"Song For Someone" 360 Version

Anúncios

sexta-feira, 29 de maio de 2009

U2 no aniversário de 50 anos da gravadora Island Records

Em 1958, Chris Blackwell era professor de esqui aquático em Mondego Bay, na Jamaica, quando se encantou pelo jazz do pianista cego Lance Hayward, que tocava no hotel onde ele dava aulas. Decidiu que o mundo precisava ouvir Hayward num LP, juntou mil libras e, em 1959, o selo de gravação Island Records dava início às suas atividades. Em meio século de atividade, a companhia de Blackwell revelou ao mundo artistas como Bob Marley, U2, Cat Stevens e Amy Winehouse e o transformou na pessoa mais influente da indústria musical britânica - o que não é pouca coisa. E boa parte dos músicos que já passaram ou ainda estão na gravadora se reunirão para o "Island 50 Festival", que está celebrando seu cinqüentenário entre os dias 26 e 31 de maio de 2009, em Londres. "Quando gravei Lance Hayward não tinha a menor ideia de que estrada estava tomando", admitiu Blackwell, que completa 72 anos em junho, ao jornal inglês "The Independent". Ele nasceu na Inglaterra em 1937, mas passou boa parte da infância e o início da juventude na Jamaica, onde se apaixonou pela fervilhante música local.
Em 1962, mudou de ilha e se estabeleceu na Inglaterra, onde passou a vender discos de ska e rock-steady para a população jamaicana de Londres, que ele carregava na traseira de seu carro e oferecia nas ruas. Em 1989, ao vender a Island para a Polygram (hoje Universal), ele havia transformado aquele investimento inicial de mil libras num negócio de US$ 300 milhões.
Em 1964, a gravação da açucarada e irresistível My Boy Lollipop, da cantora Millie Small, rendeu à Island seu primeiro grande sucesso - vendeu seis milhões de cópias em todo o mundo. Nesta época, os ouvidos de Blackwell já estavam abertos ao já prolífico rock inglês. Entre a segunda metada dos anos 60 e a primeira dos 70 ele lançou discos fundamentais de grupos e artistas como Spencer Davis Group, Traffic, Nick Drake, Mott the Hoople, Free, Cat Stevens, King Crimson, Jethro Tull ou Roxy Music.
A Island também foi responsável pela explosão mundial do reggae, ao fazer do grupo jamaicano Bob Marley & The Wailers uma febre internacional na década de 70. Nos anos 80, Blackwell abraçou o U2 e, ao confirmar o potencial de sua aposta, aumentou ainda mais o prestígio (e o capital) de seu selo.
O site
www.island50.com, criado para celebrar o aniversário do selo, lista o que considera os 50 grandes discos lançados pela Island. Estão lá albuns como B-52's (1979), Nightclubbing, de Grace Jones (1981), Swordfishtrombones, de Tom Waits (1983), Different class, do Pulp (1995) ou Back to Black, de Amy Winehouse (2006). E claro, o clássico The Joshua Tree do U2, lançado em 1987.
O Island 50 Festival reúne músicos de várias gerações em shows na Shepherd's Bush Empire, em Londres. Os novos The Fratellis e Bombay Bicycle Club dividem espaço com os veteranos Sly and Robbie, Paul Weller e Cat Stevens (que hoje atende pelo nome de Yusuf Islam).

O U2 fez uma aparição surpresa num desses shows, tocando 'One' com o africano Baaba Maal.
Bono e Maal cantaram um trecho de 'One Love' de Bob Marley, antes do U2 tocar uma versão acústica de 'Vertigo'.

---------------------------------------------
Vídeo 'One' e 'One Love':

Vídeo 'Vertigo':

quarta-feira, 27 de maio de 2009

U2 na campanha contra a Esclerose Múltipla

Pela primeira vez, neste dia 27 de maio de 2009, foi feita uma campanha mundial de sensibilização pela Esclerose Múltipla (instituído pela Federação Internacional de Esclerose Múltipla - Multiple Sclerosis International Federation).
Trata-se de uma doença crónica que atinge o sistema nervoso central e que interfere com a capacidade de controlar funções como a visão, locomoção e equilíbrio.
Apesar de não ter cura e de ser muito incapacitante e de difícil diagnóstico, é nos dias de hoje uma doença pouco divulgada.
Os medicamentos que existem servem apenas para controlar e estabilizar a evolução da doença, que é mais frequente em países de clima quente, especialmente de raça branca.
A faixa etária mais atingida pela Esclerose Múltipla é frequentemente entre os 20 e os 40 anos, sendo as mulheres o sexo mais afetado.
O U2 fez sua contribuição cedendo a canção "Beautiful Day", para fazer parte da campanha do filme que destacará diferentes aspectos desta doença.
Os especialistas procuram mobilizar as pessoas e aumentar a consciência da sociedade em relação à doença. O objetivo da Federação também é o de melhorar o trabalho das associações em todo mundo e gerar fundos para pesquisas sobre a doença.

http://www.worldmsday.org/?lang=pt
------------------------------------------
Vídeo da campanha com a canção do U2:

terça-feira, 26 de maio de 2009

O Livro de Cabeceira (The Pillow Book - 1996) - U2/Cinema

Em Kiotto, no Japão dos anos 70, a jovem Nagiko (Vivian Wu) comemora o seu aniversário com um estranho ritual. Seu pai escreve em seu rosto uma benção enquanto sua tia lê "um livro de cabeceira" escrito por Sei Shonagon, há quase mil anos. Nagiko cresce entre livros, papéis e escritas em corpos nus e essa sua odisséia sexual, se repete como um ritual a cada ano, mesmo com sua vida tomando rumos cada vez mais excitantes. Obrigada a aceitar um casamento arranjado, ela descobre segredos íntimos de seu pai enquanto o desejo pela escrita em seu corpo cresce a cada dia se transformando em uma verdadeira obsessão...até conhecer Jerome (Ewan McGregor) um tradutor inglês. Um homem bissexual que irá mudar seu destino e transformar seus desejos mais secretos em realidade .
No filme toca 'Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car', do álbum Zooropa do U2, mas a canção não está presente na trilha sonora.
---------------------------------------
Trailer:

Áudio 'Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car':

segunda-feira, 25 de maio de 2009

This is THE EDGE

David Howell Evans nasceu em Barking, Essex, que fica na zona este de Londres, a 8 de Agosto de 1961. Os seus pais Gwenda e Garvin Evans são naturais do País de Gales, e mudaram-se para a Irlanda, mais propriamente para Dublin, quando o seu filho tinha apenas um ano. A família também incluía a irmã mais nova, Gil, e o irmão mais velho, Dik. Em criança, David Evans era muito sossegado e gostava de estar sozinho, mas era também considerado muito inteligente. Era um excelente aluno, e antes de conhecer o resto da banda, tinha planos de ir para a universidade e formar-se em medicina. Tinha 15 anos quando pegou numa guitarra e o seu herói era Rory Gallagher “era o único verdadeiro guitarrista da Irlanda” admitiu. Foi durante o Outono de 1976 que o jovem viu o bilhete de Larry. Foi o primeiro a responder ao “anúncio” e apareceu na sua casa juntamente com o irmão Dik e o amigo Adam Clayton. Nesses encontros, Edge demonstrou o seu talento a tocar guitarra, e a química entre os membros tornou-se evidente desde o início. O nome The Edge foi atribuído por Bono devido às suas feições e ao hábito de observar tudo a partir da periferia. O estilo que desenvolveu ainda muito jovem, nada devia ao blues ou ao hard rock. “Sempre pensei que os solos de 15 minutos são uma perda de tempo, e o que eu gostava mesmo era de pessoas que tocavam as canções. É muito difícil a canção ser realmente boa com uma guitarra única e interessante.”
The Edge juntou-se a um grupo religioso Cristão, o Shalom, no início dos anos 80, juntamente com Bono e Larry. Estavam os três à procura de espiritualidade e da resposta à grande pergunta, no entanto, estes assuntos colocaram a banda em risco. Encontravam-se divididos entre os ideais Cristãos e o estilo de vida do rock and roll. Enquanto que Larry e Bono escolheram a banda rapidamente, Edge encontrava-se mais dividido. Tinha muitas dúvidas e quase abandonou os U2 no período que antecedeu o álbum War. Mas no fim de contas, acabou por aceitar o conselho de Bono e seguir o seu coração e, depois de um período de procura, também escolheu a banda. O guitarrista percebeu que não havia nenhum problema entre as suas crenças e a sua música, as pessoas é que colocavam esse problema.
A guitarra de The Edge foi o aspecto que melhor definiu os primeiros álbuns dos U2 e tornou-se uma “imagem de marca” da banda. Os sons característicos e hipnotizantes e as emoções que ele transmitia através dos mesmos o tornaram um dos guitarristas mais únicos da história do rock and roll. O seu estilo limpo, inteligente e perspicaz é inconfundível. Por vezes ele é chamado de “anti-herói da guitarra” devido à sua aversão ao estilo indulgente característico dos solos. Assim, ele tendeu sempre a evitar os solos e os blues, estando sempre mais interessado em texturas e ambientes musicais. Esse estilo foi posto à prova na época de The Joshua Tree e Rattle And Hum. “Nós não estávamos de acordo no que tocava ao rumo que o álbum iria levar. Se fosse como Bono queria, The Joshua Tree seria muito mais Americano e ao estilo dos blues, eu queria fugir a isso.” Bono conseguiu o que queria com Rattle And Hum e este tornou-se no álbum mais deslocado. Em 1983, Edge casou-se com Aislinn O'Sullivan, e com ela permaneceu durante sete anos. Tiveram três filhas mas separaram-se em 1990. Mais tarde, em 1993, o guitarrista conheceu Morleigh Steinberg, bailarina e coreógrafa da ZooTv Tour, de quem tem dois filhos. Casaram-se em 2002. The Edge teve muita influência na redescoberta do equilíbrio e reinvenção do U2. Embora a maioria das letras de Achtung Baby não lhe sejam creditadas diretamente, os temas de desejo, dúvida e traição assentaram perfeitamente nos seus assuntos pessoais. Ele se atirou para o trabalho e das sessões saíram músicas abstratas e experimentais que resultaram num álbum obscuro e complexo.
Nas palavras de Paul McGuinness “The Edge é muito inteligente, é um génio musical. Nunca encontrou um instrumento do qual não conseguisse tirar algum som bonito, pois é muito versátil e acredito que tem um dom.”
Assim, The Edge é muito mais do que um guitarrista. Escreveu e cantou “Van Diemen’s Land” e “Numb”, cantou Seconds do álbum War e também cantou sozinho “Sunday Bloody Sunday” na Pop Mart Tour. Escreveu a maioria das canções mais religiosas do U2 como “Wake Up Dead Man”. Em concertos, ele toca guitarra, teclados e canta. Também toca baixo em “40”, ao vivo e no álbum, trocando assim de instrumento com Adam Clayton.
Cientista. Cristão. Ícone da guitarra. Edge continua a ser um enigma naquele chapéu ou gorro. Tem o talento e a visão para escrever letras, mas recusou a maioria das oportunidades porque tinha medo de perder o controle. É absolutamente dedicado à sua banda, “Se eu não estivesse no U2, acho que nem sequer seria músico” disse ele em 1995.
“Não iria querer estar em outra banda porque o ambiente criativo que nós criamos é desafiante e excita ao mesmo tempo, posso nos ver fazendo por mais vinte anos sem problemas. Mas se eu estivesse fora deste ambiente, não sei se estaria interessado.”
Bono comparou The Edge com o famoso artista holandês Vincent Van Gogh.
"O verdadeiro gênio de Edge atua em uma tela branca. The Edge encontra novos valores para o espectro do rock. Encontra cores que agora pertencem a ele, assim como fazia Van Gogh", disse o cantor, que completou: "ele é seguramente o guitarrista mais influente depois dos grandes compositores Jimmy Page, Pete Townshend e Neil Young".
The Edge tornou o seu som conhecido pelo uso inovador de delays que dão uma atmosfera etérea muito particular nas músicas do U2. Material que hoje é reconhecido como obsoleto, atinge os milhares de dólares no mercado da segunda mão só por ser o material que The Edge usa religiosamente no seu setup. Para delay, os dois aparelhos rack mais usados por The Edge são o Korg SDD3000 (apenas o pré-amp, já que The Edge adora o calor do seu som) e o TC2290 (a sua unidade principal de delay; The Edge é dono de vários destes processadores).
Está documentado que The Edge usa delays em paralelo para obter uma coloração única no som (através do delay modulado) e um ritmo muito particular que consegue da interacção de dois delays em stéreo, em tempos diferentes, na chamada "dotted eight note".
Para Where the Streets Have no Name, The Edge usa genericamente 352ms de delay, sendo que, consoante a versão, poderá usar um segundo delay a 520ms (isto é particularmente visível na versão ao vivo do DVD Rattle And Hum).
Hoje em dia, é questionável o número de delays estéreo que The Edge utiliza, sendo que a música I Still Haven't Found What I'm Looking For é a única em que, garantidamente, The Edge utiliza dois delays: o principal a 420ms e o segundo, um delay curto a 150ms. É importante perceber que o som de The Edge beneficia de delays modulados que recriam a atmosfera muito especial das músicas bandeira do U2. Apesar de todos estes "segredos", vários artistas famosos tentaram pegar no material de The Edge e recriar o seu som, sem conseguirem obter grandes resultados.

Apesar de The Edge ter começado a usar outros amplificadores a partir de All That You Can't Leave Behind (como o lendário Fender Bassman), o seu amplificador de eleição é o Vox AC30. Segundo The Edge: "O Vox AC30 faz parte do meu som."

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Bootlegs (Digital Releases)


EP'S e álbuns digitais disponibilizados pelo U2 através do serviço online de músicas, iTunes Music Store. Gravados em CD-R.

Service: Apple iTunes Music Store
Package: Digital Picture Sleeve
Format: Apple AAC Format (.m4p)

2004 Unreleased & Rare
Em 2004, o U2 teve toda sua obra digitalizada e à colocou para venda no serviço de venda de músicas por download, o 'Apple Itunes'. O 'The Complete U2: Digital Box Set' continha todos os albuns e singles lançados pelo U2, além de um material extra muito interessante.
Um dos bônus desse pacote foi o album 'Unreleased And Rare'. O album trazia versões inéditas e alternativas de músicas do U2, algumas músicas já conhecidas pelos fãs e que nunca tinham sido lançadas em albuns ou singles oficiais da banda, remixes e algumas músicas inéditas ou sobras de estúdio de sessões de gravações de albuns anteriores.
Xanax and Wine (versão inicial de Fast Cars, resultado das gravações de HTDAAB)
Native Son (versão inicial de Vertigo, das sessões de gravações do HTDAAB)
Versões alternativas de Yahweh, All Because Of You, e Sometimes You Can't Make It On Your Own.
Sobras de estúdio do album All That You Can't Leave Behind: Levitate, Love You Like Mad, e Flower Child.
Smile, cortada na última hora do album HTDAAB.
Beautiful Ghost (música instrumental das sessões de gravações do album The Joshua Tree, em que Bono recita o poema"Introduction to Songs of Experience", de Willian Blake)
Jesus Christ, música gravada no Sun Studios durante as gravações do album Rattle And Hum, que já tinha sido lançada no album tributo Folkways: A Vision Shared.
Numb (Radio Edit), anteriormente lançada apenas no single promocional da música.
Bass Trap (Edit), versão editada do LadoB.
Night and Day (Twilight Remix), anteriormente lançada apenas no single promocional da música.
Numb (Gimme Some More Dignity Mix Edit), versão editada do LadoB.
Salomé (Zooromancer Remix Edit), versão editada do LadoB.
Christmas (Baby Please Come Home), lançada anteriormente na coletânea A Very Special Christmas, de 1987.
Stateless, lançada anteriormente na trilha sonora do album The Million Dollar Hotel, de 2000.

2004 Live from Boston 1981
The Ocean (2:01)
11 O'Clock Tick Tock (5:02)
Touch (3:01)
An Cat Dubh / Into the Heart (7:54)
Another Time, Another Place (4:33)
Cry / The Electric Co. (4:53)
Things to Make and Do (3:05)
Stories for Boys (3:03)
Twilight (4:27)
I Will Follow (3:58)
Out of Control (5:18)
11 O'Clock Tick Tock (Encore) (5:01)
The Ocean (Encore) (2:11)

2004 U2 Love: Live from the Point Depot
Auld Lang Syne / Where the Streets Have No Name (6:55)
I Will Follow (4:20)
I Still Haven't Found What I'm Looking For (5:09)
MLK (1:53)
One Tree Hill (4:52)
Gloria (4:34)
God Part II (3:35)
Desire (3:10)
All Along the Watchtower (4:07)
All I Want is You (1:03)
Bad (7:31)
Van Diemen's Land (2:59)
Star Spangled Banner / Bullet the Blue Sky (6:23)
Running to Stand Still / Dirty Old Town (5:16)
New Year's Day (4:44)
Pride (In the Name of Love) (6:03)
Party Girl (3:41)
Angel of Harlem (4:14)
When Love Comes to Town (5:02)
Love Rescue Me (6:42)
"40" (7:25)

2004 Live From Under the Brooklyn Bridge
All Because of You (Live from Brooklyn) (3:42)
Sometimes You Can't Make it on Your Own (Live from Brooklyn) (5:20)
I Will Follow (Live from Brooklyn) (4:11)
Vertigo (Live from Brooklyn) (3:32)

2005 Live 8 (Hyde Park, London)
Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band
Beautiful Day
Vertigo
One

2009 Magnificent Remixes (EP)
Magnificent (Dave Aude' Club Remix) (7:33)
Magnificent (Fred Falke Full Club Mix) (7:20)
Magnificent (Adam K and Soha Mix) (6:14)
Magnificent (Wonderland Remix) (9:54)
Magnificent (Redanka's 360 Version) (7:23)

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Do They Know It's Christmas (Band Aid 20) - CD Single



CD single beneficente de Do They Know It's Christmas (Band Aid 20), lançado no Brasil em 2004 pela Universal Music/Mercury Records.

Release Date: November 29, 2004
Artist: Band Aid 20
Record Label: Universal / Mercury Records


Do They Know It's Christmas? - Band Aid 20 (5:07)
Do They Know It's Christmas? - Band Aid (3:47)
Do They Know It's Christmas? (Live, Wembley Stadium, July 13, 1985) - Band Aid (4:29)


Do They Know it's Christmas? (Band Aid 20): Written by Bob Geldof and Midge Ure. Produced by Nigel Godrich. Executive Producer: Midge Ure.
Do They Know it's Christmas? (Original): Written by Bob Geldof and Midge Ure. Produced by Midge Ure. Do They Know it's Christmas? (Live): Written by Bob Geldof and Midge Ure. Sound Production: Jeff Griffin. Recorded at Wembley Stadium, July 13, 1985.
Sleeve by Mat Maitland at Big Active..


Além da nova versão de Do They Know It's Christmas, e da versão original gravada em 1985; o single traz uma versão ao vivo da canção gravada em 13 de Julho de 1985 durante o encerramento do Live Aid.

No ano de 2004, para comemorar os 20 anos da gravação do single 'Do They Know It's Christmas"; mais de 40 grandes nomes do pop britânico ressuscitaram o projeto Band Aid, participando da regravação da canção, desta vez contra a fome de 1,6 milhão de refugiados na região de Darfur, no Sudão. A atual formação do supergrupo, agora batizado como Band Aid 20, teve artistas como Chris Martin, Robbie Williams, Bono, Paul McCartney (agora não no vocal, e sim tocando baixo; substituindo Adam Clayton do U2; que tocou na versão de 1984), Dido, The Thrills, Joss Stone, The Darkness, Dizzee Rascal, Ms Dynamite, Snow Patrol, Sugababes, Travis, The Divine Comedy, Moloko, Thom Yorke, Morcheeba e Ash. Alguns grandes nomes não cantaram, mas contribuíram de forma inusitada. Foi o caso de Damon Albarn, cantor do grupo Blur, que serviu chá para os participantes. A composição de Bob Geldof e Midge Ure, ex-vocalista da banda Ultravox, foi lançada há 20 anos e visava angariar fundos para auxiliar a população que passava fome na Etiópia. O single original foi o mais vendido na história da música britânica, com 3,5 milhões de cópias comercializadas, e reuniu alguns dos mais importantes nomes do pop britânico da década de 80. Entre os participantes mais célebres estavam nomes como Paul Weller, Bono, Phil Collins, George Michael, Boy George, Duran Duran e Sting. Também tomaram parte ídolos da época que hoje caíram no esquecimento, como Paul Young e Marilyn. O sucesso do single levou à realização do show beneficente Live Aid, em 1985, que reuniu artistas como Paul McCartney, U2, Madonna e Queen. O evento foi realizado simultaneamente nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha. Segundo Bob Geldof, o Band Aid de 2004 é ainda mais importante que seu antecessor. De acordo com ele, o "evento envolve usar a arte e a cultura para aliviar uma ferida dolorosa. E é algo que dá certo". Bono é um dos únicos artistas que participou das duas versões do single.
http://www.bandaid20.com/
-----------------------------------------------------
Curiosidade: Bono contou que tinha praticamente desistido de cantar a sua parte em "Do They Know It's Christmas". A parte dele é um verso que diz: "bom, hoje à noite agradeça a Deus por ser com eles e não com você" ("Well tonight thank God it’s them instead of you") . Em uma entrevista a revista inglesa NME, Bono declarou que estava quase desistindo de cantar, mas mudou de idéia, voando de Dublin, na Irlanda, para o estúdio Air, em Londres, onde ia ser realizada a gravação. Justin Hawkins, do Darkness, já estava ensaiando pra cantar os versos que tinham sido imortalizados por Bono, quando soube que o vocal do U2 tinha mudado de idéia. Na entrevista, Bono disse que, mesmo quando gravou a versão original, ficou se sentindo culpado e também pensou em desistir. "Eu cantei a música toda apenas pra lembrar do porquê de estarmos todos lá. Porém, eles estavam atrás de apenas um verso. E era um verso com o qual eu, para ser franco, não me sentia nem um pouco a vontade. É um verso dilacerante. Eu não queria cantá-lo e não achava que teria voz pra fazê-lo. Então, eu fiz uma imitação de Bruce Springsteen. Mas soa como se fosse Bruce Springsteen sentado em uma privada", disse. Vinte anos depois, para a nova versão que foi gravada, Bono mudou sua abordagem. "Ao invés de um urro, eu tentei mais pra um sussurro. Vinte anos depois, eu me sinto muito mais calmo. Não é hora pra histeria. Nós sabemos quais são os problemas e nós sabemos como consertá-los", declarou Bono.
---------------------------------------
Vídeo 'Do They Know It's Christmas (Band Aid 20):

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Four Wild Irish Roses Part2 (Demos & Sessions From 1978 To 1989) - Bootleg




CD 'Four Wild Irish Roses (Demos & Sessions From 1978 To 1989) Part2', com 22 canções raras e ao vivo do U2. Bootleg prensado, fora de catálogo. Importado, made in Czech Republic. Raridade.

Label: Oxygen Records
Catalog#: OXY 084
Format: CD, Compilation, Unofficial Release
Country: Czech Republic
Released: 1996
------------------------
Tracklisting:
1 Two Hearts Beat As One (5:48)
2 October (2:26) Featuring - Wally Badarou
3 The Ocean (1:26)
4 11 O'Clock Tick Tock (4:57)
5 The Dream Is Over (2:52)
6 Lost On A Silent Planet (3:45)
7 Another Time, Another Place (4:38)
8 City At Night (2:28)
9 Street Mission (4:15)
10 Scarlet (2:23)
11 Stories For Boys (2:44)
12 Lost Highway (1:19)
13 People Get Ready (3:06)
14 Southern Man (3:42)
15 Trip Through Your Wires (3:43)
16 Exit (3:33)
17 In God's Country (2:52)
18 Pride (In The Name Of Love) (4:05)
19 Twist And Shout (1:47)
20 All Over Now (2:14)
21 Trip Through Your Wires / She's A Mystery To Me (2:52)
22 Can't Help Falling In Love (2:10)

Track 1: 1983 Different Version.
Track 2: 1981 Different Version (from the soundtrack of They Call That An Accident).
Tracks 3 & 4: Old Grey Whistle Test, UK, February 28th 1981.
Tracks 5, 6, 8 & 9: 1978 Previously Unreleased Songs.
Track 7: 1978 Alternate Version.
Track 10: Kid Jensen Sessions, UK, October 14th 1981.
Track 11: Dublin, Ireland, RTE Studios 1979 (U2-3 Session).
Track 12: US Radio Session, December 1987.
Tracks 13 to 18: Belfast, McCordie Hall, March 13th 1987.
Tracks 19 & 20: Larry Mullen solo, Aussie Radio, November 14th 1989.
Tracks 21 & 22: Memphis, TN, Sun Studios. November 1987.

Este CD é um item essencial para um colecionador do U2.
Ele traz versões alternativas de canções da banda, demos de contrato gravadas em estúdio, versão remix para trilha sonora, sessões de rádio, trechos de shows, canção da primeira demo tape que o U2 gravou e duas faixas raríssimas de uma sessão de rádio em que Larry Mullen participou tocando bateria, em 1989.
----------------------------------------------
Two Hearts Beat As One é uma versão alternativa gravada durante as sessões de gravação do álbum War.
October é uma versão alternativa remixada para a trilha sonora do filme 'They Call That An Accident', de 1982.
The Ocean e 11 O Clock Tick Tock são versões ao vivo gravadas no Old Grey Whistle Test, em 1981.
Lost In A Silent Planet e City At Night são demos de contrato gravadas em 1978.
Another Time Another Place é uma versão demo alternativa da canção, anterior à versão incluída no álbum Boy, de 1980.
Street Mission é uma canção retirada da primeira demo tape gravada pela banda.
Scarlet foi gravada ao vivo em uma sessão de rádio com Kid Jensen em 1981.
Stories For Boys é a versão ao vivo gravada em 1979 no RTE Studios.
Lost Highway foi gravada numa sessão de rádio nos EUA em 1987, tendo Edge no vocal principal.
People Get Ready, Southern Man, Trip Through Your Wires, Exit, In God's Country e Pride (In The Name Of Love) foram gravadas ao vivo em Belfast, no ano de 1987.
Twist And Shout e All Over Now são gravações desconhecidas de uma sessão na Aussie Radio em 1989. Uma banda tocou ao vivo essas duas canções, tendo Larry Mullen na bateria.
Trip Through Your Wires / She's A Mystery To Me e Can't Help Falling In Love foram gravadas no Sun Studios em 1987, durante ensaios de gravação.

Four Wild Irish Roses (Demos & Sessions From 1978 To 1984) - Bootleg




CD 'Four Wild Irish Roses (Demos & Sessions From 1978 To 1984)', com 19 canções raras do U2. Bootleg prensado, fora de catálogo. Fabricado na Itália em 1995. Raridade

TRACK LIST:
1-I WILL FOLLOW (RICHARD SKINNER SESSIONS 18/9/80)
2-TWO HEARTS BEAT AS ONE (TAKE 1-1983 DEMO)
3-SUNDAY BLOODY SUNDAY (ALTERNATIVE STUDIO VERSIONS 2-1983)
4-LIKE A SONG... (ALTERNATIVE STUDIO VERSIONS 2-1983)
5-SURRENDER (ALTERNATIVE STUDIO VERSIONS 2-1983)
6-TWO HEARTS BEAT AS ONE (TAKE 2-1983)
7-TONIGHT (1978 DEMO)
8-TREVOR (1978 DEMO)
9-INSIDE OUT (1978 DEMO)
10-I THREW A BRICK THROUGH A WINDOW (KID JENSEN SESSIONS 14/10/81)
11-BE THERE (1982 STUDIO OUTTAKE)
12-TWO HEARTS BEAT AS ONE (TAKE 3 -INSTRUMENTAL VERSION-1983 DEMO)
13-THE FOOL (1978 DEMO)
14-TWO HEARTS BEAT AS ONE (TAKE 4-1983 DEMO)
15-WIRE (1984 REMIX)
16-JACK IN THE BOX (1978 DEMO)
17-NEW YEAR'S DAY (DIFFERENT VERSION FROM JAPANESE TV-11-1983)
18-LOVE COMES TUMBLING (DIFFERENT LYRICS VERSION 1984)
BONUS TRACK
19-WILD IRISH ROSE (TAKEN FROM THE FILM DOCUMENTARY "THE ROOTS OF IRISH ROCK" 1990)

Esse Bootleg traz takes alternativos de estúdio, versões raras de promos e singles, demos de estúdio, sessões de rádio e uma canção inédita do U2 nunca lançada: Wild Irish Rose. Um CD essencial para colecionadores do U2.
----------------------------------------------
I Will Follow foi gravada numa sessão de gravações em setembro de 1980 com Richard Skinner. É uma versão anterior à lançada no álbum Boy.
As versões alternativas de Two Hearts Beat As One, Surrender, Like A Song e Sunday Bloody Sunday são das sessões de gravação do ano de 1983 para o álbum War.
Tonight, Trevor, Inside Out, Jack In The Box são demos de contrato gravadas entre 1978 e 1979, antes do primeiro álbum da banda; Boy (1980).
The Fool é da primeira demo tape gravada pela banda.
Be There é um outtake de estúdio que nunca foi lançada em nenhum álbum do U2. Ela foi gravada em 1982, entre os álbuns October e War.
Wire é a versão Dub Mix lançada no compacto promocional no ano de 1984, 'Nme Reader's Poll Winners.
New Year's Day é uma versão ao vivo gravada em uma TV japonesa em 1983, bem diferente das versões ao vivo desta canção que o U2 costumava tocar na época.
Love Comes Tumbling é uma 3° versão da canção, com mudanças na letra. Foi lançada apenas no single em vinil de 12 polegadas, na Austrália.
Wild Irish Rose é uma canção inédita do U2 feita para o documentário 'The Roots Of Irish Rock', de 1990.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Even Better Than The Real Thing - CD Single



CD single de Even Better Than The Real Thing, lançado em 1992 pela Island Records. Importado, fabricado na Inglaterra. Catálogo: CID525 / 866 977-2.

Commercial Release: June 7 / 8, 1992
Record Label: Island Records
Top Chart Position: US: 32, Canada: ?, UK: 12
Album: Achtung Baby (1991)

Even Better Than the Real Thing (Single Version) (3:41)
Salome (4:32)
Where Did It All Go Wrong? (3:57)
Lady With the Spinning Head (Extended Dance Remix) (6:08)

Even Better Than The Real Thing (Single Version): Words by Bono. Music by U2. Produced by Steve Lillywhite with Brian Eno and Daniel Lanois. Engineered by Robbie Adams and Paul Barrett. Mixed by Steve Lillywhite and Robbie Adams. Assisted by Sean Leonard and Willie Mannion. Additional editing and mastering: Arnie Acosta.
Salome: Words by Bono. Music by U2. Produced by Paul Barrett and U2. Mixed by Paul Barrett and U2. Mixed by Paul Barrett. Engineered by Ian Bryan, Louise McCormick and Paul Barrett. Additional backing vocals by Ian Bryan and Paul Barrett.
Where did it all Go Wrong?: Demo from STS, Dublin, July 1990. Words by Bono. Music by U2. Produced by Paul Barrett and U2. Mixed by Paul Barrett and Ian Bryan. Engineered by Ian Bryan.
Lady With The Spinning Head (Extended Dance Mix): Words by Bono. Music by U2. Produced by Paul Barrett. Recorded by Ian Bryan. Remixed by Alan Moulder.

A versão de Even Better Than The Real Thing deste single é diferente da versão encontrada no álbum Achtung Baby. Ela tem uma batida diferente durante o solo de guitarra de The Edge no meio da canção, além de conter alguns efeitos e vocais eletrônicos diferentes e leve mudança na mixagem no trecho final da música.
Salome é um Lado B deste single. Ela teve inúmeras versões ensaiadas nas sessões de gravações no estúdio Hansa, em Berlim. E esta versão final foi escolhida para fazer parte do single.
O curioso é que esta canção também serviu de título para o famoso álbum triplo pirata 'U2 - Salome - The Axtung Beibi Working Tapes', com as gravações roubadas das sessões para o álbum Achtung Baby.
Outro lado B deste single é a canção Where Did It All Go Wrong, uma demo gravada no STS Studios em Dublin, em julho de 1990.
A canção começou a ser ensaiada no estúdio Hansa, e a banda acabou não finalizando uma versão dela para integrar o álbum Achtung Baby. Então eles escolheram uma demo da canção tocada já no STS Studios de Dublin, para ser um B Side para o single.
Lady With The Spinning Head (Extended Dance Mix) completa a lista de canções do single.
---------------------------------------------------
Quem estava acostumado com o tom 'rock de arena' da banda se assustou quando ouviram Achtung Baby pela primeira vez.
'Zoo Station', que abre o CD, traz uma guitarra suja quase heavy metal, enquanto a voz de Bono aparece cheia de efeitos, tudo isso envolto à batidas dançantes. O U2 soava eletrônico.
As letras também mudaram, e o costumeiro messianismo deu lugar à uma acidez que era novidade para os fãs.
As novidades continuavam com o riff repetido à exaustão em “Even Better Than The Real Thing”, ainda mais dançante que a faixa inicial. Uma mistura de rock com batidas eletrônicas.
Ela foi muito executada nas pistas de dança na Europa.
====================================
Áudio 'Salome':

Áudio 'Where Did It All Go Wrong':

Desire - CD Single





Single de Desire, edição em CD importado da Alemanha. Catálogo: 661 670. UPC: 4 007196 616707.

Desire: Written by U2. Produced by Jimmy Iovine. Recorded by Paul Barrett at STS Studios, Dublin. Mixed by Shelly Yakus.
Hallelujah (Here She Comes): Written by U2. Produced by Jimmy Iovine. Engineered and mixed by Dave Tickle and Mark Desisto. Special thanks to Billy Preston for additional vocals and Hammond Organ.
Desire (Hollywood Remix): Produced by Jimmy Iovine. Remix production by Louil Silas Junior and Taavi Mote. Remix Engineer: Taavi Mote. Assistant Engineer: Andy Batwinas. Additional production and Programming: Jeff Lorber. Backing vocals: Alexandra Brown and Edna Wright. Remixed at Larrabee Sound.

A versão de Desire é a mesma encontrada no album Rattle And Hum, com uma pequena exceção: no álbum Rattle And Hum logo no primeiro segundo da canção pode ser ouvido um pequeno som feito por Adam Clayton, emendado da faixa anterior do álbum. Na versão do single, este som foi removido.
Além de Desire e Hallelujah (Here She Comes), este single traz a versão Hollywood Remix de Desire, com 5 minutos e 23 segundos de duração; que não fazia parte do compacto em vinil da canção.
Este remix tem samplers do áudio de noticiários locais de Los Angeles. Traz
leves diferenças em alguns trechos no vocal de Bono, uma introdução inédita e trechos adicionais na letra cantados por duas backing vocais femininas: Alexandra Brown and Edna Wright.
..............................................................
A letra de Desire (Hollywood Remix):
In Hollywood tonight
Voodoo economics
In Hollywood tonight
Hollywood, Hollywood, Hollywood, Hollywood
Police dodge bricks and bottles
You can hear them crashing on the sidewalk
Officers beating and kicking a man on the street (Know what I mean)
We just trying to get it together to keep the police off our back man
The suspect reportedly pulled out a 25 calibre automatic handgun
And shot the victim in the shoulder
Shot the victim in the shoulder
Shot the victim in the shoulder
Shot the victim in the shoulder
Lover, I'm off the street
Gonna go where the bright lights
And the big city meet
With a red guitar...
On fire
Desire
She's a candle
Burning in my room
I'm like the needle
Needle and spoon
Over the counter
With a shotgun
Pretty soon
Everybody got one
And the fever
When I'm beside her
Desire, desire...
(Ooh yeah)
The fever
When I'm beside her
Desire, desire
Alright.. burning,
I'm burning-yeah
Desire
Hollywood
In Hollywood tonight
Hollywood
Voodoo economics
Golden opportunity, golden opportunity
Desire
In Hollywood tonight
Hollywood In Hollywood tonight
Holly,Hollywood Hollywood, Hollywood, Hollywood, Hollywood,
Hollywood In Hollywood tonight
Voodoo economics
In Hollywood tonight
Voodoo economics
In Hollywood tonight
Hollywood Hollywood
Burning feeling I'm on fire
And I'm burning baby
With desire
Oh I'm burning
She's the dollars
She's my protection
Yeah she's the promise
In the year of election
Oh sister, I can't let you go
Like a preacher stealing hearts
At a traveling show
For love or money, money
Money money, money money
Money, money
Money money money
And the fever, getting higher
Desire / Desire Desire / Oh Desire Desire / Oh Desire Desire / De-de-desire Alright
Oh! Desire
Desire / De-desire Desire / Oh burning up
Alright
Oh! Desire
I'm... burning up...

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Adam Clayton, o Jazzman

Adam Charles Clayton foi o primeiro de três filhos, Adam, Sindy (Sarah Jane) e Sebastian, de Jo e Brian Clayton. A família Clayton viveu entre Inglaterra e África até 1965, quando se mudaram para Malahide, na Irlanda, após o pai Clayton ter aceitado o emprego como piloto na companhia aérea irlandesa Aer Lingus. Adam cresceu e frequentou a escola. Primeiro a escola primária, St Andrews (a mesma frequentada por The Edge), a escola preparatória de Castle Park e a St Columba’s College Rathfarnham, o­nde estudou até os 13 anos.
Conforme os anos foram passando, Adam tornou-se um jovem rebelde, com um gosto especial por quebrar regras. Um dos seus melhores amigos de St Columba, John Lesley, começou a instigar os gostos musicais de Adam, apresentando-lhe alguns grupos do momento. John tocava guitarra e convenceu Adam a tocar baixo para se juntar à banda que estava a criar.
Em 1975, o baixista recebe o seu primeiro baixo e entra na banda de John. Mas devido à sua postura rebelde, os pais optam por mandar o seu filho mais velho para a escola pública local – Mount Temple. Assim, em Setembro de 1976, o baixista começou a estudar em Mount Temple, mas não deixou a rebeldia de lado, a ponto de dois anos mais tarde ser convidado a abandonar a escola depois de ter aparecido com um vestido feminino e de o ter tirado em plena escola.

Apesar de ter estado pouco tempo em Mount Temple, ele atravessou-se no caminho de Larry Mullen e do seu anúncio pedindo músicos para a sua ‘banda’. Visto que tinha o baixo e já tinha feito parte de uma banda, Adam foi aceito. Agora sem aulas, Adam tinha tempo livre para servir como manager da banda, literalmente atazanando o juízo de qualquer pessoa que tivesse alguma ligação no campo da música. Entre estes, Bill Graham, Steve Averill e Phil Lynott (Thin Lizzy). Isto até ao momento em que Paul McGuinness tomou o seu ‘lugar’ de manager. Em 1981, ano em que o U2 lançou o seu segundo albúm, "October", deu-se o primeiro momento de crise da banda, muito devido à colisão entre Clayton e McGuinness e ao fato de os outros três membros da banda, Bono, The Edge e Mullen, terem simultaneamente se juntado a um grupo musical de inspiração cristã, questionando assim a compatibilidade entre o rock and roll e a espiritualidade. Clayton, que tinha perspectivas e crenças religiosas mais ambíguas, manteve-se durante algum tempo distante do resto da banda, até ao casamento de Bono com Alison Hewson (nome de solteira Stewart), do qual Adam foi convidado para ser padrinho. Em Agosto de 1989, Clayton foi manchetes de imprensa por todo o mundo ao ser preso em Dublin por posse de maconha. Contudo, conseguiu evitar maior polêmica ao decidir fazer uma grande doação para fins de caridade e, mais tarde, ao lamentar o ocorrido: "Assumo a minha culpa. Mas tenho a certeza que estava fora de mim emocionalmente. De qualquer modo, foi muito grave pois é ilegal."
Clayton teve também problemas com o alcool, que se tornou público em 26 de Novembro de 1993: Adam estava com uma ressaca tão grande que nem sequer conseguiu atuar no show de Sydney. Contudo, após este incidente ele deixou também a bebida.
Adam teve o seu momento de glória quando o álbum Achtung Baby teve como título provisório ADAM, devido à fotografia da contracapa do álbum em que ele aparece nú. Sobre isto Adam apenas disse: "os homens não devem ser obrigados a usar cuecas quando não está frio"
Em 1995, após a grande turnê "Zoo TV Tour" e a gravação do disco "Zooropa", Clayton foi para Nova Iorque com Mullen para ter formação de baixo. Até então, tudo o que Clayton sabia resultava do seu processo de trabalho e dedicação à música como autodidata. Durante este período, ele trabalhou no albúm experimental do U2, lançado sob o pseudônimo de "Passengers", intitulado "Original Soundtracks 1". Pela primeira vez Clayton grava um vocal principal em uma canção com a banda. Ao mesmo tempo, trabalhava com Larry Mullen Jr. na trilha sonora do filme "Mission:Impossible".
Clayton é o único membro solteiro dos U2. Durante o ínicio dos anos 90, esteve envolvido numa relação, chegando a estar noivo da top model britânica Naomi Campbell. Mais recentemente, voltou a estar noivo, desta vez da canadiana Suzanne Smith (antiga assistente de Paul McGuinness), com quem planeava casar no Verão de 2007, mas a relação terminou.
Como baixista, Adam Clayton é reconhecido pelo seu estilo musical único e ritmos que surgem em muitos temas como "New Year's Day" e "With or Without You". O seu próprio estilo foi influenciado por muitos outros como a produção da editora discográfica Motowm ou música Reggae, e tem vindo a evoluir ao longo do tempo de carreira do U2. Ele cita músicos como Paul Simonon do The Clash como uma das influências mais fortes e diretas no seu estilo.
Quando Clayton se juntou ao U2, não tinha qualquer formação musical em baixo, o que permitiu que o seu estilo se desenvolvesse livremente até 1995. Contudo, à medida que a banda crescia e evoluia, o estilo foi se tornando cada vez mais complexo, um crescimento musical pessoal que é bem visível em albúns como "The Joshua Tree" de 1987 e "Rattle and Hum" de 1988. Além do baixo, Clayton toca também guitarra e piano em algumas canções do U2.
Na Vertigo Tour, Adam assumia a guitarra e deixava o baixo à cargo de The Edge, quando executavam a canção '40', que fechava alguns shows da tour.
Adam trabalhou em vários projetos solos durante a sua carreira.
Tocou com Robbie Robertson no seu albúm homônimo em 1987, tendo atuado também com Maria McKee. Juntou-se igualmente ao produtor do U2, Daniel Lanois e a Larry Mullen Jr. no albúm "Acadie", em 1989, tocando baixo em canções como "Still Water" e "Jolie Louise".
Em 1994, Clayton participou novamente com Larry Mullen Jr. nos temas "These Days in an Open Book", "Don't Forget About Me", "On Grafton Street" e "This Heart", gravados para o disco "Flyer" de Nanci Griffith.
Clayton e Mullen regravaram ainda o tema de "Mission: Impossible" para o remake de 1996 da famosa série, que foi modificado de 5/4 tempos para 4/4.
O tema de "Mission: Impossible" viria a ser nomeado em 1997 para um prêmio Grammy na categoria de "Melhor Performance Instrumental Pop".
Adam Clayton já apostou nos efeitos, com ênfase ao uso de slaps, e distorções. Mas o baixista prefere um som mais puro e direto do seu intrumento. Seja qual for a abordagem, o ‘jazzman’ da banda (como é chamado por Bono) continua imprevisível e criativo.

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Get On Your Boots - Backdrop Video

Nas performances ao vivo da canção Get On Your Boots, o U2 utilizou uma animação no telão que foi dirigida por Catherine Owens, que já tinha trabalhado com a banda na animação do videoclipe de Original Of The Species e na direção de U23D.
Esta animação para Get On Your Boots tem tons psicodélicos, visual 2D, diversos desenhos que vão se movimentando e se mesclando, além de trechos da letra da canção.
Esta animação foi utilizada pela primeira vez na apresentação da banda no Grammy Awards, em território americano. A canção ganhou uma introdução maior, com Bono cantarolando o hino americano, enquanto o vídeo mostra a bandeira dos EUA.
O site amazon.com disponibilizou este vídeo utilizado na performance da banda.
O áudio desta versão da canção ficou conhecida como Get On Your Boots (Long Intro) e logo se tornou material extra para os fãs.
------------------------------------
Curiosidade: em apresentações da canção na França e Inglaterra, foram utilizadas introduções na canção com trechos dos hinos dos respectivos países, além da animação com a bandeira de cada país.
------------------------------------
Backdrop Video:

360° Tour (Three Hundred Sixty Degrees Tour)

Em novembro de 2006, quando o U2 estava terminando sua turnê 'Vertigo', Willie Williams apresentou ao U2 um rascunho de um 'monstro de quatro patas', uma estrutura com caixas de som instaladas em todos os lados que lhes permitiria tocar nos estádios de todo o mundo: "The Claw" ("A Garra").
Essa visão preliminar tornou-se realidade na nova e maior turnê da banda: U2 360º Tour, que leva esse nome porque o gigantesco palco que parece uma nave espacial permite uma visão de 360 graus sem pontos mortos. Dá para ver de qualquer lugar de um estádio.
"A banda está acomodada na palma da mão dos espectadores", comentou Williams. "Realmente funciona", acrescenta Bono. "Cria uma proximidade real com a multidão".
Quando falou da turnê, Bono disse que não sabia por quanto tempo mais a banda continuaria fazendo turnês, mas que estava na hora de fazer uma grande turnê. Numa entrevista recente, o baterista Larry Mullen Jr, o fundador da banda, afirmou que o U2 devia sair de cena enquanto ainda está por cima: "haverá um momento em que será preciso considerar que é hora de parar. Gostaria que fosse no alto, quando ainda se é bem sucedido do que na curva descendente. Isso seria muito triste. Acho que seria um momento mais digno de partir," disse ele à agência inglesa Bangshowbiz.
Willie Williams baseou-se no edifício futurista da atração do aeroporto de Los Angeles da Disney. Se parece com uma nave espacial com quatro patas.
A estrutura é duas vezes mais alta do que a utilizada pelo Rolling Stones em sua turnê "A Bigger Bang Tour".
Com 49,2 metros de altura, tem em cada lado um sistema de som completo line array (suspenso) em cada um de seus lados para permitir uma dispersão sonora de 360 graus. O sistema se completa com 72 subwoofers em separado. O telão fica abaixo do teto, também com uma visão de 160 graus e a banda embaixo cercada pelo público em todos os lados. Em alguns estádios a estrutura fica no centro do palco, mas na maioria mais para o lado direito se visto de cima. A estrutura é toda de aço e são necessários 120 caminhões para transportá-la.
Esta será a turnê mais cara do U2 e pela primeira vez contarão com um patrocinador, a BlackBerry.
O empresário da banda Paul McGuinness disse que a banda conta pela primeira vez com um patrocínio para a turnê para ajudar a bancar os custos e a diminuir o preço dos ingressos, uma providência que será facilitada também porque o novo palco possibilita a venda de mais lugares no estádio, que chegava a perder mais de um terço de sua capacidade devido ao ângulo de visão restrito do palco tradicional. Graças a isso, McGuinness disse que 85% dos ingressos em estádios custarão menos de 95 euros (285 reais). Os ingressos de pista custarão 55 euros (165 reais) e 10 mil ingressos em cada show custarão 30 euros ( 90 reais).
"Como esse novo projeto de palco a capacidade de lugares nos estádios será expandida, o que deve proporcionar uma baixa no preço das entradas mais baratas", explicou o empresário da banda, Paul McGuinness."Vamos esgotar os ingressos? Quem sabe? Será que a crise econômica vai impactar nessa turnê? Provavelmente. Mas isso não vai nos deter", exclamou o baterista Larry Mullen Jr.
A primeira etapa da turnê do álbum 'No Line On The Horizon' cobrirá 14 cidades européias, começando por Barcelona, Espanha em 30 de junho e terminando em Chorzow, Polônia em 8 de agosto. Em setembro e outubro, a banda estará nos Estados Unidos, começando por Chicago em 12 de setembro. Alguns shows esgotaram rapidamente e novas datas foram abertas em Londres, Paris, Dublin e Barcelona.
-------------------------------
Site da turnê : http://360.u2.com/
============================
Vídeo:
Sneak Preview:

quinta-feira, 7 de maio de 2009

O videoclipe de Magnificent

'Only love can leave such a mark.....................'
O U2 estreou em seu site oficial e simultaneamente no site do Yahoo o videoclipe de Magnificent, do álbum No Line On The Horizon.
O segundo vídeo do 12° trabalho de estúdio da banda, foi gravado na medieval cidade de Fez, no Marrocos, sob direção de Alex Courtes, o responsável pelos clipes de "Vertigo" (2004) e "Get On Your Boots", primeira faixa de trabalho deste novo álbum.
O clipe mostra a banda tocando em um típico jardim marroquino, pessoas andando pelas ruas da cidade sul africana e imensos lençóis brancos cobrindo antigas construções em Fez, que aos poucos vão sendo descobertas pelos véus.
A canção foi originalmente batizada 'French Disco'.
Em seu enredo, um casal de amantes "se segurando um no outro e tentando transformar suas vidas em veneração", disse o produtor de 'No Line On The Horizon', Daniel Lanois, em entrevista reproduzida pela Rolling Stone EUA.
No site u2.com, o vídeo é definido como "sem véu e sem embrulho".
A letra, digna da frase "vamos salvar o mundo" adotada pelo líder do grupo e ativista, carrega versos como "apenas o amor pode deixar tal marca, mas apenas o amor pode curar essa cicatriz".
==========================================
Vídeo 'Magnificent':


Making Of 'Magnificent':

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Vinil Canadense de Under A Blood Red Sky contendo The Eletric Co. (Unedited Version)



Vinil de Under A Blood Red Sky, importado do Canadá, contendo a versão não editada de The Eletric Co, com o snippet de 27 segundos da canção Send In The Clowns. Edição rara, lançada em 1983.

O álbum Under a Blood Red Sky, de 1983, foi eleito pela Rolling Stone como o melhor registro ao vivo da história. É um álbum histórico do U2, gravado ao vivo durante três shows da turnê de War: no famoso anfiteatro de Red Rocks, em Denver; no show de Boston e no Festival RockPalast -St. Goarshausen, Alemanha . No repertório, oito faixas produzidas por Jimmy Iovine, famoso por seus trabalhos com Tom Petty, Dire Straits, Patti Smith, Bruce Springsteen, entre outros.
O curioso deste album ao vivo é a existência de duas edições diferentes para o áudio. E a faixa em que ocorre estas edições é The Eletric Co.
Durante o concerto no Festival RockPalast, Bono improvisou 27 segundos da canção Send In The Clowns, de Stephen Sondheim, sem permissão; o que valeu à banda uma multa de 50 mil dólares.
Algumas prensagens do Vinil 'Under A Blood Red Sky' saíram com a versão completa da canção, com o trecho de 'Send In The Clowns'. A canção tem 05:18 de duração.
Para não ter mais problemas com esses direitos autorais, as versões posteriores do album tiveram esse trecho de 'Send In Clowns' retirado, e essa versão editada da canção tem 04:51 de duração.
Já na era do CD, algumas poucas prensagens saíram novamente com a versão completa da canção.
Então esta versão não editada e completa da canção The Eletric Co., é rara. As prensagens em Vinil e CD do album Under A Blood Red Sky, que contém a versão de 05:18 de duração; é um valioso item de colecionador.

====================================
Vídeo "The Eletric Co." - O áudio da versão incluída no album 'Under A Blood Red Sky' foi retirado desta performance, e contém o trecho de 'Send In The Clowns', além do snippet de 'America':

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...