Anúncios

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

U2 na Revista Q: as revelações sobre 'Songs Of Innocence'

O U2 é capa da nova edição da Revista Q, e Bono, Edge e Adam deram uma entrevista falando sobre o novo disco da banda, 'Songs Of Innocence'.

O site U2 NEWS publicou na íntegra a matéria! Aqui no blog, as partes mais interessantes:

Q: Quando a decisão de dar o álbum através do Itunes foi tomada?

Bono: Temos trabalhado nisso há dois anos. Mas nós não estamos dando ele. A Apple está dando. Isto é muito importante. Eu sou contra a música gratuita. Mas a idéia de que alguém, não sei onde, em Seul, podia checar por que você está lá, e por que é uma notícia... esta é a nossa droga de escolha. Este tem sido o nosso modus operandi desde o nosso primeiro dia. E graças a Deus, a Universal chegou a um acordo. Quer dizer, só vai pagar a nossa dívida na estrada. Não irá para o nosso bolso.

Q: Estamos em um novo território. Não se trata mais de vendagens de discos e posições nas paradas

Bono: As paradas estão quebradas. Eles não medem o que as pessoas estão ouvindo e não medem a paixão do povo na música. Eles medem o desejo das pessoas decentes que pagam pela música e devem ser respeitados por isso. Mas é uma pequena fração das pessoas que ouvem música. Somente após a triagem, nosso último álbum vendeu 5 milhões de cópias. Esse provavelmente iria vender, talvez três. Então temos que ir com algo diferente, porque nós gastamos muito tempo para conseguir essas músicas e agora que temos, queremos colocar elas pra fora.

Q: Por que levou tanto tempo para fazer o disco?

Bono: Dizem que nós não fizemos um álbum do U2 nos últimos cinco anos. Nós fizemos sim. Fizemos vários. Só não lançamos porque estávamos esperando por algo que fosse tão bom quanto o melhor que já fizemos. Esse era o nosso padrão.
Jimmy Iovine me disse: "a pessoa que você precisa ser para fazer o disco que você quer fazer está longe de onde você mora." Eu disse: "Eu acho que você não está falando sobre uma direção ou um lugar agradável no sul da França?" Ele disse: "não, estou falando de outra coisa. Está pronto para ir para lá? Você está pronto para abrir a caixa de Pandora sobre o porque queria estar numa banda?

Q: E aí é onde o tema autobiográfico entra?

Bono: Sim. É um pouco desafiador. O que isso significava era que era nada, nada iria ficar para trás. Assim que eu terminava uma canção sobre, quero dizer, que embaraçoso foi isto? A letra de uma canção que eu escrevi sobre a minha mãe [Íris]. 'Por que você queria estar em uma banda, em primeiro lugar?' Para mim saiu da dor. Preencher o buraco com a música. Era como, 'Gostaria de ir lá?' Então eu fui lá. Aqui está uma coisa selvagem, minha mãe caiu ao lado do sepultura de seu pai há 40 anos, e mandei-lhe uma carta de amor. É algo completamente insuportável. Então eu decidi ir, 'você está pronto para escrever sobre a rua onde você cresceu? Está pronto para escrever sobre seus amigos que conseguiu através destas coisas? Está pronto para escrever sobre ir ver os Ramones, quando você achou mais alguém que cantava como uma menina e então sentiu que você poderia estar em uma banda? Lembra-se de tocar no The Baggot Inn [um pub de Dublin] e as pessoas gritando "Mais punk no Monkees"? E depois ir para ver o The Clash e mudar mentalmente, espiritualmente?' Fomos para nossa casa, dormimos em nossas camas. Mas não fizemos isso de verdade. Tínhamos deixado isso. Nós nos juntamos com outra unidade. Uma pequena combinação chamada U2 e nunca mais voltamos. Então fomos lá.

Q: Para 'Songs of Innocence', trabalharam com Paul Epworth e Danger Mouse [Adele, Florence & The Machine]. Mas as pessoas podem se surpreender ao ver Ryan Tedder [Beyoncé, Leona Lewis] nos créditos ...

Bono: As estrelas pop estão impactando em outras melodias. Não em letras, não em sua estética, mas que estão compondo temas melhores. Isso não foi o caso com os Beatles ou os Stones. Os Beatles estavam escrevendo melhores temas que pop stars e não comprometeram suas letras ou sua estética. Quando Brian Burton [Danger Mouse] dedicou seu tempo para trabalhar com a gente, e ele tem de longe a maior presença no disco como produtor, fomos trabalhar com Paul Epworth, fomos trabalhar com Ryan Tedder. O único interesse deles é a melodia que você nunca ouviu e a singularidade dela. Então eles mudaram o jogo para nós.

Q: Então, na verdade, quando foi finalizado?

Edge: Nós terminamos na terça-feira [2 de setembro]. Quer dizer, é tão recente, porque foi um sprint. Foi aquela coisa que sempre acontece com gravações do U2, onde você começa a vê-lo entrar em foco e as decisões são mais fáceis de tomar, porque você está começando a realmente chegar ao coração da obra, ao invés de se preocupar com algo que não se encaixa. Você só está tentando conseguir a melhor versão do que realmente é. Os últimos quatro dias estivemos a pleno.

Q: Por um momento parecia que estavam se preparando para um lançamento no início de 2014. O que é tão diferente neste disco que o fez sair tão depois?

Edge: É difícil dizer. Porque isso não foi o único momento em que nos preparamos para finalizar o disco. Houve algumas outras vezes quando estávamos quase conseguindo. Acho que tínhamos que fazer um exame de consciência para perceber que, 'nós amamos o que fazemos, nós amamos o material, mas só que não está terminado.' Parte do que tentamos é tornar as músicas as melhores que poderíamos fazer. Mas também, elas tinham que soar como U2. Elas não poderiam soar como se tivessem sido colocadas juntas em uma oficina de composição. Então houve uma fase final, onde nós dissemos, 'para o inferno com isso.' Como vamos tocar isso ao vivo? Qual é o arranjo por excelência do U2 para esta música? Realmente foi onde para mim tomaram vida. Sabíamos que era o material, mas não foi até que realmente tivemos capacidade de finalizá-las. E acho que isso foi bastante recente em algumas das canções.

Q: Então este disco foi feito, mais ou menos, nos últimos seis meses?

Edge: Sim! Quer dizer, há restos de canções e ideias que têm estado em torno há muito tempo. Mas a maior parte foi feita muito rapidamente no final. Muitas foram feitas nas últimas semanas. Isso é o que muitas vezes acontece nas gravações com o U2. Passamos esse tempo todo tentando perceber o que a música quer ser e uma vez que sabíamos, foi mais fácil em alguns aspectos. Passei por um momento muito escuro um dia depois que nós terminamos isso. Eu escutei ele novamente e eu estava muito próximo dele. Então eu percebi que, instintivamente, nós estávamos indo na direção certa, e todo o trabalho final que fizemos foi realmente incrível.

Q: Houve um momento em que pensaram que nunca iriam finalizá-lo?

Edge: Quase todas as semanas, nos últimos quatro anos, eu só queria me matar por estar obcecado.

Bono: Há um pouco de humilhação envolvida [em não ser capaz de terminá-lo]. É humilhante estar ciente que você pode ser inteligente, pode ser um perito, pode amar a música, mas conseguir que a música te ame novamente é um processo misterioso.
Ele é uma amante ciumenta que realmente quer toda a sua atenção. Você quer abandonar-se por ela. E, a propósito, não é apenas sobre nós. Pergunte o por que algumas das imaginações mais prolíficas não terem feito uma boa música em 20 anos e voltará com uma resposta similar. Nós pressionamos através da dor e chegamos à ela. Foi como, 'Vamos ter outro.' Mas levou malditos cinco anos. Mas não chegou à nós até o último minuto.

Q: Aparentemente, comemoraram sua finalização, visitando um karaoke de um bar em Malibu?

Bono: Sim! Mas eu segui o conselho de Edge em não pegar o microfone do garoto que estava fazendo um karaoke de "Vertigo". Eu queria, mas Edge apenas disse: 'Por favor, não faça isso ... não esta noite.' Internet ... tem seus pontos altos e os pontos baixos."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...