Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

sexta-feira, 29 de abril de 2016

1979: A Grande História Da Inocência - Parte 15


Em 5 de dezembro de 1980, o U2 fez seu primeiro show em Nova York para uma platéia que contava com vários executivos da Warner Brothers, licenciada americana da Island Records. O clímax de uma turnê de degustação de 10 dias, o show não deixou uma posição muito clara, mas a banda em uma posição forte. Tendo um acordo com Frank Barsalona, agente de concertos da grande Premier Talent, cujos outros clientes incluíam The Who e Bruce Springsteen, Chris Blackwell efetivamente apostou uma grande parte de sua reputação nas perspectivas do U2 ao vivo nos EUA. Apoiando depois mais uma turnê de 3 meses pelos EUA no início de 1981, o chefe da Island deixou bem claro que suas novas contratações estavam preparadas para trabalharem mais do que a maioria de seus colegas britânicos, para rachar o maior mercado de música do mundo.
"Este era o diferencial da Island", disse Chas De Whalley. "Não teve sua própria operação dos Estados Unidos, passou pela Warner Brothers, mas isso foi percebido como uma fonte fantástica de novos talentos realmente bons do Reino Unido. Eles tinham lançado Roxy Music, Bob Marley, King Crimson ao longo dos anos, então sua atitude foi: se Chris Blackwell diz que esta banda é boa, vamos dar-lhe uma chance. O U2 então teve shows nos Estados Unidos durante a segunda metade de 1980 e 1981 sem sequer ter tido um hit no Reino Unido, algo que ninguém jamais conseguiria sem ter assinado diretamente com a CBS ou EMI."
Rob Partridge descreve a amplitude da ambição americana do U2 como "incrivelmente perspicaz... eles não estavam tocando apenas nas tradicionais NYC e Los Angeles – muitas bandas britânicas se seduzem pelos grandes reviews de Los Angeles e pensam que já conquistaram a América. Enquanto isso, o U2 estava subindo e descendo pela América, fazendo shows para 200 pessoas em uma primeira vez, e talvez para 1.000 pessoas na próxima. Isso foi absolutamente crucial para seu sucesso, e eu não acho que qualquer banda britânica tem feito isso desde então."
Nick Stewart concorda. "Eu sempre disse a eles que se conseguissem ser grandes em Des Moines, iriam quebrar tudo. Porque esses lugares são muito conservadores."
E conservadorismo certamente era a arma secreta do U2 na América do início dos anos 80. Suas raízes cristãs, com alguma rebeldia, os ajudou. A morte violenta de John Lennon aconteceu apenas três dias após a estréia do U2 em Nova York.
O novo amanhecer da era Ronald Reagan na América, a moralidade puritana, o patriotismo temente a Deus, certamente parecia em sintonia com os roqueiros de vida aparentemente limpa, castos, livre de drogas. Especialmente porque, como irlandeses, seu otimismo escancarado fazia muito mais sentido para aquela América livre de ironia, do que qualquer número Brit das bandas com moda de cortes de cabelo e seu cinismo de escola de arte.
Enquanto eclodir na América era provavelmente o maior fator na ascensão do U2 ao estrelato, outra peça de seu arsenal veio naquele anos 80. Rob Partridge lembra um fatídico encontro em 1982 com o homem que iria transformar e moldar a imagem da banda até os dias atuais: o "mestre holandês", Anton Corbijn.
"Levei Anton para New Orleans para fazer uma reportagem de capa para a revista NME em 1982", diz Partridge. "Eles estavam tocando num barquinho para cerca de 400 pessoas, e a grande atração do barco era que ele flutuava subindo e descendo o Mississippi, então os jovens poderiam fumar maconha no convés superior com pouca probabilidade de serem apanhados. O link com Anton foi absolutamente instantâneo. A banda é muito perspicaz e tinham visto suas fotos na NME. Eles tinham uma estética sobre eles, que apelou para o U2. E que progrediu para que Anton fizesse cada foto desde então, fazendo também seus vídeos e essencialmente, tornando-se consultor cultural para a banda."

Revista Uncut - Dezembro de 1999
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...