando em um caixão".
Bono, que conheceu a sua esposa Alison Stewart na escola, só recentemente compreendeu totalmente que a força motriz para o sucesso do U2 vieram dos eventos angustiantes de suas juventudes.
Este é o motivo deles terem ido para casa para gravar o seu mais recente álbum, 'Songs Of Innocence'.
Ele diz: "Voltamos para a Dublin onde tudo teve início e começamos a perguntar: 'por que começamos a fazer isto?' e 'O que isso ainda significa para nós?' Encontrei um monte de coisas ruins que aconteceram. Um monte de coisas ruins foram desenterradas."
"Raised By Wolves" é sobre um bombardeio em Dublin, em maio de 1974, quando Bono tinha 14 anos, e 33 pessoas foram mortas.
Apenas quatro meses após o evento traumático, a mãe de Bono, Iris, morreu de um aneurisma cerebral, enquanto estava no funeral do seu próprio pai. Bono disse: "Eu tinha raiva e tristeza por causa da morte da minha mãe. Eu canalizava essas emoções na música. Eu ainda faço isso."
No entanto, Bono acha seu pai Bob, que morreu em 2001, teve a melhor opinião sobre ele musicalmente. "Ele disse: você, Bono, é um barítono que pensa que é um tenor. E essa é a história da minha vida, ali."
Bono revelou: "Até hoje, quem me dera que o U2 fosse uma banda melhor. Quem me dera que fossemos uma banda mais talentosa. É doloroso lembrar daqueles dias que eu escrevia algumas canções. Toda vez que ouço uma música do U2 na rádio, eu me encolho. Você quer saber o meu momento mais humilhante do U2? Where The Streets Have No Name. Quando eu escrevi essas letras eu estava em uma tenda na Etiópia. Rabisquei alguns pensamentos: 'Eu quero correr, eu quero me esconder, eu quero derrubar as paredes que me seguram lá dentro'. Eu pensei que elas eram bastante fúteis, mas quando gravamos a música, essas palavras permaneceram. Agora tenho para cantá-las pelo resto da minha vida. E é a mais bem sucedida canção ao vivo do U2!"
Bono finaliza: "Se a experiência me ensinou alguma coisa, é que alegria é um ato de desafio para o mundo. A diversão, as brincadeiras - o momento em que você entrar, estar totalmente nele. Morte e mortalidade? Eu respondo com alegria. O U2 surgiu para preencher um vazio, um buraco no meu coração."

Do site: The Mirror

"When Love Comes To Town" na interpretação de Steve Stockman


Steve Stockman, autor do livro 'Walk On: A Jornada Espiritual Do U2', em seu blog Soul Surmise:

'Rattle And Hum' foi um filme e álbum do U2, explorando a música americana que os fascinava. É difícil imaginar aquela influência em 'Boy'. Os Ramones e Patti Smith foram mais imediatos para eles no final da adolescência. Como cresceram, no entanto, viajaram pela América e tornaram-se mais conscientes de suas ricas tradições na música. Era algo bom para jovens artistas em desenvolvimento, explorarem.
Então o U2 escreveu sobre Bill Holiday, citou Miles Davis, gravou no Sun Studios e escreveu com Bob Dylan. Era inevitável que isso os levaria para o blues e o gospel. Então escreveram uma canção para BB King.
"When Love Comes To Town" vê Bono em seu elemento. O mais secular, mesmo ateu, dos artistas; são confortáveis cantando sobre Deus e Jesus quando é no gênero do Gospel, Espiritual e Blues. Desde a sua descoberta da ala direita fundamentalista americana do cristianismo, o U2 havia sido um pouco auto-consciente sobre ser explícito sobre fé. Havia um medo de ser deturpados.
Colocando-se na pele de um escritor de blues espiritual, foi a libertação de Bono. Em "When Love Comes To Town" não temos apenas Jesus recebendo a crucificação. Antes de chegarmos ao Calvário... temos um pouco de uma viagem de trem. Sim, Woody Guthrie estava sempre usando trens e "This Train Is Bound For Glory" é trazido à mente. No entanto, esta é mais "People Get Read" de Curtis Mayfield em sua sensação e sentido de salvação e libertação eterna final.

O amor vem à cidade, eu vou pular daquele trem
When love comes to town I'm gonna catch that flame
Quando o amor chegar à cidade eu vou pegar aquela chama
Maybe I was wrong to ever let you down
Talvez eu estava errado para te deixar para baixo
But I did what I did before love came to town
Mas eu fiz o que eu fiz antes do amor vir à cidade

Bono contou no livro U2 BY U2 quando mostrou a canção para B.B King:

"Houve um momento profundamente humilhante quando eu observava aquele grande homem lendo a letra. Ele me disse: 'você é muito novo para escrever essas letras pesadas'."

A experiência de fé do U2 como adolescentes era a certeza de que eles sempre iriam escrever letras pesadas. Eles estavam fazendo perguntas cósmicas e foram imersos nas histórias literárias, literatura e ideias das Escrituras.
"When Love Comes To Town" é sobre traição, sim... mas é em última análise, sobre redenção. Se encontra quase parafraseando o velho espiritual Were You There (When They Crucified My Lord). Foi publicado em 1899 no Old Plantation Hymns:

Were you there when they crucified my Lord? (Were you there?)

Were you there when they crucified my Lord?

O Sometimes it causes me to tremble! tremble! tremble!

Were you there when they crucified my Lord?

Were you there when they pierced him in the side? (Were you there?)

Were you there when they pierced him in the side?

O Sometimes it causes me to tremble! tremble! tremble!

Were you there when they pierced him in the side?

O segundo verso parece ter estado na mente do Bono quando ele escreveu:

I was there when they crucified my Lord
Eu estava lá quando eles crucificaram meu Senhor
I held the scabbard when the soldier drew his sword
Eu segurei a bainha quando o soldado sacou sua espada
I threw the dice when they pierced his side
Eu arremessei os dados quando eles trespassaram seu lado
But I've seen love conquer the great divide
Mas eu tenho visto amor conquistar o grande divino

Para o cristão a crucificação é o trabalho de conquista de Cristo, seguido como é com a ressurreição de Cristo. A grande divisão é conquistada. O amor chegou à cidade.

Arquivo "One" (Version 1 - Anton Corbijn)


Houve uma série de videoclipes lançados para "One". O primeiro foi lançado na MTV na semana de 4 de março de 1992. Foi o vídeo dirigido por Mark Pellington, trazendo os búfalos correndo. Duas semanas mais tarde a MTV estrearia uma segunda versão do vídeo produzido por Phil Joanou, sendo bastante exibido, e não retornaria para esta versão até 1 de abril, onde passou a ter alta rotação junto com o outro vídeo. Na semana de 20 de maio, uma terceira versão do vídeo, por Anton Corbijn, foi ao ar e também foi muito exibido.
Esta versão por Anton Corbijn está listada no VHS 'Achtung Baby - The Videos, The Cameos And A Whole Lot Of Interference From ZooTV' como versão 1, no entanto, foi a terceira versão que foi lançada. O vídeo foi filmado em Berlim, onde a música teve origem, e este é o vídeo que apresenta od trabants, a banda vestida de drags, o pai de Bono e um monte de imagens no Hansa studios, onde a banda havia trabalhado na canção inicialmente, e onde eles são mostrados tocando a faixa durante o videoclipe.
As receitas do single foram doadas para instituições de caridade na luta contra a AIDS. The Edge explica: "não queríamos nos envolver em trazer de volta a questão da AIDS para o reino da sexualidade e tudo isso graças a Deus parece ter ido além disso. Não valia a pena o risco das pessoas imaginando que estaríamos dizendo algo sobre a questão da AIDS através das imagens de drags, e não estávamos realmente tentando dizer nada disso. Então, infelizmente tivemos que descartar o vídeo."
Então em vez do vídeo de Corbijn, a banda olhou para outras opções. E o vídeo de Corbijn foi retido durante vários meses enquanto ele era editado, tendo removido algumas cenas da banda vestidos de drags, e também removeram algumas das imagens de Bob Hewson. A banda olhou primeiro para usar imagens do vídeo que tinham na mão para a turnê Zoo TV, filmado por Mark Pellington e tentaram adicionar algumas imagens da banda, mas no final decidiram lançar o vídeo sem as imagens da banda. E na pressa chamaram Phil Joanou para fazer um vídeo diferente para a música. A versão de Anton Corbijn eventualmente iria ao ar, mas vários meses depois a canção estreou como um single. O corte original do vídeo não foi disponibilizado até 2005, quando a compilação 'The Work of Director Anton Corbijn' foi lançado. Com esse lançamento, vimos que um número de imagens da banda de drags foram removidos. Aqueles que desejam identificar esta versão 'Directors Release' podem fazê-lo – a imagem inicial da versão 'Directors Cut' é a silhueta da cabeça de Bob Hewson, e nesta edição, em vez disso , vemos um zoom da imagem de Bob.



Da nova seção do site: U2 Songs (antigo U2 Wanderer)

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Bono: "meu vocal em 'POP' não é muito bom"


No ano 2000, Bono disse para um repórter da Rolling Stone, que ele havia passado por um grande susto relacionado à sua saúde, mas que não iria comentar sobre o assunto.
Uns anos depois, Bono deu detalhes em uma outra entrevista para a mesma Rolling Stone:

"Em um certo ponto, pensei que estava com câncer na garganta, o que teria encerrado as gravações de 'All That You Can't Leave Behind'. Não contei nada para a banda. Minha voz estava fraca já há cerca de cinco anos. Tudo começou depois da turnê Zoo TV. Você realmente pode ouvir isso. Parecia que estava perdendo a potência. O vocal em 'POP' não é muito bom. Eu tive muita dificuldade de fazer a turnê Popmart. Não sabia se era a minha voz, ou qualquer outra coisa. Não quero fazer drama sobre isso, mas na verdade é um drama quando você pensa que poderia não estar presente para ver seus filhos. Mas felizmente estou longe disso."

O trabalho de Roy Lichtenstein que ganhou vida nos shows do U2 na turnê Popmart


Em 1997, para a turnê Popmart, o U2 estava inspirado pela arte de Roy Lichtenstein, e então animaram suas pinturas para o telão do show. Confira abaixo um trecho da pintura que ganhou vida para os shows do U2, usada na performance de "Bullet The Blue Sky"!

Bono: uma nota de 20 dólares para um garoto vendedor de chicletes no Rio De Janeiro


São Paulo, segunda-feira, 26 de janeiro de 1998.

Jornal Folha De São Paulo

Churrasco e boate em Ipanema, ensaio de escola de samba na quadra do Salgueiro e viagem a uma praia de Angra dos Reis marcaram ontem no Rio o dia -e a madrugada- do irlandês Bono, vocalista do grupo de rock U2.
A banda se apresenta amanhã no autódromo Nelson Piquet (Jacarepaguá, zona oeste do Rio) e sexta-feira e sábado no estádio do Morumbi, em São Paulo.
Entusiasmados com Angra dos Reis (no litoral Sul do Estado) e temerosos com o mau tempo, Bono e o guitarrista The Edge avisaram que passariam a madrugada de hoje na ilha onde estão.
De helicóptero, eles voltam hoje para o Rio, onde às 18h30 testarão o som do show 'Popmart'.
Irritado com o assédio de fãs e jornalistas, o baixista Adam Clayton ficou no hotel Copacabana Palace (zona sul).
A chegada do baterista Larry Mullen ao Rio estava prevista para ontem às 23h.
No sábado à noite, Bono apareceu na porta do Copacabana Palace, onde está hospedado na suíte presidencial, às 22h.
O líder do U2 e sua "entourage" foram jantar na churrascaria Porcão, em Ipanema (zona sul). A mesa do cantor tinha mais de 20 pessoas e estava cercada por outra com seguranças.
O restaurante estava cheio e sua presença não causou confusão. Bono só se levantou na hora de ir embora. Ele comeu carne, segundo garçons que o serviram, e não tirou os óculos vermelhos.
Do jantar, o líder do U2 foi à quadra do Salgueiro, em Vila Isabel, (zona norte), ver o ensaio da escola de samba.
Bono foi ao palanque da bateria, onde ensaiou passos de samba e arriscou tocar tamborim.
Empolgado, desceu do palanque com a ajuda dos seguranças e dançou abraçado às porta-bandeiras e entre os mestres-salas.
Seu divertimento na quadra, no meio do tumulto, durou cinco minutos, para alegria dos fãs que se aproximaram.
De volta ao camarote onde estava o resto da equipe, o vocalista trocou sua camisa preta por uma vermelha da escola de samba.
"No samba, sou virgem. Estou tentando sambar alguma coisa", disse, agitando o corpo.
A noitada terminou na boate Hippopotamus, em Ipanema, de onde Bono e Clayton saíram pouco antes das 4h de ontem.
Antes de entrar na boate, o cantor irlandês deu uma nota de US$ 20 para o menino Marco, 8, que vendia chicletes na rua.
De volta ao Copacabana Palace, Bono foi recebido por cerca de dez fãs que o aguardavam. O cantor deu autógrafos e tirou fotos.
Para o estudante de comunicação social Marcelo Guimarães, 24, o breve momento com o ídolo foi a realização de um grande sonho.
"Eles são a maior banda do planeta", dizia Guimarães, comemorando com os amigos o autógrafo no álbum 'The Joshua Tree', depois de 15 horas de espera.
O guitarrista The Edge desembarcou ontem às 11h15 no Rio. "Estou esperando muito uma grande reação dos fãs nos shows", afirmou.
Ao chegar ao hotel, The Edge foi abordado por cerca de 70 fãs e curiosos, sorrindo e cumprimentando-os. Pelo menos 15 seguranças impediram que fãs avançassem sobre o guitarrista.
Pouco antes das 13h, The Edge e Bono driblaram fãs e jornalistas, saindo pela porta da cozinha do hotel, numa rua lateral.
No heliporto da lagoa Rodrigo de Freitas (zona sul), eles embarcaram num helicóptero que foi para uma ilha em Angra, de acordo com a assessoria do show e a empresa Helisight, que alugou o aparelho.
Com muitas nuvens e ventos à tarde, os integrantes do U2 ficaram em Angra, furando o compromisso de comparecer a uma pelada na casa do atacante Bebeto, do Botafogo e da seleção brasileira.
"Gosto muito do U2, principalmente de "With Or Without You". Infelizmente, deixei meus discos na Bahia", disse o jogador.
Ainda prevendo a presença de Bono e The Edge, três seguranças fizeram uma vistoria no campo de futebol de Bebeto, na Barra da Tijuca (zona sul).

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

36 Anos de 'Boy': o show para 20 pessoas no Taboo Club na Inglaterra


O disco 'Boy' do U2 completa hoje 36 anos de seu lançamento!

Em 12 de Setembro de 1980, a banda já excursionava pela Europa com a turnê do disco, e se apresentaram no Taboo Club, em Scarborough, Inglaterra.
Com um público muito pequeno (20 pessoas apenas), a banda tocou um set de 45 minutos.

"Alguém me disse que seria um público difícil, mas eu não acredito nisso", Bono falou otimista após a canção de abertura. O pequeno público era muito tranquilo. Apenas algumas palmas quando uma música terminava. Suspiros de Bono: "Olha, eu não estou pedindo para quebrar crânios aqui, mas..."

Setlist:

11 O'Clock Tick Tock
I Will Follow
Touch
An Cat Dubh
Into The Heart
A Day Without Me
Twilight
The Electric Co. / Send In The Clowns (snippet)
Things To Make And Do
Stories For Boys
Boy-Girl
Out Of Control

encore(s):
11 O'Clock Tick Tock


A História Da Capa Alternativa De 'Boy' - Parte 2


Em outubro de 1980, o primeiro álbum do U2, 'Boy', foi lançado na Europa. Ele apresentava uma imagem de um garoto sem camisa na capa (Peter Rowen, de seis anos de idade, irmão do amigo de Bono, Guggi, que tinha também aparecido na capa do EP Tree). Mas quando chegou a hora de lançarem 'Boy' na América do Norte mais tarde, em 1981, havia preocupações que a imagem poderia ser mal interpretada.
A Island Records tinha a tarefa de colocar uma nova capa em 'Boy' para o mercado norte-americano. Uma capa em preto e branco estilizada foi desenvolvida usando imagens "esticadas" dos membros da banda. Esta capa alternativa foi usada em todas as versões norte americanas até 2008, quando, como parte de uma campanha de remasterização, 'Boy' foi reeditado em todo o mundo — incluindo a América do Norte — com a foto original de Peter Rowen. (De maneira semelhante, a imagem "esticada" alternativa também foi usada para o lançamento de março de 1981, o single de "I Will Follow" lançado na América do Norte, enquanto os singles europeus de "I Will Follow" tinha uma foto diferente de Rowen, que havia sido usada originalemnte na parte de trás do LP).
Recentemente, o site U2 Songs (antigo U2 Wanderer) conversou com o artista e fotógrafo Sandy Porter, que trabalhou na capa alternativa de 'Boy' para o mercado norte-americano. Sandy se formou no Royal College of Art, Londres, em 1979. Além de oferecer um vislumbre do processo criativo para a capa, ele também forneceu várias fotos nunca-antes-vistas do trabalho em andamento!

Alguma ideia de por que eles foram com a mais simples das capas para o álbum?

Por que as capas com sombras ou vidro não foram utilizadas? Não tenho uma resposta, mas eu posso arriscar um palpite. A razão mais provável teria sido o custo. A versão em preto e branco simples poderia ser impressa muito mais barato. Para obter o melhor das capas alternativas, elas precisariam ter sido impressas usando alta qualidade, impressão quatro cores, ou cores especiais. Na época, a Island era um selo independente, e mesmo para a capa de John Martyn, o orçamento era pequeno. A Island provavelmente tinha um orçamento limitado disponível para a produção da capa. Outra possibilidade era que tinha havido bastante controvérsia sobre a primeira capa, e queriam evitar o risco de uma segunda que poderia ter sido muito ousada. Ou ambos podem ter sido fatores na decisão.

Você mencionou que a capa utilizou fotografias de imprensa. Então você não tirou as fotos dos membros da banda? Você está creditado como fotógrafo para a capa, então muitos achavam que você era o responsável pelas imagens de banda, e que Bruno Tilley estava envolvido no processo de design.

Não, não tirei as fotografias de banda que serviram de base para a capa. É compreensível que as pessoas façam esta suposição, como esta é provavelmente a primeira vez que alguém tenha dado um insight como a capa foi montada. Seria difícil agora descobrir quem realmente tirou todas as fotografias originais, quando você considerar que o ponto de partida é um conjunto de fotografias simples em tons de cinza e as imagens finais tenham tão pouca semelhança com as do ponto de partida. Talvez a maneira mais fácil de pensar é que as fotografias foram utilizadas de uma forma que é semelhante a como um pintor projeta uma fotografia numa tela para usar como base para seu trabalho. Então você poderia dizer que Bruno esteve envolvido no processo de design, enquanto meu papel foi criar as imagens fotográficas que foram usadas. Para atribuições mais comerciais, geralmente há um diretor de arte da agência trabalhando com um artista ou fotógrafo. Às vezes, diretores de arte são muito "toque-leve", e em outras ocasiões, eles gostam de se envolver mais.


Em 2008, o U2 voltou para a imagem da capa do Reino Unido nas edições remasterizadas do álbum 'Boy' em todo o mundo (embora sua capa esticada apareça na última página das notas/livreto de algumas edições de 2008, ironicamente disponibilizando-a pela primeira vez em prensagens de 'Boy' fora da América do Norte). Você esperava que a imagem pudesse deixar de ser usada em algum momento? Está surpreso que foi usada por tantos anos como foi?

Sim, eu estou surpreso que ele rodou por tanto tempo. Na indústria, 28 anos é uma eternidade. Além disso, é muito improvável que qualquer uma da artworks originais que fornecemos para a gravadora fosse encontrada depois de todo este tempo. Quando a Island Records foi comprada, é provável que a maioria do material antigo de arte não tenha sobrevivido à mudança.

Close up da sombra

Esta semana marca 36 anos do lançamento do álbum internacional. Olhando para trás, ou para a frente, o que você pensa?

Trinta e seis anos atrás, capas de álbuns, talvez tiveram um papel diferente do que agora. Nós comprávamos o vinil em lojas, e a capa era uma parte importante e integral da experiência do fã em adquirir o álbum. Agora, nós compramos em uma diferente forma e fãs provavelmente só olham a capa depois de uma compra. Mas acho que ainda há uma grande oportunidade para um artista melhorar seu relacionamento com seus fãs, dando-lhes uma capa interessante que ouvintes vão ver sempre que eles selecionarem seu álbum digital.
Olhando para trás, meu único arrependimento foi não conhecer a banda pessoalmente e ser capaz de desenhar mais em seus pensamentos, bem como compartilhar no processo criativo que embarquei quando trabalhei na capa de 'Boy'.
Olhando para a frente: como o U2 foram sempre grandes patrocinadores da caridade, seria bom leiloar uma edição limitada autografada de um set de impressões inéditas da versão alternativa, para a caridade.

Uma última pergunta: você trabalhou no primeiro álbum do U2 — você seguiu a carreira da banda desde aquela época? Se assim for, você tem uma canção favorita?

Com qualquer grande banda há sempre apenas uma música? "I Will Follow" de 'Boy' é provavelmente superada apenas por "With Or Without You". Eles criaram muitas faixas grandiosas. Assim, a minha escolha sem dúvida será diferente na próxima semana.

Nota: As fotografias de imprensa sobre a qual a capa alternativa seria vagamente baseada, parecem ser da mesma sessão de fotos que pode ser vista na edição internacional de 'Boy'. As fotografias do U2 na edição remasterizada são creditadas a Phil Sheehy, embora não especificado quais.

Variações da capa de trás

Capas alternativas frontais

Agradecimento: Aaron J. Sams / Don Morgan

A História Da Capa Alternativa De 'Boy' - Parte 1


Em outubro de 1980, o primeiro álbum do U2, 'Boy', foi lançado na Europa. Ele apresentava uma imagem de um garoto sem camisa na capa (Peter Rowen, de seis anos de idade, irmão do amigo de Bono, Guggi, que tinha também aparecido na capa do EP Tree). Mas quando chegou a hora de lançarem 'Boy' na América do Norte mais tarde, em 1981, havia preocupações que a imagem poderia ser mal interpretada.
A Island Records tinha a tarefa de colocar uma nova capa em 'Boy' para o mercado norte-americano. Uma capa em preto e branco estilizada foi desenvolvida usando imagens "esticadas" dos membros da banda. Esta capa alternativa foi usada em todas as versões norte americanas até 2008, quando, como parte de uma campanha de remasterização, 'Boy' foi reeditado em todo o mundo — incluindo a América do Norte — com a foto original de Peter Rowen. (De maneira semelhante, a imagem "esticada" alternativa também foi usada para o lançamento de março de 1981, o single de "I Will Follow" lançado na América do Norte, enquanto os singles europeus de "I Will Follow" tinha uma foto diferente de Rowen, que havia sido usada originalemnte na parte de trás do LP).
Recentemente, o site U2 Songs (antigo U2 Wanderer) conversou com o artista e fotógrafo Sandy Porter, que trabalhou na capa alternativa de 'Boy' para o mercado norte-americano. Sandy se formou no Royal College of Art, Londres, em 1979. Além de oferecer um vislumbre do processo criativo para a capa, ele também forneceu várias fotos nunca-antes-vistas do trabalho em andamento!

Negativos em preto e branco da capa final do álbum. As marcas das grades são o tamanho de referência do álbum.

Como você se envolveu na capa do álbum 'Boy'?

John Martyn era um importante artista no selo Island, e eu fui solicitado em 1980, por Bruno Tilley, designer que trabalhava dentro da Island Records, para criar a capa do álbum 'Grace and Danger', de Martyn. Excepcionalmente para a indústria naquela época, Bruno era um talentoso designer e um pensador criativo. A capa acabou sendo uma grande empreitada. Levou dez dias para concluir a artwork. Ao mesmo tempo que eu estava trabalhando sobre esta capa, ele estava tentando resolver uma questão em torno de uma jovem banda chamada U2. A capa para o álbum 'Boy' no Reino Unido aparentemente estava causando problemas com os EUA e outros distribuidores internacionais, e havia sido pedido à ele para encontrar uma solução. Houve um problema adicional: não havia praticamente nenhum orçamento disponível para fazer isso. A opção atual que ele tinha era usar quatro fotos bastante normais, de um comunicado de imprensa da banda — uma ideia que não encheu ele de entusiasmo.

Cópias transparentes da capa frontal e traseira com variações de sombra e efeito com vidro. (O vidro era equilibrado sobre uma velha fita cassete).

Então você começou a trabalhar na capa para 'Boy' com Bruno Tilley nesse ponto?

Concordei em trabalhar em uma nova capa, apesar dos honorários muito baixos e a falta de gastos para nos permitir viajar até a banda e tirar algumas fotos novas deles. Em vez disso, Bruno viajou para Dorset de Londres no fim de semana para que pudéssemos passar algum tempo trabalhando em algumas ideias. Isso também lhe deu a oportunidade de ver os resultados que foram sendo produzidos. A primeira ideia era usar as fotos como matéria-prima para novas imagens por distorcê-las e criar uma peça de arte mais gráfica, estilizada. Naquela época não tínhamos programas de computador, então criamos efeitos por um processo mais manual. Não havia regras ou guias sobre como fazê-lo. Nós apenas experimentamos por tentativa e erro. Alguns efeitos interessantes foram criados usando uma fotocopiadora e puxando as imagens durante a digitalização. Mas foi muito impreciso. As imagens também foram copiadas e distorcidas usando um ampliador fotográfico e o movimento da placa base segurando o papel fotográfico. Distorção e movimento na câmera foi outra opção usada, com longas exposições e movimento de impressões. Em seguida, tentamos uma combinação de técnicas de mistura. Estes processos começaram a ajudar a formular algumas ideias e deram a matéria-prima para a próxima fase. Além disso, havia uma boa quantidade de trabalho de caneta preta para realçar as áreas que não funcionaram bem quando distorcidas.


Cópias transparentes da capa frontal e traseira com variações de sombra e efeito com vidro. 

Onde você conseguiu a sua inspiração para a capa?

Eu queria mais do que apenas distorcer imagens e tinha olhado para o álbum para conseguir inspiração. Quando um ilustrador ou fotógrafo compromete-se à criar capas de discos ou livros, você geralmente recebe uma cópia do trabalho do artista para que você possa usar desta forma. O que me chamou a atenção foi a referência à William Golding/Lord Of The Flies usada na canção "Shadows And Tall Trees". Como o cenário de Lord Of The Flies é em uma ilha, a primeira área de influência foi selecionar quatro imagens brutas e distorcidas que tinham uma sensação como ondas do mar distorcendo as marcas na areia. Quando a combinação certa para a parte da frente e para a parte de trás tinham sido trabalhadas, as imagens foram cortadas com bisturis e montadas juntas. Então elas foram copiadas, impressas, retocadas, copiadas novamente e impressas em papel fotográfico de alto contraste. Este processo criou as novas imagens que foram eventualmente usadas na capa alternativa do álbum.
Eu passei a criar versões adicionais da capa que seguiam estas linhas. A primeira novamente foi influenciada por Lord Of The Flies. A referência a "sombras" foi pega e recriada através da desbotada imagem dupla cinza da banda. Diferentes graus de sombras foram usadas e podem ser vistas nas capas alternativas nas fotos. O pequeno sombreamento em uma das imagens também criou uma qualidade de 3 dimensões com as superfícies planas do preto e cinza.
Essas imagens foram levadas depois para uma nova etapa. Um pedaço de vidro quebrado foi adicionado a fim de refletir a violência que foi retratada em Lord Of The Flies. Também criou a interação que você procura, de algo macio com algo duro, algo suave, com algo áspero, algo preciso com algo turvo, em movimento e estática etc... Também criou planícies e dimensões diferentes. Uma versão alternativa final tinha um toque de vermelho na extremidade da ponta do vidro. Estas capas alternativas foram minhas escolhas preferidas para a capa.


Agradecimento: Aaron J. Sams / Don Morgan

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Pré-show do U2 no Dreamfest 2016: o set da DJ Bella Fiasco


A DJ Bella Fiasco disponibilizou através do Soundcloud, o set completo que ela apresentou ao vivo no Dreamfest 2016, antes do U2 subir ao palco!

São 1 hora e 15 minutos de música!

A versão de Patti Smith para "Until The End Of The World"


Ǎhk-to͝ong Bāy-Bi Covered é o título do álbum que a revista britânica Q lançou encartado em uma edição especial em 2011. O disco tributo foi em homenagem ao álbum 'Achtung Baby', lançado pelo U2 em 1991. Este disco tributo trouxe 11 artistas e bandas que regravaram as faixas originais do álbum.
Patti Smith regravou "Until The End Of The World", e a Q descreveu: "A poeta do punk transforma a canção em uma versão cinzenta, de encontro à escuridão, um desespero ao cantar a letra."
Curioso é que "Until The End Of The World" foi batizada para ser a canção-título do filme de mesmo nome de Wim Wenders em 1991, e Patti Smith também está na trilha sonora do mesmo filme.
Por não ser uma canção pop, Patti aceitou gravar a faixa para Ǎhk-to͝ong Bāy-Bi Covered.
Patti contou como conheceu a banda: "A primeira vez que eu ouvi U2 foi nos anos 80, e eu estava morando em Michigan e tinha me afastado da vida pública. Havia algo em sua música que me tocou profundamente. Bono é um grande cantor e letrista, ótimo ouvir o toque de clareza de The Edge, e Adam e Larry são uma das melhores seções rítmicas no rock ' n ' roll."

As preocupações de Bono após o início da turnê Popmart


No show de abertura da turnê mundial PopMart do U2, que aconteceu em Las Vegas em abril de 1997, a banda logo de cara teve que lutar contra a tecnologia do enorme palco e telão e dificuldades técnicas. Mas o que a banda não esperava era que as canções gravadas em estúdio e lançadas no álbum 'POP', se tornariam uma dor de cabeça ao serem executadas ao vivo.
Willie Williams, o diretor criativo das turnês do U2, relatou em seu diário de turnê em 1997, logos após o terceiro show da turnê, que aconteceu em Denver, as preocupações de Bono com o espetáculo:

Dia de folga. Uma grande reunião no dia, estamos assistindo as fitas gravadas dos shows até o momento, e fazendo uma autópsia completa. Bono não está feliz. Ele sente que ele não está bem em grande parte do show e a performance não está acontecendo. A culpa é de todos e planos estão sendo feitos. É um momento desconfortável e a banda reconhece as dificuldades, e estão ensaiando para chegarem ao coração de alguns dos problemas. Ainda assim, eu me consolo que a maioria das coisas com que estamos lidando (roupas, iluminação para perto do Bono, etc) são meros detalhes em comparação onde estávamos nesse ponto na perna americana da turnê Zoo TV ao ar livre. Ainda estávamos experimentando com novas estruturas de estádios todos os dias até cerca de três semanas antes de iniciar aquela fase da turnê.

A Evolução Do U2 Na Bateria, por Justin Amos


O fã do U2 e seguidor do blog, Hédy Gabriel Moreira, nos envia um vídeo bastante interessante, de um baterista chamado Justin Amos.

A descrição:

Essa vai para uma das maiores bandas de rock de todos os tempos: U2 e seu baterista, Larry Mullen Jr. Se você não possui todos os álbuns do U2, vai comprá-los AGORA! Neste vídeo você encontrará clipes curtos de 20 músicas que o U2 tem como assinatura, de todos os 13 álbuns em ordem cronológica, mostrando 'A Evolução Do U2 Na Bateria'. Abaixo a lista com o nome das faixas e o tempo em que elas aparecem no vídeo!

1. I Will Follow (0:12)
2. Gloria (0:37)
3. Sunday Bloody Sunday (1:00)
4. New Year's Day (1:22)
5. Pride (In The Name Of Love) - (1:43)
6. Where The Streets Have No Name (2:03)
7. Bullet The Blue Sky (2:30)
8. With Or Without You (2:49)
9. Silver And Gold (3:40)
10. Desire (4:10)
11. One (4:38)
12. Mysterious Ways (5:10)
13. Zooropa (5:44)
14. Staring At The Sun (6:02)
15. Beautiful Day (6:29)
16. Walk On (6:44)
17. Sometimes You Can't Make It On Your Own (7:13)
18. Vertigo (7:33)
19. Magnificent (8:08)
20. Song For Someone (8:24)



http://www.amosdrummer.com
https://www.facebook.com/amosdrummer
https://www.twitter.com/amosdrummer

Os inimigos do U2 estão de volta


O Negativland, uma das bandas de proa da música experimental norte-americana, irão lançar um disco novo na próxima sexta-feira. 'The Chopping Channel' será o seu 14º álbum de estúdio, sucedendo a 'It's All In Your Head,' de 2014.
Contudo, para além da música, o disco virá com um bônus no mínimo anormal: o Negativland decidiu oferecer, com cada cópia de 'The Chopping Channel', algumas gramas das cinzas de Don Joyce, antigo membro da banda que faleceu em julho passado.
Num comunicado, o Negativland esclareceu que tal não se trata "de uma partida". "Decidimos levar 'The Chopping Channel' à sua conclusão lógica e 'produtizar' um membro da banda. É também uma celebração da ideia de que, na arte, nada estava fora dos limites para o Don", escreveram, acrescentando terem a certeza de que "ele iria querer que assim fosse".
Apesar de suas várias contribuições para a música experimental (tendo contribuído, também, para tornar concreto o uso de sampler como ferramenta e arte), o Negativland é sobretudo conhecido por um EP lançado em 1991, simplesmente intitulado U2 e com artwork semelhante ao da banda irlandesa.
O EP, composto por paródias do hit do U2 "I Still Haven't Found What I'm Looking For", causou polêmica naquela altura. A Island Records, gravadora do U2, processou o Negativland por uso indevido da imagem do U2, alegando que os consumidores poderiam ser "induzidos ao erro", pensando estarem comprando um novo álbum dos irlandeses - isto no mesmo ano em que foi lançado 'Achtung Baby'.
O Negativland foi obrigado a retirar todas as cópias de U2 (o EP) do mercado, sendo que o caso deu um livro, 'Fair Use: The Story Of The Letter U And The Numeral 2', editado em 1995 pela banda, que também aborda questões de direitos autorais.

Do site: Blitz (Portugal)

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...