Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sábado, 6 de junho de 2015

As revelações de Paul McGuinness, ex empresário do U2, para o The Irish Times - Parte 01


O site The Irish Times publicou uma matéria com o ex empresário do U2, Paul McGuinness, de 64 anos, que deixou a banda em novembro de 2013.
Ele conta como está sua relação com a banda, seu novo projeto, a decisão de deixar o grupo:

Antes de gerenciar a banda, ele tinha trabalhado em produção de cinema, no clássico filme Zardoz, de John Boorman, e fez também comerciais de televisão.
Ele retomou a carreira agora, e está trabalhando com o diretor Neil Jordan (que já dirigiu videoclipes do U2) e o escritor John Banville, em uma série dramática sobre crimes, para a TV por assinatura, intitulada Riviera, baseado na Riviera Francesa.
"Trata-se de uma espécie de família francesa, italiana de negócios. Esta grande, aparentemente legítima família de um império de negócios esconde uma empresa criminosa. Essa é a base da história."
"Todo mundo vai para o sul da França, quando eles fazem um pouco de dinheiro. O U2 e eu fizemos o mesmo quando todos nós adquirimos casas lá há 20 anos. Em nenhum outro lugar na Europa é mais de duas horas de distância. O avião da turnê volta para Nice depois do show, e você pode dormir na sua própria cama."
McGuinness pretende centrar o trabalho de pós-produção na Irlanda, onde a seção 481 do código de imposto dá a produção de filmes um crédito de 32%.
Trazer parte da operação de Riviera para Dublin é consistente com o trabalho de McGuinness. Antes de McGuinness e U2, artistas irlandeses tinham que ir para o estrangeiro para ter sucesso, diz Bill Whelan, o compositor de Riverdance e parceiro de McGuinness no McGuinness Whelan Music Publishing. "O U2 reverteu a maré. Pessoas que ficavam na Irlanda, eram geridas fora da Irlanda, e as gravadoras começaram a vir para a Irlanda para procurar talentos."
"Se não fosse pelo Windmill Lane Studios, U2 e McGuinness", Whelan continua, "não teríamos o fenômeno Hozier hoje. Eles criaram uma auto-confiança que injetou algo muito importante em nosso zeitgeist. Paul era parte integrante disso."
Quando ele conheceu o U2, McGuinness estava gerenciando uma banda chamada Spud. "Eles estavam em seus 20 anos, como eu, e eles tinham responsabilidades e famílias e crianças," ele relembra. "Eles não foram ambiciosos o suficiente para ir até o fim. Eu coloquei meu olho em uma banda que poderia ir até o fim."
Bill Graham, o jornalista da Hot Press e amigo de McGuinness desde a Trinity, sugeriu que ele fosse conferir um grupo chamado U2 no Project Arts Centre.
McGuinness encontrou o que ele estava procurando.
Quando ele esteve com o U2 pela primeira vez em turnê, eles se espremiam em uma van com seus equipamentos. Isso passou para um ônibus e eventualmente para jatos particulares.
O U2 se tornou uma das bandas mais bem sucedidas da história, vendendo 150 milhões de discos e ganhando 22 prêmios Grammy. A turnê 360°, entre 2009 e 2011, foi a maior maior bilheteria de todos os tempos das turnês, faturando € 653 milhões.
O U2 está na estrada novamente, pela primeira vez sem McGuinness, e quando ele for conferir o show da banda em Chicago, ele pode ter uma experiência agridoce.
Ele e o U2 se separaram amigavelmente em novembro de 2013. "Quando McGuinness passou a gerenciar o U2, eles eram adolescentes imaturos", diz Michael Ross, um jornalista que cobriu extensivamente o U2. "Até o final dela, eles eram estrelas globais."
McGuinness diz que as relações entre os cinco homens que trabalharam juntos por 35 anos são, por definição, "complexas", e que ele é mais próximo de Bono e Adam Clayton. "Eu tive muito conselho de Bono ao longo dos anos, como ele tem de mim. É esse tipo de relação, baseada no respeito, impulsionado pelo sucesso e realização."
Escolhendo suas palavras com cuidado, McGuinness continua: "Eu acho que estava muito claro entre nós que era hora de terminar... Nós estávamos chegando em uma outra campanha. Eles tendem a durar 5 anos do lançamento de um álbum até o final de uma turnê mundial. Parecia uma boa hora para desenhar uma linha. Foi sempre entendido que eu pararia antes deles, porque eu sou 10 anos mais velho."
McGuinness não se importa com os rumores sobre as circunstâncias da sua saída. "Há uma fome de jornal tablóide para histórias de Bono em Dublin".
Sua lealdade ao U2 continua.
"Eu gosto muito deles, em diferentes graus. Eu às vezes sinto falta de meus clientes. O que eu nunca, nunca perdi é isso de eu ter clientes. Tivemos nossos protocolos. Havia um monte de etiqueta. Fomos bastante formais nas nossas relações com o outro."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...