Anúncios

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Revelações: Lovetown Tour - Parte 1


Willie Williams é o diretor de iluminação de palco e designer dos shows do U2 desde 1983. Quando existia a Revista Propaganda do U2, ele era citado em matérias como Peter Williams, e em 1990, fez revelações e comentários dos shows da turnê Lovetown:

AUSTRÁLIA

Se passaram cinco anos desde que o U2 tocou na Austrália. A produção para os ensaios começaram no início de setembro no Homebush Sports Centre em Sydney. Isto veio na sequência das semanas de ensaios da banda em casa em Dublin, trabalhando através do grande repertório do U2, tomando decisões sobre quais músicas tocariam ao vivo no show, quais canções novas funcionariam melhor, que as antigos deveriam permanecer, e quais deveriam sair do setlist.
Os três primeiros shows foram em Perth, Austrália Ocidental. Eles foram os primeiros shows completos que o U2 realizou em qualquer lugar em quase dois anos, então, compreensivelmente, havia uma grande dose de ansiedade e curiosidade ao redor. A música escolhida para abrir a turnê foi "Hawkmoon 269", uma escolha meio incomum para uma abertura, particularmente quando tocada naquela escuridão quase total, mas ficou claro que isto iria ser algo novo, não meramente uma extensão da turnê 'The Joshua Tree'.
Estava claro também que o público australiano estava mais do que prontos para ver o U2. Os ingressos para os shows foram esgotados quase instantaneamente, e a resposta do público foi extremamente entusiasmada.
Depois de Perth veio Sydney, Brisbane, Melbourne, Sydney novamente, Adelaide e em seguida Sydney de novo, para fazer três shows que haviam sido adiados, devido a alguns "germes muito psicodélicos que decidiram realizar sua Assembleia Geral Ordinária em minha garganta", como Bono colocou.
Estar em cada cidade australiana por tanto tempo permitiu à banda fazer muito mais do que em uma programação habitual de turnê. Houve tempo para o local tornar-se um ambiente muito familiar. Havia muito tempo de folga também, que permitiu que todos aproveitassem o verão australiano, uma agradável mudança de hábito, pois anteriormente o U2 encontrava-se nos locais mais frios da terra tocando, e gravando seus videoclipes.
Os três últimos concertos de Sydney foram filmados pelo diretor de cinema australiano Richard Lowenstein. Richard e sua equipe têm uma abordagem um pouco mais livre para o cinema (o estilo "scrapbook" do seu trabalho pode ser visto nos vídeos "Desire" e "Angel Of Harlem"), que a banda sentiu que seria uma boa maneira de documentar a turnê Lovetown.
Não iria ser 'Rattle And Hum II', mas sim um olhar muito mais informal para a turnê, seu ambiente e a cidade de Sydney (com sua própria versão da Love Town, a área de luz vermelha da King's Cross). O resultado foi meia hora de filme que foi exibido na televisão Europeia durante o Natal.
Enquanto isso em Sydney, B.B. King comemorava seu aniversário de 64 anos. Se essa não fosse uma desculpa para uma festa, então qual seria? Passar um tempinho com B.B., que é tão jovem de espírito, torna-se impossível de compreender que ele é tão antigo como o média de idade dos avós. Este é um adulto descolado, e houve uma festa para provar isso.
O U2 alugou um barco com espaço suficiente para uma banda ao vivo e espaço para dançar. Em seguida, com todo o pessoal da turnê a bordo, foram rumo ao Sydney Harbour para um dia à tona no sol da primavera australiana. Com muito para comer e beber (e até mesmo um bolo em forma da guitarra Lucille), era inevitável que B.B. acabasse tocando alguns blues de aniversário. Ele fez isso, acompanhado de Bono e qualquer pessoa que estivesse perto para um abraço. O barco navegou até depois de escurecer com um espetáculo de fogos de artifício para acompanhá-lo de volta para a praia.
O coração da Lovetown era, naturalmente, os shows. A banda tinha se afrouxado um pouco desde a turnê 'The Joshua Tree', e com tanto material para escolher, o setlist tinha uma grande variação de noite para noite. Isso foi importante demais, porque para os sete ou oito shows em cidades como Melbourne e Sydney, a banda estava ciente de que boa parte do público viria a mais de um show.
Isso foi uma oportunidade ideal para experimentar um pouco, para experimentar algumas das canções mais incomuns, algumas músicas antigas revividas como "Two Hearts Beat As One" e até mesmo um par de canções que nunca haviam sido tocadas antes, "Slow Dancing" e a canção que Bono escreveu para Roy Orbison, "Mystery Girl".
Havia muitos aberturas diferentes para o show, além da testada e confiável "Where The Streets Have No Name". Havia "Hawkmoon 269", "Bullet The Blue Sky", "Stand By Me", e até mesmo "God Part II" e uma versão acústica de "In God's Country" fizeram o slot de abertura em diversas ocasiões. A medida que a turnê avançava e a bobeira se instalava, houve até "White Christmas" e uma versão de "Stand By Me" com Larry nos vocais e Bono na bateria, mas provavelmente o menos que se falar sobre isso, é melhor.
Para a parte central do show, B.B. King e a "Orquestra de B.B. King" se juntariam ao U2, somando um total de 11 pessoas no palco. Era uma grande banda com um grande som e realmente colocavam a casa abaixo com canções como "Angel Of Harlem", "Love Rescue Me" e, claro, a música tema da turnê, "When Love Comes To Town". "Há algum amor na casa esta noite?" B.B. perguntava para o público, que invariavelmente respondia de forma afirmativa.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...