Anúncios

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Como terminou a batalha entre a ex-estilista e ex-assessora de imagem Lola Cashman e o U2


O Irish Independent entrevistou Lola Cashman mais de dois anos após a a ex-estilista e ex-assessora de imagem ter sido forçada à devolver o infame chapéu Stetson de Bono e outros itens que ela coletou enquanto trabalhava em turnê com o U2 em 1987.
Lola Cashman passou de ter um dos empregos mais cobiçados como estilista, para depois, como ela diz, "ser totalmente apagada".

Depois de pegar empréstimos com 350.000 para pagar os custos judiciais, declarou-se quebrada, perdeu sua casa, seu carro, sua reputação e, diz ela, ficou efetivamente "sem nada". Mas, ela acrescenta: "Havia algo bastante humilhante sobre isso".
Ela tem poucos arrependimentos. "Eu me sinto incrivelmente orgulhosa de mim mesma. Se eu fosse embora e não lutasse, teria parecido uma mentirosa e uma ladra. Eu estava em uma posição difícil. Eu teria escalado o Monte Kilimanjaro [mesmo que] tenham me dito uma e outra vez que eu nunca iria ganhar este caso."
Ela já não tinha contato com Bono há anos. Tendo sido o que ela descreve como seu "confidente", "um ombro para chorar" e "uma figura materna" para ele, ela diz que evitou contato visual durante o julgamento.
Mas ela foi filosófica. "Eu não sinto nenhuma animosidade. Para mim, eu estava lutando contra o U2 corporativo", diz ela.
Na época do caso, ela estava com residência no Westbury Hotel em Dublin. Ela conta que após o caso, ela estava fazendo compras em uma loja de brinquedos no shopping Westbury. "Eu estava apenas parada ali olhando para os brinquedos e entrou Ali Hewson. "Nós apenas olhamos uma para a outra e ela deu um ligeiro aceno e saiu. Eu só pensei: 'Oh, meu Deus....'"
Lola era uma mulher que ficou na casa do casal em Killiney, que foi trazida para o círculo interno, que estava a par dos momentos mais íntimos da banda no auge de sua carreira - e quem então passou a vender um livro revelador sobre isso. Um erro extraordinário na unida família U2.

Mas ela insiste: "Eu fui criada com um senso de lealdade. Eu nunca me preparei para fazer isso com o U2. Eu não queria ser considerado outra contadora de histórias do rock n roll."
Em seu site oficial na época - com fotos de Cashman vestindo um chapéu Stetson - ela descreve como a biografia surgiu quando "seu conselheiro financeiro de confiança fugiu com suas economias de uma vida, enquanto ela estava fora do país."
Ela explicou que "apenas olhou para uma maneira de pagar sua hipoteca e veio com a ideia de escrever um livro" que lidava com sua experiência de trabalhar com uma ampla gama de clientes celebridades. Mas, ela diz, ela "chorou e chorou" quando ela percebeu que os editores tinham mudado o nome e todo o foco para o U2.
"O meu maior crime foi que eu queria que meu livro fosse publicado", ela afirma. "Eles [os editores] se concentraram na coisa U2 porque precisavam vender livros e isso faria desta maneira". No final, no entanto, ela diz: "Eu poderia viver com isso, porque seu ego quer que ele seja publicado".
Olhando para trás, ela descreve o seu relacionamento com a banda como sendo "como uma mãe com quatro filhos pequenos. Você entende suas peculiaridades e seus pecados. Éramos uma família muito próxima. Se você tira as calças de alguém ou arruma suas roupas de baixo, você não pode fazer isso a menos que tenha um relacionamento com alguém. Ou se você está indo às compras e eles querem a sua loção pós barba favorita", explica.
Embora ela insista que não tenha rancor, ela falou sobre uma imagem "fabricada" do U2, que, ela acredita, resume-se a uma coisa - dólares. Ela disse que mesmo décadas antes, a banda se destacou de outros grupos com o seu foco em ganhar dinheiro. Falando sobre seus negócios e construindo o império."
Durante a turnê do álbum 'Rattle And Hum', ela descreveu como as pessoas da equipe do U2 costumavam apelidar a soundcheck como "moneycheck".
"Ficou muito evidente desde o dia em que os encontrei que o dinheiro era muito significativo. Eles levaram o lado corporativo e comercial incrivelmente à sério. Tão sério que eles teriam reuniões de negócios em passagens de som, o que é inédito nesse cenário."
Ela disse que quando a batalha do tribunal acabou, "eu fui embora, eu lambi minhas feridas, eu me limpei e eu comecei de novo."
Um empresário irlandês que acompanhou o julgamento entrou em contato com ela através da mídia e ofereceu ajuda para iniciar um novo trabalho, através da The White Shirt Company. As camisas eram feitas de algodão egípcio de luxo e eram vendidas em um número de lojas, incluindo a Liberties em Londres. A companhia vendia suas camisas aos chefes de estado, diretores corporativos e até mesmo para estrelas do rock.
O artista irlandês Kevin Sharkey também apresentou-lhe uma pintura melodramática dela sendo crucificada pelos quatro membros do U2. Isso foi leiloado por 18,000 - que foi para ajudá-la a "liquidar credores".
E ela diz que recebeu mensagens privadas de apoio de um número de grandes celebridades e pessoas de negócios.
Ela disse que após esta entrevista para o Irish Independent, nunca mais falaria sobre o U2. "Eles tiveram sete ou oito anos da minha vida, eles não terão mais um dia".
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...