Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Imagine The Edge em sua casa em Monkstown.....


Antes de gravar 'The Joshua Tree', o U2 decidiu ensaiar em Danesmote, uma casa antiga em Rathfarnham, nos arredores de Dublin. O quarto que ocuparam era bonito, com janelas no alto e a luz natural inundando dentro. Os ensaios foram tão bons que eles decidiram fazer o álbum lá...
"Nós tínhamos experimentado muito nas gravações de 'The Unforgettable Fire'", The Edge recorda. "Nós tínhamos feito coisas bastante revolucionárias como "Elvis Presley and America" e "4th of July". Então, nós sentimos, entrando em 'The Joshua Tree', que talvez as opções não eram uma coisa boa, que as limitações poderiam ser positivas. E assim decidimos trabalhar dentro das limitações da música como ponto de partida. Nós pensamos: vamos realmente escrever músicas. Queríamos que o registro fosse menos vago, aberto, atmosférico e impressionista. Para torná-lo mais simples, focado e conciso.
Imagine The Edge em sua casa em Monkstown tocando e gravando com um Tascam Home Recording Studio de quatro pistas. Abaixando o teclado. Ouvindo novamente. Depois a guitarra. O ritmo é bom. Tentando algumas variações no acorde. Imagine um baixo. A bateria entra. O começo de uma canção...
"A forma como escrevemos, às vezes sentimos que a canção está escrita", The Edge disse para John Waters. "A canção já está lá, se você pudesse apenas colocá-la em palavras, colocá-la em notas. Nós temos isso, mas ainda não realizamos. Se você nos visse trabalhando no estúdio às vezes, você estaria coçando a cabeça tentando descobrir o que estávamos fazendo. Principalmente, se tivermos a sensação de que estamos em algo bom, nós eventualmente chegaremos lá. E "Where The Streets Have No Name" é um grande exemplo, porque isso levou semanas de trabalho para acontecer."
Ela quase levou Brian Eno à loucura no processo. Em um estágio, ele ficou tão frustrado com a quantidade de tempo sendo dedicada a "Where The Streets Have No Name" que ele queria apagar o multi-track. "Isso mesmo", The Edge recorda. "Nós não estávamos no estúdio na época e ele pediu ao engenheiro assistente para sair da sala. Ele realmente decidiu fazer aquilo. Mas o engenheiro assistente não quis sair. Ele ficou na frente da máquina de fita, dizendo: 'Brian, você não pode fazer isso'. E assim ele não fez. Mas foi quase.
O título, sem dúvida, é com base no período em que Bono e sua esposa Ali estiveram na Etiópia em 1985, trabalhando com agências de ajuda no terreno, distribuindo alimentos e auxiliando em saúde e iniciativas educacionais. Bono voltou para casa para a Irlanda, para o mundo ocidental, com um profundo sentido de vazio no coração da vida contemporânea. "O espírito das pessoas que conheci na Etiópia era muito forte", diz Bono. "Não há dúvida de que, mesmo na pobreza, eles tinham algo que nós não tínhamos. Quando voltei, percebi a medida em que as pessoas no Ocidente eram como crianças mimadas."
"Eu posso ver isso agora", acrescenta Bono "e reconhecer que "Where The Streets Have No Name" tem um dos dísticos mais banais na história da música pop. Mas também contém algumas das maiores ideias. De uma maneira curiosa, isso parece funcionar. Se você conseguir alguma coisa pesada sobre essas coisas, você não se comunica. Mas se você der as costas ou descartar isso, então você faz. Esse é um dos paradoxos com os quais eu tive que concordar."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...