Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Dossiê iNNOCENCE + eXPERIENCE 2015 - Parte II


O palco percorreu o comprimento da arena e foi dividido em três seções: um segmento retangular que foi iluminado como um "I" para representar a "Inocência"; um palco-B circular menor que foi iluminado como um "e" para representar a "Experiência"; e uma passarela de ligação para representar a transição entre os dois temas.
Um telão retangular e extenso conhecido como "The Cage" foi suspenso acima e paralelamente à passarela. A estrutura, fornecida pela SACO Technologies em conjunto com a PRG Nocturne, contou com grandes telas de LED nos dois lados medindo 96 pés (29 m) de largura por 22,5 pés (6,9 m) de altura, cada uma composta por 240 painéis de vídeo semi-transparentes SACO V-Thru.
Uma passarela interior entre as telas de vídeo permitiu aos integrantes da banda realizarem performances em meio as projeções de vídeo. O telão foi originalmente projetado para ser 24 pés maior para coincidir com o comprimento da passarela, mas combinado com o já enorme peso do outro equipamento, teria tornado a turnê impraticável.
Devido à quantidade de espaço que cobriria a área de performance e os membros da banda no cenário, que muitas vezes se espalham pelo palco, um sistema de som frontal tradicional colocado em uma extremidade da arena foi considerado inadequado. O designer de som de longa data do U2, o velho Joe O'Herlihy, trabalhou com a Clair Global para repensar como criar um sistema de som de arena. Como resultado, sistema de som do U2 foi colocado no teto dos locais e disposto em uma matriz oval de 12 conjuntos de alto-falantes.
A banda esperava que a mudança melhorasse a acústica distribuindo uniformemente o som por toda a arena. Joe O'Herlihy disse: "Isso nos permite projetar a música sem ser muito alta."
Willie Williams disse que um efeito colateral positivo da deslocalização dos alto falantes foi a redução da poluição visual no palco.

A quantidade de potenciais áreas de desempenho no palco, bem como o tamanho da "Gaiola" de vídeo, ditou o sistema de iluminação. Três treliças foram suspensas sobre o palco principal acomodando apenas 16 dispositivos elétricos de iluminação, com treliças adicionais longitudinalmente seguindo o limite do chão da arena. Os dispositivos elétricos mais utilizados foram PRG Best Boys e Bad Boy. Desejando minimizar a quantidade de dispositivos elétricos utilizados, Willie Williams os escolheu por causa de sua saída e alcance de distância. Devido à falta de um tradicional "Front of House" para a cenografia, Williams estava preocupado como lidar com os holofotes, mas estabeleceu-se sobre o uso de um anel de treliça dos holofotes Bad Boy com os bulbos mais brilhantes que podem ser usados sem derreter. A iluminação do palco principal era para evocar um clube de punk rock da década de 1970 e início de 1980, um tempo e lugar que forneceu a configuração temática para o início dos shows da turnê iNNOCENCE + eXPERIENCE.

Os concertos foram gravados digitalmente por 28 câmeras HD, ambos operados manualmente e por robótica, coletando cerca de 500 gigabytes de áudio/vídeo por hora — aproximadamente 1 terabyte (TB) por show. Para lidar com suas necessidades armazenamento de dados, o U2 utilizou vários produtos da EMC Corporation, sendo a primeira vez que a empresa teve um cliente musical.
Para descompactar gravações de arquivo e acessá-los on-demand durante a produção dos shows, o pessoal da equipe usou uma unidade de armazenamento flash portátil VNXe3200 EMC que vale cerca de US$ 25.000. Ele foi configurado com 22,9 TB de armazenamento... mas era expansível até 450 TB.
Após cada show, funcionários da equipe usavam um sistema EMC Data Domain 2500 para fazer backup das gravações; com armazenamento de até 6,6 petabytes e uma produtividade horária de 13,4 TB, o sistema Data Domain poderia concluir um backup todas as noites antes da equipe da turnê desmontar o palco.
Em turnês anteriores, o U2 utilizou unidades flash USB para armazenamento. Devido à necessidade de carregar vídeos em tempo real para usar nas telas de vídeo do palco, todo o armazenamento foi colocado em rede, como uma configuração de armazenamento em nuvem teria aumentado a latência. A solução EMC satisfez certos requisitos ditados pela banda, tais como: mobilidade através de um PC montado em um case que é carregado sempre junto com a banda; armazenamento expansível; e a capacidade de lidar com enormes arquivos de gravação vindos de muitas câmeras.

Várias outras pessoas estiveram envolvidas na produção da turnê. Sparky Risk e Alex Murphy servindo como diretores de iluminação. Jake Berry reprisou seu papel como gerente de produção de longa data das turnês do U2. Também no staff o diretor de vídeo Stefaan "Smasher" Desmedt e o produtor de conteúdo de vídeo Ben Nicholson. O set foi construído pela Tait, e a iluminação foi fornecida pela PRG.

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...