Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Por dentro da 'Inocência': no backstage com Bono e The Edge - Parte 1


Em entrevista para a Rolling Stone, Bono e The Edge contam segredos da nova turnê do U2, iNNOCENCE + eXPERIENCE. O significado da lâmpada, a ideia abandonada para o palco de um quarto inflável que flutuaria, o novo sistema de som, a relação com o público, a montagem das fases do setlist.

Cerca de 25 horas antes do pontapé inicial da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE do U2 na Rogers Arena em Vancouver, Bono está sentado num sofá em uma sala de estar no backstage, perto de Edge. Ele está mexendo em um laptop e olhando para um CD-R gravado em um recente ensaio da turnê.
Bono parece completamente relaxado. Adam Clayton entra, entrega-lhe uma xícara de chá e depois desaparece. Temos instruções para nos sentar entre Bono e o Edge, sabendo que a programação deles é insanamente corrida e só temos 20 minutos para conversar.
Temos 21 perguntas preparadas, mas como Bono não é um cara conhecido por ser breve, só conseguimos perguntar cerca de 10 delas. Mas a banda consegue esclarecer muita coisa – mesmo não podendo discutir o status do próximo disco, 'Songs Of Experience', ou saber se eles estão finalmente dispostos a desenterrar e tocar raridades como "Acrobat" e "Drowning Man" em algum ponto da turnê.

Quando começaram a esboçar idéias para esta turnê, quais eram seus objetivos? O que querem realizar?
The Edge: Acho que muito no início, decidimos que queríamos começar em lugares fechados e ver como iríamos nos sentir. Então foi realmente apenas uma questão de "se nós vamos estar em lugares fechados, e fazer alguma coisa em contraste com essa última turnê ao ar livre, como ela será?" A escolha do local foi a primeira consideração. O que podemos fazer que seja exclusivo para um local fechado?

Bono, e você?
Bono: Como uma espécie de desafio para nós, para nós mesmos, nós tivemos essa ideia de que devíamos tocar uma parte das primeiras canções apenas sob uma lâmpada. Isso era uma disciplina desde o início. Não estamos sendo literais sobre isso agora, mas é simbólico. Nós tomamos isso como um símbolo da exposição. A lâmpada é um símbolo da vida íntima de todos. A vida à partir de seu quarto. A vida à partir de sua cozinha. A vida longe dos holofotes. O número 10 da Cedarwood Road e o pequeno quarto em Cedarwood Wood tinham uma lâmpada sem proteção nela porque eu achava que era legal na época. Aquele lugar que é a incubadora de ideias, a incubadora das primeiras canções, a incubadora das primeiras ambições para acompanhar as mulheres de casa para a escola e os planos para vê-las nos finais de semana.
Todo mundo é formado nesses espaços. Eu tenho dito para as pessoas por anos que a megalomania não nasceu comigo necessariamente. Isso foi sussurrado no meu ouvido por John Lennon, Bob Dylan, e mais tarde, Joe Strummer. A ideia de que suas ideias podem ter algum valor para os outros, na sua essência, é algo arrogante. É onde tudo começou para mim, foi sob essa lâmpada.

Acho que o desafio quando criam uma turnê como esta é para fazer algo diferente. Deve ter sido difícil pensar em algo novo e diferente.
The Edge: Novo, diferente e acessível foi a coisa que queríamos fazer. Em algumas reuniões no início, nós realmente estávamos empurrando para o que era possível. Tivemos todos os tipos de quartos infláveis flutuando em torno da arena, algumas idéias malucas. É engraçado como parece sempre que isso funciona para nós, para nos permitirmos pensar sem quaisquer restrições, e lentamente no processo tentando obter mais prática, deixando tudo mais amarrado, você acaba com algumas das mesmas idéias. Por exemplo, o quarto ainda está lá. Não é um quarto flutuante. Agora faz parte da telão dividido que usamos.
A primeira coisa era permitir que a imaginação corresse solta e em seguida começar nosso reinado novamente. Então começa a aplicação das coisas práticas como: "quanto peso aguenta o teto de um local assim?" Erguemos o sistema de som, erguemos este telão enorme. Nós estamos indo à enésima potência absoluta do que é possível.

Ao pendurarem os alto-falantes de maneira igual em todo o local, você pode obter um som muito melhor do que qualquer coisa que já foi ouvido.
The Edge: Até agora nós estamos coçando nossas cabeças se perguntando por que isso nunca foi feito antes. É uma ótima maneira de lidar com o som em um local. Todo mundo até este ponto, incluindo nós, sempre colocamos todos os alto-falantes em uma extremidade, junto ao palco, explodindo todo o som pelo comprimento todo da arena. O que estamos fazendo com esse show é seguir o contorno da circunferência da arena, colocando os alto-falantes acima das pessoas. Então você se senta não mais do que talvez 14, 15 metros de um conjunto de alto-falantes. Todos estão entregando o som ao mesmo tempo, então você não tem nenhum dos problemas de alinhamento de tempo de outros falantes.

Bono: Não há alguns algoritmos de som envolvidos?

The Edge: Não. Não precisa ter.

Bono: Tem certeza?

The Edge: Sim!

Bono: Algumas pessoas acham que parece 20% melhor do que qualquer sistema em uma arena de som. Se estamos tocando qualquer porcaria, isso não vai importar. Você só vai ouvir a porcaria mais claramente.

The Edge: Realmente é porque os alto-falantes estão tão perto de você, que não é necessário nenhum alinhamento de tempo. Basicamente, todo o som é entregue ao mesmo tempo.

Pode me contar sobre o processo de montagem do setlist e como vocês escolhem a ordem das músicas?
The Edge: É uma pergunta muito complicada, especialmente para o que estamos fazendo aqui. Há muitas considerações. Ele queria ter uma lâmpada sobre o palco para os primeiros números, que representa um retorno do U2 naquele momento de inocência da banda, uma referência aos primeiros anos da nossa formação e a influência pela música do final dos anos 70 e início dos anos 80, a música punk e pós-punk.
Era o nosso ponto de partida, onde nós vamos abrir o show. Então foi tipo: "OK, onde vamos à partir dali?" Tem sido um processo de tentar avançar para além daquela primeira fase do show e trazê-lo para uma conclusão que sentimos que podemos acreditar nisso. Temos um monte de músicas de diferentes fases. É engraçado como você pega uma canção antiga, mas em uma parte diferente do set, e de repente tem um novo significado.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...