Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

The Edge: "nestes últimos anos, o U2 não chegou nem perto de se separar"

O site do Independent traz uma matéria com o U2, em uma entrevista feita por Brendan O'Connor, sobre o novo disco da banda, 'Songs Of Innocence'.

Estes 4 caras de 50 e poucos anos, fazem as coisas juntos numa sala durante anos a fio, esperando, como Bono diz, citando Quincy Jones, "Deus para atravessar a sala". "Mas Deus", como Bono disse à Quincy, "não é confiável".
Então enquanto o U2 pode improvisar e fazer muita música boa à vontade, eles preferem esperar pela grandeza. Precisamente, cinco anos de espera nesta ocasião.
Bono disse que poderia ter havido um álbum depois de um ano que começou isso. "A primeira versão do álbum, e que nos poderíamos ter lançado em um ano, era realmente muito boa, muito boa e muito legal, e a pergunta que fizemos foi: 'será que alguém virá até nós por causa de, digamos, música legal? Não é isso que fazemos. Não é para isso que o U2 existe. Nós somos a ópera. Nós somos muito mais sangue quente, e enfiamos nossa cabeça no parapeito, é o que fazemos."
Então eles esperaram pela ópera. E desta vez, as apostas eram altas. Como o Edge coloca, "se este e o outro álbum não tivessem tido este padrão de concorrência, provavelmente teríamos optado por entrar nessa semi-aposentadoria de apenas fazer shows ou qualquer outra coisa."
Enquanto Bono apareceu algumas vezes nestes últimos cinco anos, questionando a própria existência da banda, The Edge diz "nestes últimos anos, o U2 não chegou nem perto de se separar".
O seu último álbum, em seus termos, "não se conectou". A "conectividade" das novas músicas é uma frase que você ouve eles mencionado mais de uma vez agora.
Assim, as músicas são reescritas três ou quatro vezes agora, mas eles ainda não são o que Edge chama de "a mais alta e absoluta iteração em termos de composição pura." E há momentos onde, diz ele, você tem que se perguntar algumas perguntas difíceis sobre o que está fazendo. "As pessoas magoam-se neste processo", ele diz.
"Pode ser brutal", diz Larry, "podemos tentar e ser diplomático e cuidamos uns dos outros, mas pode ser brutal... mas você tem que desistir e deixá-lo ir. Não é uma coisa fácil de fazer e é humilhante."
"Pode ser brutal", diz Larry, "podemos tentar sermos diplomáticos e cuidarmos uns dos outros, mas pode ser brutal... mas você tem que desistir e deixar ir. Não é uma coisa fácil de fazer e é humilhante."
Larry, que parece o mais crítico dos momentos mais experimentais do U2, critica o disco 'No Line On The Horizon'. "Eram boas ideias", diz ele, "mas elas não foram concluídas". Boas idéias não fazem boas músicas. "Nós nunca chegamos naquele lugar" é uma frase que ele usa mais de uma vez sobre aquele último álbum. Crucialmente, as músicas também não funcionaram ao vivo, e a ideia desta vez, e a emoção que sentem em torno dessas novas canções, é que elas irão funcionar bem.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...