Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A Entrevista: Willie Williams na Rolling Stone - Parte I


Se o U2 nunca tivesse entrado em contato com Willie Williams, sua carreira teria provavelmente se desenrolado de uma maneira muito diferente. O diretor de shows criou todos os seus palcos nos últimos 35 anos, desde a turnê October em 1982 quando eles ainda eram uma banda que tocava em clubs.
Como a popularidade do U2 teve uma ascenção rápida, o mesmo aconteceu com o orçamento de Williams e a grande visão para seus concertos. Ele é responsável pela carga de multimídia da Zoo TV Tour de 1992-93, que ainda parece inovadora um quarto de século mais tarde. Ele conseguiu tornar maior ainda mais com PopMart 1997-98, diminuindo a escala para a Elevation Tour em 2001 e Vertigo Tour em 2005-06, antes de criar o maior palco da história do rock para a U2 360° em 2009. A turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE 2015, apresentou uma enorme gaiola de vídeo que divide o público ao meio, diferente do qualquer produção nunca antes vista em arenas, e agora ele vai fundo no processo de montar a The Joshua Tree Tour 2017, que vai acontecer em estádios em toda a América e Europa à partir de maio. A Rolling Stone falou com ele sobre o que esperar destes grandes shows!

Qual foi a primeira vez que você ouviu falar sobre esta turnê?

Quando estávamos fazendo os ensaios de produção para o show no iHeartRadio [Music Festival] e Dreamforce ano passado, falou-se de fazer isso, mas inicialmente era apenas uma ideia para marcar o aniversário e fazer um ou dois shows. A ideia era talvez um nos Estados Unidos e outro na Europa. Foi a primeira vez que isso entrou em meu radar. Fiquei bastante satisfeito que tornou-se uma turnê.

A poucos meses atrás.

Estávamos ensaiando em setembro de 2016.

Você normalmente não fica sabendo com um ano ou mais de antecedência sobre uma turnê de estádio? Isso é um enorme compromisso.

Você está certo. O interessante é que, quando tivemos a primeira reunião apropriada sobre isso, todos estavam realmente animados com a ideia. Eu não quero parecer surpreso. Quando nos encontramos muito no início de um ciclo de turnê, é algo fantástico porque você pode falar sobre qualquer coisa. Absolutamente não há limites e colocamos tudo para fora lá. Então você tem que aprimorar-se para a realidade de torná-la apta e acessível para ir para a estrada. É mais no final do processo, onde você percebe quais são as boas ideias, e você coloca um pouco mais de força e movimento e as pessoas começam a ficar excitadas. Eu suponho, porque esta é uma ideia muito clara, que é uma ideia que iniciamos o processo com. Normalmente uma grande parte do processo de montar um espetáculo é descobrir qual é a ideia, assim podemos ir direto para isso.
Além disso, estamos cientes que o álbum tem apenas uma hora de duração e o show precisa ser mais do que isso, então, como você vai colocá-lo no show? Como você fará isso funcionar? Vai tocar ele na sequência? Diluir com outros trabalhos? Todas essas coisas estão ainda sendo decididas, realmente, para ser honesto. Mas a ideia primordial estava lá desde o início. Isso foi muito útil. O que eu não esperava era a emoção de saber que você está em algo grande que tem estado lá desde o primeiro dia, normalmente há um grande período de deserto quando você está decidindo um show e você está tentando descobrir o que é que está fazendo. Sim, todos estão muito animados. É necessário muito pouca imaginação para transformar isso em algo que pode ser grande.

Como a ideia de um ou dois shows passou para uma turnê mundial?

Eu não sei. Não vou mentir para você. A maioria do que eu sei sobre esse processo é o que eu li esta semana.

Estarão tocando em estádios. O cenário será semelhante à 'The Joshua Tree Tour' de 1987 ou será totalmente diferente?

Bem, sim e não. Nós olhamos para o cenário original, que é hilário de pequeno. Nós costumávamos chamá-lo de minimalismo máximo. Para a Europa, não havia nenhum reforço do telão de vídeo para os shows em estádios. Em alguns dos maiores estádios dos EUA, começamos a colocação de telas de vídeo, mas apenas atrás da mesa de mixagem, então apenas a metade traseira do estádio tinha imagens das câmeras. Foi incrível como música, só a música, encheu os estádios. Agora, claro, as expectativas de produção são estratosfericamente maiores do que eram há 30 anos. Mas olhamos para o cenário original e era muito bonito. Eu estava bastante atraído com a ideia de olhar apenas para o palco original, tradicional de um festival, que era aquilo basicamente, uma caixa com PA em ambos os lados, e dizer: "o que você pode fazer com isso? Esta é a ideia mais desatualizada imaginável para turnês, mas através dos olhos do U2 podemos fazer algo interessante com isso?"
A verdade desta questão é que as linhas de visão não funcionam mais. Quando você faz um palco de falso proscênio em um estádio, as linhas de visão só vão a 150, 160 graus e têm de estar ao redor. Você tem que ter alguém de pé ao lado do palco que pode ver tudo, então vamos deixar isso para trás. Levamos o espírito de qualquer tipo de ideia mínima de CinemaScope onde a visão era uma enorme imagem esticada da árvore do Joshua Tree, muito larga, correndo de uma ponta à outra do palco, deformada, que era o recurso que tínhamos naqueles dias e podíamos nos dar ao luxo, e nós tomamos aquele espírito e fomos com ele. Mas, sim, haverá imagens das câmeras em telas de vídeo.

No final está indo para um palco clássico. Não é algo tão incomum como o palco da 360° na última turnê de estádio.

O que é ótimo para mim pessoalmente, é que isso veio como uma possibilidade de dar sequência em um show de estádio após a U2 360°, porque aquele foi o show de estádio para acabar com todos os shows de estádios. Vai ser muito improvável que veremos algo assim um dia novamente. E então o que você faz depois disso? Como você volta aos estádios com algo que não é aquilo? Considerando que, o palco da The Joshua Tree pode absolutamente ficar em uma das extremidades do estádio. Pode ser um aceno ao que era há 30 anos e o espírito do palco pode estar lá, então é perfeitamente legítimo. Você não tem que explicar por que você voltou a uma extremidade do estádio, é apenas óbvio. Então para mim pessoalmente é ótimo porque a próxima vez que tocarmos em estádios podemos fazer o que gostamos. Funcionou muito bem.

Eu estou olhando para um mapa de lugares agora. O palco B é na forma de uma árvore Joshua?

Ah, isso é um mapa de assentos disponíveis comercialmente?

É, na Ticketmaster.

Ahh, certo, meu Deus! Sim. Se é na Ticketmaster, não me importo em contar. Ainda estamos trabalhando nisso, mas a sombra da árvore estará na pista.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...