PARA VOCÊ ENCONTRAR O QUE ESTÁ PROCURANDO

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

U2 teve que lidar com críticas vindas da imprensa irlandesa de que estavam tocando apenas músicas liberais para o público de classe média branca nos Estados Unidos, e que a banda era ineficaz como força de mudança


Em 1987, o U2 teve que lidar com críticas vindas da imprensa irlandesa de que estavam tocando apenas músicas liberais para o público de classe média branca nos Estados Unidos, e que a banda era ineficaz como força de mudança.
Isso irritou o grupo, que em entrevista para a Musician rebateu.

Bono: Essa avaliação está errada; é realmente impreciso.

The Edge: Nossa perspectiva é irlandesa. Claro, isso não é tão relevante para um garoto negro em Nova York quanto para alguém em Dublin, mas há um espírito no que fazemos que acredito que pode transcender as barreiras culturais. O sucesso do U2 é baseado no fato de que ele faz isso. Descobrimos em nossos shows europeus que temos uma barreira linguística, mas algumas audiências parecem entender melhor o que estamos obtendo do que nossas audiências na Inglaterra ou Irlanda.

Bono: É justo dizer que não temos um grande público negro nos Estados Unidos, e lamentamos muito isso, mas não tem nada a ver com a cor de sua pele. É cultural. A música negra tem uma sensibilidade diferente nas áreas urbanas americanas; pelo menos é diferente de uma situação urbana irlandesa. Temos uma grande audiência latina no sudoeste e na Flórida, e dizer que é principalmente de classe média não significa nada na América. A classe trabalhadora na América é da classe média para os padrões irlandeses. Penso que a descrição desse crítico do público no concerto da Anistia Internacional no Estádio Giants como "principalmente branca, classe média e conteúdo como um campo de flores" é enganosa. Eu nunca conheci um homem cujo contentamento derivasse de sua classe - nunca! Por que uma pessoa da classe média deve necessariamente ter mais conteúdo do que uma pessoa da classe trabalhadora? Este é um argumento completamente vazio, intelectualmente, e esse crítico deveria ter sido mais rigoroso.

Adam Clayton: É irrelevante. Por que ele está tentando impor estruturas de classe à música? Frank Sinatra é menos artista porque você tem que pagar uma pequena fortuna para ver seus shows?

A queda de Edge na iNNOCENCE + eXPERIENCE foi relembrada na eXPERIENCE + iNNOCENCE


Hot Press - 2015

Olaf Tyaransen: Voltando ao primeiro show em Vancouver da iNNOCENCE + eXPERIENCE. O que se passou pela sua cabeça quando você caiu do palco no final da noite?

The Edge: Bem, eu consegui fazer isto porque olhei para fora do palco (risos). Eu estava olhando para cima e eu literalmente estava dizendo adeus para as linhas da passarela, e prestes a sair fora delas. Aconteceu tão rápido! Me levantei e meu primeiro pensamento foi: "O que eu quebrei?" Na verdade, eu realmente não sentia nada. Eu tentei voltar ao palco, foi o que tentei fazer, e então eu percebi que não havia nenhum degrau, então continuei andando por ali. Eu ainda estava acenando para a multidão e então sai vagando.

Olaf Tyaransen: Poderia ter sido um desastre...

The Edge: Depois, pensei, "Oh meu Deus, eu tive muita sorte." No meio de um show, você não está pensando em seu próprio bem-estar físico... você está perdido no show. No dia seguinte, eu olhei para baixo, vi onde cai e percebi que ali havia todas aquelas colunas de metais que sustentavam o trilho das câmeras de filmagem, porque tínhamos uma câmera no trilho. Se eu tivesse caído em cima daquilo, aquilo teria atravessado meu corpo, eu teria sido empalado, então foi uma sorte incrível como aconteceu, a maneira que caí.

Olaf Tyaransen: Ainda sobre ser empalado – se você tivesse quebrado um braço, o que teria acontecido com a turnê?

The Edge: Bem, provavelmente teríamos que cancelar a turnê. Então, foi um momento delicado.


Uma curiosidade: na animação para o intervalo de "Hold Me Thrill Me Kiss Me Kill Me" na segunda parte da jornada, eXPERIENCE + iNNOCENCE Tour 2018; The Edge era visto...... caindo!

Ali Hewson reivindicou os direitos do single de "Sweetest Thing" do U2, e a banda exigiu seu próprio preço em troca


Em 1998, escrever uma música, encenar um carnaval no centro de Dublin e pedir desculpas diante dos fãs do U2 não foi suficiente para Ali Hewson.
Bono precisou juntamente com o U2 ceder os direitos do single de "Sweetest Thing", à caridade escolhida por Ali, a Children Of Chernobyl.
Os royalties da música, que foi escrita por Bono como um pedido de desculpas a sua esposa Ali por perder o aniversário por causa de compromissos de gravação durante o álbum 'The Joshua Tree', foram para a instituição de caridade com base em Cork, que leva crianças da cidade contaminada por radiação para ficar com famílias irlandesas.
Bono revelou que Ali insistiu que os royalties do single regravado deveria ir para a instituição de caridade liderada por Adi Roche.
Mas ele também revelou que o U2 exigiu seu próprio preço em troca.
"Bem, insistimos que se a música foi escrita para ela e os royalties iriam para a instituição de caridade de sua escolha, que é a Children Of Chernobyl, ela teria que aparecer no vídeo".
A malfadada usina nuclear de Chernobyl foi permanentemente fechada na Ucrânia - mais de 14 anos depois que um reator explodiu na pior catástrofe nuclear civil do mundo.
Em 26 de abril de 1986, às 1:23 horas da manhã, o pior desastre nuclear do mundo ocorreu na usina nuclear de Chernobyl, no norte da Ucrânia. Mais de 190 toneladas de urânio e grafite altamente radioativos foram expelidas para a atmosfera, causando uma calamidade ecológica internacional - e expondo o povo de Chernobyl a radiação 300 vezes maior que a da bomba de Hiroshima.
Um Relatório das Nações Unidas de 1995 estimou que um total de 9 milhões de pessoas foram direta ou indiretamente afetadas pelo desastre de Chernobyl e que 3 a 4 milhões delas eram crianças.
Uma instituição de caridade irlandesa, Children Of Chernobyl, surgiu para ajudar crianças vítimas do desastre e que há muito tempo é apoiada pelo U2. A esposa de Bono, Ali, é a patrocinadora da instituição, iniciada e liderada por Adi Roche.
A instituição foi fundada após um apelo desesperado enviado por fax à Campanha Irlandesa para o Desarmamento Nuclear (CND) em 1991. A mensagem era de médicos que cuidavam de crianças no país afetado por Chernobyl, na Bielorrússia, e dizia:

"SOS. É um apelo. Pelo amor de Deus, ajude-nos a tirar as crianças daqui".

Assim, a instituição de caridade levou milhares de crianças para a Irlanda para as férias de verão e enviou milhões em ajuda humanitária à Bielorrússia, Rússia Ocidental e Ucrânia. Também organizou operações de salvamento para dezenas de crianças no âmbito do Programa de Assistência a Longo Prazo e patrocinou uma frota de ambulâncias na Bielorrússia.

domingo, 15 de setembro de 2019

Cantor e compositor colombiano Sebastián Yatra: "Aquele momento absurdo e louco da vida (que eu ainda não consigo compreender) onde Bono estava me assistindo cantar ao vivo"


Sebastián Yatra é um cantor e compositor colombiano. Ele teve uma demonstração muito especial de admiração ao encontrar Bono durante um pocket show exclusivo no México.
Por meio de sua conta no Instagram, o colombiano compartilhou um vídeo de alguns dias atrás, no qual Bono está entre um círculo de pessoas que estão assistindo ele cantar "No Hay Nadie Más". Yatra está sentado em uma cadeira branca com um violão no Museu Soumaya, na Cidade do México, enquanto uma mulher segura o microfone e ele interpreta a música em uma versão acústica, na frente de um grupo de não mais de cem espectadores.
Yatra escreveu: "Aquele momento absurdo e louco da vida (que eu ainda não consigo compreender) onde Bono estava me assistindo cantar ao vivo".


Yatra estava em turnê pelo país, e Bono foi convidado no fórum Mexico Siglo XXI, da Telmex Foundation.

sábado, 14 de setembro de 2019

Disponibilizadas "California (There Is No End To Love)" e "13 (There Is A Light)" do set digital de 'U2 Live Songs Of iNNOCENCE + eXPERIENCE'


Através do site oficial, o U2 disponibilizou para os assinantes mais duas canções do set digital do álbum duplo 'U2 Live Songs of iNNOCENCE + eXPERIENCE'. "California (There Is No End To Love)" e "13 (There Is A Light)" são os últimos downloads digitais para assinantes.
'U2 Live Songs Of iNNOCENCE + eXPERIENCE' é o set ao vivo definitivo em CD duplo de edição limitada e um set digital capturando as turnês iNNOCENCE e eXPERIENCE do U2 de 2015 e 2018. Será enviado à partir de Outubro.
A mixagem é de Richard Rainey, um dos engenheiros de longa data da banda.
O CD1 é 'Live Songs Of iNNOCENCE' e o CD2 é 'Live Songs Of eXPERIENCE', com uma canção gravada durante a 'The Joshua Tree Tour 2017'. O álbum está pronto, masterizado, mixado, com a sequência definida e pronto para a prensagem.
O álbum trará um livro com fotos das turnês iNNOCENCE e eXPERIENCE.




sexta-feira, 13 de setembro de 2019

The Edge presidirá a parte irlandesa da Endeavor, e sua iniciativa irá apoiar os proprietários de start-ups de alto potencial


The Edge lança uma nova iniciativa que visa apoiar os proprietários de start-ups de alto potencial, e ele presidirá o conselho, que também apresenta alguns dos maiores nomes dos negócios irlandeses.
The Edge presidirá a parte irlandesa da Endeavor. A Endeavor é a maior organização global sem fins lucrativos de apoio a empreendedorismo e empreendedores de alto impacto.
A Endeavor acredita que os empreendedores de alto impacto podem mudar o mundo, por isso trabalham para que eles tenham condições de exercer todo o seu potencial.
Eles apoiam os empreendedores de alto impacto em seus desafios e mobilizam o poder público para pavimentar um ambiente de negócios mais favorável para as scale-ups.
Os outros membros do conselho fundador da Endeavor na Irlanda incluem Anne Heraty, fundadora e CEO da CPL Recruitment; Paddy McKillen Snr; Denis O'Brien e Mark Roden, da Ding, e Elaine Coughlan, do fundo de ações Atlantic Bridge. Os custos de funcionamento do empreendimento serão custeados pelos membros do conselho.


The Edge disse que era um ajuste natural para ele e para o U2 apoiar empreendedores.
"Eu acho que toda banda de rock and roll é empreendedora. É sobre ideias, é sobre autoconfiança - e um toque de megalomania em algum lugar", disse ele.
Ele disse que uma decisão foi tomada para operar em todas as ilhas, e que o Brexit não mudaria isso.
"Quando tivemos as primeiras reuniões sobre o que deveria ser a Endeavor Ireland, surgiu a questão se deveria ser toda a Irlanda ou apenas a República. Quase imediatamente, percebemos que não há absolutamente nenhuma razão para que não possa ser uma Irlanda inteira. Estamos interessados ​​em apoiar empreendedores ao norte e ao sul da fronteira, mas também as oportunidades oferecidas pela Endeavor são muito benéficas para pessoas fora de Dublin, como nas regiões. Portanto, somos urbanos e rurais, norte e sul. A vantagem dessa rede é que é uma rede internacional de mentores e consultores que provavelmente funciona melhor se você estiver fora de Dublin, e isso cobra sua capacidade de aumentar de uma maneira que provavelmente mais difícil se você estiver fora de Dublin".


A iniciativa cross-border é apoiada pela Enterprise Ireland e a Invest NI e The Edge disseram que os proprietários de empresas de confiança se elevarão para quaisquer dificuldades, inclusive pelo Brexit.
"Estou muito otimista, não estou dizendo que não haverá desafios. Claramente, existe e a volatilidade não é boa para ninguém, mas acredito que os empresários deste país, também do Norte, encontrarão uma maneira de contornar os desafios que surgem no seu caminho".
A Endeavor trabalhará com fundadores e empresas que passaram pela fase inicial de start-up e que demonstram o potencial de rápida expansão e escala. Entre quatro e seis empreendedores ou empresas serão selecionados na Irlanda a cada ano para participar do programa Endeavor, agora reconhecido mundialmente, após um rigoroso processo de seleção que culmina em um painel de seleção internacional.



Agradecimento: Independent.ie

Mais uma canção do U2 que carrega um mantra com base na filosofia do Ubuntu


Dias atrás, a Our Blood divulgou um vídeo de Bono com mensagem de apoio aos refugiados. Uma poderosa mensagem de unidade e por que ele acredita que agora é mais importante do que nunca apoiar os refugiados.
Bono começa dizendo no vídeo: "O Arcebispo Tutu, sua palavra favorita é Ubuntu, que é o Zulu para Humanidade, mas sua tradução literal é "I Am Because You Are" ou "I Am Because We Are" ("Eu sou porque você é" / "Eu sou porque somos").
A filosofia do Ubuntu constitui o aspecto espiritual da cultura africana.
A ética Ubuntu representa o rompimento com o individualismo. Ubuntu é pertencimento à unidade, interdependência e colaboração. Diálogo, consenso, inclusão, compreensão, compaixão, cuidado, partilha, solidariedade. "Eu sou porque você é" - "nós somos porque você é e eu sou".
Bono escreveu "All Because Of You I Am" na canção de 2006 do U2, "All Because Of You".
Bono contou à Cathleen Fulsani, jornalista do Chicago Sun, como o arcebispo Desmond Tutu o havia apresentado à ideia do Ubuntu. Bono disse: "Essencialmente, o que isso significa é 'eu sou porque somos'. E é sobre a interdependência, como precisamos um do outro e temos uma participação um no outro. Uma parte da comunidade não pode prosperar verdadeiramente enquanto a outra parte da comunidade está na lama. Tendendo a eles, estaremos melhor a nós mesmos. É simples assim. Ubuntu".

E há outra faixa do U2 que carrega um mantra com base na filosofia do Ubuntu.
Steve Stockman, autor do livro 'Walk On: A Jornada Espiritual Do U2', em seu blog Soul Surmise escreveu:

"There is no them, there's only us" é uma frase que poderia ter sido estampada em tudo o que o U2 tem feito desde que começou.
Todo o seu trabalho poderia ser descrito como re-humanizar aqueles que tendem a ser invisíveis para nós. Os assuntos óbvios são aqueles em todo o mundo sofrendo com AIDS. O download do single "Invisible" arrecadou mais de US $ 3 milhões para a luta contra a AIDS em poucos dias. A mensagem é clara. Nós desumanizamos milhões de pessoas em todo o mundo. Esses indivíduos são mais do que vemos e mais do que conhecemos, e precisamos olhar novamente e ver seus corpos e almas. Aquela antítese persistente no fade-out da canção prega o protesto profético: "Não há eles… há apenas nós…" É simples, profundo e poderoso".

No ano de 2012, Bono fez um discurso para os alunos da Universidade de Georgetown, onde disse:
"De todas aquelas pessoas de quem falo hoje ... os pobres ... eles podem ser separados de nós por oceanos e circunstâncias. Mas eles sonham como vocês sonham. Eles valorizam o que vocês valorizam. Não há eles, apenas nós…
O hino americano não é excepcionalismo ... é universalismo. Não há eles, apenas nós.
Ubuntu: Eu sou porque somos ... Não existem eles, apenas nós.
Quando você realmente aceita que aquelas crianças em algum lugar distante da vila global têm o mesmo valor que você aos olhos de Deus - ou mesmo apenas aos seus olhos, sua vida muda para sempre.
Você vê algo que não pode não ver.
Temos uma noção disso pelas palavras de Wael Ghonim. Eu tenho suas palavras tatuadas no meu cérebro, aquele homem que estava na Praça Tahrir no início do século 21: 'Nós vamos vencer porque não entendemos a política. Nós vamos vencer porque não jogamos jogos sujos. Vamos vencer porque não temos uma agenda política partidária. Vamos vencer porque as lágrimas que vêm dos nossos olhos realmente vêm de nossos corações. Vamos vencer porque temos sonhos. Vamos vencer porque estamos dispostos a defender nossos sonhos'.
Nós vamos vencer ... porque o poder do povo é muito mais forte que as pessoas no poder".

Uma das canções mais icônicas do U2 foi apontada como a música ideal para os pais usarem quando tentam fazer as crianças dormirem


Uma das canções mais icônicas do U2 foi apontada como a música ideal para os pais usarem quando tentam fazer as crianças dormirem.
Lançado em fevereiro de 1992, "One" liderou a parada de singles na Irlanda e, desde então, aparece regularmente em listas das melhores músicas do mundo.
No entanto, se você tocar para uma criança pequena, as chances são de que elas caiam no sono. Isso está de acordo com uma nova pesquisa conduzida pela especialista em camas infantis Cuckooland.
Pesquisadores da Universidade de Durham analisaram dados do Spotify vinculados a cerca de 4.500 músicas que aparecem regularmente em playlists de ninar criadas no serviço de streaming de música.
Ao fazer isso, eles foram capazes de calcular as batidas médias por minuto (BPM), as assinaturas mais comuns de chave e tempo, criando efetivamente a fórmula perfeita para uma canção de ninar.
Annaliese Grimaud, pesquisadora do Laboratório de Música e Ciência da Universidade de Durham, disse: "A função de uma canção de ninar é acalmar um bebê e colocá-lo para dormir; portanto, características comuns que esperaríamos ver nas canções de ninar seriam: um ritmo lento, dinâmica relativamente silenciosa, padrão de ritmo simples - potencialmente um que imita um movimento de balanço - uma melodia simples que é mais fácil de memorizar e mais fácil de cantar, previsibilidade alcançada por frases e versos repetitivos e um tom agudo devido às conotações de que mães / mulheres costumam cantar canções de ninar".
O estudo concluiu que "One" do U2 contém todas as propriedades da "canção de ninar perfeita".
Tudo isso contrasta grande parte do significado por trás da faixa, que é tudo menos idílica.
Bono explicou uma vez: "É uma música sobre se unir, mas não é a velha ideia hippie de 'Vamos todos viver juntos'. Na verdade, é o contrário: está dizendo: Somos um, mas não somos iguais. Não está dizendo que queremos nos dar bem, mas que precisamos nos dar bem neste mundo para sobreviver. É um lembrete de que não temos escolha".
Enquanto isso, The Edge descreveu como uma "conversa amarga, distorcida e ácida entre duas pessoas que passaram por coisas pesadas e desagradáveis".
Então, não é exatamente o material das canções de ninar.

Do site: The Irish Post

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

Let Me In The Sound: fragmentos das gravações de 'No Line On The Horizon'


Darren Keen, um fã de longa data do U2 e músico de Kidderminster na Inglaterra, decidiu compartilhar com o site U2 Songs alguns tesouros das sessões de gravação de 'No Line On The Horizon' de 2009, no Olympic Studios, em Londres.

Apenas um dos áudios não foi registrado no Olympic Studios, em Londres. Edge trabalha em uma versão de "Magnificent" em junho de 2008 no Hanover Quay Studios.
Brian Eno é quem toca teclado.
Há espaços em branco e inaudíveis por minutos na colagem dos áudios.

CLIQUE PARA ACESSAR O PLAYER

Darren falou ao site: "Sou fã desde 1983 e com o lançamento em vídeo de Red Rocks. Meu primeiro show foi no NEC em 3 de junho de 1987 durante a turnê de The Joshua Tree. No show em Wembley em 1997 na Popmart, Dallas me deu um suporte para o microfone do Edge depois do show.
Durante um show da Vertigo Tour, eu pude conhecer Paul McGuinness que, sem o conhecimento dele, provavelmente estava me procurando. Larry me viu usando meus pequenos binóculos e um caderno para fazer anotações sobre o equipamento de Edge, e Larry estava apontando na minha direção com sua baqueta. Poucos minutos depois, vi o Sr. McGuinness procurando freneticamente na multidão, na área em que eu estava parado, então decidi ir até ele, na esperança de tirá-lo do meu caminho. Funcionou. Algum tempo depois, ajudei Paul Kultchar (fã do U2 / de Edge e observador do trabalho de Edge) com sua planilha Vertigo Tour Guitar Data. Toda a informação do delay digital (TC Electronic 2290).
Eu fui membro de uma banda tributo ao U2 entre 2005 e 2015. Os membros originais se juntaram no ano passado para realizar uma série de shows de caridade. O destaque desta reunião foi um show em Somerton Somerset UK, com a presença de Michael Eavis, o cara por trás do festival de Glastonbury. Também dividimos o palco com Nigel Clarke da banda britânica Dodgy nesta noite. Outros destaques: tocar no festival de música Playa Honda em Lanzarote e em turnê com o guitarrista Dave Sharp Ex-Alarm. O The Alarm fez uma turnê com o U2 no início e meados dos anos 80 e Dave se juntou a nós no palco para uma versão de "Knocking On Heavens Door", assim como o The Alarm fez com o U2.
Outro grande evento para nós foi uma gravação de "Pride" para um gadget chamado Beamz, que foi comentado por Jonathan Ross em seu programa. Isso pode ser visto no YouTube. O U2 também esteve no programa promovendo o álbum 'No Line On The Horizon'. A desvantagem desta gravação foi que havia apenas uma vaga para suporte técnico no show e nosso vocalista Paul recebeu o bilhete dourado. Paul viu a banda ensaiando para o show e também a gravação das músicas a serem exibidas na noite seguinte na TV. Aparentemente, o U2 tocou "Breathe" 3 vezes antes de Bono ficar feliz com a apresentação. Tenho algumas fotos dos bastidores. Eu também pude falar com Dallas Schoo ao telefone e ele me informou dos novos brinquedos que Edge estava usando no momento.
Não posso revelar muito sobre como consegui esses áudios, mas o que vou dizer é o seguinte: a banda usou o laptop do meu amigo para gravar uma de suas sessões, pois todos os laptops da banda (incluindo os produtores) estavam sendo usados em outras salas devido à natureza em que o U2 trabalha. A banda fez uma cópia dos arquivos, mas não os excluiu do disco rígido do meu amigo. Meu amigo (alguns anos após o evento, devo dizer) enviou os arquivos para mim.
Devo admitir que eu não era um grande fã do álbum, mas como em muitos álbuns do U2, acho que as músicas ganharam vida durante a turnê. O U2 é uma das poucas bandas que, para mim, soa melhor ao vivo do que nos discos. 'No Line On The Horizon' tem ótimas músicas, mas as melhores versões são definitivamente apresentações ao vivo de músicas como "Breathe" e "Magnificent". Eu acho que é principalmente porque a guitarra do Edge tem espaço para fazer suas coisas em um ambiente ao vivo".

Após os ataques de 11 de Setembro, canção do U2 chegou a ser excluída de programação de rádios americanas


Os ataques de 11 de Setembro de 2001 ao World Trade Center, nos Estados Unidos, completaram 18 anos.
Os atos terroristas que espantaram o mundo todo e não apenas a cidade de Nova York foram responsáveis por 2.996 mortes e seis mil pessoas feridas, tudo por conta de dois aviões comerciais sequestrados que se chocaram contra as torres gêmeas do WTC naquela terça-feira.
Logo após os ataques, várias rádios dos Estados Unidos pararam de transmitir música e passaram a trabalhar em programações com informações sobre vítimas, pontos de ajuda, relatos de sobreviventes e mais.
A Clear Channel Communications (agora iHeartMedia), a maior proprietária de estações de rádio nos Estados Unidos, divulgou um memorando interno contendo uma lista de músicas que os diretores de programação consideravam "liricamente questionáveis" para tocar depois do ataque. As rádios passaram a colocar em sua programação canções com mensagens positivas.
Durante o período imediatamente após os ataques, muitas estações de televisão e rádio alteraram a programação normal em resposta aos eventos, e espalhou-se o boato de que a Clear Channel e suas subsidiárias haviam estabelecido uma lista de músicas com as letras que o Clear Channel considerava "questionável".
A lista não era uma exigência obrigatória para não tocar as músicas listadas, mas uma sugestão de que "talvez não quisessem tocar essas músicas". A lista foi divulgada pelo boletim independente da indústria de rádio Hits Daily Double, que não é afiliado ao iHeartMedia.
O site Snopes.com fez uma pesquisa sobre o assunto e concluiu que a lista existia como uma sugestão para as estações de rádio, mas observou que não havia uma proibição total das músicas em questão. A lista compilada foi objeto de atenção da mídia na época de seu lançamento.
Uma das "canções inadequadas" das 165 da lista era "Sunday Bloody Sunday" do U2.
O memorando da Clear Channel continha músicas que, em seus títulos ou letras, se referem vagamente a assuntos abertos entrelaçados com os ataques de 11 de setembro, como aviões, colisões, morte, guerras e violência, além do céu desabando, e armas, e até duas músicas comemorativas que lidam com eventos que ocorrem no mês de setembro.

A LISTA COMPLETA

3 Doors Down "Duck and Run"
311 "Down"
AC/DC "Dirty Deeds Done Dirt Cheap"
"Hells Bells"
"Highway to Hell"
"Safe in New York City"
"Shoot to Thrill"
"Shot Down in Flames"
"T.N.T."
The Ad Libs "The Boy from New York City"
Afro Celt Sound System featuring Peter Gabriel "When You're Falling"
Alice in Chains "Down in a Hole"
"Rooster"
"Sea of Sorrow"
"Them Bones"
Alien Ant Farm "Smooth Criminal"
The Animals "We Gotta Get Out of This Place"
Louis Armstrong "What a Wonderful World"
The Bangles "Walk Like an Egyptian"
Barenaked Ladies "Falling for the First Time"
Fontella Bass "Rescue Me"
Beastie Boys "Sabotage"
"Sure Shot"
The Beatles "A Day in the Life"
"Lucy in the Sky with Diamonds"
"Ob-La-Di, Ob-La-Da"
"Ticket to Ride"
Pat Benatar "Hit Me with Your Best Shot"
"Love Is a Battlefield"
Black Sabbath "Sabbath Bloody Sabbath"
"War Pigs"
Blood, Sweat and Tears "And When I Die"
Blue Öyster Cult "Burnin' for You"
Boston "Smokin'"
Los Bravos "Black Is Black"
Jackson Browne "Doctor My Eyes"
Buddy Holly and the Crickets "That'll Be the Day"
Bush "Speed Kills"
The Chi-Lites "Have You Seen Her"
Petula Clark "A Sign of the Times"
The Clash "Rock the Casbah"
Phil Collins "In the Air Tonight"
Sam Cooke "Wonderful World"
The Crazy World of Arthur Brown "Fire"
Creedence Clearwater Revival "Travelin' Band"
The Cult "Fire Woman"
Bobby Darin "Mack the Knife"
The Dave Clark Five "Bits and Pieces"
Skeeter Davis "The End of the World"
Neil Diamond "America"
Dio "Holy Diver"
The Doors "The End"
The Drifters "On Broadway"
Drowning Pool "Bodies"
Bob Dylan "Knockin' on Heaven's Door"
Earth, Wind & Fire "After the Love Has Gone"
"September"
Everclear "Santa Monica"
Shelley Fabares "Johnny Angel"
Filter "Hey Man, Nice Shot"
Foo Fighters "Learn to Fly"
Fuel "Bad Day"
The Gap Band "You Dropped a Bomb on Me"
Godsmack "Bad Religion"
Green Day "Brain Stew"
Norman Greenbaum "Spirit in the Sky"
Guns N' Roses "Knockin' on Heaven's Door"
The Happenings "See You in September"
The Jimi Hendrix Experience "Hey Joe"
Herman's Hermits "Wonderful World"
The Hollies "He Ain't Heavy, He's My Brother"
Jan and Dean "Dead Man's Curve"
Billy Joel "Only the Good Die Young"
Elton John "Bennie and the Jets"
"Daniel"
"Rocket Man"
Judas Priest "Some Heads Are Gonna Roll"
Kansas "Dust in the Wind"
Carole King "I Feel the Earth Move"
Korn "Falling Away from Me"
Lenny Kravitz "Fly Away"
Led Zeppelin "Stairway to Heaven"
John Lennon "Imagine"
Jerry Lee Lewis "Great Balls of Fire"
Limp Bizkit "Break Stuff"
Local H "Bound for the Floor"
Lynyrd Skynyrd "Tuesday's Gone"
Johnny Maestro & the Brooklyn Bridge "The Worst That Could Happen"
Martha and the Vandellas "Dancing in the Street"
"Nowhere to Run"
Dave Matthews Band "Crash into Me"
Paul McCartney & Wings "Live and Let Die"
Barry McGuire "Eve of Destruction"
Don McLean "American Pie"
Megadeth "Dread and the Fugitive Mind"
"Sweating Bullets"
John Mellencamp "Crumblin' Down"
"Paper in Fire"
Metallica "Enter Sandman"
"Fade to Black"
"Harvester of Sorrow"
"Seek & Destroy"
Steve Miller Band "Jet Airliner"
Alanis Morissette "Ironic"
Mudvayne "Death Blooms"
Ricky Nelson "Travelin' Man"
Nena "99 Luftballons"/"99 Red Balloons"
Nine Inch Nails "Head Like a Hole"
Oingo Boingo "Dead Man's Party"
Ozzy Osbourne "Suicide Solution"
Paper Lace "The Night Chicago Died"
John Parr "St. Elmo's Fire (Man in Motion)"
Peter and Gordon "I Go to Pieces"
"A World Without Love"
Peter, Paul and Mary "Blowin' in the Wind"
"Leaving on a Jet Plane"
Tom Petty "Free Fallin'"
Pink Floyd "Mother"
"Run Like Hell"
P.O.D. "Boom"
Elvis Presley "(You're the) Devil in Disguise"
The Pretenders "My City Was Gone"
Queen "Another One Bites the Dust"
"Killer Queen"
Rage Against the Machine All songs
Red Hot Chili Peppers "Aeroplane"
"Under the Bridge"
R.E.M. "It's the End of the World as We Know It (And I Feel Fine)"
The Rolling Stones "Ruby Tuesday"
Mitch Ryder & the Detroit Wheels "Devil with a Blue Dress On"
Saliva "Click Click Boom"
Santana "Evil Ways"
Savage Garden "Crash and Burn"
Simon & Garfunkel "Bridge over Troubled Water"
Frank Sinatra "New York, New York"
Slipknot "Left Behind"
"Wait and Bleed"
The Smashing Pumpkins "Bullet with Butterfly Wings"
Soundgarden "Black Hole Sun"
"Blow Up the Outside World"
"Fell on Black Days"
Bruce Springsteen "I'm Goin' Down"
"I'm on Fire"
"War"
Edwin Starr "War"
Steam "Na Na Hey Hey Kiss Him Goodbye"
Cat Stevens "Morning Has Broken"
"Peace Train"
Stone Temple Pilots "Big Bang Baby"
"Dead and Bloated"
Sugar Ray "Fly"
The Surfaris "Wipe Out"
System of a Down "Chop Suey!"
Talking Heads "Burning Down the House"
James Taylor "Fire and Rain"
Temple of the Dog "Say Hello 2 Heaven"
Third Eye Blind "Jumper"
The Three Degrees "When Will I See You Again"
Tool "Intolerance"
The Trammps "Disco Inferno"
U2 "Sunday Bloody Sunday"
Van Halen "Jump"
"Dancing in the Street"
J. Frank Wilson and the Cavaliers "Last Kiss"
The Youngbloods "Get Together"
Zager and Evans "In the Year 2525"
The Zombies "She's Not There"

Agradecimento ao fã e colaborador Bernardo Cardoso

Bono ingressa no conselho da Zipline, uma empresa de drones para entregas médicas que está salvando vidas em Gana e Ruanda


Em uma manhã de terça-feira, Bono estava em um campo remoto perto de Half Moon Bay, Califórnia, e lançou um drone no ar, observando o teste. A Zipline, a startup de oito anos da Bay Area que fabrica os drones, usa o equipamento para fazer entregas de emergência de medicamentos e sangue que salvam vidas em clínicas e hospitais de Ruanda e Gana.


Para o músico, que acabou de ingressar no conselho da empresa - sua primeira e única associação dentro da companhia - é o próximo passo em duas décadas de trabalho fora de sua carreira musical. "Minha história com a Zipline começou há 20 anos", diz ele, voltando-se para o CEO da Zipline, Keller Rinaudo. - Quantos anos você tinha, 20 anos, Keller?
"Eu tinha 12 anos", diz Rinaudo.
"Então, Keller tinha 12. E eu estava no Malawi, em Lilongwe, e estava vendo as pessoas serem diagnosticadas como HIV positivo e depois me disseram que não havia tratamento para isso". Os medicamentos de que precisavam existiam, mas não conseguiam obtê-los. "Ainda posso visualizar o olhar das pessoas nessa fila, porque disseram que não havia tratamento para a doença ou que não podiam acessar essas terapias anti-retrovirais", diz Bono. "E o estranho era esse olhar incomum - não havia raiva, não havia rancor, havia esse tipo estranho de aquiescência. E eu lembro de me sentir enjoado. Então me lembro da minha própria raiva. E usei isso: deixei que a raiva me motivasse. Foi um momento que vi isso se repetir em todo o continente e ao redor do mundo", diz ele. "E eu prometi minha vida a essa ideia: o conceito de que onde você mora não deve decidir se você viverá".
Como ativista, alguns anos depois, ele co-fundou a ONE, uma organização que defende os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e pressiona os governos globais a combater doenças evitáveis ​​e pobreza extrema, fazendo lobby com sucesso por novas políticas e programas governamentais que ajudaram a salvar dezenas de milhões de pessoas e suas vidas. Ele também co-fundou a Product Red em 2006, que faz parceria com marcas para arrecadar fundos para combater a Aids, arrecadando mais de US $ 600 milhões até o momento. Em 2016, ele co-fundou o The Rise Fund, um fundo de investimento de US $ 2 bilhões que procura empresas que criam o que o fundo chama de "retornos completos" - mudanças sociais e ambientais positivas e mensuráveis, juntamente com retornos financeiros. Em maio, o The Rise Fund se tornou um dos investidores da Zipline, ajudando a financiar a expansão da empresa, que trabalha para resolver o problema de levar suprimentos médicos para centros de saúde remotos e subfinanciados.
"Eles estão fazendo a distância desaparecer", diz Bono. "E eles colocam as pessoas no centro de seu modelo comercial, o que eu acho que também é algo em que pensamos muito no The Rise Fund - que o comércio deve servir as pessoas e não o contrário".


Em Ruanda, os drones voam autonomamente de centros de entrega centralizados para clínicas que precisam de sangue para transfusões de emergência ou outros suprimentos médicos que não poderiam ser entregues a tempo nas estradas.
(Uma entrega de drones pode levar apenas 15 minutos, rápido o suficiente, por exemplo, para salvar uma mãe que corre o risco de morrer ao dar à luz).
Em Gana, a empresa está atualmente construindo o que será a maior rede de entrega de drones do mundo, atendendo 2.000 clínicas e 12 milhões de pessoas, com até 600 vôos por dia. Em breve anunciará expansão em outros países.
"A tecnologia está melhorando muito rápido e estamos entregando muito mais produtos médicos", diz Rinaudo. "Mas o interessante é a oportunidade de construir o primeiro sistema de logística que serve a todos os seres humanos igualmente. Penso que vivemos em um mundo em que pensamos que o capitalismo e, em particular, a tecnologia servem os 1% mais ricos do planeta e depois chegam a todos os outros. Eu acho que essa é uma mudança de paradigma muito legal em termos de realmente ter a tecnologia servindo as pessoas do planeta que mais precisam de ajuda e os problemas que são mais urgentes para nós, como humanidade, que é que 5,5 milhões de pessoas morrem a cada ano devido à falta de acesso a produtos médicos básicos. E a ideia de que podemos resolver isso não através da caridade, mas através do capitalismo inteligente, que são modelos de negócios reais".
(O modelo de negócios da Zipline é contratar com os sistemas de saúde pública dos países onde trabalha. Nos EUA, onde planeja expandir, contratará instituições de saúde privadas).
Bono diz que os ativistas normalmente não se tornam investidores, mas ele está interessado em apoiar o que funciona. Ele minimiza seu papel como membro do conselho. "Não acho que eles precisem de mim para representá-los", diz ele. "Eu posso ter problemas quando chegar a festa de Natal". Mas a startup diz que a influência do músico os ajudará a convencer os governos a adotar a tecnologia mais rapidamente. "A construção de um sistema de logística que atenda a todos os seres humanos igualmente exigirá que muitas pessoas mudem a maneira como se comportam", diz Rinaudo. "E vai exigir que as pessoas acreditem na visão. Não é como se nós simplesmente pudéssemos consertá-la - sempre é preciso estar em parceria com os governos. A razão pela qual estávamos realmente empolgados com a participação de Bono foi que basicamente estaremos trabalhando juntos para tentar dobrar o arco da justiça e ajudar o planeta a fazer a transição de pequenas maneiras para sistemas que atendem igualmente as pessoas. Basicamente, pare de inventar desculpas por que não podemos servir a essas famílias".
"Essa grande linha deste grande líder que sempre considerei verdadeira - que é 'o arco moral do universo é longo, mas se inclina para a justiça' - não acredito mais que isso seja verdade", diz Bono. "Não se inclina para a justiça, tem que ser dobrado em direção para a justiça. Tem que ser puxado, empurrado. Se você é um cientista, se é empresário, se é cantor de uma banda, todo mundo precisa encontrar seu lugar nisso".

Do site: fastcompany.com

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Diretor Richard Lowenstein revela a influência de Bono para o documentário 'Mystify' sobre Michael Hutchence


'Mystify' é um documentário que conta a história de vida de Michael Hutchence.



O filme, que estreou no Tribeca Film Festival em abril e tem lançamento na Europa em 18 de outubro, apresenta aos fãs do saudoso cantor do INXS, falecido em 1997, os triunfos de sua carreira, bem como suas lutas pessoais, não deixando de lado sua morte trágica em um aparente suicídio num quarto de hotel de Sydney, na Austrália, aos 37 anos de idade.
A direção é de Richard Lowenstein, que teve acesso a todos os arquivos deixados por Hutchence.
O material visual que ele reuniu é coberto por áudio extraído de entrevistas com Hutchence e de "50, 60 entrevistas" que Lowenstein conduziu - a primeira foi com Bono em 2009.
Tudo começou com Bono. "Eu trabalhei em algumas coisas com o U2", diz Lowenstein, sem pretensões. "E Bono veio até mim uma vez e disse: 'Sabe, eu estou com medo de que alguém perceba que eu sou apenas uma criança irlandesa assustada e tímida, e isso é tudo uma trapaça'."
A confissão de Bono fez Lowenstein pensar no "dilema" da fama, e particularmente em como isso poderia ter afetado o falecido amigo em comum dos dois, Michael Hutchence, que canalizou sua própria timidez em um estilo de performance magnética.
No auge do sucesso comercial do INXS, Hutchence foi um dos poucos cantores de rock capazes de desafiar o carisma do tamanho de um estádio de Bono, e sua sensual timidez no palco e na tela o distinguiu de todos os outros artistas masculinos de rock australiano.
"Lembro-me de perguntar ao Michael qual era a sua definição de rock n' roll. E ele disse, 'libertação'", diz Bono.

Bono pode ter escrito "All Because Of You" com base na filosofia do Ubuntu


Our Blood é uma grande obra de arte pública do artista contemporâneo britânico Marc Quinn, criada em colaboração com refugiados para mudar a vida das pessoas afetadas pela crise global de refugiados.
A Our Blood divulgou um vídeo de Bono com mensagem de apoio aos refugiados. Uma poderosa mensagem de unidade e por que ele acredita que agora é mais importante do que nunca apoiar os refugiados.
Bono começa dizendo no vídeo: "O Arcebispo Tutu, sua palavra favorita é Ubuntu, que é o Zulu para Humanidade, mas sua tradução literal é "I Am Because You Are" ou "I Am Because We Are" ("Eu sou porque você é" / "Eu sou porque somos").
Bono escreveu "All Because Of You I Am" na canção de 2006 do U2, "All Because Of You".
A ética Ubuntu representa o rompimento com o individualismo. Ubuntu é pertencimento à unidade, interdependência e colaboração. Diálogo, consenso, inclusão, compreensão, compaixão, cuidado, partilha, solidariedade. "Eu sou porque você é" - "nós somos porque você é e eu sou".
A filosofia do Ubuntu constitui o aspecto espiritual da cultura africana.
"A minha humanidade está presa e está indissoluvelmente ligada à sua. Eu sou humano porque eu pertenço. Ele fala sobre a totalidade, sobre a compaixão. Uma pessoa com Ubuntu é acolhedora, hospitaleira, generosa, disposta a compartilhar. A qualidade dá às pessoas a resiliência, permitindo-as sobreviver e emergir humanas, apesar de todos os esforços para desumanizá-las. Uma pessoa com Ubuntu está aberta e disponível aos outros, assegurada pelos outros, não se sente intimidada pelos os outros serem capazes e bons, para ele ou ela ter própria autoconfiança, que vem do conhecimento de que ele ou ela tem o seu próprio lugar no grande todo". (Desmond Tutu)
Nelson Mandela ensinou ao mundo que não vale vencer a qualquer custo, por isso ele conduziu a superação do Apartheid com reconciliação, mantendo a paz e a unidade entre os povos da África do Sul.
"Um viajante em visita pela África do Sul poderia parar em uma aldeia sem ter que pedir comida ou água. Uma vez que ele para, as pessoas dão-lhe comida. Esse é um aspecto do Ubuntu, mas o Ubuntu tem vários aspectos. O Ubuntu não significa que as pessoas não devem enriquecer. A questão, portanto, é: você vai fazer isso e permitir que a comunidade ao seu redor possa melhorar?" (Nelson Mandela).

Os segredos de "Until The End Of The World" na iNNOCENCE + eXPERIENCE


"Until The End Of The World" encerrava o 1° Ato na iNNOCENCE + eXPERIENCE.
Nela, o IMAG da banda está entrelaçado com uma variedade de imagens, que, disse o diretor Willie Williams, inclui "uma explosão" e, em seguida, "uma lâmpada quebra, um tsunami sai disso, tem a casa em Cedarwood World, móveis dos anos 70 e uma variedade de lembranças; e neste ponto, a tela desce até o palco e divide completamente a arena. "É um momento deslumbrante para o público".
Quando a tela pousa dividindo o público ao meio e fazendo desaparecer a passarela do palco, a atmosfera de "que porra é essa" no ar é palpável", disse Willie.
Nesse ponto, a tela desempenha um papel literal e simbólico. Segundo o cenógrafo Ric Lipson, o conceito de dividir o público "é baseado na ideia do lado norte e do lado sul de Dublin, os muros da paz na Irlanda do Norte que foram construídos, e todos os vários muros da paz e barricadas em todo o mundo".
"Until The End Of The World" inclui uma enorme chuva de recortes. Lipson explica: "Não temos nenhuma piada aqui - são páginas de livros rasgados à mão que imprimimos especialmente em papel de seda à prova de fogo. Cada página é impressa e cortada do tamanho de um livro e rasgada ao meio. Nós tivemos uma equipe de dez pessoas em Vancouver por dois dias; cada página foi rasgada e depois jogada em diferentes recipientes, o que nos permitiu misturar as 84 páginas diferentes que foram impressas a partir de vários textos. A ideia por trás disso vem de uma história que Bono conta sobre um bombardeio de uma biblioteca em Sarajevo, quando as páginas dos livros ainda caiam na cidade horas depois. As máquinas que lançaram na arena os recortes foram fornecidas pela Pyrotecnico FX".

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Paul McGuinness: impostos, a maldição do U2 e downloads gratuitos


Em uma entrevista para Olaf Tyaransen na Hot Press, o empresário do U2 na época, Paul McGuinness, disse:
"Os negócios do U2 são 90% realizados em todo o mundo. 90% de nossos ingressos e 98% de nossos discos são vendidos fora da Irlanda. É onde moramos, onde trabalhamos e onde empregamos muitas pessoas. Mas pagamos impostos em todo o mundo - de muitos tipos diferentes. E, como qualquer outro negócio, temos o perfeito direito de minimizar o imposto que pagamos. A Irlanda se beneficiou enormemente economicamente ao atrair pessoas para um ambiente de baixos impostos".
Olaf Tyaransen levantou a questão de que várias pessoas morreram logo após trabalhar com a banda, incluindo William Burroughs e Allen Ginsberg ... "A maldição do U2!", disse Paul McGuinness. "Roy Lichtenstein morreu pouco depois de trabalhar conosco também. Usamos a imagem mais famosa dele 'Wham' [...]. Ele amou isso".
Paul McGuinness comentou também sobre o estado da indústria da música. Ele criticou uma decisão da Universal Music de distribuir downloads gratuitos de música como "horrível", pois colocava "o dinheiro nas mãos das empresas de telefonia e dos provedores de Internet".
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...