Anúncios

quinta-feira, 2 de março de 2017

A História: os 30 anos de "Where The Streets Have No Name"


"Where The Streets Have No Name" é o sol nascendo sobre 'The Joshua Tree'. É uma luz surgindo. É um despertar lento. É uma canção para permitir cada membro do U2 encontrar seu papel e, em seguida, unir forças em uma carga rítmica que iria definir o cenário para um álbum épico.
Mas "Where The Streets Have No Name" quase descarrilou completamente esse disco. O U2 (e sua equipe de produção colaborativa) descreveram a gravação da faixa como uma das experiências criativas mais frustrantes e laboriosas na carreira da banda.
Mais de um ano antes do U2 estar agitado e lutando no estúdio contra ela, Bono foi inspirado para começar a escrever a letra da canção em uma viagem à Etiópia. Após a participação do U2 no Live Aid, Bono e sua esposa, Ali Hewson, viajaram em 1985 para ver a situação pessoalmente. Ele iria tornar-se profundamente influenciado pela experiência, lutando para colocar seus sentimentos em palavras.
"Todas essas coisas sobre desertos e terra ressecada... Eu escrevi essas coisas em sacos de papel da Air India e pedaços de papel, sentado em uma pequena barraca em uma cidade chamada Ajibar no norte da Etiópia", Bono disse a revista Rolling Stone em 2005. "É um tipo de letra estranha, inacabada, e fora do contexto da África, não faz qualquer sentido. Mas contém uma ideia muito poderosa. No deserto, encontramos Deus. Em tempos secos, em fogo e enchentes, descobrimos quem somos."
Mas "Where The Streets Have No Name" não está só enraizada na África, mas exclusivamente na identidade dos irlandeses do U2. O título, especificamente, está enraizado na Irlanda do Norte.
"Uma história interessante que alguém uma vez me contou é que em Belfast, através da rua que alguém vive, você pode dizer não apenas sua religião, mas também saber quanto dinheiro eles estão ganhando", Bono disse em 1987. "Literalmente devido ao lado da estrada que cada um deles vivem, porque quanto mais alto até a colina, mais caras as casas se tornam."
Como Bono canta na canção, "eu quero derrubar as paredes que me mantém lá dentro", ele procurou destruir as barreiras entre os seres humanos. As imagens no deserto da África se conectam às suas ideias da América como um deserto político, algo que seria incorporado na arte-final e título do álbum.
Durante uma pausa nas sessões do U2 para 'The Joshua Tree', The Edge estava trabalhando independentemente em uma demo. Mexendo com guitarra, baixo, teclados e uma bateria eletrônica, Edge ficou fascinado por este esboço – uma melodia com sua assinatura trazendo linhas de guitarra com arpejo dobrado. O primeiro dia daquela gravação para o álbum recomeçou, e o guitarrista alegremente introduziu a fita demo. Para seu espanto, seus companheiros de banda não estavam tão entusiasmados como ele.
"Edge tinha criado "Streets" em uma fita de quatro pistas e ele começou com isso", Adam Clayton recordou em Classic Albuns. "Eu tenho que dizer que, no momento, eu não gostei, provavelmente pelas horas que ele tinha gasto em tal ideia. Parecia ser um jeito de ferrar com a banda."
Embora o guitarrista tivesse descoberto a reluzente intro e outro partes da canção e trabalhado uma parte que iria atravessar do tempo 3/4 para 4/4, o meio de tudo isto ainda era muito incerto. Com os produtores Brian Eno e Daniel Lanois, o U2 estabeleceu para trabalhar (e trabalhar... e trabalhar) a criação de uma música completa à partir daquela ideia.
Lanois lembra de ser como um professor de música e conduzir The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. através das mudanças de acordes intermináveis em um quadro negro, enquanto Brian Eno começava a enlouquecer aos poucos. As sessões de gravações do disco estavam girando em torno de uma única canção – que o produtor sentiu que não estava dando resultado. Uma famosa história envolve Eno, no fim de sua paciência, prestes a apagar as semanas de trabalho e ser impedido por um engenheiro de gravação.
"Há uma interpretação errada da história", explica Eno. "Essa versão da música tinha um monte de problemas. Passamos horas e dias e semanas – na verdade, provavelmente metade do tempo que levou o álbum inteiro para ser gravado, foi gasto nessa canção, tentando arrumar essa versão na fita. Foi um pesadelo de trabalho, como ter uma 'chave de fenda'. E eu achava que seria muito melhor começar de novo. Tenho certeza de que íamos chegar mais rápido ao resultado se começássemos do zero. É mais assustador começar de novo, porque não há nada. Então minha ideia era causar um acidente, para apagar a fita, assim teríamos que começar de novo".
Ou ele desistiu da ideia, ou foi impedido por um engenheiro de gravação que tinha um chá em mãos. Eno não conseguiu limpar a fita com a gravação. No final, todos perseveraram e eventualmente costuraram a versão final que é ouvida em 'The Joshua Tree'. Além dos quatro membros do U2, Eno pode ser ouvido tocando os sintetizadores ambiente no início da canção e Lanois contribuiu com percussão extra. A equipe criativa começou a gostar tanto da faixa, que eles logo concordaram que "Where The Streets Have No Name" era a canção ideal para liderar o álbum.
"Uma canção como "Streets", que teve um parto tão difícil, agora é um verdadeiro prazer para ser tocada", disse Adam Clayton. "Mas no momento, não sabíamos o que era. Foi meio que o início do techno".
Bono, entretanto, comparou a canção à "Break On Through (To The Other Side)" do The Doors, na forma como os fãs a recebem e viajam com a banda para um novo lugar. Após ser lançada em agosto de 1987 como o terceiro hit single de 'The Joshua Tree' – junto com um famoso videoclipe mostrando o U2 tocando em cima de uma loja de bebidas de Los Angeles – "Where The Streets Have No Name" se tornou um dos padrões da banda. Ela foi tocada em quase todos os shows posteriores da banda até os dias de hoje.
"Não importa o quanto ruim esteja um show do U2", Bono disse, "você pode ter a certeza que o show vai funcionar se tocarmos essa música."

Do site: Diffuser
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...