Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

A Entrevista: Adam Clayton na Rolling Stone - Parte II


A Rolling Stone falou com Adam Clayton sobre o impulso para a 'The Joshua Tree Tour 2017', como o show será estruturado, se os fãs podem esperar ouvir raridades e o que está acontecendo com o álbum 'Songs Of Experience'.

Deve ser difícil fazer um setlist, havendo tantos álbuns e certos membros da plateia que só conhecem os grandes sucessos e depois há os fãs hardcore almejando raridades. Satisfazer os dois ao mesmo tempo deve ser difícil.

É difícil. Se percebe rapidamente quando você está lá em cima que existem esses dois tipos de músicas. Existem as músicas com amplo apelo de massa, que as pessoas reagem de uma forma instintiva. Acho que isso é o que as canções de sucesso são. Então há, como você diz, o lado mais intelectual do que eu chamaria de "canções de quarto" que as pessoas têm um relacionamento pessoal e íntimo com elas, mas que não partilham isso com o resto do mundo. Eu acho que nós sempre tentamos caminhar na linha entre ter esses grandes momentos emocionais que são muito mais sobre o que está acontecendo no meio do multidão. A canção desencadeia a experiência que as pessoas estão tendo na multidão e então as outras músicas que podem puxá-las de volta ao palco e eles são sobre a música que está acontecendo no palco e o público pode participar nisso.

Eu disse para o The Edge que as duas músicas que os fãs estão sempre falando são "Acrobat" e "Drowning Man". Vocês nunca tocaram nenhuma das duas. Você acha que nunca serão tocadas?

Nós ensaiamos uma versão de "Drowning Man" para a turnê 360°. Eu acho que nós a ensaiamos até o momento em que estávamos ensaiando em estádios. Acho que em algumas conversas com nossos fãs, eles nos disseram isso. Acho que no fim parecia realmente uma música obscura a apresentar para um público de estádio. Mas tem algo. Realmente tem alguma coisa. O que estávamos fazendo com ela foi bastante interessante, mas instintivamente você sabe que não vai funcionar para o público em um estádio. Poderia funcionar em um pequeno club porque... remete mais diretamente ao 'War'. Provavelmente não é muito conhecida, mas é uma bela peça musical, muito sugestiva. Talvez haja uma maneira de colocar ela no setlist.

E quanto à "Acrobat"?

"Acrobat" é uma engraçada. Há muita raiva. Novamente, eu acho que quando estávamos planejando originalmente aquela turnê, era apenas uma música de muitas deixadas de lado de Achtung Baby, mas talvez haja uma maneira de trazê-la de volta. Talvez não para esta turnê. Acho que vamos ter que alinhar tudo, em um grau, o que é pré – The Joshua Tree e, em seguida, The Joshua Tree. Então depois de The Joshua Tree, talvez Achtung Baby seja de um calibre muito grande, mas quem sabe como será seu peso quando começamos a planejar um show de estádio com duração de duas horas e meia.

Vocês já conversaram sobre fazer um show para fãs em um teatro ou um clube anunciando tocarem apenas as canções obscuras?

A coisa é, se estamos procurando ideias inovadoras, ideias diferentes para se reconectar com o nosso público, acho que todas essas coisas são válidas. Mas ainda estamos trabalhando muito bem com novos materiais e esse é nosso foco. Esta foi apenas uma oportunidade para dar um passo para o lado e honrar o The Joshua Tree. Eu acho que quando todo mundo viu isso como algo que poderia seguir em frente, houve grande impulso e emoção dentro da banda, mas eu acho que este é um passo que não faz realmente parte do nosso idioma. É algo único nós estarmos escolhendo este ano para fazer isto.

Você acha que se vocês lançassem hoje "With Or Without You" como um single, seria um grande sucesso ou a rádio mudou tanto que não funcionaria?

Acho que ela poderia ser lançada. Acho que teria que transformar o vocal em Melodyne. Acho que você teria que comprimir e programar as faixas de ritmo. Eventualmente, você conseguiria algo que soa familiar no rádio e teria que pesquisar bem e assim você poderia obter um pouco de impulso e poderia ser um sucesso. Mas acho que se você lançasse ela, do jeito que é, iria se perder no barulho e na bolha desse som particular que é popular no momento.

É possível para uma banda de rock de 40 anos na estrada, marcar um hit no clima onde a maioria dos artistas pop estão em seus primeiros 20 anos?

Sabe, eu acredito que é possível. Não sei qual é a fórmula específica, mas eu nunca estive mais consciente de qualquer outra época, que não importa onde eu estou no mundo, e não sei o por que, eu continuo ouvindo faixas do Fleetwood Mac. Eu penso: "porque é que essas canções têm pernas tão grandes e fortes?" Claro, eles eram populares naqueles dias. Eles eram muito universais em termos de letra, mas havia algo sobre o som que não era necessariamente o som clássico desse período. Eles tinham seu próprio som único e parece ter sobrevivido a música pop destes dias.

Sim. Acho que "Every Breaking Wave" está entre as suas maiores canções. Se ela tivesse sido lançada em um período diferente, teria provavelmente sido um enorme sucesso. Parece que este é um mundo diferente agora.

Sim, é. A conexão emocional com canções [é] diferente porque as pessoas não pensam nelas como partes de álbuns. Eles não pensam nelas como estilo de vida. Eles não as vêem como identificação de quem eles são. Vivemos em um mundo onde essas músicas são descartadas e elas circulam ao redor e elas tem valores para as pessoas de forma diferente.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...