Anúncios

terça-feira, 20 de junho de 2017

A entrevista de Adam Clayton para a Variety - Parte 01


Para a maior banda de rock do mundo, o U2 pode ser terrivelmente duro com si mesmos. Afinal, quando você é muito grande, o que é bom o suficiente para você? E como você luta contra a síndrome do dinossauro, onde os artistas veteranos (sem necessidade de nomear nomes) fazem milhões revivendo os hits em turnês, enquanto suas novas músicas são ouvidas quando você dá uma pausa para ir ao banheiro? É uma síndrome de carreira que o U2 lutou obstinadamente e em um grande nível com sucesso, com o custo de ser uma sede constante para permanecer relevante e anos de trabalho (para não mencionar a busca da alma) em cada um dos seus últimos álbuns.
No entanto, quando 2017 começou, o grupo parecia incerto, deixando de lado seu álbum pronto 'Songs Of Experience' - a continuação de 'Songs Of Innocence' de 2014, porque, como o guitarrista The Edge disse para a Rolling Stone em Janeiro, Trump tinha sido eleito e "de repente o mundo mudou. Nó dissemos: 'espere um segundo, nós temos que dar a nós mesmos um momento para pensar sobre este disco e sobre como se relaciona com o que está acontecendo no mundo'."
Em vez disso, o grupo decidiu olhar para trás - algo que eles fizeram raramente em sua carreira de quatro décadas - e fizeram uma turnê por trás do 30º aniversário do disco 10 vezes de Platina, 'The Joshua Tree' o álbum que os fez Superstars. Parte da lógica era que o mundo tinha voltado a um estado profundamente conservador semelhante ao auge dos regimes Reagan e Thatcher, com a queda do comunismo e os anos de Clinton no horizonte, mas ainda longe. Mas o U2 também são um dos mais experientes artistas de negócios na história da música - sua turnê 360° entre 2009 e 2011 arrecadou um recorde $736.000.000 - e para a surpresa de absolutamente ninguém, a ' The Joshua Tree Tour 2017' já está no topo, vendendo 1.100.000 ingressos em 24 horas e arrecadando $62.000.000 em suas primeiras 10 datas, de acordo com a Billboard BoxScore. A turnê de 50 datas começou em Vancouver em 12 de Maio e continua em toda a América do Norte, Europa e América do Sul em Outubro, com mais datas podendo ser anunciadas.
Enquanto isso, o baixista Adam Clayton falou pensativamente e expansivamente sobre a maioria desses tópicos durante uma conversa de meia hora com a Variety, que não era o propósito desta entrevista. Adam estará sendo homenageado em Nova York na segunda-feira no 13° concerto beneficente anual do MusiCares, para arrecadar fundos para os serviços de recuperação da organização Addiction.
O cantor Jack Garratt e o The Lumineers irão se apresentar, assim como o U2. Adam Clayton, que está sóbrio há 19 anos, receberá o prêmio Stevie Ray Vaughan. Um reconhecimento de seu apoio ao fundo e ao MusiCares - que distribuiu $10.000.000 na década passada a quase 3.000 clientes usuários da substância - assim como seu compromisso em ajudar o outro com o processo da recuperação de dependências. "As pessoas podem ser críticas e dizer que os viciados são fracos ou eles são ruins", diz ele. "Mas a minha experiência é que as pessoas na reabilitação e recuperação são realmente muito corajosas."

Qual é a sensação de revisitar 'The Joshua Tree' todos estes anos depois?

Nós não vamos voltar lá porque é a única maneira que podemos sair em turnê e fazer alguns shows. Nós vamos voltar como uma forma de comemorar e celebrar o lançamento desse disco, e de alguma forma ver o que mudou no mundo nesses 30 anos desde que o disco foi lançado. É sobre ambos, o que mudou internamente para aqueles jovens idealistas de olhos abertos que viajaram em turnês pelo mundo - e eu acho que provavelmente levou 10 anos para todos nós nos recuperarmos do sucesso de 'The Joshua Tree', porque ele colocou nossas vidas em um curso diferente - e o mundo realmente mudou muito?

E o que você está vendo?

A política é uma questão complicada e eu acho que o que aprendemos pela reação à esquerda, se você gosta, nos últimos dois ou três anos é que há um número enorme de pessoas na área de renda média que não se sentem representados e não sentem que têm uma participação no futuro. Eu colecionei recentemente isso de pessoas [idosas], elas trabalham muito e suas chances de, por exemplo, comprar uma casa são muito, muito limitadas. Eu acho que [há 30 anos] éramos um pouco idealistas em termos do que estávamos comprando, chegando na América com uma espécie de chapéu de imigrante, [acreditando] podemos ter uma participação neste país e, até certo ponto, a mitologia de 'The Joshua Tree' está em consonância com isso.
30 anos depois, estou percebendo que a visão da América se foi. É um mundo muito mais severo.
Espero que a mudança venha e a democracia se reinicie na América, e vai servir mais para as pessoas do que agora. Este é um período difícil - há muita agitação na Europa exatamente desta mesma forma [como na América], de pessoas sentindo apenas raiva. Há muita raiva, e as pessoas estão lutando e eles têm lutado por muito tempo.

É isso que você está ouvindo dos fãs?

Não, não estamos recebendo um feedback direto nesse sentido. Mas em termos de pessoas que se encontra na vida, e se você tem um ouvido aberto para o que está acontecendo, eu estou sentido isto. Certamente é verdade sobre a maneira como as pessoas estão votando, e certamente é verdade sobre o que está acontecendo na Europa. As pessoas desconfiam das políticas tradicionais porque não funcionou para elas.

É verdade que finalizaram o álbum 'Songs Of Experience', mas decidiram repensá-lo porque não se sentiam correto lançar ele logo após o Trump ter sido eleito?

Sim, esse foi certamente o nosso sentimento. Uma vez que a eleição tinha acontecido, nós não queríamos lançar um disco sem ter algum tempo para avaliar o que estava acontecendo e que estava por trás do resultado. E certamente essa onda de mudança parecia estar se movendo através da Europa também, então nós dissemos "Vamos reexaminar onde estamos", e nós fizemos isso e eu acho que tem sido melhor para este disco e tem sido melhor para a composição e é muito mais uma mensagem do que o U2 faz e que o U2 faz muito bem.
['Songs Of Experience'] estava pronto para ser lançado há um tempo, porque não exigia muita cirurgia, por assim dizer - foi um pouco de cirurgia estética. Então nós dissemos: "nós poderíamos lançar este disco este ano, ou poderíamos celebrar 'The Joshua Tree' e lançar o novo disco quando finalizarmos esta celebração, e depois planejar uma turnê em torno dele e todas as coisas que vão junto com um novo álbum." O único spoiler disso é que 'The Joshua Tree Tour 2017' tem sido um enorme sucesso fugitivo e nós estamos adicionando mais shows. Assim, a resposta à sua pergunta é, ['Songs Of Experience'] está pronto para ser lançado, mas neste momento eu não tenho certeza quando ele será lançado porque a turnê ainda está em ascensão e tendo sequência.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...