Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

U2: o melhor show da história do intervalo do SuperBowl?


Há 15 anos atrás, o SuperBowl apresentou de maneira perfeita o show certo para uma América com problemas.

Scott Meslow, crítico de cultura do GQ.com: faz 15 anos desde o Super Bowl XXXVI, quando o U2 tocou o que eu diria que é o maior show do intervalo do SuperBowl. Foi em 3 de fevereiro de 2002 — menos de seis meses após os atentados de 11/9 — e U2 foi incumbido de fazer uma homenagem significativa, transcendente, que atrairia milhões de telespectadores que tinham sintonizado para escapar de um período tão negro e preocupante.

Ashley Fetters, editor de entretenimento do GQ.com: o maior show do intervalo do SuperBowl? Afirmação ousada, embora não indefensável, e eu chamaria absolutamente de o show do intervalo mais significativo, ou o melhor exemplo de um show do intervalo do SuperBowl transcender o fato de que foi um show de intervalo do SuperBowl tornando-se um artefato de cultura pop genuinamente pungente.

Scott: Desculpas à Springsteen e Prince e, sim, Beyoncé — mas tão grande como suas performances foram, as apostas não eram quase tão altas. O brilho do show do U2 começa com um setlist cuidadosamente selecionado de três canções: "Beautiful Day", "MLK", e "Where The Streets Have No Name". Vamos analisar uma por uma.
"Beautiful Day" foi uma escolha óbvia — seu grande e empolgante hit de seu álbum de 2000, 'All That You Can't Leave Behind'. Mas também é uma escolha bastante significativa — uma homenagem ao otimismo progressista em um momento quando alguns de nós precisavam. Bono a descreveu como uma canção sobre "um homem que perdeu tudo, mas encontra alegria no que ele ainda tem", e que é quase correto para os Estados Unidos em 2002. E ao invés de começar no palco, Bono estava cantando todo o primeiro verso enquanto caminhava por entre a multidão. É uma abertura espetacular.

Ashley: Em seguida uma canção curta de 'The Unforgettable Fire', "MLK", um lamento simples, elegante, um luto à Martin Luther King Jr. com as imagens de chuva de paz e sono tranquilo — e, claro, isto é onde a parte que todos se lembram, e todo mundo cai em lágrimas com o que aconteceu. Uma tela por trás da banda começa a percorrer os nomes de todos os americanos que morreram em 11 de setembro, todos os passageiros do avião e funcionários do World Trade Center e polícia e oficiais do corpo de bombeiros, e de repente é como se Bono e The Edge estivessem cantando uma canção de ninar reconfortante para um país inteiro de pessoas que tem tido pesadelos.
O que faz este trabalho tão bem é que é tão breve; o agridoce do momento só começou a ser registrado quando eles tocaram "Where The Streets Have No Name", sem dúvida seu mais famoso hino sobre a esperança para o futuro e a música que eu sempre coloco quando eu subo em uma esteira e me faz sentir que quero correr para sempre. Sem dúvida é a fórmula que você deseja em qualquer situação trágica: um momento de reconhecer o horror e a dor disso tudo e depois um longo, luxuoso aquecimento de luz e otimismo e cura.

Scott: "Where The Streets Have No Name" termina com a letra "É tudo o que posso fazer" — mas no SuperBowl, Bono mudou para "É tudo que podemos fazer". Destina-se claramente como uma declaração de toda a banda: "estamos sentindo sua dor também, nós não podemos dar um jeito nisso, mas nós somos uma das maiores bandas no mundo e iremos fazer o mais sincero e maior tributo que podemos."



Do site: GQ.com
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...