Anúncios

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Adam Clayton: articulado, impecavelmente bem vestido, com o cabelo espetado perfeitamente branco


Estes são tempos difíceis para a programação de artes e o jornalismo cultural, ocupando um espaço que parece estar sempre encolhendo ou mergulhando no populismo bruto.
A nova série The Works Presents, exibida na RTÉ One, aborda o topo do problema, sem se afastar das mais duras realidades. É um raro programa que pode dedicar-se a uma entrevista com o crítico de arte contemporânea de um periódico impresso, por exemplo. Ainda assim, é decepcionante descobrir que até mesmo o colaborador/editor de artes para a Revista GQ, Adam Clayton, tem que manter dois empregos para sustentar essa paixão. (Ele também é o baixista com a banda de rock, U2).
Articulado e impecavelmente bem vestido, com o cabelo espetado perfeitamente branco, que tanto Samuel Beckett ou qualquer Senador americano iriam ficar admirados, Clayton foi convidado a abordar, em primeiro lugar, seu trabalho à noite. 40 anos é muito tempo para estar em uma banda, o anfitrião John Kelly fala para ele. "É um longo tempo em uma banda, é muito tempo em um acordo de negócios, é muito tempo em um casamento", diz Adam Clayton, um resposta franca e intrigante, valendo a pena ser estendida. Talvez ele tenha feito isso – há um nervosismo para o formato de 30 minutos que sugere uma edição rápida, onde a entrevista é intercalada com pequenos vídeos e fotos de um arquivo gigantesco do U2. Às vezes parece mais mais próximo de um videoclipe, do que um show de artes.
John Kelly mesmo caminha nessa linha, um DJ, apresentador e autor, mas aqui ele satisfaz principalmente as curiosidades dos entusiastas. Adam Clayton oferece uma visão familiar: períodos deprimido, punk rock, bandas de escola, amplificadores de má qualidade, maiores influências (como The Sex Pistols e The Stranglers) e sorte. "Eventualmente eu acho que nós montamos nossa tenda com essa mistura de expressar nossa adolescência, de admitirmos sermos dos subúrbios e admitirmos que havia uma dimensão espiritual para a vida". Isto vale a pena ser comentado, especialmente a última parte, dado o ceticismo de Adam Clayton no início contra membros da banda muito mais devotos.
Dado um golpe de sorte, ele agora é o baixista de uma das maiores bandas de rock do mundo. Adam diz que a autoconfiança necessária para se estar no U2 "foi eliminada de nós, um pelo outro" e também que a linha de baixo bastante simples de "With Or Without You" é realmente "uma que eu poderia tocar".
O foco central da entrevista de Kelly, entretanto, é que Adam Clayton poderia fazer seu trabalho. A própria "estrada não tomada" de Adam Clayton é a de estudar em uma faculdade de arte, mas Kelly argumenta que estar em uma banda mundialmente famosa é realmente a melhor coisa, permitindo o acesso a museus internacionais, curadores e artistas, presumivelmente com menos exames. Um caleidoscópio de fotografias serve para transmitir este ponto - litografias de Warhol, luminárias do Louvre, galerias aleatórias e fotos de publicidade do U2 - como notas de rodapé para um teste de uma prova no Art School of Rock.
Adam Clayton é claramente culturalmente informado e muito atento, da maneira que muitos colecionadores são, mas nem ele e nem o 'The Works Presents' fazem qualquer alegação para ser o novo John Berger. Não é uma entrevista de um rock star - muitos caminhos óbvios são deixados inexplorados - mas também não é uma entrevista de artes: não há nenhuma exploração de sua crítica. (A defesa de Adam Clayton do escultor Allen Jones na GQ, muitas vezes descartada como um misógino para seus "manequins de fetiche", corre sob o resumo, "ele é profundamente pensativo e claramente ama as mulheres.")
Em vez disso, temos momentos de filosofia instrutiva que servem como reflexões maduras para uma banda de rock envelhecida. Tomando emprestado uma teoria de John Currin, outro artista famoso por temas provocativamente sexuais, Adam Clayton fala sobre a juventude e riscos assumidos: "A essência do que sua arte é." Uma vez que os artistas se estabelecem, no entanto, o público não quer que as experiências - quer os hits. "A música pop é o som da juventude, o som da tentativa, da bravata", diz Clayton, "Quando você chega à idade de uma banda como o U2, você não pode realmente fazer isso. Tem que ser sobre ideias. E é um tipo diferente de compromisso."
Ele sempre volta para o U2 - a banda, o negócio, o casamento – e o show parece um deleite. E Adam Clayton. Muito é feito de seu anonimato invejável, levando-o de metrô para seu próprio concerto em Londres, felicidade que passou sem que percebessem, mesmo que tenha compartilhado a experiência com 1 milhão e 200 mil seguidores no Instagram.
Há mais vida do que o U2, esta entrevista amigável está tentando dizer isso, mas é difícil para qualquer um ou qualquer risco de estar além de seu fenômeno. Você não pode viver com ou sem eles.



Do site: Irish Times
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...