Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

terça-feira, 16 de junho de 2015

As revelações da iNNOCENCE + eXPERIENCE, por Willie Williams - Parte 03


O site Live Design continua com a 3° parte da entrevista sobre a iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2, com o diretor criativo da turnê, Willie Williams, em trabalho com os cenógrafos Es Devlin e Ric Lipson (Stufish) e o designer de som Joe O'Herlihy.

Live Design: Quais foram os desafios para você no processo de design?

Willie Williams: Acho que o maior desafio é não nos repetir enquanto trabalhamos dentro das surpreendentemente estritas "regras de combate". Os requisitos de backline, monitoramento e assim por diante, estão longe de ser insignificante, e seria um homem corajoso que iria mexer com o formato conhecido. Por um longo tempo, estávamos propondo acabar com os "bunkers" backline que ocultam a equipe e o equipamento, mas em última análise, isso só torna as coisas feias. Os requisitos técnicos para um desempenho do U2 são muito concretos, e a pegada do estágio manteve-se praticamente a mesma nos últimos 25 anos. Podemos ter esmagado as formas um pouco de turnê para turnê, mas o layout básico do estágio e a configuração do bunker está sempre lá. Eventualmente, eu entendi que não adianta lutar, então optei por uma abordagem temática, com um palco que ecoa o seu período de "Inocência". O palco retangular é, na verdade, o palco da turnê The Joshua Tree. É exatamente o mesmo, um ponto de curiosidades que foi observado e apreciado por muitos fãs do U2.

LD: E sobre os desafios ou mudanças nos ensaios? A maioria das ideias no papel vieram a ser completamente concretizadas?

WW: Uma das coisas mais notáveis sobre o show é que quase todas as ideias que conversamos desde o início se concretizaram. Algumas destas acabaram sendo expressas de maneiras diferentes da ideia original, mas o espírito delas foi mantido, que achei extremamente satisfatório. A narrativa da lâmpada, o quarto de adolescente, a rua onde você cresceu, violência dentro e fora, fugindo para o "mundo" lá fora, temos visto muitas iterações diferentes ao longo do caminho, mas tudo ainda está lá.

LD: Fale sobre o equipamento de iluminação e os dispositivos que você escolheu.

WW: A iluminação é muito simples e na verdade, muito minimalista no meio desta forma de espalhar-tudo-sobre-o-arena. À primeira vista, a encenação parece um padrão normal de palco "A" e "B" com uma passarela no meio. No entanto, as diferentes partes da encenação são utilizadas em momentos diferentes, e cada área, incluindo a passarela e a tela de "vídeo", são áreas de desempenho também. A área enorme de encenação significa a necessidade muitos dispositivos, mas são usados com moderação.
Conseqüentemente, eu me encontrei trabalhando de forma minimalista em uma escala muito grande. Como muitas vezes, consegui mais uma vez projetar um ambiente com possibilidades de colocação extremamente limitada para instrumentos de iluminação. Quando a tela-estágio é implantada, corta o espaço ao meio, tornando-se difícil iluminar a área de trabalho. O set-up também exige demais, grandes alturas da guarnição para linhas visuais, assim, o equipamento foi concebido em torno de parâmetros determinados.
O layout do equipamento é muito simples. Existem três treliças acima do palco retangular e mais treliças que seguem a linha da borda do chão da arena. O clima do palco quadrado é um olhar ao rock'n'roll, ecoando ao final dos anos 70 e início dos anos 80, que é tematicamente onde encontra-se essa parte do show. Essencialmente, nós construímos um clube punk, e eu queria invocar esse tipo de clima no equipamento.
No nível do chão, existem strobes vintage Atomic [Martin Professional] com scrollers e atuais molefays DWE para essa fantástica sensação de cor-temp baixa marrom. O LED que se dane! É o glitchiness desses equipamentos que eu gosto mais.

O dispositivo de iluminação no palco é uma tira fluorescente enjaulada, inspirada no tipo que você pode encontrar em uma passagem subterrânea ou sanitários públicos. No início, eu era insistente no uso de tiras fluorescentes reais, mas conversamos e desistimos devido os pesadelos de RF que acompanha. No final, concordei em ter estes legais fac-símiles de LED brancos, mas na condição que cada unidade fosse um único circuito e que eles não fossem capazes de mudar a cor.
Meus programadores/operadores, Alex Murphy e Sparky Risk, passaram todo o tempo construindo seguimentos manuais para simular a cintilação aleatória do tubo fluorescente e efeitos estroboscópicos não-lineares. Sparky me deixou orgulhoso com o mecanismo manual dos botões do strobe, com um sentimento de viajar no tempo com a iluminação. Tudo parece muito mais orgânico e humano do que qualquer coisa que você já viu sair de um mecanismo de efeitos.
PRG Bad Boys e Best Boys, ambas spot e wash, são a força motriz das unidades. Eu escolhi estas principalmente pelas suas saídas, dada as distâncias de projeção envolvidas e meu desejo de minimizar o número de luminárias. Eu estou amando. As três treliças acima do palco retangular da casa formam um total de apenas 16 luminárias, que é menos do que tínhamos na turnê de 'War' em 1983!

Holofotes sempre serão um problema para este projeto, dado que a "frente-da-casa" torna-se um termo um tanto sem sentido aqui. Chris Conti da PRG me mostrou o spot da Bad Boy há algum tempo, que despertou meu interesse. A noção de ser capaz de tocar na arena com spots de treliça que iria fazer o trabalho de "frente-da-casa" parecia uma boa solução e a continuidade da cor, gobos, escurecimento, zoom e assim por diante que teríamos usando Bad Boys era muito atraente. Eu estava nervoso sobre a colocação de todos os meus ovos naquela cesta particular, porque se a saída não fizesse jus à expectativa, eu estaria majestosamente arruinado.
Eu perguntei ao Chris se havia algum espaço livre em termos de tamanho do bulbo, e ele disse que havia. Então lhe pedi para experimentar a colocação de lâmpadas cada vez mais brilhantes em um spot Bad Boy até que um deles derreteu. Precisávamos de algo diferente. Então Chris nos presenteou com uma unidade modificada impressionante que Allen Branton, que parou os ensaios para nos ajudar com a iluminação de câmera, considerou pelo menos o equivalente a um [forte] Super Trouper.
Alex Murphy liga e coloca os spots para funcionar e, ironicamente, o único problema que tivemos com eles é que eles são muito brilhantes. No principal, estamos colocando ele em funcionamento em cerca de 40% da saída, mas eu ainda não tive coragem de dizer isso para Chris Conti.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...