Anúncios

terça-feira, 11 de abril de 2017

A história de Bill Carter e U2 - 2° Parte


Bill Carter - fotógrafo, cineasta, jornalista, escritor, professor. Bill se tornou amigo – amigo íntimo – de Bono e do U2, em 1993, quando ele conseguiu ficar nos bastidores no show do U2 na Itália e convencer a banda a espalhar a palavra sobre as atrocidades da Guerra da Bósnia, que estava sendo largamente ignorada pela imprensa europeia e americana. Bill, que nasceu na Califórnia, era trabalhador voluntário na ajuda em Sarajevo. Depois de alguns dias de um monte de ideias colocadas na cabeça da banda e uma festa muito luxuosa com a presença de top models e estrelas de rock, o U2 concordou em fazer uma série de transmissões via satélite de Sarajevo para centenas de milhares de membros da plateia que assistiam a perna europeia da inovadora turnê Zoo TV. Os links ao vivo frequentemente abafavam o zum zum zum do concerto, mas eles também tinham a palavra ao mundo sobre o que estava acontecendo na Europa Oriental.

"Na Itália, eu tive duas reações. Um, eu queria queimar o lugar. Dois, eu queria roubar toda a comida e toda a bebida e levá-la para Sarajevo. Então, eu queria gritar com todo mundo. Eu tinha esse pavio curto. Disse a mim mesmo para se acalmar. Lá estão vários mundos, acontecendo o tempo todo. É a vida. O U2 era cercado de pessoas generosas. Os visuais eram muito estranhos. Você tinha Pearl Jam na piscina e modelos na piscina. Que mundo estranho! Era inacreditável que isso estava acontecendo. E foi aí que tivemos uma conversa muito intensa sobre o U2 vindo a Sarajevo. Mas não podíamos tê-los vindo. Primeiro, as pessoas de Sarajevo iriam se juntar e serem mortos. Mesmo se fosse subterrâneo, eles teriam que se reunir do lado de fora para entrar. O problema secundário era o aeroporto. Não importava se era o U2. O aeroporto fecharia durante semanas em um momento, e ninguém poderia sair. Então, a ideia foi mudada e eles usaram suas grandes telas de TV, em vez disso. Foi complicado, mas conseguimos.
Se eu não tivesse me envolvido com o U2, não sei se o filme [Miss Sarajevo] teria sido feito. Obviamente eu não teria me envolvido em todas essas outras coisas. Mas eu tento dizer que o que aconteceu não foi acaso ou sorte. Em algum momento de sua vida, uma porta vai se abrir. Ele permanecerá aberta, se você tem algo para fazer através dela. Se você não tem nada para levar através dela ao querer passar, ela vai fechar para você. Se eu tivesse ido a aquela festa como repórter e não tivesse sido conduzido por algo maior, teria sido assim. Não era meu foco. Meu foco foi era fazer que meus amigos parassem de morrer. Se poderiam me ajudar fazer isso, eu ia pegar esse trem e iria até o limite. É por isso que o U2 correspondeu. Eles reconheceram uma paixão ardente.
Eu não me canso de pessoas perguntando sobre coisas verdadeiras, mas eu me canso de pessoas que parecem interessadas no meu trabalho, mas só querem obter histórias sobre o Bono. Eu não faço isso. Isso foi estabelecido há muitos anos.
Eu tenho muitas lembranças. Fui para a casa de Bono no sul da França por uma semana. Foi fantástico. Eu fiquei com Bono e sua esposa e filhos e Edge e sua família. Sim, eles vivem nesta mansão histórica, mas também foi incrivelmente normal – nadar, sair. É uma vida diferente, mas há um lado normal. Esquecemos que são apenas pessoas, mas ao mesmo tempo, conheci outras pessoas no negócio, e não quero ir em suas casas. O U2 é muito pés no chão. Eles são superstars, mas ainda sabem quem são humanos. Eles são muito humildes.
Nós ainda nos falamos. A maneira mais fácil de falar com eles é quando eles estão em turnê. Minha esposa e eu vamos em três ou quatro shows durante uma turnê, e então podemos conversar. Eles oferecem suporte a tudo o que faço."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...