"Song For Someone" 360 Version

Anúncios

domingo, 9 de abril de 2017

A história de Bill Carter e U2 - 1° Parte


Bill Carter - fotógrafo, cineasta, jornalista, escritor, professor. Bill se tornou amigo – amigo íntimo – de Bono e do U2, em 1993, quando ele conseguiu ficar nos bastidores no show do U2 na Itália e convencer a banda a espalhar a palavra sobre as atrocidades da Guerra da Bósnia, que estava sendo largamente ignorada pela imprensa europeia e americana. Bill, que nasceu na Califórnia, era trabalhador voluntário na ajuda em Sarajevo. Depois de alguns dias de um monte de ideias colocadas na cabeça da banda e uma festa muito luxuosa com a presença de top models e estrelas de rock, o U2 concordou em fazer uma série de transmissões via satélite de Sarajevo para centenas de milhares de membros da plateia que assistiam a perna europeia da inovadora turnê Zoo TV. Os links ao vivo frequentemente abafavam o zum zum zum do concerto, mas eles também tinham a palavra ao mundo sobre o que estava acontecendo na Europa Oriental.
"Nós conhecemos Bill Carter em julho de 1993 em Verona, na Itália, durante o auge da Guerra da Bósnia", contou Bono. "Estávamos em turnê, e Bill tinha viajado para Sarajevo. Após a reunião inicial, decidimos fazer links ao vivo via satélite entre Sarajevo e os locais em cidades europeias onde estávamos tocando. Esses vislumbres de Sarajevo tinham um efeito duradouro sobre nós e nosso público."
Bill contou: "Eu cresci acompanhando eles. Um dos primeiros shows que fui foi da Anistia Internacional. Eu era um fã. E então veio a Primavera de 93. Eu estava em Sarajevo há três meses, e eu estava exausto. O verão de 93 foi o pior da guerra. Eu estava saindo com um monte de músicos, e eu estava ficando cansado de ver pessoas morrendo de fome. Nossos esforços eram bons, mas eu queria levá-lo para um outro nível. Sarajevo é uma cidade muito vibrante, viva, e senti que aquilo tinha que ser mostrado. Realmente, minha motivação para chegar ao U2 foi conectar-se a isso. Eu sabia que o U2 estava vindo para a Itália, e tinha um amigo que estava indo ao show com a namorada. Eu estava trabalhando em uma estação de TV em Sarajevo fazendo sketches de comédia de humor negro com meus amigos da Bósnia. Eu vi o U2 falando sobre o nascimento da União Europeia. Eu pensei que eles eram loucos - a Europa estava pegando fogo. Mas eu gostava que o U2 estava pensando na União Europeia. Eles eram irlandeses, o que significava que eles tinham uma história com o 'The Troubles'. Eles seriam bem versados na religião como uma arma, ao invés de uma razão para a guerra. Eu tinha lido as notas dos encartes – eu sabia que eles eram pessoas com coração. Os irlandeses são um monte de coisas, mas eles têm muito coração. Achei que valia uma chance."
Houve uma confusão com as credenciais de imprensa de Bill Carter para o show do U2 em Verona, como ele conta: "Eu escrevi um fax falso, e eles me disseram para ir para a Itália. Eu estava em Sarajevo, e tinha perdido a noção da realidade. Eu pensei porque eles me chamaram para ir pra lá, que era tudo que eu precisava para entrar no show. Quando cheguei ao estádio, tudo que eu tinha era um fax. Eu estava em uma missão, e eu estava muito concentrado. Eu queria entrevistar Bono e a banda sobre Sarajevo. Os guardas italianos pensaram que eu estava fazendo uma piada. O guarda disse que Sarajevo estava cheio de ladrões, e bati nele. Nós tivemos uma briga. Estávamos no chão, e nesse ponto, funcionários do U2 correram lá para fora. Eu dei-lhes o fax e eles disseram: 'Ah certo, estamos esperando por você. Vamos entrar'. Fui levado lá para baixo para um corredor. Eles tiveram de limpar o green room onde estavam as super modelos – literalmente – e montei a minha câmera. A assessora me disse que a banda nunca tinha feito uma entrevista antes de um show. Eles iam subir ao palco em 55 minutos. Eu disse que esperaria, mas ela disse que Bono realmente queria fazer a entrevista. Bono entrou no green room. Como uma entrevista, foi muito amador. Eu estava lhe fazendo perguntas sobre o U2, ele não queria responder a perguntas sobre o U2 e eu não queria fazer perguntas sobre o U2. Em algum momento, basicamente – sem dizer nada – mudamos de assunto. Foi quando tornou-se fascinante.
Foi emocionante. Eu estava intimidado, mas não estava assustado, porque naquele momento não fazia parte do meu DNA. Não queria estragar tudo. Para mim, um monte de gente na Bósnia estavam dependendo disso, mesmo que eles realmente não estivessem. Em minha mente, eles estavam dependendo disso. Em suas mentes, eles estavam tentando permanecer vivos. Eu senti esse peso. Sobre o Bono, gostei dele desde o primeiro momento. Ele era aberto e engraçado e tentando ser auto-depreciativo. Ele estava tentando encontrar o equilíbrio também. A melhor parte da conversa inicial foi quando ele me entrevistou. Ele pensou que eu era bósnio, e quando ele percebeu que eu era americano, ele queria saber como eu cheguei nos bastidores. Contei-lhe a história, e os irlandeses como ele gostavam daquele tipo de truque."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...