Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

'O U2 Que Eu Conheço' - Por Steve Lillywhite # 2° Parte


Hot Press - No. 33: 'The U2 I Know - By Steve Lillywhite' - Junho de 2005

Steve Lillywhite, que produziu os três primeiros discos do U2 - e apareceu na equipe de produção de quase todos os outros álbuns - olha para trás sobre a carreira da banda e recorda os altos... e os baixos

'October' foi difícil. Eu já disse isso antes, mas eu tinha uma regra naquele momento de que eu nunca faria mais de um álbum com um artista, porque eu sentia que era bom para eles trabalharem com pessoas diferentes. Mas eles disseram: "Não Steve, nós gostamos do que você fez, queremos que você volte neste". E então, é claro, 'October' foi um pouco mais difícil, porque havia esboços e ideias, mas eles não tinham tocado nenhuma dessas músicas ao vivo e gravaram, então simplesmente não aconteceu do jeito que deveria acontecer. E havia coisas no estúdio que em retrospecto eu não acho que funcionou. Eu mudei o som da bateria. No primeiro álbum eu gravei a bateria no lado de fora, no corredor do Windmill Lane Studios original, para obter um grande som ambiente. No segundo álbum eu os trouxe para o estúdio. Então essa foi uma das coisas que não funcionou tão bem.
Então, depois de 'October' ter naufragado e não ter sido considerado tão bem sucedido como o primeiro disco, eu disse: 'Olha, vocês realmente precisam de um produtor diferente agora' e eles saíram e tentaram coisas com várias outras pessoas. Mas então eu recebi um telefonema dizendo: 'Steve, você gostaria de fazer este próximo?' e eu disse que sim. Em cada um dos álbuns, eu lhes dei a oportunidade de saírem e trabalharem com outra pessoa.
Fazer o álbum 'War' foi um tipo de experiência muito diferente. Eu me lembro de Bono estar no estúdio e apenas gritando com Edge: 'Não seja The Edge. Seja Mick Jones!' Tentando obter elementos que o The Clash tinha. Mas você sabe - era o que os americanos queriam. Não foi feito para a América especificamente, mas realmente funcionou lá. "New Year's Day" foi uma música que todos eles queriam tocar. Quando você fazia um disco naqueles dias, nós achávamos muito difícil saber o que seria ou não uma música para tocar na rádio. Eu não poderia dizer a diferença entre "New Year's Day" e "Surrender". Mas agora "Surrender" não está nem perto de entrar em um setlist, foi esquecida. Passamos dias naquela parte do slide... Edge não era tão bom no slide naqueles dias! Nós usamos Kid Creole & the Coconuts naquele álbum, eles estavam na cidade naquele dia e nós os chamamos para fazer backing vocal.
Então, isso foi ótimo, mas eles realmente precisavam mudar depois disso. Lembro-me de estar em Dublin antes das sessões de 'The Unforgettable Fire'. Eu fui para o Slane Castle onde eles estavam ensaiando e disse: 'O que vocês têm?' E eles disseram: 'Bem, nós só temos uma canção.' Eu disse: 'Vamos ouvir ela então' e eles tocaram "Pride (In The Name Of Love)". Realmente, eles tinham uma música entrando para esse álbum. Todo o resto estava meio confuso enquanto eles estavam fazendo isso. Mas que grande disco. E "Pride (In The Name Of Love)" é uma música espetacular.
Para os próximos três álbuns que eu estive envolvido, 'The Joshua Tree', 'Achtung Baby' e 'All That You Can’t Leave Behind', o meu papel em todos os três álbuns foi de consertar. Eles basicamente aumentaram a equipe de produção, por isso começa com, digamos, Danny (Lanois) e Brian (Eno) e então eu entro e eu tenho a minha própria sala. Que é um grande trabalho - eu amo - porque eu não tenho que ficar 18 meses inteiros nisso, embora também possa ser divertido.
Eles queimam pessoas? Eu acho que sim. Eles certamente queimaram Flood no 'POP'. Quero dizer, ele vai admitir que, ele está de volta à forma agora, ele é fantástico, mas acho que ao final de 'POP' todos foram queimados.
Mas 'How To Dismantle An Atomic Bomb' foi um pouco diferente, porque, nos termos do futebol, eles sentiram que precisavam mudar as coisas para o segundo tempo. Eu entrei e ouvi um monte de músicas e eu disse: 'Seria ótimo se vocês pudessem nos dar mais algumas opções. Por que não escrevem mais algumas músicas?' Que, para ser honesto, dizer isso ao U2, é uma coisa séria, porque eles tinham suas canções para o álbum. Mas eu não sei, eu senti apenas que algumas delas não eram para o disco... tudo soava muito bom e digno, e para qualquer outra pessoa teria sido um bom disco, mas para o U2, eles têm que ter uma magia, e não parecia tão mágico aquele material. Mas depois que surgiu "Miracle Drug", "A Man And A Woman", "Vertigo", parte de "All Because Of You", bem como "Original Of The Species", que era muito do que viria a ser, mas essa música estava incubando há muito tempo - já estava ao redor desde o álbum anterior. Na verdade, "Love And Peace (Or Else)" mesmo, acho que Flood originalmente trabalhou nela no álbum 'POP'. Essa música ao vivo se transformou em um monstro. Ela costumava rasgar-me em pedaços, certamente depois de 'October', foi como: 'Oh, Deus, por que vocês não tocam primeiro uma ou duas dessas músicas ao vivo? E então, quando nós as gravarmos, nós saberemos como elas funcionarão!' Desde o primeiro álbum, eles nunca tocaram nada ao vivo antes de gravar. O que pode tornar as coisas extremamente difíceis.
Eu acho que eles queriam 'How To Dismantle An Atomic Bomb' para ser um álbum de músicas, em vez de paisagens sonoras. Eles nunca souberam escrever canções nos primeiros dias, eles meio que tropeçaram nelas. Então eles decidiram: "Ei, nós somos muito bons nisso!" Levou tempo, mas eles acreditam em sua composição agora. Acho que depois de 'POP' eles pensaram: 'quais são os nossos pontos fortes? Somos uma banda de quatro peças, vamos ver até onde podemos levar isso.' Bem, eles parecem estar indo muito bem.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...