Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sexta-feira, 10 de março de 2017

30 Anos de 'The Joshua Tree': as histórias e os significados por trás das músicas


'The Joshua Tree' é um símbolo de esperança em um mundo de caos. Valentina Magli da Hot Press revela alguns fatos extraordinários sobre o álbum que transformou o U2 em superestrelas.

"Seja forte e destemido, porque farás este povo herdar a terra que a seus pais jurei dar-lhes." (Josué, 1:6, KJV)

O fosso entre o ideal da assim chamada Terra Prometida e a verdadeira América é uma das forças motrizes por trás de um dos mais aclamado álbuns do U2, 'The Joshua Tree'.

A essência do álbum é moldada em torno da exploração musical da banda de raízes folk americanas e irlandesas. Em termos inacianos, celebra, ao mesmo tempo, desolação e consolação.

Em todo 'The Joshua Tree', somos confrontados com a desolação de uma paisagem deserta, imensa, atemporal; e com uma nação de progresso e opressores, em um lugar onde sonhos e violência co-existem.

A desolação física do deserto está também relacionada com o deserto da alma e o deserto de 'nosso amor', que encontra sua restauração no triunfo espiritual de uma pequena árvore solitária, aparentemente perdida na vastidão de um território hostil. Esta árvore pode sobreviver em condições muito duras. Pode viver sem água. Seus ramos são um grito de esperança, estendendo-se como uma forma de oração.

Assim, como o álbum se desenrola, o vazio do deserto é investido com uma mistura de alívio espiritual e poder cinematográfico. Nenhum outro álbum do U2 é tão politicamente e espiritualmente denso como 'The Joshua Tree'. Intimidade e poder expressivo caminham lado a lado, onde os espaços abertos da América encontram os assuntos mais próximos do coração.

Não existem filtros: em vez disso, uma poderosa simplicidade – um dinamismo vulcânico das sortes – que é rico em imagens e cores, regras.

'The Joshua Tree' varia entre o rock contundente ("Bullet The Blue Sky") ao blues acústico ("Running To Stand Still"). Em comparação com seus quatro primeiros discos, as faixas aqui apresentam uma muito mais ampla variação de tons e nuances. O efeito de delay de The Edge definem uma das marcas registradas do U2 e os vocais de Bono são experimentais como nunca antes. Durante os primeiros anos da banda, suas músicas eram primitivas e espontaneamente escritas. Nesse já não. Apesar de sua essência mais racional e estruturada, no entanto, estas marcas conservam uma qualidade mágica, poética.

Em última análise, este é um álbum épico que reflete a natureza duradoura, resiliente da própria Joshua Tree.

CINCO PONTOS CHAVES PARA O PODER DE THE JOSHUA TREE

1) O Significado Do Deserto

O deserto é o leitmotiv de todo o álbum. Após uma viagem em 1985 à Etiópia, Bono explicou que testemunhou as pessoas vivendo em tal situação de pobreza, mas com um espírito tão forte, que o fez perceber como "eles podem ter um deserto físico, mas temos outros tipos de desertos". Ele foi atraído pela ideia do deserto como um símbolo, evocando não só a abertura da paisagem americana, mas também sua brutalidade e a seca espiritual contemporânea permeando.

2) O Álbum Como Peregrinação Espiritual

The Joshua Tree é rico em imagens religiosas. Abundam as referências bíblicas e elas alternam com imagens fortes e provocantes que mexeria com o sangue de qualquer ouvinte. fé espiritual era importante para a formação da banda – e foi, sem dúvida, uma fonte de inspiração para muitas das letras aqui, na qual encontramos uma mistura de esperança, fé, desolação, vazio espiritual, violência e conflito político. "I Still Haven't Found What I'm Looking For" pode ser interpretada como uma busca espiritual. Jacó luta com um anjo em "Bullet The Blue Sky". O álbum como um todo evoca uma espécie de peregrinação espiritual.

3) A Morte Da Árvore (Yucca Brevifolia)

A Joshua Tree, que cresce em condições ferozmente adversas, foi vista pelo U2 como um símbolo de fé e esperança em meio a aridez. A árvore foi batizada, pelos primeiros colonizadores Mórmons, sobre o profeta do Velho Testamento, Josué (Joshua), pois seus ramos os lembrava de Josué levantando os braços para orar. O fotógrafo Anton Corbijn recordou que, com o título do álbum definido, eles avistaram uma solitária árvore ao longo da Route 190. Eles pararam para tirar algumas fotos ao lado dela, em temperaturas muito baixas. A ideia foi retratar um ambiente de deserto, e foi pedido para a banda tirarem seus casacos... assim, suas expressões faciais ligeiramente irritados pode ser vista nas fotos. Eles estavam congelando! A Joshua Tree que ganhou destaque na capa do álbum situa-se na Califórnia, em uma área perto do famoso Vale da Morte. O parque foi nomeado após a famosa árvore e estende-se para o Deserto de Mojave. A "árvore do U2 " infelizmente foi vandalizada em 2005 quando um dos seus ramos foi cortado. No entanto, a árvore tinha morrido oficialmente no ano 2000.

4) A Outra Casa

A banda alugou Danesmote, uma casa georgiana em Rathfarnham, para usá-la como o estúdio de gravação para o álbum. No entanto, muito do núcleo do registro foi gravado na verdade na Melbeach House de propriedade de The Edge em Monkstown, Co. Dublin, mais tarde, em 1986.

5) O Som Do Sucesso

"Outside it’s America" Bono canta, em uma das faixas mais intensas do álbum, "Bullet The Blue Sky". As palavras foram importantes para o poder de 'The Joshua Tree', mas a produção por Brian Eno e Daniel Lanois também colocaram uma forte ênfase no som. A 'Infinite Guitar' de The Edge e seus arpejos em canções como "With Or Without You" e "Where The Streets não Have Name" tornou-se uma marca. A revista Rolling Stone definiu 'The Joshua Tree' como o álbum que transformou o U2 "de heróis para superstars". Foi, afinal, um grande barulho.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...