"Song For Someone" 360 Version

Anúncios

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

A história por trás das gravações do U2 com o coral New Voices Of Freedom - Parte 04

Dennis Bell em entrevista para Matt McGee do site www.atu2.com, falando sobre os eventos de 25 anos atrás, que o levou a formar o New Voices Of Freedom e gravando não somente "I Still Haven't Found What I'm Looking For" com o U2, mas também "The Sweetest Thing", para a trilha sonora do filme 'Scrooged', com Bill Murray no elenco.
"Liguei para Dorothy Terrell e perguntei: "Você poderia perguntar ao seu Pastor, se podemos usar a igreja?" Fica na direita da 124th Street perto do Marcus Garvey Park. "Pergunte para ele se podemos usar a igreja por uma tarde para fazermos um ensaio com o U2." Ela retornou a ligação rapidamente e disse: "Ele disse que tudo bem, não há problema."
Então eu liguei para Dennis de volta e disse-lhe que iríamos fazer o ensaio em uma igreja no Harlem - Greater Calvary Baptist Church.
Chegamos lá um pouco mais cedo e ensaiamos a música do jeito que tinha sido feito no estúdio. De repente, o U2 entrou na igreja e fomos apresentados. George veio de Nashville novamente, e Dorothy estava lá, é claro. Estávamos todos lá e nós apenas tentamos descobrir como fazê-lo. Basicamente, recuperamos e seguimos com as idéias musicais.
E então todas aquelas câmera também estavam lá. Eu pensei: "Opa".
Eu achei que seria apenas um ensaio para o Madison Square Garden. Eu disse: "O que você está fazendo com todas essas câmeras?" Eu era um produtor profissional e os contratos eram o que nós usávamos para executar o negócio naqueles dias. Eles disseram: "Nós estamos fazendo um filme. Estamos filmando o U2 através de todo o país e isso vai se tornar um grande filme." Eu disse: "Bem, ninguém me falou sobre isso."
Não consigo me lembrar como chegamos à um acordo neste ensaio entre o New Voices Of Freedom e o U2, porque eu tinha que tomar cuidado para as implicações legais de não só me colocar em um filme, mas colocar todo o coro em um filme - solistas e todo o pessoal. Portanto, precisa ser comunicados legais e chega a ser uma situação muito complexa.
Nós elaboramos alguma coisa. Não me lembro exatamente o que foi, mas nós resolvemos com um aperto de mão e fizemos as coisas legais mais tarde. E seguimos em frente. Não faria sentido tirar todos de lá, porque isso ia ser bom para todos os envolvidos. Crianças, os adultos, os solistas e eu.
Então nós tocamos nossa versão novamente para Bono e The Edge. Eles estavam mais preocupados com a forma como nós estávamos indo para fazer isso, do que Adam e Larry estavam. Larry apenas pegou uma conga ao seu lado."

Larry Mullen em uma cômica recriação da capa de 'The Joshua Tree' do U2

31 de Outubro é o dia que o causador de tudo completa 52 anos de idade!
Lawrence Joseph Mullen Jr. é o baterista, fundador e integrante do U2 responsável por colocar em 1976, o aviso em um mural na Mount Temple High School buscando pessoas para formarem uma banda e tocarem após as aulas. Foi então que ele reuniu o Feedback, que foi rebatizado depois para The Hype, e que acabou tornando-se definitivamente o U2.
Depois de 3 décadas atrás da bateria do U2, Larry Mullen fez sua estréia no cinema no remake de 'The Man On The Train'). Ele gostou da experiência e repetiu a dose no recente 'A Thousand Times Good Night', o novo filme de Erik Poppe, que conta no elenco com Juliette Binoche.
Larry Mullen realizou uma série de entrevistas com a imprensa no início deste mês de outubro, quando estava em Oslo, Noruega, para a estréia de seu segundo filme.
Uma dessas entrevistas foi muito atípica e mostrou um Larry Mullen muito relaxado, simpático, descontraído e risonho, fugindo completamente da figura séria que vemos junto ao U2.
Em uma entrevista para um programa de TV chamado Senkveld da TV2, Larry com uma cerveja na mão falou sobre o filme, sobre seus parceiros de banda. Ele negou que eseja cansado dos pedidos dos fãs para tirarem fotos com ele, e ainda brincou dizendo que Bono é quem sempre está posando para fotos, "mesmo quando está dormindo."
A conversa terminou com uma tentativa cômica em recriarem a foto da capa do clássico disco 'The Joshua Tree' do U2.
Confira o video:

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Provável teaser do videoclipe de Oliver Jeffers para a canção "Ordinary Love" do U2

O site U2.COM informou oficialmente no dia de hoje que "Ordinary Love", a nova canção do U2 escrita para o próximo filme 'Mandela: Long Walk To Freedom', será lançada em single, em um vinil de 10 polegadas prensado para marcar o Record Store Day em 29 de novembro.
A arte final da capa apresenta um quadro impressionante de Nelson Mandela feito pelo artista irlandês e ilustrador Oliver Jeffers.
Oliver também dirigiu um vídeo com letra para "Ordinary Love" que será divulgado e lançado pelo U2.COM no mês de novembro.
Novas informações dão conta que o vinil será uma edição limitada em 10.000 cópias.
A foto que vemos estampando esta postagem é de um video que Jeffers compartilhou recentemente em sua conta no Instagram, e que parece ser um teaser do video para o U2. A legenda diz: "teaser de um projeto que estarei mostrando em alguns dias."

O site Amazon.com lista o U2 oficialmente no CD da trilha sonora de 'Mandela:Long Walk to Freedom'.
Não há nenhuma lista de faixas oficial lá, mas o U2 é mencionado como um dos artistas. O Amazon diz que o álbum da trilha sonora será lançado no dia 25 de novembro.

Agradecimento: @U2

U2 Anthology 1987 - 2010 * FITA 9

Compilada por um fã, esta é a nona parte de uma série de áudios registrados em fitas cassete, trazendo passagens de sons, jam sessions e ensaios do U2 que aconteceram antes de concertos da banda entre 1987 e 2010, e que em muitas vezes o grupo tocou curiosas partes instrumentais, testou bases pré gravadas e Bono improvisou alguns vocais desconhecidos.
Este material contém muitas versões demos, alternativas, músicas inéditas ou ideias iniciais para canções do U2.
Muitas músicas do U2 tiveram sua encarnações originais provenientes de improvisações em passagens de som como estas.

Nesta nona parte de 14 minutos, temos dois áudios:

1. Áudio registrado em passagem de som na turnê 360°, em uma jam session com Bono e The Edge.
Bono improvisa algumas palavras e toca guitarra junto com Edge.

2. Gravado em passagem de som no ano de 1998 para show da Popmart Tour, este longo áudio traz o U2 tentando criar uma nova sonoridade. Bono improvisa uma letra em cima da melodia, com um riff de guitarra muito repetitivo de Edge.

Site oficial do U2 anuncia lançamento da canção e videoclipe com letra de "Ordinary Love" para novembro

O site U2.COM informa oficialmente que "Ordinary Love", a nova canção do U2 escrita para o próximo filme 'Mandela: Long Walk To Freedom', será lançada em single, em um vinil de 10 polegadas prensado para marcar o Record Store Day em 29 de novembro.
A arte da capa apresenta um quadro impressionante de Nelson Mandela feito pelo artista irlandês e ilustrador Oliver Jeffers.
Oliver também dirigiu um vídeo com letra para "Ordinary Love" que será divulgado e lançado pelo U2.COM no mês de novembro.
A banda escreveu a música nova à convite do produtor de cinema Harvey Weinstein, e o Lado B do vinil contará com uma segunda faixa, "Breathe", outra canção que tem uma conexão com Mandela.
Com isso, está confirmado que a faixa "Breathe (Alternate Version)" terá seu lançamento oficial.
Em fevereiro deste ano, um documentário com duas horas de duração e participação de Bono, chamado 'Miracle Rising: South Africa', foi exibido no History Channel, e trouxe em sua trilha sonora esta inédita versão da canção "Breathe" do U2. Foi a primeira versão do U2 para a música.
Bono reescreveu as letras de "Breathe" para o álbum 'No Line On The Horizon' de 2009, mas ela inicialmente foi escrita sobre Nelson Mandela.
Na edição de luxo do álbum, há uma página que mostra parte da letra desta versão alternativa de "Breathe".
O site ainda informa que eles terão cópias do vinil para presentear ganhadores em uma competição que haverá no próximo mês.

Rattle And Hum 25 Anos: a performance que deixou o U2 de boca aberta

O disco 'Rattle And Hum' do U2 completou 25 anos de existência, junto com o filme-concerto de mesmo título!
O U2 realizou uma performance ao vivo de "I Still Haven't Found What I'm Looking For" juntamente com o coral gospel New Voices Of Freedom, no show do Madison Square Garden em 1987 durante a turnê The Joshua Tree.
O áudio entrou no álbum 'Rattle And Hum', mas o video da performance foi cortado do filme, entrando apenas o ensaio que aconteceu em uma igreja no Harlem.
The Edge disse em entrevista para a BBC que enquanto o coral estava ao lado do palco, eles ficaram do outro apenas abrindo a boca, só dizendo: "Vá em frente, coro!"
Ele deu mais detalhes: "Bem, nunca fizemos isso antes, você sabe, nós chegamos na igreja no Harlem, fizemos o ensaio e pensamos algo como "vamos nessa, vamos ver o que acontece."
Então o coral foi ao nosso show no Madison Square Garden e eles entraram no palco. A primeira coisa que percebemos é que se eu, Adam ou Larry tocássemos no volume máximo, ninguém iria ouvi-los.
Então, começamos tocando apenas os acordes e a bateria. Então, ficou bom. Em seguida, a música foi surgindo e eles iniciaram os cantos, e foi algo brilhante. Então em seguida no final paramos de tocar completamente e o coral fez um solo. E vimos o coro e o público cantando todos juntos. E estávamos ao lado do palco com nossas bocas abertas apenas dizendo: "Uau". Foi uma experiência."

terça-feira, 29 de outubro de 2013

"Ordinary Love" é o novo single do U2 que será lançado em formato especial

O site @U2 (com agradecimento pela tradução do site U2 Brasil), informa que uma versão em vinil do single "Ordinary Love", gravada pelo U2 para o filme sobre Nelson Mandela, estará disponível à venda à partir do dia 29 de Novembro.
O single estará disponível em uma versão vinil de 10 polegadas (provavelmente limitada, como foi o caso do lançamento do EP 'Wide Awake In Europe'). Isso de acordo com o site Record Story Day, que o coloca em uma lista de "versões especiais" para o Black Friday, um dos dias de compras mais movimentados do ano nos EUA. Na página deles no Facebook, o pessoal da RSD diz que o single estará disponível em suas lojas em todo o mundo.
O site informa que no B Side do vinil a canção que virá será "Breath".
Isso tanto pode ser um erro de impressão e era para estar escrito "Breathe" (do disco 'No Line On The Horizon') ou pode ser o nome correto para a versão alternativa de "Breathe" que o U2 escreveu originalmente com Nelson Mandela em mente e foi incluída em um documentário sobre a África no início desse ano. Ou pode ser uma canção completamente diferente.
E ainda não está confirmado, mas amanhã, 30 de Outubro, é a provável estréia no YouTube e U2.com, de "Ordinary Love" na íntegra.
A capa do single já foi divulgada (e pode ser vista estampando a postagem).

Sobre o provável lado b do single:
Em fevereiro deste ano, um documentário com duas horas de duração e participação de Bono, chamado 'Miracle Rising: South Africa', foi exibido no History Channel, e trouxe em sua trilha sonora uma inédita versão da canção "Breathe" do U2. Foi a primeira versão do U2 para a música.
A ficha do documentário inclui esta citação da produtora Michelle Sparkes: "Bono reescreveu as letras de "Breathe" para o álbum do U2, que inicialmente foi escrita sobre Nelson Mandela, e quando o entrevistei, ele perguntou se nós gostaríamos de usar esta versão inédita em nosso documentário. É claro, nós dissemos sim."
Na edição de luxo do álbum 'No Line On The Horizon', há uma página que mostra a letra desta versão alternativa de "Breathe".

Ouça um trecho da faixa:

Video de jam session inédita do U2 no box-set em DVD dos concertos em prol da Anistia Internacional

Em 1986, a turnê da Anistia Internacional, 'Conspiracy Of Hope' levou o U2, The Police, Peter Gabriel, Lou Reed e Bryan Adams à enormes arenas de basquete e estádios de futebol em toda a América, mas a única e verdadeira jam session entre eles ocorreu durante um dia de folga em um pequeno bar de hotel em Atlanta.
Uma banda local estava tocando covers dos Beatles quando Peter Gabriel, Bono, The Edge e Larry Mullen Jr. entraram com o guitarrista do Lou Reed, Fuzzbee Morse, o baixista do Peter Gabriel, Larry Klein e seu baterista Manu Katche.
Morse subiu ao palco e disse: "Podemos pegar emprestado alguns de seus instrumentos? Alguns de nós somos músicos."
"A banda estava muito desdenhosa", disse o antigo ativista da Anistia, Martin Lewis.
Fuzzbee então continuou:" Vocês podem dar uma olhada e ver quem quer usar os seus instrumentos." Eles olham e atrás de um pilar está Bono, que apenas se inclina para ser visto. Atrás de outro pilar está Edge que também apenas se inclina. A banda então cedeu: "OK, toquem o que vocês quiserem."
O punhado de pessoas de sorte no bar naquela noite, viram 3/4 do U2 em uma jam com os membros da bandas de Reed e Gabriel, tocarem canções a noite toda. "Eles começaram às 9h30 da noite e foi até as 4 da manhã", disse Lewis. "O vinho foi fluindo. Larry Klein teve a nítida impressão de que os caras do U2 não tinham tido muitas chances anteriormente, de tocarem com outros músicos. A liberdade foi incrível para eles."
Peter Gabriel gravou algumas das jams com sua sempre presente câmera de vídeo. "Quando eu estava montando esta coleção em DVD, liguei para Peter e perguntei sobre isso", disse Lewis. "Ele me disse: "Minha câmera foi roubada e perdi a maior parte das fitas. Eu até posso ter alguma coisa. Mas Martin, isso foi há 27 anos."
A maioria das pessoas que Lewis entrevistou sobre a turnê 'Conspiracy of Hope', adoraram a jam, e ele estava determinado a encontrar uma gravação visual. "Eu não sei a palavra "não"", ele disse. "Eu sabia que tinha que encontrar as fitas, e Peter lançou em video anos atrás um concerto chamado POV, que tinha alguns segundos da turnê 'Conspiracy Of Hope' nele. Rastreei as pessoas que fizeram POV e acompanhamos as fitas até um fazenda no estado de Nova York. E lá, enterrada no fundo de um monte de coisas, estava uma fita de três quartos de polegada, em um formato britânico. A coisa mais difícil do mundo é encontrar um lugar em Nova York que poderia tocar uma coisa neste formato."
Lewis conseguiu encontrar um lugar que poderia tocar esta fita arcaica, e nelas encontrou o motherload : 11 minutos de Bono e Larry Mullen Jr. tocando com Klein, Katche e Morse. "Eu não sei qual a música que Bono estava cantando", diz Lewis. " Eu pensei que era um b-side obscuro, mas Morse me disse que ele estava improvisando letras, apenas completando uma livre associação. Este foi o primeiro registro do que viria a se tornar um processo comum de criação de Bono, e ele cantou pedaços de outras músicas como "Sweet Jane" e "Satisfaction" também."
Ele sabia que a filmagem iria se tornar um item bônus incrível no box-set Amnesty International que será lançado em 6 DVD'S (nas lojas em 05 de novembro), mas eu precisava de permissão de todos para incluí-lo. "Larry [Klein] e Fuzzbee ficaram felizes de ser incluído", ele disse. "Mas eu tinha que ter certeza de que Bono e Larry [Mullen] era legais. Passei várias semanas de espera roendo minhas unhas e dando até nós nos dedos. Não é que eles não estavam interessados​​. Eles estavam no meio da gravação de um novo álbum. Finalmente, eu soube que Larry e Bono estavam felizes por aquele material ser utilizado na coleção de DVDS da turnê da Anistia."
O desempenho foi intitulado de "Peach Jam ", que Bono até faz graça com uma garota do local, e você pode ver uma prévia exclusiva aqui:


Do site : Rolling Stone

A história por trás das gravações do U2 com o coral New Voices Of Freedom - Parte 03

Dennis Bell em entrevista para Matt McGee do site www.atu2.com, falando sobre os eventos de 25 anos atrás, que o levou a formar o New Voices Of Freedom e gravando não somente "I Still Haven't Found What I'm Looking For" com o U2, mas também "The Sweetest Thing", para a trilha sonora do filme 'Scrooged', com Bill Murray no elenco.
Apesar do New Voices Of Freedom ter conseguido um contrato de gravação com a Island Records, o disco jamais foi gravado.
"Tudo estava acontecendo ao longo de um dia ou dois, e depois eu recebi outra ligação de Joel me dizendo:" Dennis, você não vai acreditar nisso, mas Chris Blackwell, o chefe da Island Records, disse que não quer fazer isso."
Eu disse que não queria que parecesse que eu estava explorando o U2, e eu meio que entendi aquilo. Ele sentiu que pareceria que a Island estivesse capitalizando o nome do U2 para fazer mais algum dinheiro, e ele não queria fazer isso.
Eu sabia que a música era boa demais para deixar esfriar, então eu decidi investir o meu dinheiro e refazer s demo no estúdio de um amigo - uma gravação que realmente seria lançada. Então eu comecei a minha própria gravadora para esta gravação.
Eu voei o solista de Nashville - George Pendergrass, um ex-aluno meu. Ele é um grande cantor. Fomos para o estúdio e realmente tomou o nosso tempo, fazendo a trilha de ritmo, gravando o coro novamente, e George cantando o inferno fora dele. Foi realmente incrível. Dorothy Terrell foi a protagonista feminina. Ela era uma das minhas alunas, também.
O que precisava era de alguém para investir na distribuição. Um amigo meu encontrou um distribuidor, de modo que eu inventei um nome - Doc Records - e tinhamos esta empresa para lançar o single como uma espécie de nossa gravadora pai.
Eu terminei a gravação e fiz o acordo com o distribuidor independente, quando eu recebi um telefonema de Dennis Sheehan, tour manager do U2. O U2 estava em Boston e ele me ligou para dizer que alguém entregou aquela fita demo para eles, quando a banda estava em Dublin, e eles ficaram loucos com ela. Então ele disse: "Nós estamos indo para Nova York para tocar no Madison Square Garden. Gostaria de cantar com eles?"
Claro que a resposta foi "sim!" Não houve acordos financeiros feitos ou qualquer coisa, foi só: "vamos trabalhar os detalhes mais tarde", porque eu tinha um monte de gente que eu tinha que proteger, especialmente porque alguns deles eram menores de idade.
Ele disse: "A situação é a seguinte: os caras sentem que se eles ensaiarem no baixo centro, haverá uma multidão e se as pessoas descobrirem que eles estão lá, isso vai ser o caos." Então ele perguntou: "Você tem algum lugar que pudéssemos ensaiar onde não teríamos este problema?" Eu disse: "Bem, eu acho que ninguém no Harlem sabe nada sobre o U2".

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

U2 não havia pensando em "New Year's Day" para ser um single

O produtor Steve Lillywhite, amigo de longa data dos integrantes do U2 e responsável pela sonoridade da banda nos três primeiros discos, relembra a tensão, tédio e inspirações por trás das sessões de gravações.
O terceiro disco do U2, 'War' de 1983, veio para romper o mainstream, desbacando até o disco de Michael Jackson, 'Thriller', do topo das paradas inglesas.
"A banda tinha questionado se suas crenças poderiam coincidir com suas novas experiências. E no final foi seu empresário, Paul McGuinness, que sentou-se e disse, "não sejam tolos, que vocês podem ter os dois".
Em sua classificação de forma realista, ele convenceu-os que o mundo seria melhor se continuassem fazendo música.
Mas acho que todos percebemos que havia sido dado um passo atrás com 'October' e que, se iríamos à luta, tínhamos de ter a urgência do primeiro álbum.
Eu me lembro de Bono dizendo para The Edge: "não seja como The Edge. Seja como Mick Jones do The Clash".
Porque Edge é como uma cientista. Ele tem o casaco branco e o lápis no bolso dele. E eu acho que o que o Bono queria fazer era tirar o jaleco branco e vestir a jaqueta de couro cheia de estrelas.
Antes do lançamento, todos da banda tiveram suas primeiras férias em muito tempo. Fui com Paul McGuinness e Adam à Toscana.
Edge foi o único que ficou em casa. E ele nos presenteou com "Sunday Bloody Sunday", quando voltamos. E nós: "Uau, isso é muito bom".
No outro dia eu ouvi o álbum, e certamente "New Year's Day" é um trabalho espetacular. É ótima sonoramente, é madura e Edge tocando piano - ele tem um ótimo toque. E aquela bassline foi o melhor momento do Adam.
Mas é engraçado, não pensamos nela como um single. Foi um dos jovens internos no estúdio quem primeiro disse-me, "essa música é brilhante". E nós todos refletimos: "ah, sério?"
Uma das coisas estranhas sobre esse álbum é que usamos backing vocais do Kid Creole And The Coconuts. Isso só aconteceu porque eles estavam em Dublin para uma turnê, então nós saímos com eles e eles entraram e cantaram em "Surrender'. Então foi meio aleatório - tendo as Coconuts no álbum de uma banda séria do rock irlandês.
Tão bom quanto U2, são as mulheres bonitas."

A história por trás das gravações do U2 com o coral New Voices Of Freedom - Parte 02

Dennis Bell em entrevista para Matt McGee do site www.atu2.com, falando sobre os eventos de 25 anos atrás, que o levou a formar o New Voices Of Freedom e gravando não somente "I Still Haven't Found What I'm Looking For" com o U2, mas também "The Sweetest Thing", para a trilha sonora do filme 'Scrooged', com Bill Murray no elenco.
"No negócio da música, você nunca diz "não". Felizmente, minha esposa é uma pianista gospel. Lynette Washington, que eu produzo agora como uma artista de jazz, é uma cantora gospel, e eu tinha realmente conduzido coros de gospel antes. Então eu disse: "Com certeza, vamos fazer isso."
Joel disse: "Aqui está um pouco de dinheiro. Vá e faça uma demo e eu vou ouvi-la."
Não me lembro o quanto ele me deu, mas foi provavelmente entre US$500 e US$1.000 para pagar os custos de estúdio e tal.
Eu terminei a reunião e fui para casa e me juntei com minha esposa, Claudette, minha cunhada, Lynette e meu filho, Chris, que tinha acabado de sair da faculdade e estava trabalhando como co-produtor comigo. Sentamos e usamos uma bateria eletrônica para obter o rhythm track. Fizemos um arranjo vocal, tinhamos alguns conceitos. A Island Records nos deu uma cópia do single do U2, e montamos um arranjo como uma equipe.
O coro não existia naquele momento. Nós precisávamos de um coro. Tem muitos cantores que conheci profissionalmente e de escolas, então o coro real consistiu em estudantes do ensino médio do meu coral gospel no ensino médio, além de cantores profissionais, que eu conhecia. Juntei eles todos e fomos direto para o estúdio e ensaiamos lá. Eu fiz a parte de baixo e piano e ensinei para o coro suas partes no estúdio. Foi no estúdio Secret Sound.
Tive a Lynette, que é irmã da minha mulher, para fazer uma demo crua disso. Terminamos lá pelas 10 da noite, talvez gastamos quatro horas, e parecia muito bom. Tinhamos uma rough mix dela quando o Joel chegou e disse: "Oh meu Deus, isso é exatamente o que eu tinha em mente." Realmente soava muito bem.
Não era uma canção complicada e eu estava acostumado à trabalhar rapidamente.
O que você ouve no 'Rattle And Hum' é uma espécie de versão bastarda do que fizemos. É parcialmente o arranjo que eu tinha, e em parte porque Bono e eu realmente batemos cabeça em ensaios - não de uma forma negativa , nós estávamos apenas tentando descobrir uma maneira de encaixar as duas peças juntas. Se você quer ouvir a versão original, está no iTunes em um álbum chamado Rockspel - que combina gospel e rock. Mais tarde, peguei todas as demos que fizemos depois disso e coloquei elas juntas em um álbum que está no iTunes (o álbum inclui também um cover de "Mysterious Ways" do U2 que foi feito anos depois).
Depois que terminamos a gravação, Joel voltou para Island Records com a demo e toda a equipe ficou doida por ela. Então no dia seguinte, meu advogado tinha um contrato de gravação em sua mesa para o New Voices Of Freedom. Nós basicamente inventamos esse nome. Minha esposa já tinha um coral de escola chamado Voices Of Freedom, então dissemos que este seria o New Voices Of Freedom.

domingo, 27 de outubro de 2013

Nota triste: aos 71 anos, morre Lou Reed

Faleceu aos 71 anos de idade, Lou Reed, segundo a edição americana da revista “Rolling Stone”. O músico nova-iorquino foi um dos fundadores do mítico grupo Velvet Underground. A causa da morte não foi divulgada, mas o cantor havia passado por um transplante de fígado em maio deste ano e internado em julho com uma desidratação severa.
Nascido em 1942 em uma família judia do Brooklyn, em Nova York, o compositor, cantor e guitarrista fez parte da cena roqueira da cidade dos anos 1960 e 70, ao lado de nomes como David Bowie e Iggy Pop.
Em 1964, fundou, o Velvet Underground ao lado de John Cale, Sterling Morrison e Angus MacLise (logo substituído por Maureen Tucker). Em apenas nove anos de existência (ele se reuniria várias vezes nas décadas seguintes), o grupo teve pouco sucesso comercial, mas se tornou uma grande influência para as gerações seguintes.
O produtor Brian Eno chegou dizer, em uma entrevista, que o disco de estreia, chamado "The Velvet Underground & Nico" (da famosa capa da banana, assinada por Andy Warhol, seu grande amigo e companheiro de Nova York), vendeu apenas 30 mil cópias, mas que "cada uma daquelas 30 mil pessoas formou uma banda".
Depois da separação do Velvet, Reed se lançou em uma carreira solo que durou 40 anos, com discos solo como "Transformer" (1972), "Berlin" (1973) e "Legendary hearts" (1983), além de colaborar com artistas diversos, desde membros do Yes até bandas como The Killers e Metallica (a parceria gerou o disco "Lulu", o último de Reed, de 2011, mais um fracasso comercial).
Em maio, após o transplante a que foi submetido, sua mulher, a artista performática Laurie Anderson, chegou a dar uma declaração ao "The Time", afirmando que "foi tão sério quanto poderia ser, ele estava morrendo. Não acredito que ele vá se recuperar totalmente, mas certamente ele vai voltar à atividade em alguns meses". Dias depois, ele escreveu nas redes sociais uma mensagem para tranquilizar os fãs: “Sou um triunfo da medicina moderna, da saúde e da química. Sou maior e mais forte do que nunca. Espero voltar aos palcos e fazer mais músicas”.
No começo do ano, Lou Reed cancelou uma série de apresentações “devido a inevitáveis complicações” - entre elas, as do festival Coachella.
Lou Reed nunca escondeu sua admiração pelo U2 e por Bono.
No ano de 1986, U2 e Lou Reed participaram da turnê A Conspiracy Of Hope, e juntos no palco tocaram a canção "Sun City".

Em 1989, Lou Reed citou Bono na letra da canção "Beginning Of A Great Adventure". Uma brincadeira sobre qual nome daria a um filho se tivesse, incluiu o nome do vocalista do U2.
O U2 regravou em 1992 a canção "Satellite Of Love" de Lou Reed, para o lado b do single de "One".
No primeiro show Outside Broadcast da turnê ZOOTV, Lou Reed subiu ao palco b e apresentou a música com a banda.
No show, Lou e Bono realizaram um dueto utilizando seus estilos vocais contrastantes. Bono reafirmou a influência do cantor na banda, anunciando "todas as músicas que já escrevi foi um rip-off de uma canção de Lou Reed".
Para o próximo show e também para o restante da turnê, o U2 utilizou no telão uma gravação de Lou Reed cantando a canção, e então virou um dueto virtual entre ele e Bono.

Mais tarde Bono regravaria novamente a canção, desta vez com a Million Dollar Hotel Band, para a trilha sonora do filme 'The Million Dollar Hotel'.

Em 1997, Bono participou da regravação da canção "Perfect Day", de Lou Reed, juntamente com diversos artistas.
A performance foi lançada como single beneficente em novembro do mesmo ano, pela Chrysalis Records.

EP U2 Three ( 12' )

"O single U2-3 é o mais valioso e importante item no mundo de um colecionador do U2. Limitado e muito raro. Esta gravação é onde tudo começou - o ponto zero. É o Santo Graal de um colecionador do U2."

O EP Three, também conhecido como U2-3, é o histórico primeiro trabalho lançado pelo U2, pelo selo CBS Records.
As três canções do EP foram gravadas e lançadas em 1979, sendo produzido pela própria banda com Chas de Whalley e disponível na Irlanda quando lançado.
Three foi produzido como um disco sem capa de 12 polegadas e, posteriormente como um compacto de 7 polegadas com capa original. A versão 12' teve uma tiragem inicial de 1.000 cópias numeradas individualmente.
Foi reeditado cerca de sete vezes em vinil 12', mas continua sendo uma raridade neste formato e suas músicas foram lançadas em CD em 2008 como parte do disco bônus do relançamento do primeiro álbum de estúdio, 'Boy'.
Foi lançado também em cassete, mas curiosamente, apesar de ter sido prensado em 1979, foi lançado somente na Irlanda no ano de 1985.
A ordem das faixas de Three foi determinada por uma votação de Dave Fanning na rádio irlandesa. "Out Of Control" foi escolhida como A-Side do disco, com "Stories For Boys" e "Boy–Girl" como B-Sides.
As primeiras 1000 cópias numeradas à mão foram vendidas na Irlanda apenas, e também cedidas à algumas pessoas, pelos integrantes da banda.
Jackie Hayden, da CBS Records: "O conceito para a edição limitada numerada para o U2-3 me ocorreu depois de observar que não eram fãs de, por exemplo, pinturas, quem comprariam uma impressão numerada e teriam um item exclusivo que ninguém mais tinha.
Eu pensei que o U2 era tão especial, que seus registros deviam ser tratados com a mesma importância individual.
Resolvi eu mesmo numerá-los à mão porque houve considerável antagonismo da CBS do Reino Unido para o escritório irlandês, apagando qualquer registro irlandês em tudo, e eles já tinham recusado o U2 depois de ouvir as faixas que foram lançadas no U2-3!
Eu não lembro o porque utilizei duas canetas. Talvez a primeira caneta se perdeu ou foi usada para outras coisa no escritório, ou algum funcionário pegou. Faz muito tempo, é difícil de lembrar, mas não há nenhum significado para elas de qualquer maneira.
Eu ainda tenho minha própria cópia de número 1000, e eu tenho uma cópia teste de pré-lançamento com o rótulo branco prensado, onde apenas 4/6 foram prensados.
A cópia de número 1 provavelmente foi para a loja de discos que vendeu inicialmente a maioria das primeiras cópias."


1° prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1979
Selo: Capa laranja e amarela da CBS com etiqueta numerada a mão.
Gravadora: Irlanda está grafada corretamente. Nome da banda aparece em ambos os lados do registro na cera do rótulo.
“Made in England” na parte inferior. Fonte em negrito para "U-2". Estéreo é escrito em letras grandes. CBS Inc. não aparece na parte inferior do rótulo.
Etiqueta: Numerada à mão por Jackie Hayden. Todas as cópias têm os números com tinta preta ou azul.

Da 2° à 7° prensagem em vinil 12', nenhuma veio com a etiqueta numerada, e não é confirmada se esta é a sequência real, e também podem existir outras prensagens.

2ª prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1980 / 1981
Capa: CBS
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece em ambos os lados do registro na cera do rótulo. “Made in England” na parte inferior. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. não aparece na parte inferior do rótulo.

3º prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1980 / 1981
Capa: CBS
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece somente em um lado do registro na cera do rótulo. “Made in England” na parte inferior. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. não aparece na parte inferior do rótulo.

4° prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1980 / 1981
Capa: CBS
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece em ambos os lados do registro na cera do rótulo. “Made in England” não aparece na parte inferior. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. não aparece na parte inferior do rótulo.

5° prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1980 / 1981
Capa: CBS
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece somente em um lado do registro na cera do rótulo. “Made in England” na parte inferior, mas ao lado do final do revestimento do círculo. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. não aparece na parte inferior do rótulo.

6ª prensagem
Gravadora: CBS Irlanda
N º de catálogo: 12-7951
Lançamento: 1980 / 1981
Capa: luva genérica preta com corte no meio
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece somente em um lado do registro na cera do rótulo  “Made in England” na parte inferior, mas ao lado do final do revestimento do círculo. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. aparece na parte inferior do rótulo.

7° prensagem
Gravadora : CBS Irlanda
N. º de Catálogo : 12-7951
Lançamento : 1980/1981
Capa: luva genérica preta com corte no meio
Selo: Irlanda está escrito errado (Irelnad). Nome da banda aparece somente em um lado do registro na cera do rótulo. “Made in England” não aparece na parte inferior, e também não aparece no final do revestimento do círculo. Tipo de letra normal para "U-2". Estéreo é escrito com apenas a primeira letra em maiúscula. CBS Inc. aparece na parte inferior do rótulo.

Sobre a versão em compacto 7', com a capa original:

A primeira prensagem tem o número UKTM no rótulo da CBS e "GRAFOTONE" escrito na capa traseira.
As primeiras reedições são com o rótulo vermelho e CBS está escrito em preto (do primeiro PAC "4 U2 Play").
Uma nova reedição foi feita, com o selo original da CBS e sem o número UKTM.
A última reedição neste formato trouxe novamente o rótulo vermelho, mas CBS escrito em branco (ambos a partir das reedições do PAC).

sábado, 26 de outubro de 2013

U2 Anthology 1987 - 2010 * FITA 8

Compilada por um fã, esta é a oitava parte de uma série de áudios registrados em fitas cassete, trazendo passagens de sons, jam sessions e ensaios do U2 que aconteceram antes de concertos da banda entre 1987 e 2010, e que em muitas vezes o grupo tocou curiosas partes instrumentais, testou bases pré gravadas e Bono improvisou alguns vocais desconhecidos.
Este material contém muitas versões demos, alternativas, músicas inéditas ou ideias iniciais para canções do U2.
Muitas músicas do U2 tiveram sua encarnações originais provenientes de improvisações em passagens de som como estas.

Nesta oitava parte de 13 minutos, temos três áudios:

1. Este áudio é muito interessante e foi registrado em 1989 na fase Rattle And Hum, em uma passagem de som durante a turnê Lovetown.
Essa peça já mostrava uma mudança de sonoridade do U2. Já com cara de material da fase seguinte, Achtung Baby, este áudio pode ter sido em parte, um esboço inicial do que viria à se tornar "Until The End Of The World", música inicialmente feita para o filme de Wim Wenders, de 1991, e também parte de outra canção do U2 de 'Achtung Baby'.
Bono improvisa uma letra em cima da melodia tocada pela banda.
Detalhe: dos 2 minutos e 26 segundos aos 2 minutos e 42 segundos do áudio, o riff de guitarra de Edge é muito parecido com o riff de guitarra do trecho final da canção "The Fly".
Aos 3 minutos e 20 segundos do áudio, Bono canta de uma maneira muito semelhante ao trecho "It's no secret that the stars are falling from the sky, the universe exploding 'cos-a one man's lie. Look I gotta go, yeah, I'm running outta change. There's a lot of things if I could I'd rearrange" da canção "The Fly".
Aos 4 minutos e 53 segundos do áudio, novamente o riff de guitarra é parecido com outro trecho do final de "The Fly".

2. Áudio de uma canção gravada em uma passagem de som na Popmart Tour, em 1998. Já é um som mais definido, mais estruturado, com Bono cantando uma letra.
A sonoridade é bem diferente do que a banda fez na fase do disco 'POP', e este som já está mais próximo da sonoridade adotada pelo U2 no disco seguinte, 'All That You Can't Leave Behind'.

3. Ensaio de 1992 entre 'Achtung Baby' e 'Zooropa'. O áudio, registrado durante a passagem de som para um dos shows da turnê ZOOTV, é de uma balada acústica com Bono e Edge.

A história por trás das gravações do U2 com o coral New Voices Of Freedom - Parte 01

Uma das cenas mais memoráveis ​​do filme-concerto 'Rattle And Hum' do U2, é quando a câmera acompanha a entrada da maior banda do mundo em uma pequena igreja no Harlem, munidos apenas de uma única guitarra e um amplificador, o braço de Bono em uma tipóia, e se encontrando com um coro formado de estudantes do ensino médio e cantores profissionais, que foi organizado pelo homem que os direcionava, Dennis Bell.
Juntos, eles transformam a canção "I Still Haven't Found What I'm Looking For" do topo das paradas pop de sucesso, para uma versão gospel de arrepiar a pele.
Hoje, Dennis Bell ainda está vivendo e trabalhando na área da cidade de Nova York. Ele é um premiado produtor, que está atualmente trabalhando com a cantora de jazz Lynette Washington, escrevendo partituras musicais para outras produções e também trabalhando no ensino de música e tecnologia musical em um pequeno colégio privado na cidade. Recentemente, passou uma hora no telefone em entrevista para Matt McGee do site www.atu2.com, falando sobre os eventos de 25 anos atrás, que o levou a formar o New Voices Of Freedom e gravando não somente "I Still Haven't Found What I'm Looking For", mas também "The Sweetest Thing", para a trilha sonora do filme 'Scrooged', com Bill Murray no elenco.
O primeiro contato de Bell não foi com o U2, mas sim com a Island Records, como ele explica: "Em 1987, eu estava trabalhando com um grupo que eu queria que a Island tivesse interesse, então eu fiz uma consulta e fui até os escritórios carregando uma demo.
Fui apresentado graças ao escritório, à um cara de A&R, Joel Webber. Ele olhava para as coisas que eu fiz e percebeu que eu era um regente de coral, além de produzir e tudo mais.
Ele me perguntou: "Você conduz coro?" E eu respondi: "Sim, eu venho fazendo isso há anos."
Ele ficou em silêncio por um momento e então disse: "Eu tive essa idéia que está rolando na minha cabeça e gostaria de saber se você poderia fazer alguma coisa com ela."
Ele disse: "Você se lembra do Foreigner com "I Want To Know What Love Is", sabe como soa aquele coro na versão secundária dela?" Eu disse: "Sim, eu ouvi isso algumas vezes."
'The Joshua Tree' já havia sido lançado e o primeiro single era "With Or Without You". Ainda não havia um segundo single.
Eu estava ciente do U2 no momento, porque realmente era inevitável. Mas eu estava mais para jazz e R&B , então eu não sabia muito bem o seu repertório. Eles estavam em todas as revistas do mundo, apesar de tudo.
Assim, Joel disse: "Estamos lançando "I Still Haven't Found What I'm Looking For" como o segundo single do disco." Eu não sabia o que a música era porque eu não tinha ouvido antes. Ele disse: "Você acha que você poderia tirar essa música e fazer uma versão gospel dela?"

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

The Million Dollar Hotel - Edição Especial 2 DVDS ( Alemanha )





Rara edição em DVD do filme The Million Dollar Hotel, lançada na Alemanha pela Concorde Video. Traz um DVD bônus com 200 minutos de material extra.

DVD Alemão, código regional 2

Disc 1
Million Dollar Hotel Film
Wim´s German Commentary
Film trailer US/German
DTS Sound Dolby Digital 5.1

Disc 2
One Dollar Diary (95 minutes Making-Of Documentary)
U2 Video "The Ground Beneath Her Feet"
Bios
Photogallery
Deleted scenes
Screensaver

O grande atrativo deste material bônus é o documentário 'One Dollar Diary'.
Como divulgação para o filme, foi produzido um especial para um canal francês de filmes independentes. Esse especial, batizado de 'The One Dollar Diary', é um making of do filme e da trilha sonora.
Neste making of foi mostrada uma canção inédita gravada por Bono, Daniel Lanois e a MDH Band; que não foi utilizada no filme e na trilha sonora, chamada "Jump Start My Heart".
Também neste documentário, há uma performance em estúdio da canção "Anarchy In The USA" com a 'Million Dollar Hotel Band', com Bono participando do ensaio como guitarrista e vocalista, cantando em espanhol a música.

Bono em documentário sobre a vida de Victor Jara

'A Ressurreição de Victor Jara' é o nome do ambicioso documentário sobre o artista, que é preparado há cinco anos e sob a premissa de toda a influência de sua obra, de cantores-compositores locais, aos megastars estrangeiros que o citam como referência.
No trailer disponível no site oficial (www.resurrectionofvictorjara.com) há depoimentos de Bono, Emma Thompson, Judy Collins e Pete Seeger, Devendra Banhart, Jackson Browne, Arlo Guthrie (filho de Woodie) e Peter Yarrow ( do trio Peter, Paul and Mary ).

Embora ele sempre consiga estar em todas, não é por acaso que Bono aparece no documentário." Não se esqueçam de Victor Jara", foram as palavras ditas por ele no último show do U2 no Chile em 2011, na performance da canção lançada em 1987, "One Tree Hill", em que Victor é citado na letra, em uma pequena homenagem à sua memória.
No poster do documentário, foi usada a frase "his song a weapon in the hands of love", e os créditos ao U2.
Grande cantor popular chileno, Victor Jara foi cruelmente assassinado nos primeiros dias da ditadura instaurada pelos militares liderados por Augusto Pinochet em 1973. O crime aconteceu no Estádio Nacional que servia de prisão para milhares de militantes. O relato chocante abaixo, que mostra a barbaridade do assassinato, foi retirado de No Olho do Furacão, do jornalista brasileiro Paulo Cannabrava, a partir de relatos de quem esteve lá.
“Em um dado momento, Victor desceu para a platéia e se aproximou de uma das portas por onde entravam os detidos. Ali topou – cara a cara – com o comandante do campo de prisioneiros que o olhou fixamente e fez o gesto mimico de quem toca violão. Victor assentiu com a cabeça, sorrindo com tristeza e ingenuidade. O militar sorriu, contente com sua descoberta..
Levaram Victor até à mesa e ordenaram que pusesse suas mãos em cima dela. Rapidamente surgiu um facão. Com um só golpe cortaram seus dedos da mão esquerda e, com outro, os da mão direita. Os dedos cairam no chão de madeira, ainda se mexendo, enquanto o corpo de Victor se movia pesadamente.
Depois choveram sobre ele golpes, pontapés e os gritos: ‘canta agora… canta…’, a fúria desencadeada e os insultos soezes do verdugo ante um ‘alarido coletivo’ dos detidos.
De improviso, Victor se levantou trabalhosamente e, com o olhar perdido, dirigiu-se às galerias do estádio… fez-se um silêncio profundo. E então gritou:
- Vamos lá, companheiros, vamos fazer a vontade do senhor comandante.
Firmou-se por alguns instantes e depois, levantando suas mãos ensanguentadas, começou a cantar em voz ansiosa o hino da Unidade Popular (Coligação de partidos de esquerda que apoiavam o governo de Allende), a que todos fizeram coro.
Aquele espetáculo era demasiado para os militares. Soou uma rajada e o corpo de Victor começou a se dobrar para a frente, como se fizesse uma longa e lenta reverência a seus companheiros. Depois caiu de lado e ficou ali estendido.”

October: discreto e introspectivo

O produtor Steve Lillywhite, amigo de longa data dos integrantes do U2 e responsável pela sonoridade da banda nos três primeiros discos, relembra a tensão, tédio e inspirações por trás das sessões de gravações.
The Edge disse que o U2 "tinha muito poucas novas músicas de mérito" de entrar no estúdio para gravar o disco de 1981, 'October'.
Mais discreto e introspectivo do que seu antecessor, 'October' recebeu críticas mistas dos críticos que não se impressionaram com a meditação de Bono.
As sessões de gravação foram ofuscadas pelas preocupações de que a indústria da música estava em desacordo com as crenças religiosas do vocalista, e de seus colegas de banda The Edge e Larry Mullen.
Outro revés veio quando uma maleta cheia de letras foi roubada, forçando Bono reescrever algumas das canções.
"O U2 poderia ter seguido dois caminhos após 'Boy'. Eles poderiam ter estourado e ter ficado maiores, mas na verdade o que eles fizeram foi se encolher um pouco. Eles eram um pouco assustados com o mundo, eu acho.
Sim, havia Bíblias espalhadas pela sala durante a gravação. Havia uma quantidade razoável daquilo. Mas eu estava muito ocupado tentando fazer um álbum, e aquilo tomou conta de mim.
Foi completamente caótico e louco no estúdio e, obviamente, as letras de Bono sendo perdidas contribuiu para a atmosfera. Eu não tenho certeza se qualquer uma daquelas palavras teriam sido usadas no álbum. Só ele sabe disso, mas certamente teriam sido um ponto de partida.
Mas o que saiu foi muito sereno de uma forma estranha. Uma música, "Scarlet", só tem uma palavra: 'Rejoice'. As pessoas não fazem músicas assim mais.
Bono teve que cantar essas músicas por dois anos na estrada. Ele sempre diz: "Eu sou um vendedor ambulante e eu preciso ter certeza que meu aspirador de pó é o melhor aspirador de pó que existe."
No final, 'October' não foi um grande disco. Depois do rock and roll com coisas malucas que eles fizeram no primeiro álbum, as pessoas estavam esperando algo que fosse um pouco mais "destemido". O que eles tiveram, de fato, foi talvez uma indicação de onde a banda iria mais tarde em sua carreira.
'The Joshua Tree' foi, provavelmente, o casamento com a sensibilidade desses dois primeiros álbuns e foi aí que eles acertaram o ouro."

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Duas versões inéditas de canções do U2 com o coral gospel New Voices Of Freedom

Em comemoração aos 25 anos de 'Rattle And Hum' do U2, o site www.atu2.com entrevistou Dennis Bell, que dirigiu o coral New Voices Of Freedom na colaboração com o U2 em "I Still Haven't Found What I'm Looking For", presente no álbum e no filme.
Dennis resolveu dar um presente aos fãs do U2, disponibilizando no Soundcloud duas faixas de áudio raras daquela época que jamais foram ouvidas anteriormente.

A primeira música é uma versão inédita ao vivo do U2 com o coral New Voices Of Freedom para "I Still Haven't Found What I'm Looking For" da filmagem do concerto no Arizona em dezembro de 1987, que foi mixada depois com o coral cantando uma coda extra de "Exodus" do Bob Marley.
A filmagem da performance do U2 foi feita para o filme, mas acabou não sendo utilizada.
O áudio do coral cantando "I Still Haven't Found What I'm Looking For" é o mesmo take utilizado na versão ao vivo da canção lançada no disco do U2.
Dennis pegou duas peças separadas (o áudio do coral e a performance do U2), juntou as duas e adicionou a coda de "Exodus".
Ouça CLICANDO AQUI

A segunda canção é uma versão inédita de "The Sweetest Thing", do U2, que o coral gravou para a trilha sonora do filme 'Scrooged' (Os Fantasmas Contra Atacam), de 1988.
Ouça CLICANDO AQUI

Dennis e seu filho Chris (que eram co-produtores da regravação) não estavam felizes com a mixagem e fizeram este mix alternativo que traz a luz e o poder do New Voices Of Freedom.
Infelizmente, o mix mais fraco foi escolhido e utilizado no álbum da trilha sonora do filme.

Agradecimento: Matt McGee

U2 ensaiando "Stairway To Heaven" antes de apresentação na Australia na turnê ZOOTV

No ano de 1993, o U2 fez uma aparição no Australian Music Awards através de um video (gravado antes) em uma passagem de som na turnê ZooTV, em Sydney. A banda foi indicada e faturou o prêmio 'Best International Album', por 'Zooropa'.
Só estão presentes Larry, Edge e Bono. Adam Clayton nesta época estava com problemas de alcoolismo, e por causa de uma forte ressaca, perdeu a primeira noite dos shows do U2 na Australia. Foi a primeira e única vez que a banda tocou sem um dos seus integrantes.
Mais tarde na mesma premiação, um outro video com o U2 foi exibido, e mostra Edge tocando o riff e Bono cantando "Stairway To Heaven", do Led Zeppelin, antes de serem interrompidos pela repórter e serem premiados novamente, agora como 'Best International Act'.

Steve Lillywhite faz revelações sobre as gravações de 'Boy' do U2

O produtor Steve Lillywhite, amigo de longa data dos integrantes do U2 e responsável pela sonoridade da banda nos três primeiros discos, relembra a tensão, tédio e inspirações por trás das sessões de gravações.
O primeiro álbum do U2, 'Boy', de 1980, foi gravado quando a banda toda tinha menos de 21 anos de idade, e seu título faz referência a sua ingenuidade juvenil.
Originalmente, o disco seria produzido pelo produtor do Joy Division, Martin Hannett, mas ele desistiu depois que o vocalista Ian Curtis cometeu suicídio.
"Eu sempre me lembro que neste primeiro álbum, eu estava sentado na mesa de mixagem com a banda atrás de mim e de repente eu ouvi todos eles rindo. Virei-me e de repente os quatro ficaram tímidos, se calando um à um, como se um professor estivesse olhando para eles.
Eu acho que eles iriam admitir que, como todos os adolescentes, eles não viveram tempo suficiente para adquirir uma personalidade. Não havia muita conversa no estúdio. Era tudo muito sério.
Nós gravamos em um lugar chamado Windmill Lane, em Dublin. Foi ótimo para a música tradicional irlandesa, mas nenhuma banda de rock irlandesa havia gravado lá. Thin Lizzy foi para Londres para fazer suas gravações. The Boomtown Rats não gravou na Irlanda também."
A banda disse que Lillywhite era "como um apresentador de TV para crianças".
"A equipe do estúdio ficou muito surpresa quando eu decidi que queria gravar a bateria no corredor da recepcão do Windmill, pois no estúdio não havia aquele som maravilhoso que eu queria chegar.
Mas isso significava que não poderíamos gravar até a noite chegar, porque esta menina estava sentada atendendo o telefone durante todo o dia. Mesmo assim, não podíamos desligar a campainha do telefone.
Foi tudo muito descuidado. Mas, curiosamente, não é muito diferente de como a banda ainda grava."

Rattle And Hum 25 Anos: Bono estava de ressaca na igreja do Harlem

O disco 'Rattle And Hum' do U2 completou 25 anos de existência, junto com o filme-concerto de mesmo título!
Em 1987, durante a turnê The Joshua Tree, a banda ficou sabendo do fato de que um grupo de gospel do Harlem, chamado 'The New Voices of Freedom', estava fazendo um cover de "I Still Haven’t Found What I’m Looking For".
O coral tinha enviado uma fita de sua versão da canção para a Island Records, que passou para o U2. Bono, Adam, Larry, The Edge e Gavin Friday foram checar o coral em sua igreja no Harlem e ficaram impressionados. Como a turnê 'The Joshua Tree' estava em Nova York, uma colaboração parecia ser uma opção atrativa.
A banda sugeriu alguns ensaios, para ver se as diferentes versões da canção poderiam ser integradas. O resultado fornece um dos momentos marcantes do filme 'Rattle and Hum'.
Bono na época de lançamento do filme, disse que era a parte mais dolorosa pra ele no filme: "Confesso, eu estava com uma grave ressaca. É particularmente doloroso ver essa parte do filme, porque eu tinha caído no palco em Washington, eu tinha escorregado. Eu estava correndo, e eu escorreguei. E eu desloquei meu ombro, e eu estava com dor.
Vou confessar que bebi alguns drinks, em seguida, para tentar resolver o problema da dor, e exagerei um pouco nas doses na noite anterior à nossa ida para a igreja no Harlem. E assim, tudo o que vejo - e quando eu vejo isso, e eu tenho que vê-lo, agora que nós estamos indo para as estreias; eu assisto tapando o olho e vendo através dos meus dedos. Mas assistindo eu vejo uma péssima ressaca e realmente alguns grandes cantores gospel."

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Edge assumiu os vocais de canção do U2 no aniversário de Bono em 1993

Esta conta com a colaboração do fã do U2 e seguidor do blog, Gabriel Almeida Assumpção, que foi quem enviou o áudio ao vivo de The Edge no vocal principal da canção "Party Girl"!
Então agora é hora de saber mais sobre este momento incomum em shows da banda!
Apesar de indicar que foi gravado em um show em Stuttgart em 1993, o áudio foi registrado no show da Zooropa Tour no Feyenoord Stadium, Rotterdam, Holanda.
Era 10 de maio de 1993, dia do aniversário de 33 anos de Bono! E como sempre foi Bono que cantou a canção para comemorar o aniversário de algum integrante ou alguém próximo da banda, naquela noite foi a vez dele ser o homenageado, e Edge fez as honras:

U2 em novas sessões de fotos e gravação de video

No início de outubro, os quatro integrantes do U2 estavam em Nova York, e foram vistos juntos em uma sessão de fotos no telhado de um prédio em West Village, Manhattan.
Nestes últimos dias, a banda realizou mais duas sessões de fotos, que podem estar ligadas ao lançamento do novo disco da banda, que deverá ocorrer no início do próximo ano.
O U2 foi visto em uma sessão de fotos em uma parada de trem na Westminster Station Parliament Square em Londres.
Dias depois a sessão de fotos aconteceu na pequena comunidade de Bray, ao sul de Dublin, não muito longe de onde Bono e The Edge moram.
Nesta sessão de fotos em Bray, o U2 realizou algumas gravações em vídeo, e a banda tocou uma versão acústica de "Desire", faixa de 'Rattle And Hum'.
Com o álbum completando 25 anos, o vídeo pode ser para algum futuro lançamento comemorativo, ou para algum especial sobre o disco.


Agradecimento: www.atu2.com - www.noticierou2.blogspot.com

U2 Anthology 1987 - 2010 * FITA 7

Compilada por um fã, esta é a sétima parte de uma série de áudios registrados em fitas cassete, trazendo passagens de sons, jam sessions e ensaios do U2 que aconteceram antes de concertos da banda entre 1987 e 2010, e que em muitas vezes o grupo tocou curiosas partes instrumentais, testou bases pré gravadas e Bono improvisou alguns vocais desconhecidos.
Este material contém muitas versões demos, alternativas, músicas inéditas ou ideias iniciais para canções do U2.
Muitas músicas do U2 tiveram sua encarnações originais provenientes de improvisações em passagens de som como estas.

Nesta sétima parte de 13 minutos, temos três áudios:

1. Registro de um ensaio experimental do U2. Provavelmente foi gravado em 1992, já na fase 'Achtung Baby'.
Ela começa com um som mais atmosférico, parecendo algo daquele projeto da trilha para 'A Clockwork Orange' que Edge e Bono realizaram no final da década de 80. A sonoridade também parece inicialmente com alguns dos sons que a banda fez para o disco dos Passengers em 1995, juntamente com Brian Eno.
Bono em seguida improvisa alguns gritos e algumas palavras em cima da melodia mais rock que a banda executa, soando agora mais como a fase 'The Joshua Tree'.

2. Uma passagem de som de 1998 durante a Popmart Tour mostra uma versão primitiva de uma canção que seria lançada pelo U2 anos mais tarde.
O áudio tem um som de baixo tocado por Adam, que é idêntico ao som de baixo da canção lado b "Big Girls Are Best", lançada pelo U2 em 2001, e que foi gravada nas sessões de gravação de 'All That You Can't Leave Behind'.
Bono canta uma letra junto à leve melodia tocada pelos outros integrantes do U2.
No final, Edge toca sua guitarra no estilo da introdução ao vivo de "If You Wear That Velvet Dress".

3. Mais um áudio registrado durante passagem de som na turnê ZooTV no ano de 1992.
Desta vez não é Bono que improvisa.
A melodia é novidade, mas a letra da canção não. Bono canta as linhas de "The Fly", e a banda acelera e improvisa novos acordes para a música.
Bem curioso este som.

A arte de 'Achtung Baby' - Parte 03

E a vaca? "Bem, é uma vaca , em vez de um touro, apesar de ter chifres, que é um toque agradável. Anton veio com a noção de símbolo da vaca na capa. Mas o que eu originalmente pretendia era bem diferente do que ele realmente fotografou no final. Era difícil encontrar um modelo de vaca para fotografá-la, sem precisar passar pelo mundo todo."
Eles se estabeleceram para uma vaca irlandesa, encontrada em uma fazenda em Kildare. Por um tempo ela competiu com a foto de Adam e uma foto da banda em um Trabant, como uma foto única para ocupar a imagem principal na capa.
Todos, incluindo Anton, Daniel Lanois e Brian Eno, contribuiram para a discussão, e ficou claro que nenhuma imagem sozinha representaria o âmbito da reflexão sobre o álbum em si.
A idéia de uma multi-imagem ganhou o dia e isso significou que a banda em agosto finalmente havia se decidido sobre o título de 'Achtung Baby' para o disco, e o projeto da capa não foi muito afetado.
No final de tudo isso, o designer se disse confiante de que o projeto foi cumprido de acordo com seus próprios padrões elevados, que ele estabeleceu para si mesmo para este trabalho com o U2.
"Desde o início eu queria as capas para ter aquele personagem clássico. Muito do projeto naquele momento tinha forte impacto no momento particular, mas seis meses ou um ano na estrada, a tendência era ficar ultrapassado."
"Capas como a de 'Boy' e 'War' são tão fortes agora como quando apareceram pela primeira vez, e que, para mim, é uma parte importante do que é uma capa de um álbum clássico.
Considerando que, se você pegar o primeiro álbum de muitas bandas, a capa data imediatamente a banda para um lugar e tempo."
"O que nós tentamos fazer com 'Achtung Baby', foi criar um olhar para resistir ao teste do tempo, de modo que as pessoas ainda se sentirão tão fortemente sobre isso em 10 anos, como com qualquer uma das outras capas de discos do U2".

terça-feira, 22 de outubro de 2013

"Ordinary Love", a nova canção do U2, será lançada na íntegra no dia 30 de Outubro

O U2 revelou há poucos dias a sua primeira nova música nos últimos três anos, como parte de um trailer do filme biográfico " Mandela - A Long Walk To Freedom" .
O trecho da música que você pode ouvir no trailer indica que "Ordinary Love" é uma balada "mid-tempo" conduzida por um piano. Contém o seguinte refrão: "We can't fall any further and / We can't feel ordinary love/ We can't reach any higher/ We can't deal with ordinary love."
A canção foi composta especialmente para o filme, então não está claro se fará parte do novo álbum do U2.

ATENÇÃO: "Ordinary Love" será apresentada pela primeira vez na íntegra, no site oficial da banda, o U2.com, no dia 30 de outubro, e também via YouTube.

Agradecimento: Irish Times - U2 NEWS

Bono revela que não escreveu quase nada da letra de canção conjunta com T-Bone Burnett

'Behind The Trapdoor' é um EP de seis faixas lançado por T-Bone Burnett em 1984.
A faixa "Having a Wonderful Time, Wish You Were Her" foi co-escrita por Bono, sendo ela a primeira colaboração de Bono fora do U2.
Mas Bono revelou um segredo sobre esta faixa: "Eu realmente gosto dessa música, mas eu não escrevi muito dela. T-Bone foi muito generoso me dando 50% da música. Eu realmente escrevi outras com T-Bone como "Purple Heart", e eu acho que nós começamos outra também."

A arte de 'Achtung Baby' - Parte 02

No verão, Steve Averill viajou com o U2 e Anton Corbijn para o Marrocos, já tendo visto o material filmado em Berlim e em Santa Cruz. As idéias estavam aparecendo.
"Tornava-se claro que haveria um monte de cor e vibração nas fotografias, e também uma grande quantidade de movimento ", explicou Shaughn McGrath, colega de Steve, que desempenhou um papel fundamental nos projetos. "Ainda houve menos disparos do que anteriormente."
Eles estavam à procura de um equilíbrio entre a sensação do frio europeu, principalmente das imagens em preto e branco de Berlim, e climas exóticos mais quentes de Santa Cruz e Marrocos. "Queríamos que as pessoas vissem e sentissem o que os caras estavam fazendo nos últimos três anos", disse Steve. "Era muita coisa acontecendo e havia uma série de mudanças, incluindo muita diversão. As fotos não são todas sérias, como algumas pessoas acostumam associá-los."
Uma inovação interessante foi a das fontes desenhadas à mão por Shaughn, usadas ​​para criarem um "mais solto, sentimento muito enérgico, mais estilo rock and roll e do momento."
Em agosto daquele ano, havia uma série de títulos de trabalho para o disco, como: 'Zoo Station', 'Achtung Baby', '69' e 'Adam'.
"Como designers, nós tentamos encontrar imagens que não eram inócuas," explicou Steve. "Nós usamos imagens como a cobra ou só o Bono ou a dança do ventre que tiveram algum impacto, não apenas fotos brandas. Colocando-se em algum tipo de simbolismo, as pessoas realmente pensam o por que elas estão lá."
Adam como um título de trabalho, teve a sua própria história, ligada a muita especulação da imprensa no lançamento do álbum, ligando ao fato da foto marcante do baixista sem roupa. Steve comentou: "A noção foi o da progressão muito básica, do primeiro álbum do Menino ao Homem, fazendo uma declaração muito simples, uma pessoa que está em uma forma muito pouco gloriosa. Ele não tinha a intenção de ter particularmente qualquer sexualidade sobre isso. Apenas uma declaração que a forma que a banda se encontrava era a mais aberta e "nu" possível."
Alguns observadores contornoram o simbolismo da foto em favor de algumas manchetes baratas: "Foi uma declaração do ponto de vista deles, nunca foi concebido como uma controvérsia".
Seu uso na arte da capa não adicionou outra imagem marcante para a pletora generosa de fotos escolhidas, aparentemente desconexas. Algumas das fotos foram usadas ​​porque elas são poderosas. Simplesmente por conta própria, e outras foram colocadas de forma a evocar significados para os fãs.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

O Dilúvio bíblico presente na canção "Beautiful Day"

A canção "Beautiful Day" do U2, traz duas referências ao Dilúvio na Bíblia: "depois do dilúvio todas as cores saíram" e "o pássaro com uma folha na boca".
Uma terceira referência pode ser a linha "os canyons quebrados por nuvens", mas a teoria dos canyons não é confirmada.
A Bíblia relata que a maldade da raça humana chegou a tal ponto que Deus decidiu destruir todos os seres vivos. Deus deu às pessoas 120 anos para se arrependerem, antes da destruição. Foi cerca de 1.400 anos depois da criação. Deus viu que a maldade do homem era grande, que o desejo do seu coração era mau sempre e ele era perverso. Somente Noé obedecia a Deus e andava em comunhão com Ele.
Deus avisou a Noé: “Resolvi acabar com todos os seres humanos. Eu os destruirei completamente e destruirei também a terra, pois está cheia de violência. Vou mandar um dilúvio para cobrir a terra a fim de destruir tudo o que tem vida; tudo o que existe na terra morrerá. Mas com você eu vou fazer um acordo, você e sua mulher, seus filhos e as suas três noras vão entrar na arca”.
Os animais entraram com Noé na arca, de dois em dois, macho e fêmea, como Deus havia mandado. Quando todos estavam dentro, Deus fechou a porta. Depois que Deus fechou a porta, veio o dilúvio sobre a terra. A chuva do dilúvio durou 40 dias e as águas cobriram tudo, até os picos mais altos das montanhas. Somente Noé e aqueles que estavam com ele na arca ficaram vivos. O resto dos seres humanos e dos animais foram mortos. A enchente sobre a terra durou cento e cinqüenta dias, antes que a água começasse a baixar.
Depois de mais quarenta dias, Noé soltou um corvo, que ia e voltava. Depois ele soltou uma pomba, que não achou lugar para pousar e voltou para Noé na arca. Depois de mais sete dias, ele soltou a pomba de novo, a qual voltou à tardinha, trazendo no bico uma folha verde de oliveira (o pássaro com uma folha na boca citado na letra de "Beautiful Day").
Deus fez um acordo com Noé, com seus descendentes e com todos os animais, e prometeu que nunca mas destruiria todos os seres vivos com dilúvio. Como sinal da promessa, Deus deu o arco-íris (depois do dilúvio todas as cores saíram, da letra da música).
O arco-íris foi o sinal visível da eterna promessa de Deus a todos os seres vivos no mundo, que não teria outro dilúvio para destruir todos os seres vivos.
A questão que envolve o estudo do Grand Canyon causa polêmica, pois evolucionistas dizem que este é fruto de milhões ou bilhões de anos de erosão, e criacionistas afirmam que este é fruto da ação do dilúvio bíblico global, moldado pela água e pelo vento.
Essa seria a ligação da linha "os canyons quebrados por nuvens" ao Dilúvio, na letra do U2.
Certeza mesmo é que quando Bono compôs a letra, esta parte ele escreveu sobre coisas vistas na Terra pelos astronautas lá no espaço.

Nome de Larry Mullen no trailer do filme 'A Thousand Times Good Night'

Já está disponível o trailer do filme 'A Thousand Times Goodnight', dirigido por Erik Poppe.
O filme é estrelado pela atriz francesa Juliette Binoche, que interpreta o papel de uma fotógrafa de guerra, Rebekka, que é seriamente ferida em um atentado suicida em Cabul, e quando volta pra casa se encontra num dilema: trabalho ou família.
No elenco do filme ainda estão Maria Doyle Kennedy, Larry Mullen Jr. e o ator dinamarquês Nikolaj Coster-Waldau. As filmagens foram feitas principalmente em Dublin e no Marrocos.
No trailer do filme, Larry não aparece, mas seu nome é visto:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...