Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Sobre 'Songs Of Innocence' - Parte 2

O site U2 News disponibilizou a transcrição completa de uma entrevista com o U2 no "Los 40 Principales" da Espanha, feita pelo jornalista Tony Aguilar, que viajou à Londres para conversar com a banda sobre o novo álbum, 'Songs of Innocence', entre outros assuntos!

Há grandes revelações, e você confere abaixo as melhores partes da entrevista:

Já planejaram a próxima turnê?

Adam Clayton: Não temos ainda nenhuma data confirmada, ainda estamos preparando a produção, o desenho do palco, o tamanho dos locais onde queremos tocar. Provavelmente a turnê vai começar em maio de 2015 e durará dois anos.

Eu me recordo quando você mudou o "um, dois, três, quatorze" para "um, dois, três, quinze".

Bono: Sim, eu fiz esta piada. Não sei se você já viu o Bruce Springsteen nos apresentando no Rock ' n' Roll Hall of Fame, é um cara engraçado e disse: "o rock ' n' roll nunca deve fazer sentido matematicamente falando." "Dois mais dois nunca deve ser quatro, deve ser três ou cinco".

Larry, me fale da foto com seu filho na capa do disco, e como chegaram em sua escolha.

Larry Mullen: Foi uma das experiências que fizemos para a capa e vimos que se encaixava com o conceito de 'Songs Of Innocence'. Toda a minha vida tentei ficar em segundo plano e proteger minha família da fama. Não foi fácil para mim para expor também o meu filho, mas é uma foto bonita e diz muitas coisas. Quando olho para ele, parece que não sou eu quem o protege, mas sim ele que me segura. Torna-se muito profundo, porque agora ele tem dezoito anos e nosso relacionamento tornou-se mais difícil. É uma foto muito poderosa, mas o público não sabe o que meu filho e eu compartilhamos, então, embora exibida em público, nossa privacidade é protegida.

Toquem "Acrobat" novamente ao vivo, por favor (por @XiakoU2, vía Twitter).

Edge: Nós tocamos ela uma ou duas vezes, e é uma peça muito especial. Não podemos prometer que nós vamos tocar isso, mas está na lista de candidatas. Em nossa última turnê, nós resgatamos canções pouco conhecidas, algumas das quais nunca tinhamos tocado fora da sala de ensaio, então talvez nós podemos acabar fazendo a mesma coisa com "Acrobat".

Voltando para 'Songs Of Innocence'. A canção “California (There's No End To Love)” começa com uma homenagem à Barbara Ann e aos Beach Boys. Conte para nós sobre isso.

The Edge: Essa música passou por muitas fases até que decidimos tocar com uma guitarra suja, punk, em uma única nota, e se tornou mais enérgica e vital. Neste álbum, Bono tem escrito extensivamente sobre as primeiras vezes e essa foi inspirada na memória da primeira vez que ele viajou para a Califórnia, quando ele foi para a praia e viu o Oceano Pacífico pela primeira vez. A impressão de estar na mesma terra que Brian Wilson dos Beach Boys e Bob Dylan, tentando encontrar suas casas, era um sonho se tornando realidade para um fã. Esta é a origem da canção, embora tenha mais significados ocultos. O álbum inteiro fala de nossas memórias, experiências que marcaram.

Se há um tributo evidente neste álbum, é para os Ramones no primeiro single. O que representou para você?

Edge: Eles foram muito importantes para nós em nossos primeiros dias. Quando vimos eles pela primeira vez, juntamente com The Clash, The Jam e todos os grupos punk dos anos 70, percebemos que poderíamos formar uma banda sem sermos grandes instrumentistas. Você não precisa ser um virtuoso, se você tem algo interessante a dizer, essas bandas tocaram de forma simples mas com muita convicção. A outra razão que os Ramones eram importantes é que suas músicas eram muito melódicas, e Bono descobriu sua própria voz cantando elas. As primeiras músicas que tocamos como um grupo eram dos Ramones. Tivemos a oportunidade de dizer isto ao Joey Ramone, antes de sua morte e nos encheu de orgulho, sabendo que a última música que ele ouviu antes de deixar este mundo foi "In A Little While", ele tinha caído de amor por ela e pediu para ouvi-la. Assim, o círculo está fechado.

Você acha que foi destino?

Edge: É realmente um sinal de respeito e carinho mútuo que tivemos. Para mim, Joey foi um dos maiores ícones do punk, porque representava o perdedor. Era muito alto, magro, tinha problemas de visão, problemas de saúde, o oposto do que foram as estrelas da época. Ele era um cara que ninguém poderia imaginar como vocalista, mas dentre os melhores vocalistas de todos os tempos, provando que, se você tem bastante talento e paixão, você pode fazer outros cantores, com seu físico perfeito e seus penteados extravagantes, parecerem estúpidos comparado com você. Você é único e poderoso para o que seu coração tem para oferecer, não pelo seu olhar, então ele nos inspirou muito.

Depois de 'Songs of Innocence', virá 'Songs of Experience'. Conte-me sobre este novo álbum.

Bono: Sim, tiramos os títulos de ambos os discos do poeta William Blake. Eu sei que soa pretensioso, mas é divertido: essas músicas vêm de um lugar muito cru e pessoal, onde tentamos descobrir o que nos tornamos o que somos. 'Songs of Experience' é sobre nós no mundo de hoje: como chegamos aqui? É um monstro de quatro cabeças? O que pensaria o jovem Larry Mullen sobre o Larry Mullen de hoje, o que pensaria de mim o jovem Bono? Vamos nos divertir com isso. Quando jovem, eu era muito severo, via tudo em preto e branco, ainda mais agora, e se você tivesse dito que um dia nós iríamos nos aliar com uma megacorporação tecnológica, meu jovem eu me jogaria no chão e amarraria minhas mãos. Mas meu eu agora acha que esta corporação tem pessoas criativas que querem ajudar a expandir nossa arte. Isso faz sentido para mim! E isto também se aplica ao amor, à vida... me jovem eu e o meu eu mais velho são muito diferentes, e vamos nos divertir com isso! Que tenham início os jogos!

O que diriam a si mesmos se pudessem voltar ao dia que assinaram o primeiro contrato de gravação? (por @azaharaa, vía Twitter)

Larry Mullen: Peçam mais dinheiro!

Bono: Arranjem um bom advogado. No momento, tivemos um grande gerente que nos ajudou muito. Lembro-me que assinei o contrato no banheiro feminino do Electric Ballroom em Londres e estávamos completamente arruinados. Tínhamos muitas contas que não podiam esperar até o dia que o cheque nos fosse entregue, então tivemos que pedir a empresa para nos adiantar dinheiro, então saímos com um saco cheio de moedas. Eram tempos difíceis, o U2 falhou muitas vezes antes de ter sucesso. Sempre foi assim, quando abordamos fundo fazemos nosso melhor trabalho. Grande parte das pessoas das gravadoras que tentaram assinar conosco, foram demitidas, porque poderíamos ser diretamente muito bons ou horríveis. Mas voltando a sua pergunta, outra dica: exigir a transparência de sua gravadora, lhe dizer quais rádios estão tocando, quantas pessoas escuta sua música no Spotify, são informações que as gravadoras escondem dos artistas. Isso precisa mudar.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...