Anúncios

sábado, 19 de julho de 2014

4 semanas e meia nas gravações do disco 'The Unforgettable Fire' - Parte II

Daniel Lanois falou sobre os instrumentos utilizados nas gravações do disco:

"Bono utilizou microfones Neumann U47, U67 e AKG C-12. Todos são microfones de tubos, que possuem um certo calor para eles. Conseguimos capturar uma extremidade inferior e a profundidade da voz de Bono, que surpreendeu até ele. Uma das primeiras músicas que fizemos um vocal foi "Promenade", e eu acho que choquei eles porque eu apresentei com uma presença muito próxima e um grande som de sua voz nos fones de ouvido.
Em um ponto, ele estava pronto para fazer um grito, mas porque ele tinha esse grande tom nos fones. Isso o levou a cantar um pouco mais baixo. Isso dá-lhe mais uma oportunidade para aproveitar os pontos delicados de sua voz, porque se um cantor grita, sua voz é comprimida automaticamente.
Foi um exemplo de um cantor em conformidade com o seu ambiente. Se você der à um cantor muito reverb, por exemplo, que vai inspirá-lo a realizar notas altas longas, enquanto que se você colocá-lo em um espaço fechado, ele vai murmurar; talvez a poesia vai sair."

"Em "Wire", que tem o melhor som de baixo no LP, usamos dois amplificadores com um microfone, e não DI."

"Eu sei que este LP vai desapontar algumas pessoas", disse The Edge. "Mas isso é algo que nunca me preocupei. É muito importante para a banda, que façamos uma partida".
"Eu acho que o nosso público confia em nós para seguirmos nossos próprios narizes", comentou Adam Clayton. "Não acho que estivemos errados até agora."
Para a turnê australiana do disco, a primeira do U2 naquele continente, apenas três das novas músicas foram adicionadas ao show, com uma apresentação de menos de duas horas. Um problema que o grupo enfrentou foi a forma de reproduzir o material mais orientado para o teclado. Adam Clayton era inflexivelmente contra a adição de um músico extra, e The Edge, que, no passado, já havia tocado teclado no palco, admitiu que a dupla função exigia demais dele.
"Uma alternativa, que fizemos antes, é mudar os arranjos, que eu acho que é muito válido." The Edge assim trocava de guitarra diversas vezes durante o decorrer do show, de acordo com seu técnico da época, Steve Rainford.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...