Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Por trás do curta metragem 'Every Breaking Wave', de Aoife McArdle - Parte 02


The Creators Project: Every Breaking Wave

Para cinematografia, Aoife McArdle virou-se para pinturas para dicas sobre como usar luz e cor para realçar a história e o personagem. "Estranhamente, eu estive olhando um monte de Max Ernst novamente. Principalmente devido à forma como ele usou a cor amarela", ela diz. Ela admirava como o amarelo de Ernst estalava em suas representações de ambientes sombrios. E Edward Hopper, ela acrescenta, que pinta com uma estética "subexposta", usando cores vivas para representar noir. Da mesma forma, ela acentua o efeito em seus próprios filmes quando cores nivelavam a peça final, afirmando: "Eu gosto quando você realmente não pode ver os rostos das pessoas porque acho que ficam mais enigmático. Devolva-lhes o mistério depois." Outros pintores que influenciaram significativamente a estética de seu trabalho incluem Francis Bacon, George Shaw e o cineasta Alan Clarke.

Ela queria a história fictícia tendo um ar de realismo, que significava um elenco com atores de rua e filmagens na Irlanda do Norte. Para o garoto líder, ela procurou por alguém que parecia durão, mas que também pudesse mostrar um lampejo de vulnerabilidade. "Eu estava andando pela rua e vi esses dois garotos só curtindo, fumando cigarros do lado de fora da Câmara Municipal em Belfast. "E eu pensei que um deles tinha os olhos mais cativante e um rosto interessante", diz ela. Ela o persuadiu para uma audição e lançou-o como o líder. O resto dos personagens são todos interpretados por jovens que são nascidos e criados em Belfast. Quando a gravação do curta começou e progrediu, McArdle observou que eles progrediram de forma brilhante, e pegaram de suas próprias vidas e emoções de ter crescido no rescaldo. "Um deles falava: 'Sim, eu acho que eu vou ser cabeleireiro porque minha mãe tem um salão de cabeleireiro.' E eu disse: 'não, você não será, você vai ser um ator', diz ela.

Por ter crescido perto de Belfast, McArdle já sabia os pontos em que ela queria filmar a história dela, tais como a área desolada do enorme estaleiro de Harland e Wolff: "é um lugar bastante emotivo em muitas maneiras. Em um ponto foi uma próspera indústria na Irlanda do Norte e depois caiu no esquecimento, uma das vítimas da depressão econômica." As gruas amarelas e maquinaria industrial no vasto deserto de concreto ajudaram a criar um ambiente bonito, poético, acrescenta ela.

A mais emocionalmente desafiadora cena foi a final, diz McArdle, inspirada por episódios como Bloody Friday, uma campanha de bombardeio de 1972 pelo Provisório Exército Republicano Irlandês, depois de um colapso das negociações com o exército britânico. "Você está gravando com pessoas que já viveram isso também, e torna-se esta coisa incrivelmente emocional", ela diz. "Há algo bastante catártico sobre isso." Para impregnar a cena com autenticidade, ela concentra sua própria memória em outro dia, 15 de Agosto de 1998, quatro anos após o cessar-fogo temporário do IRA, quando um grupo dissidente que se opunha o acordo de Good Friday (Belfast) e se chamavam de o "IRA verdadeiro", explodiu um carro bomba, matando 29 pessoas e ferindo mais de 200. McArdle, que na época era uma adolescente, estava em Dublin quando ela ouviu as notícias sobre o atentado de Omagh. Embora seu irmão mais novo tivesse escapado por pouco da explosão, com apenas cortes de vidro estilhaçados, ela sabia que muitos amigos e vizinhos não tiveram tanta sorte.

Pós cessar-fogo, o nível de violência nem de longe é o que costumava ser, diz McArdle. Mas porque o conflito é uma ferida que só muito recentemente cicatrizou, a memória dela ainda perdura "como uma ressaca." No entanto, de suas visitas a Belfast, ela observou o processo de cicatrização, vendo como os jovens estão progredindo e estão dispostos a ir contra o passado, apesar das pressões de pais e avós.

Após uma longa estadia em Londres, McArdle planeja voltar para Belfast este ano para trabalhar em seu primeiro longa-metragem. "Um monte de filmes na Irlanda do Norte não são filmados na Irlanda do Norte, o que é bastante estranho. Muitas pessoas se sentem como se fosse muito perto do osso em ir lá. Ou sentem muito medo de ir lá. Não sei porquê."
Embora Belfast possa ainda ser economicamente desfavorecida, com muitas pessoas indo embora porque elas não podem encontrar trabalho, McArdle acredita que é um território maduro para contar histórias e cinema. "É bom ser capaz de trazer qualquer projeto de volta para lá, e sinto-me muito apaixonada em fazer filmes lá."


CREDITS
Director: Aoife McArdle
Producers: Nick Goldsmith, Chris Martin
Executive Producers: Sally Campbell, Tim Nash, Tash Tan
Production Company: Somesuch
U2 Creative Director: Jefferson Hack
MAD Agency Representative: Christina Hardy
Lead Cast: Josh Thompson, Emily Lamey, Jay Andrews, Rory McDonald-Watson, Oran French
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...