"Song For Someone" 360 Version

Anúncios

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A Entrevista: Willie Williams na Rolling Stone - Parte II


Você acha que o conteúdo de vídeo utilizado será arquivos de filmagens no deserto?

Tenho certeza que haverá, mas não há muito disso. O que tem, nós temos usado para acabar definitivamente com isso, basicamente. E novamente, como eu disse antes, certamente levaremos o espírito e estética dessa filmagem. Não vamos inventar uma nova estética para esse álbum e para aquela época. É basicamente apenas filmes de 8mm que Anton [Corbijn] registrou em vídeo quando estava fazendo a sessão de fotos do álbum. E nós estamos usando para acabar logo com isso. Usamos isso até nos shows da Zoo TV. Mas o espírito do que aquilo foi certamente estará ao redor, mas como já foi dito pelos caras da banda, o objetivo desta turnê não é recriar a original The Joshua Tree Tour. Não se trata de nostalgia. É apenas olhar novamente para aquele registro agora e ele se tornou assustadoramente pertinente, realmente, dado que o registro foi feito na era Reagan/Thatcher. Como foi dito por Adam e The Edge, parece que o mundo forma um círculo completo de maneiras bizarras.

Falei com The Edge algumas semanas atrás e ele disse que não sabia se deveria começar com "Where The Streets Have No Name" e ir direto para o disco, ou construir um caminho para ele mais tarde no show. Como você acha que funcionaria melhor?

Sim, eu sei, mas não vou te dizer. Não posso, realmente, mas tudo será revelado na noite de abertura. Claramente, 'The Joshua Tree' é um disco de uma hora e o show deve ter quase o dobro de duração. Parte da razão que eu não posso dizer é que nós não saberemos até nós ouvirmos ele tocar. Acho que temos uma grande estratégia, uma maneira muito sólida de fazer isso sem que seja um show de nostalgia de um álbum clássico, mas só não saberemos até nós o ouvirmos tocar.

Você viu Springsteen tocar The River ou Roger Waters tocar The Wall? Você já esteve em algum desses outros shows de álbuns completos?

Eu vi Roger Waters tocar The Wall. Ele teve a sorte de ter um disco de duas horas de duração, então ele pode fazer isso e nada mais.

Você trabalhou em shows de arenas na última turnê. Que desafios os estádios apresentam que você não tem com arenas?

Os elementos, obviamente. Em um jeito divertido, estádios são mais consistentes. Com arenas, quando você está dentro de um lugar menor como aquele, coisas do dia a dia podem mudar em outras maneiras. As coisas ainda parecem consistentes em estádios, mas a luz do dia, tempo e essas coisas não estão ao seu lado. Além disso, as coisas precisam ser muito maiores. Fiquei emocionado com a iNNOCENCE + eXPERIENCE porque pudemos finalmente tocar usando Morphing (um efeito especial aplicado a uma imagem, de forma que ela vá sendo distorcida e passando gradualmente por imagens de transição até chegar numa segunda imagem) ou mesclando seres humanos com conteúdo de vídeo. Você só pode fazer isso se a escala do ser humano faz sentido para o olho humano, e não éramos capazes de fazer isso há muito tempo. Obviamente que você não pode fazer em um estádio porque a pessoa na fileira de trás não consegue impacto sobre a escala humana. Você precisa ser muito maior e muito mais amplo, mas isso é sempre divertido. O que sempre foi grande com o U2 é que cada turnê tem sido uma mudança de tela. Quase sempre que tocamos ao ar livre... vamos em seguida para lugares fechados, ou vice versa ou uma abordagem totalmente diferente. Isso nos mantém interessantes. Estou adorando estar em estádios novamente. Simplicidade é provavelmente a palavra errada porque ainda é uma grande produção, mas acho que enxugaremos o que fizemos depois da última turnê e haverá algo fresco nesta. O que é engraçado é que a iNNOCENCE + eXPERIENCE parecia uma coisa simples, mas foi um dos shows mais complicados que o U2 já fez. Estes serão maiores, mais com coisas simples e deixando a música da banda encher o estádio.

Depois da turnê 360°, se preocupou que você não poderia fazer melhor que aquilo?

Não me preocupei com isso porque na Zoo TV, as pessoas estavam dizendo: "como você vai conseguir superar isso?" Minha piada foi: "a próxima vai ser maior", que é claro que acabou sendo [com a PopMart]. Nunca me preocupo com isso. Porque com o U2, eles são absolutamente cientes como penso, que se você na próxima turnê vai utilizar o mesmo telão, então você não tem mais nada para utilizar com ele, uma vez que muito acontece com uma produção de um show do U2. Como eu disse anteriormente, é maravilhoso voltar para estádios com algo tão diferente como a 360°. Está seguindo muito naturalmente e muito tematicamente, uma vez que eles nunca foram uma banda em olhar para trás. É irônico, mas se houver qualquer reclamação sobre nostalgia é provavelmente o mesmo pessoal que vai em um show e insiste em reclamar que o U2 está tocando seus novos materiais. Você está absolutamente condenado se você fizer isso, e condenado se não fizer. Muitos comentários têm pessoas dizendo: "Eles precisavam tocar tanto do novo disco?" Eles certamente não foram caras que olharam para trás, mas com 'Songs Of Innocence', tendo sido tanto sobre a gênese da banda e esse tempo e lugar... é tão apropriado olhar para esse período da banda, e a fase The Joshua Tree e a seguir com 'Songs Of Experience' e o que faremos com ele quando voltarmos. Parece que é uma progressão muito natural.

Você acha que a próxima etapa da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE terá a mesma base de cenário como a última, ou poderá mudar um pouco?

Esse sempre foi o plano, claro. Mas inicialmente nós iríamos seguir isso depois de alguns meses, e agora acontecerá dois anos depois. Haverá todos os tipos de motivos convincentes para manter o mesmo palco, desde que eu sinta que nós apenas arranhamos a superfície do que poderíamos fazer com isto. Mas dois anos já se passaram e o mundo é um lugar totalmente diferente. Mas nós vamos atravessar aquela ponte somente quando chegarmos lá.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...