Anúncios

terça-feira, 15 de julho de 2014

A entrevista em que The Edge conversa com integrantes do Negativland - Parte4

Em junho de 1992 um assessor do U2 em LA contactou a revista Mondo 2000 em nome do guitarrista do grupo, The Edge, com a idéia de fazer uma rara entrevista sobre a turnê Zoo TV e de seu uso da tecnologia.
O editor da Mondo RU Serius então, sem o conhecimento do Edge, contactou Don Joyce e Mark Hosler do Negativland com um convite para participar da entrevista. Então em 25 de junho o Negativland juntou-se à RU Serius para esperarem a ligação de The Edge em Dublin.
Confira a quarta parte com os trechos mais importantes sobre a polêmica entre Negativland e U2:

Mark: Uma coisa é que o tamanho do seu grupo e a escala em que você está trabalhando significa que você para funcionar no dia a dia, precisa ter um monte de pessoas diferentes que trabalham para você, e eu assumo que Paul McGuinness é uma grande parte da filtragem de coisas e comunicação, te passando o que ele acha que você precisa saber e mantendo fora o que ele acha que não.

Edge: Há um pouco disso sim. Para sermos justos com nós mesmos, nós passamos horas e horas lidando com os pedidos e os conexões que foram feitas. Então, nós vemos a maioria das coisas que vêm para o escritório. Eu acho que se você tivesse feito uma abordagem direta, tenho certeza de que teria chegado ao nosso conhecimento.

Don: Edge, e se você fosse até a Island e dissesse: "De agora em diante, eu quero que vocês deixes alguém samplear o nosso trabalho, quem quiser, de graça", o que você acha que eles diriam?

Edge: Bem, eu não tenho certeza de que podemos fazer um julgamento como esse ...

Don: É a sua música ...

Edge: O acordo que temos é que nós vendemos ou alugamos o uso dos direitos autorais para outra pessoa. Essa é a idéia de ter registros e um negócio de publicação. Eles têm o direito de explorar o nosso trabalho.

Don: Mas e se você assinar um contrato para fazer isso? E se no próximo contrato, dissesse que iria permitir samplers?

Edge: OK, mas isso seria em um próximo contrato, e não no que temos hoje......

Mark: Mas agora o que isso significa, Don, é que eles não só têm o direito de explorá-la, mas também o direito de protegê-la ...

Edge: E são termos muito simples, pois estão apenas protegendo sua própria propriedade!

Don: Sim, eu sei, e ainda assim ... nós não somos os únicos, isso está acontecendo por toda parte, todos esses processos de samplers têm essencialmente o mesmo efeito. Eles esmagam todo um trabalho por causa de cerca de dois ou três ou dez segundos da coisa que está nele, e assim a coisa toda cai por causa disso ...

Edge: Mais uma vez, eu não tenho certeza, mas eu não imagino que a Island estava chateada com a coisa do sampler.

Mark: Eles estavam. Eles ainda nos acusaram de difamação de caráter, associando esta linguagem chula a imagem limpa do U2.

Edge: Ha Ha Ha Ha

Don: O artista é uma vítima no mundo da música.

Edge: O engraçado é que, o que é meio irônico e irritante sobre esta situação, é que Chris Blackwell é uma espécie de, sempre foi o oposto da maioria das principais gravadoras corporativas. Seu estilo de negócio é mais pessoal e não de todo esse tipo de ...
Ma há muito dinheiro envolvido, e acho que está bastante claro que em termos de processo criativo, se você é sampleado momentaneamente, se você apenas está pegando emprestado você sabe, coisas sonoras pequenas de parte de outra pessoa e você está criando algo completamente novo, quero dizer, que não deve realmente ser uma questão de obtenção de permissão, mas quando você está falando sobre as músicas atuais e propriedade de direitos autorais e de tudo isso, quero dizer que é, você sabe, você está se metendo em uma área totalmente diferente, e eu não acho que isso vai mudar.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...