Anúncios

Ainda Não Encontrou O Que Procura? Pesquise Aqui!

quinta-feira, 30 de abril de 2015

Contagem regressiva para iNNOCENCE + eXPERIENCE - Parte 2


Matéria do site The New York Times, e nesta segunda parte, Bono fala sobre sua recuperação após o acidente, a gravação de um documentário sobre a turnê, as gravações do próximo disco, revelações sobre títulos de novas músicas e grandes revelações sobre os ensaios em Vancouver e sobre como será a turnê que começa em 15 dias:

Kevin Weatherly, vice-presidente sênior de programação da Rádio CBS e diretor de programação da KROQ, em Los Angeles, previu: "A turnê está rumando para despertar muito interesse. Quando tudo for dito e feito, as pessoas irão revisitar o álbum. Qualidade vence."
Apesar do álbum gratuito, as vendas da versão física "Deluxe Edition" do álbum, que teve canções acrescentadas, chegou ao Top 10 da Billboard. Nielsen SoundScan, um sistema de informação que faz todos os levantamentos de vendas de música e vídeo, diz que 101.000 cópias (muito provavelmente um número errado) do álbum foram vendidas.
Durante a promoção do álbum em rádio e TV, e pouco antes da banda ter uma semana toda no 'The Tonight Show Starring Jimmy Fallon' para falar da turnê que estava planejada desde 2013, Bono sofreu um grave acidente de bicicleta no Central Park, teve diversas fraturas e passou por cirurgia.
"Realmente cheguei a pensar que minha cabeça era mais dura do que qualquer superfície que entrasse em contato, mas não penso mais. Eu não estava em uma Harley-Davidson. Estava em uma bicicleta e eu me destruí em pedaços. Não existe glória nisso", disse Bono no backstage.

No palco no Coliseum, Bono trabalhou o espaço com a segurança de um vocalista de longa data, muitas vezes usando sua mão esquerda para agarrar o microfone ou para apontar o dedo para o céu. Mas ele ainda está se recuperando. "Parece que eu tenho a mão de outra pessoa", ele disse. Apontando para o seu dedo mindinho enfaixado e roxo, ele disse: "Eu não posso dobrar aqui e aqui" - apontando para uma outra parte de sua mão — "é como rigor mortis. Mas dizem que os nervos curam cerca de um milímetro por semana, e em cerca de 13 meses devo saber se isso vai voltar ao normal." Ele apontou para seu antebraço e cotovelo. "Aqui está todo dormente, e este foi colocado titânio", ele disse. "O ombro está melhor, o rosto está melhor."
Ele segurou a mão dele novamente: "Mas esta é a parte difícil, porque não posso tocar guitarra", ele disse, então olhou para os outros membros da banda. "Eles não parecem se importar" ele disse com um meio-sorriso.

Na semana passada, o U2 estava explorando sua nova configuração de arena com sua equipe de produção experimentado efeitos e visuais, seguidos de reuniões que dissecavam todas as possibilidades: uma seção de cordas para baladas? Imagens de vídeo ou campos de cor? Como reduzir um longo setlist?
Bono foi o que mais falou, mas era óbvio que o U2 estava determinado a trabalhar por consenso, pesando cada ideia com todo o respeito. "As músicas são o chefe. Elas nos dizem o que fazer e elas dizem para todo mundo neste edifício, o que fazer", disse The Edge durante uma reunião no jantar. "Nós só temos que descobrir o que as canções estão perguntando e nos dizendo o que fazer."
A ideia inicial era tocar dois shows completamente diferentes, mas o U2 ficou preocupado em deixar grandes canções de fora ou ter fãs achando que eles estiveram no segundo melhor show. Em vez disso, desde a semana passada, planejam algo diferente: ter uma primeira parte relativamente fixa e apresentar variações na segunda parte, separados assim, pela primeira vez em uma turnê do U2, por um intervalo (intermission).
A banda também planeja trabalhar todo o espaço. Correndo quase todo o comprimento do piso do Coliseum estava uma plataforma tripla do U2: um grande palco retangular (uma faixa que poderia acender como um "I" para Inoccence), um palco menor ("E" de Experience) e, entre eles, uma passagem que é grande o suficiente para se tornar uma terceira fase, às vezes imprensada entre os telões de LED. "Aqui eles estão em uma arena, e queremos colocá-los no colo da platéia", disse Es Devlin, a designer de produção.

A inovação mais marcante da turnê não é imediatamente óbvia. O U2 mudou seu sistema de som para o formato de arena: uma forma oval de 12 conjuntos de alto-falantes que envia a música para baixo uniformemente em todos os lugares na arena. Jon Pareles do NYT diz: "Quando eu andei ao redor do Coliseum com a banda tocando, a música era uniformemente clara e forte, volume constante da frente para trás."
"Se você está tentando levar o som do comprimento do local para o palco, o local às vezes ganha e você fica na lama", disse The Edge. "Com isso, você não tem que tê-lo tão alto — você está conseguindo boa qualidade de som de algo que está muito mais perto de você do que o normal."
A banda chama a passarela de divisor do palco, porque é isso que ela faz no meio do concerto — tornando-se uma barreira que separa o público completamente. A divisão é parte da narrativa subjacente do concerto, uma passagem da inocência para a experiência, impulsionada por memórias irlandesas.
'Songs Of Innocence' é o álbum mais especificamente autobiográfico do U2. No início do concerto, a banda é iluminada por uma lâmpada balançando de forma solitária, como Bono estando no quarto na Cedarwood Road 10, onde ele começou a fazer música. Há uma outra ideia também, Bono explicou: "depois de toda a escala e escultura da 360°, para começar a próxima turnê com apenas uma única lâmpada."

Obs. Será que então, "Cedarwood Road" será a canção de abertura?

O concerto terá um ponto de transição sombrio — "o fim da inocência", como Bono chama — com "Raised By Wolves" sendo a última da primeira parte, uma canção do álbum sobre um atentado terrorista de um carro bomba em Dublin que matou 33 pessoas em 17 de maio de 1974. "Nós crescemos em uma cultura onde o terrorismo aleatório foi um horror. Agora é parte da vida quotidiana em todo o mundo", disse Gavin Friday, um dos amigos de infância de Bono que liderou a banda pós-punk Virgin Prunes na década de 1970, e que há muito tempo trabalha com o U2 nos cenários, áudios e visuais dos shows. No Coliseum, Gavin e o engenheiro de som estavam montando uma colagem com áudios de explosões, discursos e relatórios de notícias sobre o bombardeio de 1974. "A maneira como o álbum foi lançado, a Apple ofuscou a coisa toda, então o álbum nunca foi ouvido", ele disse sem rodeios. "Me disseram para fazer a canção realmente real".
No intervalo, Bono disse, meio sério: "pessoas caminharão para fora para os corredores não para comprar camisetas, mas com aqueles conselhos, irão se perguntar 'para onde foi a diversão?' "A segunda metade do concerto rompe a divisão e, fiel ao passado do U2, promessas de cura e amor." Quando nós desfazermos essa barreira, temos que reconectar as coisas", disse Bono.

Os bastidores no Coliseum formam um emaranhado de atividade: construção, programação de vídeo, edição de som, alimentação, uma sala de ensaio com um outro conjunto de instrumentos. Uma equipe da HBO estava filmando um documentário da turnê. E havia mais uma coisa especial em um canto: gravações, com uma configuração de estúdio móvel. Lá, o próximo álbum do U2, 'Songs of Experience', está tomando forma.
Durante o tempo forçado de inatividade após o acidente, Bono tinha escrito canções, às vezes com um guitarrista tocando os acordes que ele não podia. "No final de um álbum você está no auge de seus poderes em termos de composição, arranjos e performance", disse The Edge. "É uma pena que você tem que parar, e então começar outra fase do que fazemos, que é tocar ao vivo. Desta vez realmente não paramos. Bono está tentando capitalizar esse momento e essa nitidez." Novos produtores se juntaram ao U2 em Vancouver, incluindo Andy Barlow do grupo eletrônico Lamb, que trabalhou em novas canções que estão em andamento, com os títulos de "Red Flag Day", "Civilization" e "Instrument Flying", como Bono com entusiasmo canta junto com ele mesmo. "Estamos mantendo a disciplina em canções e empurrando para fora os parâmetros do som", disse Bono. "São coisas muito básicas, terrestres, irreverentes. Não são temas grandiosos. Uma das coisas que a experiência nos ensinou é de estar totalmente no momento. O que é o momento? Música pop."

O U2 tem uma tour para se mobilizar. "Em 14 de maio nós vamos descobrir se o álbum foi bem trabalhado e se o experimento funcionou", Bono disse. "Se as pessoas conhecerem as letras e sentirem aquelas músicas, então o experimento deu certo."
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Blog U2 Sombras e Árvores Altas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...