PARA VOCÊ ENCONTRAR O QUE ESTÁ PROCURANDO

quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Vinnie Kilduff fica surpreso com foto sua gravando 'October' com o U2 no Windmill Lane Studios


Em outubro de 1981, o U2 lançava o seu segundo álbum de estúdio, 'October'.
Além dos quatro integrantes da banda, o álbum tem um convidado especial na faixa "Tomorrow": Vinnie Kilduff, que viria a ser depois um membro da banda In Tua Nua, toca o instrumento Uilleann Pipes na música.
O U2 vem compartilhando algumas fotos da época do álbum, e uma foto inédita pegou Vinnie Kilduff de surpresa: 
Ele escreveu em suas redes sociais:
"Eu não posso acreditar que esta foto [e parece que mais] apareceu depois de todo esse tempo. The Edge, Bono e eu no Windmill Lane Studios, em Dublin, 40 anos atrás, durante a gravação do álbum 'October' e eu com o Uilleann Pipes na cintura! Homens trabalhando!"

U2 disponibiliza videoclipe de "Get On Your Boots" remasterizado em HD


O videoclipe de "Get On Your Boots" foi filmado em Londres e dirigido por Alex Courtes, o co-diretor dos videoclipes de "Vertigo" e "City Of Blinding Lights". 
De acordo com The Edge, o vídeo é sobre deixar as mulheres assumirem o controle porque os homens bagunçaram muito as coisas "política, econômica e socialmente".
Agora remasterizado em HD.

terça-feira, 19 de outubro de 2021

Daniel Lanois fala da espontaneidade e performance que inseriu nas gravações de 'The Unforgettable Fire' e 'The Joshua Tree' do U2


Acusar um produtor de fazer uma bagunça nos anos 80, normalmente não seria uma boa maneira de começar uma entrevista. Mas, no caso do canadense Daniel Lanois, parecia singularmente apropriado. 
Seu método básico de trabalho se resumia a criar a maior bagunça possível e, então, aceitar os desafios e limitações que isso apresentava a ele e ao artista. E havia uma fila deles ansiosos para experimentar essa abordagem da "arte do caos", variando de Brian Eno e Jon Hassell a Peter Gabriel e U2.
Lanois não parecia se opor a essa avaliação de seu trabalho. Na verdade, ele considerava isso um elogio.
"Não está longe da verdade", admitiu em 1987. "O que estamos falando aqui é criar espontaneidade e performance de qualquer maneira que pudermos. No final do dia, uma boa performance irá substituir qualquer ideia de produção ou de som que você possa ter. Se você tiver um vocal forte e que transporta você como um ouvinte, você não vai se preocupar com o tipo de equalização que você tem nesta bateria ou o som que você tem dessa guitarra. A entrega irá substituir todas as pequenas mudanças que você pode fazer em um som.
Eu acho que o lugar onde você está gravando também pode fazer uma grande diferença. Locais incomuns têm muito a ver com a criação de um ambiente de gravação. Certamente foi assim que trabalhei com o U2. Simplesmente trazemos equipamentos portáteis para locais estranhos. A emoção de estar em um novo lugar e fazer algo um pouco heterodoxo ajuda a liberar sua imaginação. 'The Unforgettable Fire' foi gravado no Slane Castle em Dublin. O salão de baile e a biblioteca tinham tanta vida e personalidade que você entrou e tocou a bateria e disse: 'Meu Deus, é isso que a gente vai captar'. É realmente inspirador".
Na mesma linha, 'The Joshua Tree', que foi produzido com Brian Eno, foi gravado em três locais diferentes: as casas de The Edge e Adam Clayton, e o Windmill Lane Studios.
O fato é que Daniel Lanois gostava de registrar as coisas de forma diferente. Quer se tratasse de um local incomum, uma configuração incomum ou equipamento incomum, tudo se resumia a criar um ambiente que tivesse o maior potencial criativo para o artista.
"O que você tem a perder? Você pode obter uma faixa brilhante e, se não conseguir, poderá sempre voltar para uma abordagem mais padrão. Mas certamente sempre fornece algumas surpresas agradáveis em termos de performance.
Gostaria de encorajar outras pessoas a experimentá-lo. Para pessoas que trabalham com orçamentos baixos, alugar uma casa e trazer um pouco de equipamento é uma maneira barata de fazer isso. É nos estúdios que você gasta todo o dinheiro".
Talvez a melhor maneira de entender a abordagem de Lanois fosse examinar mais de perto seus procedimentos de gravação. Os preparativos para 'The Joshua Tree' começaram em maio de 1986.
"Tínhamos uma pilha de equipamentos que movíamos conosco", explicou o produtor, "essencialmente um estúdio inteiro. Trazíamos tudo para dentro de casa e construíamos tudo, com portas de acrílico e coisas assim. Uma das principais características foi que montamos a banda como se estivessem tocando em um ambiente de ensaio ou até mesmo em um cenário ao vivo.
Acho que funciona muito bem fazer dessa forma. Isso leva a banda a trabalhar em suas partes e fazê-las funcionar como em uma apresentação ao vivo. Você não está vivendo em uma terra de promessas, esperando que uma faixa aconteça com overdubs e edição".
Esse tipo de setup seria um pesadelo para muitos produtores - aqueles que desejavam tanto controle quanto possível sobre as diferentes seções da faixa e, portanto, preferiam a maior separação possível entre faixas individuais. Lanois, no entanto, não compartilhava dessa filosofia, defendendo a performance como uma consideração mais válida.
"Se uma faixa for bem tocada, você obterá um ótimo mix dela. É simples assim. A separação, ou mesmo a acústica de uma sala, não são tão importantes. Já ouvi ótimas gravações saindo de estúdios no porão. Na verdade, uma das faixas de 'The Joshua Tree', "In God's Country", foi gravada ao vivo no porão da casa de The Edge - que não é um lugar particularmente inspirador. É uma espécie de quartinho abafado onde tudo parece morto. Funcionou por causa da espontaneidade e da falta de pressão na hora da gravação. Agora, você poderia dizer: 'Você não pode gravar aqui. Precisamos de um espaço adequado para a bateria e precisamos desse ou daquele tipo de microfone'. Mas você poderia passar três dias elaborando um plano infalível e ainda assim não obter uma performance".

Bono: "Todo ser humano usa algum tipo de droga"


Em setembro de 1996, enquanto o U2 estava em estúdio gravando 'POP', o jornal Zero Hora realizou uma entrevista com Bono em Dublin.
Era uma época em que a heroína tinha voltado ao mundo do rock n roll, e Bono disse: "Estou preocupado com a heroína estar na moda novamente. É uma droga muito perigosa. É para suicídios. 
Acho que todo ser humano usa algum tipo de droga ... pode ser açúcar, chocolate, cocaína, maconha, álcool, café e até outros tipos de vícios como sexo ou competição extrema nos esportes, essas coisa. 
Faz parte da nossa condição humana fazer uso de substâncias ou atividades que dão prazer. O problema é que muitas pessoas não distribuem racionalmente suas muitas maneiras de sentir prazer. 
É por isso que você precisa de muita atividade para querer alcançar uma satisfação real. Dessa forma, você não vai fazer coisas que só lhe dão prazer por um dia ou por algum tempo. 
O problema não é a droga, mas o abuso. O abuso de qualquer coisa é ruim. Até água. E sempre existirá gente estúpida para abusar de substâncias que só contribuem para nos fazer sentir algo diferente. 
Sobre a heroína, o grande problema é que ela não deixa você fazer nenhuma escolha. É uma droga estúpida, impede qualquer outra atividade da pessoa. O cara começa a viver para o próximo golpe. É uma pena que virou moda. É a mesma coisa que pular de prédios sem pára-quedas virar moda..."

I Will Sing, Sing A New Song: o vocal destacado de Bono em "The Miracle (Of Joey Ramone)" e "Love Is All We Have Left"


O vocal destacado de Bono em "The Miracle (Of Joey Ramone)" e "Love Is All We Have Left", dos álbuns 'Songs Of Innocence' e 'Songs Of Experience'. 
Pelo fã, músico e colaborador Márcio Fernando!




segunda-feira, 18 de outubro de 2021

Além de financiar, o U2 cedeu outtakes de 'Zooropa' para a trilha instrumental de 'Zoo TV: The Television Series'


Em abril de 1997 foi ao ar na MTV uma mini série de três partes chamada 'Zoo TV: The Television Series', que apresentou o Emergency Broadcast Network reprisando e estendendo seu papel na turnê Zoo TV do U2 na criação de um vídeo satírico surrealista contemporâneo.
O produtor Roger Trilling descreveu o efeito cumulativo da série: "É como um antiácido mental".
Com segmentos sobre vigilância, a interface corpo / máquina e a natureza da cultura alternativa, 'Zoo TV: The Television Series' empurrou ao extremo da televisão comercial - até mesmo compreensível. 
O programa evoluiu de conceitos na turnê do U2 de 1993 com o mesmo nome, usando a mesma equipe de vídeo-guerrilha Emergency Broadcast Network que deu aos shows flash pós-moderno para produzir.
Surpreendentemente, embora o U2 tenha contribuido com a trilha instrumental (outtakes de seu álbum 'Zooropa') e metade do financiamento, a 'Zoo TV: The Television Series' tem pouco a ver com o U2. 
Sobre a série, Josh Pearson do EBN diz: "Pode ser confuso e desafiador para o telespectador médio da MTV ... o que é uma coisa boa".
'Zoo TV: The Television Series' é uma sátira surreal dos anos 90 de tudo, desde a biotecnologia até a mídia interativa e a própria televisão. 
Entrevistas inusitadas de documentário são combinadas com samplers de vídeo do EBN. 

Em entrevista para BP Fallon, Bono revelou sobre Mandy, seu amor de verão de uma velha cidade litorânea no País de Gales


BP Fallon conduziu uma entrevista com todos os 4 membros do U2, e ela apareceu no Zoo TV Tour Program 1992. 
BP perguntou se cada integrante já havia dormido ao ar livre, e eles responderam:

Adam Clayton: Sim, com bastante frequência, na verdade. Bem, uma vez eu dormi em uma rotatória em Londres em Camden, não, desculpe, não tão glamoroso quanto Camden, foi Catford. 
Eu fui ver Thin Lizzy tocar na Wembley Arena em sua 'Live and Dangerous Tour', então teria sido por volta de 1976. Desta vez, eu estava no West End em alguns clubes e não tinha dinheiro para voltar para casa, então comecei a andar. Andei o mais longe que pude antes de adormecer, escolhi uma rotatória e acordei na hora do rush. Foi um pouco desorientador porque eu não conseguia encontrar meus óculos, então tudo que eu sabia era que estava neste pedaço de verde e havia carros passando ao meu redor, então foi uma maneira um pouco estranha de acordar.

The Edge: Quando eu era criança acampando, ocasionalmente dormia fora da barraca, mas não desde os quinze ou dezesseis anos.

Larry Mullen: Algumas vezes fui a alguns fins de semana de moto  e armei uma velha barraca e quando era mais novo costumava acampar com minha namorada. Eu estava em um fim de semana de moto no verão passado em Waterford, no Freewheelers Festival. Um fim de semana de devassidão basicamente. Qualquer um pode descer, você não precisa ter uma moto e é só olhar as motos e passear e basicamente se divertir no fim de semana.
As motos são um verdadeiro clichê, toda estrela pop, toda estrela de cinema tem uma moto, é basicamente como um acessório para a fama e a fortuna. Dito isso, é algo que me vejo fazendo há muito tempo. Odeio o fato de as pessoas pensarem que se você é uma estrela pop e anda de moto, isso é algum tipo de acessório machista. Não me considero machista, motocicleta é liberdade.

Bono: Sim. Mais do que algumas vezes. Quando eu tinha dezesseis anos, eu e o Village que era Gavin, Guggi, todos aqueles, era como uma gangue de rua, convenci todos eles a irem para esta velha cidade litorânea no País de Gales para tentar encontrar meu amor de verão do ano anterior cujo nome era Mandy. O único problema era que era novembro, então quando chegamos a este lugar Criccieth no Norte de Gales, uma cidade litorânea absolutamente linda, ótimo lugar para se apaixonar, armamos a barraca à beira-mar na praia. Eles tiveram ventos com força recorde de vendaval naquele ano e a barraca foi retirada em um tornado e jogada cerca de um quilômetro abaixo na praia e eu me lembro de me enrolar em uma poça e tentar esquentar a poça! Foi aí que descobri a grande invenção de um banheiro feminino quando eles têm aqueles aquecedores de ar, para secar as mãos. Dormíamos no banheiro de uma senhora, nos revezando para manter a secadora ligada para nos aquecermos.

Morre Brendan Kennelly, que fez um desafio para Bono que resultou em 'Songs Of Experience' do U2


O poeta e escritor Brendan Kennelly morreu aos 85 anos de idade.
Brendan Kennelly estava doente há vários anos e faleceu  na casa de repouso da Comunidade Aras Mhuire em Listowel, onde residiu nos últimos dois anos.
Ele voltou para sua terra natal, Ballylongford, no norte de Kerry, em 2016, após décadas no Trinity College Dublin, onde foi Professor de Literatura Moderna.
Ele também foi um locutor popular, fazendo aparições frequentes no rádio e na televisão.
Ele publicou mais de 30 livros de poesia, bem como obras de prosa e recebeu vários prêmios, incluindo o Irish PEN Award por Contribuição à Literatura Irlandesa em 2010.
Em 1997, Brendan Kennelly foi convidado pela Revista Propaganda para um um review através de seu ouvido de poeta, do disco que seria lançado pelo U2 em alguns dias: 'POP'.
E qual foi o título escolhido para a matéria?
MORE SONGS OF INNOCENCE AND EXPERIENCE
Avance 20 anos. É 2017. 'Songs Of Experience' é lançado e traz Bono seguindo o conselho dado por Brendan Kennelly para "escrever como se estivesse morto".
No encarte de 'Songs Of Experience' do U2, Bono revelou: "Antes de começar a escrever estas canções de experiência, eu decidi assumir o desafio do grande poeta Brendan Kennelly. 'Se você realmente quer chegar ao lugar onde a escrita vive', ele me desafiou, 'escreva como se estivesse morto'."
O álbum é amplamente concebido como uma série de cartas finais de Bono para sua família, amigos e fãs. "É apenas um daqueles momentos em que nada mais importa", disse Bono. "Então, o que você quer dizer a si mesmo e o que você quer dizer às pessoas que o amam?"
Mas não foi em 'Songs Of Experience' a primeira vez que Bono escreveu seguindo este conselho de Brendan Kennelly.
Bono sobre 'All That You Can't Leave Behind' revelou: "Tudo é escrito de um certo ponto de vista, e se existe uma ideia dominante, vem de algo que o poeta irlandês Brendan Kennelly disse uma vez - que a melhor maneira de escrever é imaginar que você está morto. Estou abordando como se fosse nosso último disco, realmente".
Na época do lançamento de 'Achtung Baby', The Edge disse sobre "Until The End Of The World": "Há um poeta irlandês chamado Brendan Kennelly que escreveu um livro de poemas sobre Judas. Uma das estrofes é: "Se você quer servir à época, tem que traí-la'. Isto realmente fez minha mente girar. Ele é fascinado por todo o conceito moral de 'Onde estaríamos sem Judas?' Eu realmente penso que existe alguma verdade em chamar a atenção para o que é em vez de como gostaríamos que isto fosse, por um lado, você está traindo uma espécie de regra não escrita, mas você também está servindo".

domingo, 17 de outubro de 2021

Adam Clayton diz que o U2 planeja voltar ao estúdio para gravar um novo álbum e que ainda não sabem como funcionará uma próxima turnê


O site U2 Songs escreve que Adam Clayton em entrevista a Rocky O'Riordan na U2X Radio disse que "estamos planejando voltar para o estúdio e gravar. Não fizemos isso ainda. Parece que é o momento certo agora. Sentimos que precisamos fazer outro álbum".
Questionado sobre planos para tocar ao vivo, Adam Clayton respondeu: "Você sabe, eu acho que ao vivo, não está claro como isso vai funcionar. Você olha - e essas não são comparações diretas - você olha para os Stones trabalhando na América no momento, e o Genesis tentando fazer uma turnê e eles tiveram que cancelar por causa da COVID. Acho que não estamos fora de perigo ainda, e se estivéssemos pensando em fazer uma turnê, não planejaríamos até a metade do ano que vem, de qualquer forma".

sábado, 16 de outubro de 2021

Canção inédita do U2 estará na trilha sonora de 'Sing 2' e será lançada como single


O site U2 Songs escreve que Adam Clayton confirmou em entrevista a Rocky O’Riordan na U2X Radio que o U2 terá uma música na trilha sonora de 'Sing 2'. 
Adam disse: "Bem, como as pessoas provavelmente sabem, neste momento, temos uma nova música que será lançada, que fará parte do filme 'Sing 2'. É um lugar estranho para uma nova música do U2, mas acho que se encaixa muito bem".
Fontes da Universal Music disseram que haverá um single para o filme chegando "em breve", então é muito provável que a música do U2 seja usada na promoção antes da trilha sonora ser lançada na íntegra. É provável que seja uma versão digital.
A data limite para enviar uma música original para consideração ao Oscar é 1º de novembro de 2021, e há rumores de que essa nova música do U2 será enviada até essa data.

Bono: "Acho a música grunge desesperadamente chata"


No ano de 1995, Bono respondeu algumas perguntas para o New Musical Express:

Se, no caso de um dos membros da banda morrer tragicamente, você poderia se ver gravando com algumas fitas perdidas?

Qualquer coisa que seja boa foi lançada. Eu odeio a ideia de alguém lançar coisas assim.

Então, os Beatles estão todos errados com o Anthology?

Não, vou ouvir qualquer porra antiga. Vou comprar e espero que não seja uma merda, mas mesmo que seja, provavelmente vou ouvir, comprar apenas para ouvir o som da voz dele, porque é John Lennon.

Você gosta de música grunge?

Acho a música grunge desesperadamente chata. Offspring, isso é trabalho pesado. Eu posso ouvir Offspring, mas eu tenho que estar realmente puto.

I Will Sing, Sing A New Song: o vocal destacado de Bono em "White As Snow", "Breathe" e "Cedars Of Lebanon"


O vocal destacado de Bono em "White As Snow", "Breathe" e "Cedars Of Lebanon", do álbum 'No Line On The Horizon'. 
Pelo fã, músico e colaborador Márcio Fernando!



sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Sem Foco: além do U2, Madonna e Red Hot Chili Peppers, o empresário Guy Oseary fecha contrato para representar a Yuga Labs no setor de entretenimento


O empresário Guy Oseary assinou um contrato de representação com a Yuga Labs para expandir o projeto de tokens não-fungíveis, ou NFT, Bored Ape Yacht Club (BAYC), para filmes, TV, música e jogos.
A iniciativa do Yuga Labs ocorre um mês depois que os criadores do CryptoPunks, o Larva Labs, assinaram um acordo de representação em Hollywood com a United Talent Agency. Oseary adiciona BAYC a uma lista de clientes famosos que inclui, ao lado do U2 e da Madonna, a comediante Amy Schumer e o Red Hot Chilli Peppers.
O anúncio foi compartilhado através da Variety na terça-feira, com Oseary destacando que, apesar do sucesso do projeto BAYC, a Yuga Labs ainda é uma marca relativamente desconhecida, sugerindo que há muito potencial de crescimento para a empresa:
"Muitas pessoas ainda não ouviram falar do Yuga, mas são um dos talentos de maior bilheteria do ano em qualquer forma de arte, incluindo música e filmes".
BAYC NFTs se tornaram um ativo muito procurado nos últimos meses, com uma coleção de 101 Bored Ape NFTs vendidos por US$ 24 milhões em um leilão em 10 de setembro. Figuras como a estrela da NBA Steph Curry esbanjaram somas de seis dígitos nos macacos adoráveis (adorable ables), enquanto a empresa de jogos Metaverse, a Sandbox, comprou um macaco dourado por 740 Ethereum (ETH) em 6 de setembro.
"Temos muitos projetos ambiciosos em andamento e somos gratos por contar com a experiência de Guy enquanto trazemos o clube para este novo capítulo, para o benefício de toda a comunidade BAYC", disse Yuga Labs.
De acordo com dados do CryptoSlam, os BAYC NFTs geraram mais de US$ 555 milhões em vendas em mercados secundários desde o lançamento em abril. O preço mínimo é de 37,08 ETH, que valia cerca de US$ 130.000 no momento da publicação. Embora seja uma soma não desprezível, atualmente caiu 51% desde seu maior recorde de 76,8 ETH (US$ 269.000) em 30 de setembro.
Oseary também enfatizou que o acordo de representação do Yuga Labs oferecerá muitas oportunidades para os hodlers do BAYC NFTS, observando que:
"Eles são originais, capacitando sua comunidade de detentores de NFT, dando-lhes direitos de propriedade intelectual sobre o macaco comprado e criando continuamente maneiras de adicionar benefícios e utilidade à obra de arte comprada".
"Os macacos no Yuga Labs e eu temos muitas iniciativas interessantes para a comunidade e estamos ansiosos para compartilhá-las em breve", acrescentou.
Um próximo projeto para o BAYC é o lançamento de seu próprio token, com a equipe revelando no Twitter na última sexta-feira que lançará um ERC-20 no primeiro trimestre de 2022. O BAYC afirmou que, embora o lançamento de um token leve "minutos", é trabalhando cuidadosamente na construção de um "token legalmente compatível" que seja configurado de uma "forma responsável".
Os NFTs se tornaram uma das maiores tendências do mundo dos criptoativos em 2021, com um aumento de 55% nas vendas em relação a 2020, que saíram de 250 para 389 milhões de dólares. 
Os tokens não-fungíveis (NFTs) são criptoativos colecionáveis exclusivos que já existem desde 2012, quando o conceito de moedas coloridas de bitcoin surgiu pela primeira vez. Essas moedas eram simples satoshis, ou seja, pequenas frações de um bitcoin coloridas com informações distintas que poderiam conectá-las aos ativos do mundo real. Para a maioria, no entanto, as moedas coloridas eram utilizadas para negociar trabalhos artísticos como cards digitais do meme "Rare Pepe" na Counterparty, uma plataforma de negociações peer-to-peer construída no blockchain do bitcoin.
As imagens adaptadas do sapo que se tornou um meme muito famoso na internet são um exemplo de arte digital exclusiva vinculada aos tokens de criptoativos, que abriram o caminho para a idealização e criação de novos padrões não-fungíveis de tokens – um conjunto de blocos no blockchain que permite que desenvolvedores criem seus próprios NFTs.
Os NFTs podem representar virtualmente qualquer tipo de item, seja ele real ou intangível, incluindo:

Trabalhos artísticos
Itens virtuais dentro de videogames, como skins, moedas digitais, armas e avatares
Música
Colecionáveis, como cards digitais
Ativos do mundo real tokenizados, desde imóveis e carros a cavalos de corrida e tênis de marcas famosas
Terrenos virtuais
Vídeos de momentos icônicos do esporte

Live Nation Entertainment, promotora das turnês do U2, vai gerir primeira arena multiuso da cidade de São Paulo


O projeto detalhado da primeira arena multiuso da cidade de São Paulo, com capacidade para 20.000 pessoas, foi apresentado nesta quinta-feira ao Prefeito Ricardo Nunes. Com investimento na ordem de R$ 500 milhões, a Arena São Paulo será construída por meio de parceria entre a Live Nation Entertainment, líder mundial em entretenimento ao vivo; a Oak View Group (OVG), empresa global de desenvolvimento, consultoria e investimento em arenas; e a GL events, líder mundial em soluções integradas para eventos, que tem a concessão do Complexo Anhembi. As obras começarão no segundo semestre de 2022 e a conclusão está prevista para 2024.
"Hoje é um dia histórico para a nossa cidade porque damos início à implementação do projeto da Arena São Paulo com as três melhores empresas do mundo nos segmentos em que atuam. Vamos construir a melhor arena da América Latina. Será um grande empreendimento para a cidade de São Paulo e para o mundo", disse o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes.
Parte do projeto Distrito Anhembi, a arena multiuso será gerida pelas empresas globais de entretenimento Live Nation e a OVG. A Live Nation, que promove a maioria das grandes turnês internacionais e produz centenas de festivais de música pelo mundo, já atua no país por meio da realização de eventos como o Rock in Rio, Lollapalooza e turnês internacionais como U2, Coldplay e a reunião dos irmãos Sandy e Jr. A cidade de São Paulo passa, agora, a integrar o portfólio dessas companhias e se tornará o principal destino de entretenimento da América Latina.
A construção da arena marca o primeiro passo para a modernização do Anhembi em seus 50 anos de história. A expectativa do concessionário é que o projeto despontará como o mais novo bairro de São Paulo, revitalizando não só o local, como também o seu entorno. Com um programa de investimentos imobiliários de mais de R$ 1 bilhão, o complexo vai se tornar referência mundial para sediar eventos de todos os tipos e portes com arena indoor, passarela cultural, centro de exposições e o primeiro centro de convenções internacional de última geração de São Paulo.
O projeto Distrito Anhembi traz um novo conceito de bairro para a Zona Norte paulistana, com um plano diretor que valoriza a convergência de serviços que vão suprir carências e contribuir com o desenvolvimento sustentável da região. O projeto contempla, além da arena multiuso e de um centro de convenções de grande porte, a construção de empreendimentos com vocações comerciais/corporativos; hotel; hospital; centros comerciais e projetos de inovação. O Anhembi, que ocupa uma área de 382,5 mil metros quadrados em uma localização estratégica de São Paulo (encontro dos eixos Norte/Sul – Leste/Oeste), ganhará também um complexo audiovisual que vai impactar diretamente a indústria criativa, oferecendo estúdios para filmes, streaming, publicidade e games, por exemplo, e para receber o público ávido por inovação, tornando o projeto ainda mais completo.
Estudos de mercado mostram que é possível gerar R$ 500 milhões de negócios anuais nos espaços de eventos, a partir do histórico do Anhembi e do potencial do mercado paulistano. Esse valor representa apenas 10% do que ficará na cidade por meio de impostos e desembolsos de turistas e participantes de eventos com transporte, alimentação, comércio e hospedagem.
"Como líderes na indústria global do entretenimento ao vivo, entendemos que esse investimento em uma arena de nível mundial na cidade de São Paulo será estratégico para intensificar nossos planos de expansão na América Latina. Este novo local será adicionado ao nosso portfólio de mais de 200 arenas, anfiteatros e casas de espetáculo em todo o mundo. Estamos confiantes de que a Arena São Paulo será um importante vetor para o fortalecimento da vocação da cidade de ser tornar um centro de relevância mundial para a música ao vivo e as grandes turnês internacionais", afirma Michael Rapino, CEO da Live Nation Entertainment.
A arena será projetada pelo escritório de arquitetura Gensler e terá como referência as desenvolvidas pela OVG em Seattle, Nova York, Califórnia e Manchester, no Reino Unido. O local contará com recursos inovadores, incluindo programas de sustentabilidade ambiental, assentos VIP, espaços de hospitalidade, diversas ofertas de restaurantes e tecnologia acústica de última geração.
"Estamos honrados em incluir São Paulo em nosso portfólio global e esperamos trabalhar com a GL events e a Live Nation para transformar o Distrito Anhembi no maior destino de entretenimento da América Latina", comenta Tim Leiweke, CEO da OVG.
"A GL events é líder global e a maior fomentadora do Brasil no setor de eventos. Estamos muito felizes em firmar parceria com a OVG e a Live Nation, duas líderes mundiais de entretenimento para investir na Arena São Paulo. O entretenimento é o principal componente do Distrito. Vamos potencializar sinergias com outros espaços que operamos no Brasil, como a Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro", diz Olivier Ginon, fundador e presidente mundial da GL events.
Pelo plano de negócios, o concessionário deverá promover o reposicionamento do complexo a fim de trazer o Anhembi de volta ao mercado de eventos e convenções internacionais. Os estudos referenciais apontam obrigações para ampliação e diversificação de áreas locáveis, como o aumento da área de convenções em cerca de 24 mil m² locáveis, com a instalação de plenária para cerca de 5 mil pessoas e construção de 8 mil m² em salas modulares.
O objetivo é não apenas revitalizar o Anhembi como desenvolver o seu entorno, estimulando o turismo e incentivando a renovação urbana de uma importante região da cidade. Além da requalificação dos equipamentos atuais, o modelo foi idealizado para que o concessionário explore empreendimentos associados e atividades comerciais, desde que tenham sinergia e complementariedade de serviços, como agências bancárias, casas de espetáculo, arena multiuso, farmácias, conveniências, hotéis e flats, estacionamentos, entre outros.
No plano de negócios também está previsto um boulevard na atual área do estacionamento. Toda operação, manutenção e gestão dos espaços já existentes do complexo Anhembi ficarão sob responsabilidade da GL events.

U2 anuncia o lançamento do maior 'Artist Takeover' de todos os tempos no Pandora


Pandora Radio é um serviço de rádio streaming, via internet, disponível apenas nos Estados Unidos e operado pela Sirius XM Satellite Radio, que, em fevereiro de 2019, o adquiriu por US$ 3,5 bilhões em ações.
Este mês marca 40 anos desde o lançamento do segundo álbum do U2, 'October', e para comemorar, o grupo anunciou o lançamento do maior 'Artist Takeover' de todos os tempos no Pandora.
Os membros do grupo levarão os fãs através da produção de seus três primeiros álbuns - 'Boy', 'October' e 'War' - compartilhando histórias, detalhes e a música que os inspirou ao longo do caminho.
O 'Artist Takeover' do U2 marca a primeira vez que um artista cria uma série contínua de Modes com curadoria própria no Pandora. Os usuários podem escolher entre três "modos" selecionáveis na estação de rádio U2 do Pandora - cada um dedicado a um dos três álbuns - onde o grupo compartilha percepções pessoais e influências por trás de cada registro em suas próprias palavras. Espera-se que modos de álbum adicionais sejam lançados na estação de rádio U2 do Pandora nos próximos meses.


No 'Artist Takeover Modes' do U2 no Pandora, os membros da banda compartilham histórias por trás da criação de cada álbum, mergulham fundo na criação e gravação de faixas essenciais e compartilham canções clássicas dos artistas que os influenciaram e inspiraram, dos Ramones a John Lennon e David Bowie.
"Pandora nos deu a oportunidade de contar a história do U2 de uma maneira completamente nova, entrelaçando a música de nossos heróis com as nossas, usando canções, memórias e inspirações", disse The Edge. "A música é o meio de contar histórias mais poderoso, e Modes criou uma nova maneira incrível de compartilhar os sons e experiências que nos tornaram quem somos como artistas".
"Poucas bandas têm sido tão consistentemente inovadoras, apaixonadas e fascinantes como o U2, que está em constante evolução, mas ainda no topo de seu jogo décadas depois", disse Scott Greenstein, presidente e diretor de conteúdo da SiriusXM, controladora da Pandora. "Estamos entusiasmados em colaborar com a banda para criar esta experiência musical U2 verdadeiramente pessoal e inovadora para os ouvintes do Pandora".
Em cada Mode, a banda conta as histórias e passa pelas músicas de seus primeiros anos.
Falando sobre suas primeiras influências, Bono disse - "Aprendi muito com Iggy Pop. Aprendi muito com artistas que não se sentem confortáveis com uma distância segura entre o palco e o público".
Adam Clayton acrescentou: "Metade de 'October' é uma espécie de admissão de que estamos absolutamente fora de nosso domínio, não sabemos o que estamos fazendo, não sabemos se há um futuro para nós como um banda".
Adam Clayton abre o programa 'War' apresentando o álbum. Ele fala sobre a banda que fez a turnê do álbum extensivamente "pelos Estados Unidos" e então compartilha algumas das músicas que a banda tocou na van nessas viagens.
O 'Artist Takeover' é uma experiência do Pandora no estilo "DJ convidado", em que os principais artistas programam um mix de suas músicas, bem como as favoritas de outros artistas, e adicionam seus próprios comentários pessoais. Os 'Artist Takeovers' são uma extensão dos Modos Pandora, um recurso exclusivo que permite aos usuários personalizar sua experiência de escuta no Pandora, escolhendo entre "modos" selecionáveis em suas estações principais para dar mais controle sobre as músicas que ouvem.
O site U2 Songs compartilhou um curto poema que Bono recita na introdução do programa de 'Boy', usando nomes de bandas e nomes de canções:

"U2 calling…Bono here.
Boy was built for 20 years.
Iggy and Bowie at the Wall
Joy Division… She's Lost Control
Because the Night and Marquee Moon
In our safe European Home
Ramones sing Glad to See you Go
Bunnymen and the Teardrop Explodes
The Stranglers, Peaches, the sound of Wire
1 2 X U, and Outdoor Miner
Elvis can't stand up for falling
Into the Valley, The Saints are Coming
I Will Follow
Electric Co
Into the Heart, Out of Control
Rage and Love
And Pain and Joy
20 years to build a Boy"
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...