Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sábado, 6 de junho de 2015

As revelações de Paul McGuinness, ex empresário do U2, para o The Irish Times - Parte 03


O site The Irish Times publicou uma matéria com o ex empresário do U2, Paul McGuinness, de 64 anos, que deixou a banda em novembro de 2013.
Ele conta como convenceu a banda a fazer uma divisão de tudo por igual em 5 partes, fala sobre o acordo com a Island Records, sobre a polêmica dos impostos e sobre o lançamento controverso de 'Songs Of Innocence' e sobre a nova era digital da música.

Paul McGuinness convenceu a banda a dividir tudo, em cinco partes iguais desde o início, embora sua parte mais tarde tenha sido reduzida. "No início, eu disse: 'Olha, não haverá muito dinheiro, então vamos apenas dividir igualmente para evitar problemas'."
O U2 assinou com a Island Records em 1980. O sucesso veio três anos depois, com o álbum 'War' e dois singles de sucesso, "Sunday Bloody Sunday" e "New Year's Day". Na sequência veio 'The Unforgettable Fire' em 1984, com "Bad" e "Pride (In the Name of Love)".
A Island Records não podia pagar os royalties por 'The Unforgettable Fire'. Ao invés de processarrem e destruirem a companhia ou lançarem o álbum 'The Joshua Tree' em outro lugar e acabarem em uma desagradável batalha judicial, McGuinness teve a paciência e a clarividência de pegar uma quota de 10% na Island para a banda e ele. Foi um dos seus maiores golpes. Como Gareth Murphy narra em 'Cowboys and Indies: the Epic History of the Record Industry', a Island foi vendida alguns anos mais tarde para a PolyGram por US$ 300 milhões.
Quando eles se separaram em 2013, o U2 pagou uns € 30 milhões para a empresa Principle Management de McGuinness, em um negócio financiado pelo promotor gigante de concertos, Live Nation. A quantia é um assunto de registros, diz McGuinness.
A lista do The Sunday Times em 2013 estima a riqueza coletiva do U2 em €632,535,925. "Não faço ideia como eles chegaram a estes números," McGuinness ri. "Nós nunca confirmamos ou negamos qualquer um deles."
McGuinness defende a polêmica decisão do U2 de mover uma das suas empresas para a Holanda em 2006. Os críticos irlandeses retrataram a decisão como sendo um desacordo com o compromisso do U2 à justiça social.
"Em primeiro lugar, eu não dou conselhos fiscais ao U2. Eu nunca fiz", disse McGuinness. Nem foi a mudança precipitada pela Irlanda, reduzindo o limiar de isenção fiscal para artistas. "De qualquer forma estava acontecendo", diz ele. "Há uma especialização na Holanda, uma determinada prática contábil que é usada pelos Rolling Stones, especializada na coleção de royalties em uma base mundial... Essa foi a razão real para isto."
McGuinness: "O U2 paga imposto em todos os países do mundo", continua. "Você não pode apenas transformar-se em Alemanha, fazer um show e levar todo o dinheiro. Há muita negligência sobre a maneira como estão fazendo esta cobertura".
Objeções ao U2 não pagar impostos na Irlanda são "sem sentido", disse McGuinness, porque "sua renda irlandesa é tributada, mas eles também fazem doações." Por exemplo, o lucro de € 5 milhões dos últimos concertos do U2 no Croke Park foi usado para estabelecer o programa Music Generation para o ensino de música em escolas irlandesas.
Em setembro passado, o U2 foi criticado pelo lançamento de seu álbum 'Songs Of Innocence' com a Apple, através de um download automático em metade um bilhão de contas do iTunes. Muitos disseram que a banda não teria feito isso se McGuinness ainda fosse o empresário da banda.
Ele diz: "Quem sabe?". "Eu não estava envolvido... Eles se desculparam por isso depois, dizendo que era uma imposição. Acho que foi posicionado de forma errada. Se eles tivessem feito isso de 'marque esta caixa, e você pode receber o álbum do U2', eles não teriam recebido estas ofensas. As pessoas estavam descontentes com algo sendo recebido, que eles não pediram. Foi fácil de apagar... Mas acho que isso deveria ter sido tratado de forma diferente."
A indústria da música que McGuinness deixou em 2013 estava quase irreconhecível. Downloads de internet e streaming destruíram as vendas de CD e shows ao vivo se tornaram praticamente a única maneira de ganhar dinheiro.
"A indústria fonográfica foi muito mal preparada para a era digital", disse McGuinness. "Na década de 1980 e 1990, houve um boom na renda de CDs. Artistas e gravadoras fizeram uma grande quantidade de dinheiro e eles pensaram que eles iriam continuar. Prepararam-se desajeitadamente para o aparecimento da era digital. Havia um sistema de criptografia chamado Secure Digital Music Initiative que deveria ser usado para impedir a cópia. Claro que não funcionou."
As explosões de McGuinness contra os gigantes da internet que ganharam bilhões à custa dos músicos e gravadoras não foram ouvidas. Hoje, o Spotify transmite música legalmente, ele diz, "mas os royalties são tão infinitamente pequenos que são sem sentido. Isso é um debate que está ocorrendo em todo o negócio da música."
Bill Whelan especula que a invasão corporativa da música deixou seu velho amigo McGuinness se sentindo "como um estranho numa terra estranha". Perguntei se ele se sentiria em casa, na indústria musical de hoje, e McGuinness respondeu: "Eu não acho que eu faria. Estou curioso, mas eu não estou realmente envolvido, exceto como um espectador e às vezes como comentarista."
McGuinness pode ter abandonado a música para fazer drama em televisão, mas sua gestão de 35 anos do U2 deixou um legado indelével. "Ele é um dos empresários top cinco de todos os tempos," diz Richard Griffiths.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...